terça-feira, 31 de março de 2009

Ungidos que ficaram Soberbos

Foto acima: Kathryn Kulhman
Foto abaixo: Aimee Simple McPherson

Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes” (Tiago 4.6)

Quando fui domingo de manhã na Catedral Presbiteriana rever o Caio Fábio, o Reverendo Guilhermino Cunha, pastor da igreja, fez a seguinte apresentação dele:

- Eu não precisaria apresentar o Caio, vocês o conhecem....hoje ele está vacinado contra algumas coisas, mas antigamente havia o Caísmo, onde as pessoas se aproximavam só para tocá-lo...
- Hoje, vocês o veêm no seu novo ministério, o Caminho da graça, pois ele experimentou pessoalmente da graça de Deus (em 1998, Caio foi execrado pelos evangélicos, 11 anos atrás, por adultério, divórcio, e envolvimento político, ao tentar denunciar o dossiê caimã, suposto dossiê onde graúdos da política nacional tinham dinheiro em contas naquela ilha)

O reverendo Guilhermino continuou:

- Pois nessa manhã posso dizer a vocês: o cair é do homem, mas o levantar é de Deus.

Sim, Deus sempre irá nos levantar, se cairmos, desde que sejamos humildes:
Caio é outra pessoa...quem o viu pregando antes, e o vê agora, percebe isso.

Ele foi humilde, e assim experimentou da graça de Deus.

Vou dizer uma coisa, que demorei muito tempo pra entender:

Deus não tira o dom da pessoa (eu pensava antes que tirava), quando ela vai se afundando:

Pregadores podem continuar pregando, e pessoas se convertendo, mesmo com vidas sujas;

Cantores, mesmo bebendo, se drogando, continuam com vozes (Elvis é o exemplo clássico);

Quem tem uma consequência mais imediata são os atletas, pois dependem do físico para performances...o caso dos Ronaldos e do Adriano, são exemplos clássicos.

Mas e na Igreja? E os ministérios?

Você pensa que são só homens do “evangelho' que “pisam na bola”, ou que “racham a cara”?

Engano seu...separei duas mulheres que agitaram o século passado, que vc viu nas fotos acima.

Aimée Semple McPherson foi a fundadora da chamada igreja do Evangelho quadrangular.

Quadrangular pois são 4 fundamentos:

Jesus salva, batiza com espírito santo, cura, e voltará.

Aimee acompanhou o primeiro marido numa viagem missionária a China, onde este ficou doente por lá, e morreu. Na volta aos EUA, fundou uma igreja, que em pouco tempo havia milhares de seguidores- ela tinha um dom natural na pregação.

Casou-se logo na volta, em 1911, com Harold Mc Pherson, e o casório foi um desastre...na verdade, Aimee tinha muita coisa mal resolvida na sua vida:

Era histérica, nervosa (talvez fosse bi-polar) e tinha um péssimo relacionamento com sua mãe, a ponto de numa discussão, quebrar o nariz da mãe com um soco.

Pregava sobre a cura divina, mas ela mesma nunca foi curada de seus traumas emocionais:

Em dez anos de casamento com Harold, traiu o marido dezenas de vezes, até que este, cansado de sofrer, pediu o divórcio em 1921.

Aimee fundou o templo Angelus, pouco depois disso, em 1923, em Los angeles, Califórnia.

Com a visita de alguns artistas ao templo, começou bajulá-los (prática essa que várias igrejas fazem até hoje, nego fica besta quando vê artista, jogador, etc, aí manda bilhetinho pro pastor dizendo quem tá lá, e o pastor, mais besta ainda, apresenta com honras).

Vira estrela da televisão, com seu programa “gospel”...alguma semehança com os de hoje?

Em 1926, Aimee sumiu por algumas semanas, deixando todos preocupados, e quando reapareceu, disse ter sido “sequestrada”.

Pura balela: ela passou quase um mês transando num hotel no México, com um homem casado, com que mantinha um caso...foi uma espécie de “lua de mel.”

Várias pessoas os viram tanto na Califórnia, quanto na Europa...

E mesmo assim, a igreja continuava crescendo- Aimee pregava bem!

Entende agora que igreja grande não é sinônimo de igreja saudável?

Um ano depois desse escândalo abafado, Aimee mudou o visual, ficando a lá Betty Boop:
Encaracolou os cabelos, usava vestidos curtos, jóias caras, roupa de pele caras, dançava, e bebia muito – ela dizia, anos antes, que quem cometesse esses" pecados” arderia nas chamas do inferno...

Aimee casa-se novamente em 1931, e o mané da vez é David Hutton...quando este percebe o harém de homens que a rodeia (lendo a história dela, tive a impressão que ela era ninfomaníaca) ele rala fora, em 1934...apenas 3 anos de casamanto, dessa vez.

Ex-mulher de novo, tiraram uma foto dela bêbada, e seus seguidores disseram que ela havia sido “tomada pelo espírito”...que devia estar dentro da garrafa.

Cercada de multidões, com um grande império religioso atrás de si, Aimee não tinha o essencial, que acompanha a graça que Deus dá aos humildes:

A paz de espírito.

Com ela, você pode ser um faxineiro na Índia, ou presidente dos EUA;

Um mecânico sujo de graxa, ou executivo da Nestlé:

Você está em paz.

Aimee morreu nova, tinha só 54 anos...apesar da grana, da fama, e do dom (a ordem que ela colocou as coisas) morreu de overdose de drogas (barbitúricos), em 1944.

Ah, ela deixou 10 dólares de" herança” pra mãe, só de sacanagem.

Kathryn Kulhman era uma avivalista da cura divina, também nos EUA.

Esse era o dom dela: injetar fé no coração das pessoas, além do dom da cura.

O biógrafo dela viu pessoalmente, quando ela começou a falar numa reunião da Adhonep, para as mulheres, num hotel, as pessoas caindo no salão, devido a presença do Espírito...

Alguns ossos se estalavam, sendo curados...pessoas voltavam e escutar...várias nos dias seguintes, foram ao médico e já não tinham mais os problemas que tinham, algumas com tumores...

Nego que tava na piscina correu pra ver o que tava acontecendo no salão, pois escutaram o barulho, e também viam pelo vidro...

Algumas mulheres, assim que entraram no salão, caíam ali mesmo, de biquini e tudo, tão forte que era a presença do Espírito ali...muitas foram salvas, muitas outras curadas.
Mas Kathryn também foi se enfraquecendo devido as seguintes soberbas:

Adorava uma bajulação...

Ela tinha mania de, nas cruzadas que fazia, ver se tinha algum artista ou político na área...orientava os seus auxiliares, para que se houvesse, que eles fosse conduzidos até “as primeiras fileiras”;

Malhava os outros ministérios, bem na igreja, pregando...

Para ela, só o dela era o mais completo...na verdade, estrela, só podia ser kathryn.

No início da vida ministerial dela, se apaixonou por um homem casado, que largou mulher e duas filhas pequenas pra ficar com ela...Kathryn largou o ministério.

Oito anos depois, infeliz, foi ela que largou o marido, pra voltar ao ministério....isso mexeu com ela até o fim da vida.

Se envolveu com gente gananciosa, em vez das pessoas que sempre estiveram ao lado dela:

Gente que herdou a fortuna do ministério dela, e que ela mal conhecia....

A mulher que curava os outros morreu doente, com o coração inchado, aos 68 anos, em 1976:

Se recusara a passar por cirurgia anos antes, pois ia “pegar mal” se nego descobrisse.

Já vivia de "aparência ministerial, de culto a imagem.

É por isso que vejo com preocupação os Malafaias, as Anas Paulas, que fazem de seus ministérios uns ícones, um totem sagrado...

Uns com muita arrogância, outros dizendo-se mais santo do que outros.

Eles não são mais os mesmos, e há muito tempo.

O importante é que a máquina, o sistema, esteja funcionando...

O final desse filme, vc já leu lá em cima.

Lee, que sabe que nenhum ministério é o fim em si mesmo, e que o único ministério que deve ser ressaltado é o de Cristo, na vida dos homens...e mulheres.