terça-feira, 18 de setembro de 2007

Dos Livros para as Telas


Depois da Bienal, chegou a vez do Festival de Filmes Rio 2007, e hj começaram a vender ingressos. Assim, peguei o metrô até Botafogo e fui com o intuito inicial de comprar ingressos para os quatro filmes que mais me interessaram, depois de extensa peneira. Lá chegando, peguei a senha (isso mesmo) de número 335. Estava no 170. Enqto isso, confirmava, no jornal ki recebíamos, o código dos filmes ki keríamos assistir,dia , hora, etc.Chegando no guichê , a surpresa: dos 4 filmes ki eu keria, apenas 2 eu consegui entrada; o restante, "não entrou no sistema",me informou o atendente. Segundo ele, poderia entrar "tanto em dez minutos" qto "só amanhã". Fikei pensando como hj em dia tá tudo ligado na rede. Se a mesma cair, dizem ki "caiu o sistema". Se alguém deu furo (como no caso, pois deveria estar tudo ok ) simplesmente "não caiu no sistema". Já sei a desculpa pra qdo não kiser falar com algum mala qdo ligarem lá pra casa, e minha mãe me chamar, direi a ela ki "não entrei no sistema"-assim não posso ser chamado...O mala vai entender. Qdo ligarem pro meu cel, e eu ver ki é um mala, abro e fecho o meu "flip" e assim, simplesmente, posso dizer ki... "o sistema caiu"! Isso não é lindo?Os únicos filmes ki "o sistema" deixou eu ver, por enqto, são:Hairspray, com John Travolta, sábado, ás 14h; e Um Táxi Para Zigzigland, segunda, ás 16h. Isso por enqto...vamos ver o kê Mr."Sistem" vai liberar pra mim depois. Ou mesmo se eu vô ter saco pra ver se ele liberou alguma coisa. Essas coisas de cultura ás vezes cansam e dão trabalho...ainda mais qdo num tão "no sistema!!