quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Rio Quente 3- Fugindo do Facão


Ontem, o metrô estava mais sujo do que galinheiro de roça...tava pior do que trem:

Todo imundo, encharcado de cerveja entre os assentos, e com muita,muita, areia.

Fui no paredão lateral, e dos seis lugares, apenas o meu e mais um ao lado estavam aptos para o assento...

Parecia um pedaço da praia, de tanta areia...poxa, quando eu saio de lá, tomo um banho de chuveirinho da praia, e muitas vezes, banho mesmo naqueles banheiros subterrâneos da orla...

Quem me vê, nem sabe que fui a praia, num carrego guarda-sol, essas coisas, só a bolsa...já teve vezes de ir de tênis, mas essa semana fui de havaianas.

Seria coincidência dizer que a maior parte da muvuca desce no Estácio pra pegar a linha 2 e ir para o subúrbio?

Ou dizer que boa parte da turma que encheu o metrô, indo ao carnaval, era da favela?
Ah,mas tinha muito porco da zonal sul também...enfim, xá pra lá...

A verdade é que o metrô, que rodou até ontem no sistema de 24 horas, não tinha pessoas e nem estrutura para isso: a prova foi a camelotagem antes nunca vista, e a sujeirada, batucada, etc, sem nenhum segurança, na parte da manhã.

Sou a favor do metrô 24 horas: Nossa cidade, assim como Nova York ( nosso metrô é melhor que o deles) e Paris, é turística, e lá o metrô deles é 24h.

Enfim, pra fugir da muvuca, desço no Cantagalo, dessa vez...

-Aee, chegou cedo hoje, disse o Mauro...
- Tô na área, e o cumprimento...pude reparar que a mulher dele (a oficial), estava na barraca hoje...será que o Mauro chegou muito atrasado em casa, ontem?

Esse negócio de “dar duro no trabalho,” ás vezes, faz perder a hora...ela tava com cara de poucos amigos.

Assim, ele me “instala” em um ponto legal, bem de frente ao mar...

Começo a passar o Sundown, com a dificuldade habitual das costas....ainda bem que Lalá já está voltando.

Na parte alta da medula localizo uma espinha, mas num sei em qual o grau de extrabilidade ela se encontra...ainda bem que Lalá já está voltando.

Hoje, finalmente tenho tranquilidade para meditar:

Não tem nenhuma mulher acompanhada me secando, pelo menos ali na praia.

Ver o mar, sentir cheiro de ar puro, estar em contato com a natureza criado pelo Chefe, já foi fruto de várias reflexões, muitas delas postadas aqui...

Por isso gosto de ir até lá, mas devido aos fatos ocorridos nos capítulos I e II de minha trilogia praiana, isso num foi possível.

Ouço sotaques de uma família mineira perto de mim...

Observando os turistas nesse carnaval, tanto os nacionais quanto internacionais, vejo que a convivência pacífica é possível em qualquer lugar e período -não só em carnaval ou festas- basta querer...até mesmo em Gaza.

Por que aqui no Saara (centro comercial do RJ) árabes e judeus são vizinhos de loja, se falam e convivem bem? Por que quiseram...nem em Nova York eles se cruzam.

Desde o metrô, o calçadão, na praia, e até na lan que entrei pra ir ao banheiro na saída (que parecia uma torre de babel), todo mundo numa boa.

Esqueci de comprar o jornal, eu vou até a rua, deixando as coisas com Mauro, pra ver se acho um JB...mas tá tudo fechado...

Pergunto a um gari se ele sabe se tem uma banca 24hs por ali...ele me mostra uma rua onde tem, ali perto.

Só tinham 4 JBs...consegui...e ali em frente, descubro uma padaria que serve refeição, entro, faço a inspeção, e decido que é ali que vou rangar na saída...

Já na praia, o mate com galão (aquele mesmo, cê já sabe), com o JB na mão.

Leio mais as notícias pós-oscars, o resto é só carnaval.

Dessa vez decido não dar minha caminhada...iria me atrasar, tô com fome...

E se fosse em direção ao Marriot, correria o risco da loirinha holandesa estar por ali, bem á vontade...acho que Lalá não iria gostar gostar disso...iria?

Assim fui até a Miguel Lemos, na Panificação Rio Paraná, 17A, bater o meu rango...

O preço é mais em conta, e tem uma variação razoável no self-service, apesar de ser apertado e não ter ar, vc fica numa varanda.

E foi ali no meu rango que tive o mesmo problema que tive na praia, nos dias anteriores.

Na longa mesa da frente, a garota ao lado do cara, além de sacar, fez sinal com os olhos para a amiga que estava na frente dela.

A burróide da amiga olhou direto, se virando,chamando a atenção do namorado da que deu o "toque."

O cara ficou reparando até ver que a namorada dele tava sacando...começou.

A essas alturas, eu já tava quase com a cara enfiada no prato- e tava sem Stallone Cobra nos olhos...

Sessão Revival pergunta:

Por que só mulher acompanhada de marido/namorado me dá mole?

Apontando o Caminho responde:

Tirando as assanhadas por natureza, boa parte delas é mal amada...ás vezes, dá pra perceber pelo jeito grosseiro do cara, do modo como trata elas,outras vezes, pela frieza ou indiferença deles.

Tá certo, um cara de 1,86m com 100 kg talhados pela ginástica natural do Jiu-Jitsu ( o aquecimento é andando como leopardo, jacaré, macaco...e o levantamento de peso é um pneu mais pesado do que o outro- jogamos um pro outro), não passa despercebido.

Mas pra piorar a situação, pois fica um clima esquisito, quando fui pedir mais coca pra garçonete, a morena logo atrás de mim, também deu uma sacada- e ficava olhando vez ou outra -minha visão periférica é ótima.

O cara com ela, sentado de frente a ela, viu, e ficou p da vida.

O pessoal da mesa de frente se levanta pra picar a mula, e a garota dá a última sacada.

Fiquei pensando de o cara, em vez de pagar a comida, vir pagar geral pra mim...mas por isso me faço de besta- eles sabem quem tá sacando quem...

Assim, vão embora.

Adianto o meu rango, antes que a situação da mesa de trás fique insuportável...

Ainda bem que Lalá já está voltando!

Decido assistir um filminho no Botafogo Escada Shopping...depois de ver os filmes candidatos ao Oscar, quero ver algo mais suave, mais leve, mais tranquilo...

Assim, vou ver Sexta-feira 13, com Jason e seu facão passando o rodo geral!

Faltava uma hora e meia pro filme...um pouquinho de nuggets do Mc Donalds, dessa vez com um molho de mostarda que eu num conhecia- um tal de hot mostarda...

A mostarda é bíblica: Jesus falou que se tivéssemos fé como de um grão de mostarda (minúsculo), removeríamos montanhas...
Isso foi uma resposta aos discípulos que pediram que aumentassem a fé deles...

Assim, fui aumentar minha fé comendo mostarda hot com nuggets...mas ela tem muita pimenta, e eu num sabia...tomei um balde de coca, e não passava o ardor que queimava a minha boca:

Estava ardendo em fé! Removeria qualquer coisa na minha frente- tava ardendo!!

Removi foi a mesa do lugar, indo buscar outro balde de coca, correndo,tomando tudo de uma sentada só : só assim aliviou, e ainda fiquei com o gelo na boca, pra aliviar!

Viu como sou um homem de muita fé? Saía fogo de minha boca !

Faltando meia hora pra sessão, mais uma vez o velho problema...

Na sala de espera, onde passam trailers de filmes numa tela de plasma, lá estava eu todo tranquilo, me recuperando do fogo ardente em minha boca- eu num me dou com pimenta.

Senta um cara numa poltrona, e a mulher dele (as casadas são piores) na outra, em minha frente, na frente da tela de plasma.

Começa tudo que vc já sabe...e tenho que parar de ver os trailers.

O rapaz do cinema traz o escape :

- Já pode entrar pra sessão de 3 e meia, disse ele...descobri que o casal também ia ver sexta-feira 13...putz...eu que tava num filme de terror...

Pra num entrar juntos, fui sem fome comprar um suco e pipoca, na fila...daqui a pouco, quem aparece?

A mulher do cara, que deixou o mané lá dentro, e veio comprar mentos: mentira!

Eu num disse que casada é pior?

Estava logo atrás de mim... já no balcão, num mexe e remexe de cabelos, e cheio de olhares convidativos, toda dissimulada...

Me enrolei todo, quase derrubei a pipoca, não sabia que mão pegava a bebida- e se o cara resolvesse aparecer e visse a cena??

Ainda bem que Lalá está voltando!

Piquei a mula, e lá dentro, o cara tava mais afastado, apesar de na mesma fileira, mas em sentido oposto..

Atrás de mim, um casal de sapatas, mas sapatas responsas, num ficaram se agarrando.

Fiquei com mais medo da situação que passei, do que do Jason!

Alías, Jason e eu somos conhecidos da década de 80- vi 3 filmes com ele.

Vou embora, e na minha estação do metrô, passa um bloco de rua...trovões anunciam uma chuva, preciso correr.

Assim, termina minha trilogia praiana de carnaval...fiquei tão cansado que fui dormir nove da noite.

Lee, que não fugiu do Jason, mas de situações em que alguém poderia puxar o facão e querer cortar o Stallone Cobra!

(Contos de Kunlun só volta na sexta-feira, que não é a 13!)
Na Sessão Revival, O Metrô ilustra bem o que se passa na cabeça dessas mulheres: veja em vídeos!