terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Missão impossível: Meus finais de Ano


Em boa parte de minha vida, sempre tive um grande dilema nesse último dia do ano.

Mas isso nunca foi provocado por mim...

Explico: na maioria das vezes, estive dentro de uma igreja quando virava o ano.
Algumas vezes foi legal, outras razoável, e em algumas, 'sem graça'.
Só por umas duas vezes, talvez, não passei em igreja, não pisei lá sequer antes.


Bem, como tenho dois tipos de leitores, os que são e não são de nenhuma igreja, preciso
explicar o contexto, para que fique bem entendido.

Cultos de Natais e Ano Novo, em teoria, são os mais “importantes” do mês de Dezembro:
Não existe Pastor ou Padre que tiram férias nesse mês.

O que se entende, por exemplo, no culto de Ano de novo, é que vc vai “adentrar” um ano, na presença e Deus, por isso vc vai até a casa Dele.
Nesse pensamento, ok, pois a maioria da igreja passou o ano 'juntos', e aí se prepara para uma 'nova jornada'.

O grande problema foi que, certos Pastores, ao longo do tempo, se especializaram em botar “cabresto (peça de couro pela qual se puxa ou se amarra o cavalo ) de medo” nas pessoas da congregação,se estas não comparecerem: desta vez, se utilizando do pior controle religioso que existe, o medo.

O 'não comparecer' aqui, se aplicava a quem ficava em casa com amigos e parentes, ou iam as festas de fogos de artifício que existem em todas as cidades do mundo, de Sydney na Austrália, Nova York, Londres, e até aqui no Rio, em Copa, onde são esperadas 2 milhões de pessoas: Vem sendo considerada uma das maiores do mundo.
Na cabeça de alguns Pastores, se vc passar passar o Ano Novo com a família e amigos sem ir a igreja, ao qual a pessoa foi durantre o ano inteiro, é errado, eles não gostam, e já vi muitos insinuando isso como 'pecado'- como se vc estivesse 'traindo a Deus' no último dia.
Talvez por que eles são 'obrigados' a estarem ali...não sei.

Mas o pior mesmo, é quando sabem, por vc dizer, que vai passar o Ano Novo em alguma festa litorânea , vendo fogos de artifício que tem aqui no Rio, em Salvador, em Santos, etc... (tem também em Parati, Lalá? Kkk ).

Eles dizem que vc tá tendo parte com “festas mundanas”, que vc é “amigo do mundo e inimigo de Deus”, e por aí vai.

Como aqui no Brasil ainda tem a questão do “sincretismo religioso”, eles dizem que se vc vai a Copacabana, está homenageando 'iemanjá', que só tem 'macumba' na praia, etc.

Alguns dizem também que não é para usar 'branco', pois é a cor da 'macumba'.
Ora, quem criou todas as cores foi o próprio Deus! E cada uma delas tem um significado pra ele: o branco, significa a pureza, a santidade.
Não é por que um integrante de outra religião usa, que vou deixar de usar.

O Apóstolo Paulo deixa bem claro que vc é livre para ir, estar, e fazer o que quiser.
O que ele diz, é que algumas coisas não são convenientes – e que essas coisas não convenientes, quem vai decidir é minha consciência – e não outra pessoa.
Por isso ele diz: “examine o homem a si mesmo” ( I Coríntios 11.28)

Ele não orienta ninguém a me examinar- ele diz que isso cabe a mim mesmo.

Bem, tendo em vista todo o quadro que vc leu acima, contarei das 'missões impossíveis' que fazia, para ver os fogos de fim de ano, que sempre gostei de ver, mesmo estando em igreja.
Quando dava 23.30h, já ficava ligado para sair da igreja e ir ou prum pátio interno da mesma, ou pra rua, dependendo da grei que estivesse na época.
Com o passar do tempo, reparei que 'mó muvuca' fazia a mesma coisa, especialmente os mais jovens.

O pior era quando vc tinha que driblar algum diácono de plantão (auxiliares de serviço eclesiástico)...vários deles já foram botar a turma pra dentro, muitas vezes debaixo de “chicotes moral- religiosos”...uma vez um falou” vcs querem ver a festa do diabo ou a festa de Deus?”, e por aí vai.

O pior foi certa vez que um Pastor, ameaçado de deixar o pastorado pela igreja (nesse caso, a grei tinha razão: ele era horrível, mesmo) e começou a “pregação” ás 23.20h, 'esculachando' todo mundo (tinha visitantes de fora)...dizendo que os 'insatisfeitos' que tinham que sair...
Aquela ladainha durou até meia-noite e meia, rompeu-se o ano, e as pessoas nem puderam se cumprimetar...nem eu fugir pra ver os fogos, com medo de ele dar chilique (eu era pré-adolescente) lá de cima...hoje, se alguém vier falar alguma coisa,mando pastar: “repreender o tolo, faz de vc mais tolo que ele”, disse Salomão, o mais sábio.

Não entendo certas coisas...Deus criou a família primeiro, antes da Igreja, que só veio mais tarde...no Natal, algumas igrejas insistem em botar o culto pro dia 24, onde geralmente as pessoas estão recebendo familiares em casa...

Ocupados com a comilança na cozinha, com crianças, e com um mundo de coisas...resultado: dia 24, na maioria das igrejas, estão sendo cultos vazios, pois a frequência vem diminuindo, vc não pode estar em dois lugares ao mesmo tempo...

Outras, querem comemorar o culto de Natal na noite do dia 25...quando ele está se encerrando, no apagar das luzes...frequencia baixa, também.

Esse ano, passei o culto de Natal num horário que vi pela primeira vez na vida: 11 da manhã...ótima idéia...a pessoa faz um esforço de acordar 'mais cedo',mas estava cheio, inclusive de vistantes com várias famílias de fora da igreja...deu uma da tarde, e só saímos com o encerramento do belo culto...parabéns a turma da IB de Ita, e ao Pr. Israel.

Comemorar esse dia na véspera, não dá muito certo- e na noite de 25, as famílias estão indo embora.

Bem, encerrando sobre o Ano Novo: desde o ano passado, consegui aliar as duas coisas que gosto: ficar uma hora no culto, e faltando 40, 30 min para a virada, ir ver os fogos na praia, que fica há uns 500 metros em linha reta da grei.

Não vou na areia, também tenho meu sistema de segurança: fico na orla, se alguma coisa “babar”, tenho área de escape. E geralmente o Bobs da Figueiredo Magalhães abre depois da meia-noite (é ruim de eu levar farofa, hein!).

Ano passado, encontrei alguns amigos, e ficamos batendo papo até 4 da manhã na pracinha perto da grei, longe dos tumultos, para onde eu os levei.

Num sei se vou repetir isso esse ano (a segunda parte), qualquer coisa entro no metrô, e volto para ficar revendo meus vídeos flashbacks de Ano Novo que postarei na sessão revival...rsss!

Lee, autorizado pelo Chefe a ir aonde quiser, desde que com consciência do que estou fazendo.