terça-feira, 10 de março de 2009

Sobre Vaidades e Comércio Gospel


Se vc olhar o livro acima sem ler as letrinhas miúdas, vai pensar que é uma biografia.

Sim, vc vai pensar que é uma biografia da vida do Mala.

Não é:

É um livro que fala sobre personagens da Bíblia, como Moisés, Davi, etc, como eles venceram.

Então, por que o nome do Mala ocupa 1/3 da capa?

Por que a cara feia dele (como ele mesmo diz na tv), estampa metade da capa do livro?

Ora, se é “lições de vencedor” o título, e ele está como um pôster na capa do livro, todos nós iremos pensar que vamos aprender lições de UM vencedor:

Ele próprio.

E ele realmente poderia nos ensinar “liçoes de vencedor”, pois é um excelente vendedor:

Vende Bíblias temáticas (eu tenho uma de temas), livros, e congressos.

Vc sabe quando eu parei com tudo isso?

Eu já fui em um congresso dele, em congresso da Lagoinha, e em outras “farofas” gospel:

Mas parei com tudo isso quando descobri o oceano de vaidades que existe nisso tudo.

Sem falar no dinheiro que é levantado por tais congressos.

Vou contar como foi, tanto no do Mala, quanto no da Ana Paula e sua turma, como isso ocorreu:

Vou contar como os meus olhos foram desvendados, e enxerguei a realidade.

Não digo isso com o intuito de malhá-los...creio que, existe muita coisa “abafada”, mas que um dia, pela atitude deles mesmos, como a vaidade explícita acima, virá á tona, assim como de outros.

No caso do Mala, por exemplo, eu estava num congresso de “despertamento” (foi por isso que despertei, mas não no sentido que talvez eles imaginavam!) dele, aqui no RJ.

Silas repetiu uma mensagem que já havia falado na tv, gravado a menos de um mês:

Deu pra ver nitidamente que não havia preparado nada e colou uma mensagem de si mesmo.

Eu to batendo isso aqui agora...poderia pegar algum texto antigo do blog, certo?

Vc não iria saber...poderia colar algo da internet...mas pra quê?

Pra dizer que sou o bom, colando algo que não escrevi?

E se for colar, colo de mim mesmo...mas é que nem comida feita na hora, e comida de microondas, requentada...naquele dia, comi comida requentada do Silas.

Depois, reparei que os oradores eram sempre os mesmos...é sempre a mesma patota.

É só vc ver, são sempre os mesmos amigos dele...e um mais fraco do que o outro.

Quando fui comprar um sanduíche, vi o Silas, em forma de propaganda, do tamanho natural dele, como se estivesse em pé...e nego tirando foto “ao lado” dele.

Na boa, tenho dificuldade de entender isso...principalmente quando a gente percebe, como na foto acima, que a pessoa gosta disso.

Isso não cabe em meios Cristãos... toda honra e toda Glória, somente a Deus.
O Chefe se desagrada profundamente quando vê essas coisas.

Ora eu quero tirar uma foto ao lado da Anne Hattaway em pessoa, e não uma foto ao lado da propaganda em pé do Mala!

Até por que se fosse pra tirar foto ao lado de homem, tiraria ao lado de pessoas que admiro, de artistas, jogadores, etc.

É uma fogueira das vaidades esse mundo gospel, que passa de Pastores, e chega até os cantores gospel.

Quando fui ao congresso de adoração da Lagoinha, assim que cheguei, bateu uma sensação de “o que é que tô fazendo aqui?”

Aquilo ali engana só que tem 3 meses de Igreja, ou quem realmente for muito alienado:

E esse é o problema, onde eles vendem tudo o que quer- o povo dito evangélico (não me chame assim, sou protestante) é muito alienado.
Nego baba por qualquer qualquer coisa.

É só dominar umas 15 palavras básicas, que qualquer um engana se fazendo passar por “evangélico”, de artistas gospel a políticos.

Ah, sim, aliado a uma boa dose de legalismo, claro, os famosos “não pode”...
Mas que eles mesmos fazem, longe do povo.

Quando cheguei, a primeira coisa que reparei é que só vendiam produtos com a marca da lagoinha.

É como se você fosse ao Maracanã, e só tivesse produto da Coca-Cola pra vender, vc não poderia tomar Mate, água, Hot-dog, pipoca, nada.

Ridículo...e ainda por cima, a estamparia de camisas do André Valadão fazia a festa.

Na música, não houve um dia, fosse de manhã, a tarde, ou a noite, que se cantou um cântico de outra pessoa, que não fosse deles...nem na ceia que foi servida.

Foi algo maçante...e os preletores, a maioria do próprio Diante do Trono, um mais fraco do que o outro, inclusive o marido da Ana Paula, que é Pastor.

Só gente muito novinha na fé (e tinham vários), é que podem ter extraído alguma coisa.

Na verdade, rola mó clima de azaração, e muita gente sequer fica assistindo as palestras (que eram dentro do Mineirinho), depois do segundo dia:

Preferiam ficar batendo papo, pois lá dentro, as ditas palestras eram sacais...

Sem falar que “evangélico” só gosta de cantar, e não ouvir.

Piquei a mula (saí), e no terceiro dia, já estava participando de um bom culto numa boa igreja da capital.

O Pastor pregou uma hora e vinte minutos direto, de 10.40 da manhã até meio -dia.

Nego não arredou o pé- ninguém...e isso foi num sábado.

Entre outras coisas, ele falou dessa vaidade que há entre os Pastores...

Ele, ex-executivo de uma multinacional, que largou tudo para ser apenas um pregador, contou que foi há uma agência de automóveis.

Tinha se desfeito de seu Vectra top de linha, e queria apenas um Fiat Palio pra rodar.

O vendedor quando soube que ele era Pastor, fez de tudo pra empurrar um carrão.

Ele diz que só queria um Palio pra rodar (hoje na faixa de 27 a 30 mil) .

Sabe o que o vendedor respondeu?

- Pastor, o que é isso...seus colegas chegam aqui, e só pegam carros acima de 50 mil!

É verdade...soube de um Pastor de um “ministério” em Nova Iguaçú, na baixada fluminense aqui no RJ, onde se concentram as pessoas mais humildes (inclusive, claro, na grei dele), que ás vezes nem sistema de esgoto tem, que comprou carrão:

Pagou á vista, 85 mil por um Ford Fusion.

Sim, vc tem direito até de ter um helicóptero, pra pousar no terraço da igreja:

Mas quando esse grana vem não de outro trabalho, mas sai da própia igreja, pega mal.

Eu num aguento mais ver fogueiras de vaidades nesse meio:

Entre os Pastores, como o da foto acima, e que acaba incutindo nos outros uma espécie de modelo a ser seguido, um "modelo de sucesso";

E entre os cantores, que tem tanta necessidade de vender cds...

Mais do que o Drácula de beber sangue.

Lee, que escolhe a dedo quem ouve e escuta nesse “ramo”: tá brabo!