sábado, 8 de novembro de 2008

Lembre-se que só devemos adorar a Deus, e que o único que não pecou foi Jesus, pois todos são pecadores



As pessoas tem uma fascinação incrível por quem está em destaque.
Quando isso ocorre, esqueçemos que aquela pessoa é de carne e osso.
Isso acontece muito no chamado meio 'evangélico' (termo que pra mim se tornou pejorativo, eu sou de formação protestante, tem todo um contexto histórico de lutas contra injustiças, etc. O termo atual coloca Universal e outros aproveitadores no mesmo saco).


Veja por exemplo agora, o Billy Graham, com o projeto 'minha esperança', na tv.
Ele veio algumas vezes aqui no Brasil, e numa das vezes, criança, eu estava lá.
Lembro que apesar de novo, num me senti muito á vontade. Hoje entendo o por que.
As pessoas da igreja, ao longo dos anos, acabaram por 'endeusar' um evangelista.
Billy, que hoje completa 90 anos, para muitos, é o retrato da perfeição, de alguém que não se 'manchou' ao longo da vida, um exemplo de pastor incorruptivel, de bom pai de família, etc.
Essa foi a ideía transmitida e aceita por todos, até hoje.


Não é minha intenção aqui 'malhar' o que ele faz – eu sei que a pregação dele alcançou milhares de pessoas, que foram transformadas, que mudaram de vida.
Só estou mostrando como devemos focalizar nossa admiração em Deus- e só nele, e quando não o fazemos, achamos que todos em destaque são pessoas acima do 'bem e do mal'.


A começar, o velho Billy é maçom, algo incompatível com um pregador. Ele sempre se desviou dessa pergunta, e quando confrontado, era evasivo, ou só negava sem ênfase.
Billy é das lojas maçônicas de Michigan e de Louisiana, e quando foi descoberto, apagaram seu nome dos registros para 'preservá-lo' (os maçons se ajudam, claro).
Billy foi patrocinado pela indústria do petróleo, no auge de seu ministério, que era visto pelo governo americano como uma das 'armas' contra a guerra fria (EUAx Comunismo).
Ou vc acha que ele foi amigo de todos os presidentes americanos até hoje só por que ele é 'bonzinho'?


E por que não convidaram outros pregadores americanos ao longo dos anos para fazer a oração na hora da posse presidencial? Por que Billy era do sistema.
Vaidoso, adorava aparecer nessas horas, e ter fama de 'amigo de presidentes' país afora.


Billy perseguiu o ministério de John Haggai, de formação de lideranças, por puro ciúmes, já que Haggai começava a se destacar, inclusive treinando chefes de estado de países emergentes.
'Estrela', só ele podia ser.


Outro mito que caiu ao longo dos anos, foi a questão, dada pelos seus 'admiradores', de que sua família era um exemplo de família perfeita.


Família de pastor, vou escrever sobre isso depois, é como qualquer família: tem problemas como todas as outras, pior até -mas é assunto pra outro artigo mais adiante.


Na década de 70, cinco anos depois de se casar, uma das filhas de Billy se divorciou. Se até hoje esse é um dos 'tabus' da igreja (e uma das grandes frescuras dela), imagine na época.
Franklin Graham, que aparece hoje também nesse projeto da tv e é tido como sucessor do pai, até os 43 anos rodava de moto sem rumo pelo país, bebendo, se drogando e cercado de prostitutas.


Quando viu que não ia arrumar nada na vida, redescobriu no sobrenome famoso uma maneira certa de não lhe faltar renda.
Por isso não vejo nada desse projeto, e se vc disser algo contrário a eles, é remar contra a maré, nego é capaz de te bater.
Que eles preguem a palavra- mas que ninguém fique 'adorando-os', colocando-os acima de qualquer suspeita.
Nem com eles, nem com ninguém.
Pois adorar, só a Deus, e sem pecado e perfeito, só teve um: Jesus.


Lee