quarta-feira, 22 de abril de 2009

O Julgar pela Aparência


Porque o Senhor não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração. (I Samuel 16.7)

Susan Boyle (foto acima) é de um vilarejo na Escócia, tem quase 48 anos, é feia, desajeitada, com um jeito jeca, que se reflete nas roupas, voz, e na maneira de ser.

Não tem corpão, não tem emprego, nunca se casou e nunca beijou ninguém na vida.

Foi assim que se apresentou no British Talent, espécie de American Idol, ou o nosso ídolos, lá na Escócia, no meio de uma garotada...
Suponho que não tenha limite de idade, pra ela ter participado.

Quando ela entrou no palco, nego riu geral:

Nínguém podia levar uma mulher com aquela aparência a sério...os jurados, então, uns ficaram com cara de deboche, outros com cara de “coitadismo”.

Bem, o que aconteceu, você vai ver no vídeo, lá embaixo...

A história de Susan, que agora já deu entrevista até pro Larry King, nos EUA, nos ensina muita coisa:

I- Nunca julgue uma pessoa pela sua aparência.

As pessoas olham para o exterior, e julgam de imediato, colocando logo um rótulo na pessoa.

As igrejas, então, que deveriam ser o local de acolhimento geral de todos, são as mais preconceituosas:

As pessoas de lá olham torto se álguém tem tatuagem, cabelo comprido (homem) cabelo curto( mulher), piercings, cabelos dreadlook, pinturas diferentes, roupas diferentes, etc...

Nós julgamos também as pessoas por aparência física...pessoas gordas, e de cor, são o alvo preferido das piadas, no trabalho, escolas, etc.

Deus vê o coração da pessoa- só ele que pode julgar – e não julga como nós.

Jesus não julgou a mulher adúltera.

Nem as prostitutas, nem os cobradores de impostos, que extorquiam geral.

Alías, mais tarde, entre seus seguidores, estavam uma ex-prostituta (Maria Madalena) e um ex-cobrador de impostos (Mateus).
Ele julgava gente religiosa, metido a santarrão:

Nesses, sim, descia o sarrafo, literalmente ás vezes, como no episódio dos cambistas no templo (desde aquela época tem essa raça de cambista!)

Veja, observe, especialmente o que sai da boca da pessoa...nunca julgue pela aparência.

O que a gente também aprende na história de Susan, agora famosa (vi a história dela num dos jornais da globo) é que:

II – Sonhos não tem data pré-estabelecida para acontecer.

O sonho dela era cantar diante de uma grande platéia: só isso.

Ela sonhava com isso desde os doze anos.

Nem ela imaginava quando isso poderia acontecer, ou se aconteceria, simplesmente se apresentou.

O que vejo atualmente, é como se existisse uma obrigatoriedade para que sonhos acontecessem antes dos 25 anos...

Todo mundo acha que sonhos tem de se realizar, obrigatoriamente, quando se é jovem...

A maldita mídia que estimula isso.

Se você tem um sonho, siga ao encontro dele, mas sem pressa:

Não saia desesperado/a atrás dele...e se não conseguir, talvez não era pra ser.

E um conselho: guarde seus sonhos pra vc, num fique falando deles por aí.

Tem muito assassino de sonho...alguns deles podem ser seu “amigo/a”.

Lee, que sente na pele a dolorosa reação de ser julgado pela aparência:

Uso rabo-de cavalo, brincos e crucifixo...dentro de igreja. Isso por que ainda estão faltando minhas tatoos!

Na Sessão Revival, veja a apresentação de Susan Boyle, e aprenda a não julgar pelas aparências: