quinta-feira, 16 de abril de 2009

Trem Fantasma


Eu tive o desprazer de andar de trem por dois anos seguidos, aqui no Rio .

Em 2006 e 2007, ainda no serviço público estadual, pois me transferiram pra Caxias, Baixada fluminense.

O meio mais rápido e econômico de ir da Tijuca pra lá era de trem: meia hora, e por valores atuais, apenas 2,45 reais...

Se fosse de ônibus, só o pra Caxias custa 5 reais...povão num aguenta.


Mais era um descaso tremendo, pois a linha pra lá (Saracuruna) vinham os piores trens:

Só tinha teco-teco, os mais caidinhos...ás vezes, olhava pra ver se não tinha nenhuma flecha de índio na carcaça do trem.

Eu ainda me dava bem, pois pegava o contra-fluxo:

Ia de manhã pra lá, quando nego tava indo pra cidade, e voltava em direção ao centro, quando a maioria estava voltando do trabalho...sempre fui sentado.

Dava pena de ver o povo igual lata de sardinha, pois o trem entope:

Tem gente que não consegue entrar.

Via muita gente tomando de café da manhã, paçoca ou cocô de rato (pipoca doce vagabunda);

Eu cansei de tomar picolé Morena, na época, 40 centavos...

-"Vai Morena?, Morena é 40”, dizia o ambulante...

Claro que eu ia: eu adoro as morenas!

Tinha Morena de uva, de chocolate, de leite condensado, de Maracujá...

O único "sabor" que dispensava era o de dragão chinês - dragão, não!

Mas o trem bom, o coreano, só passa na linha um, e mesmo assim são poucos.

Os trens da supervia são verdadeiros trens fantasmas.

E eles convidam você a se tornar um fantasma, também.

Várias vezes, por puro milagre, o trem não descarrilhou...o maquinista sentava o pau naquele teco-teco, achando que tava num trem bala de Tóquio;

Cansei de ver traficante com fuzil nas favelas ao lado da linha, como em Manguinhos, Parada de Lucas e Vigário Geral:

Em Manguinhos, vi o vagabundo apontando fuzil pro trem, e já estava me preparando pra me jogar no chão.

Por isso, quando vi essas imagens que “chocaram o país”, pensei:

Precisava acontecer um lance desses, pras pessoas verem a realidade.

Aquilo ali é todo dia em Madureira, que é uma estação que já não suporta mais o fluxo de gente, e em outras estações cheias, também.

Agora, além do povo ser transportado como gado, leva chibatada igual gado, também.

Cansei de ir e vir com portas abertas: o povo chama de “ar condicionado”.

Mas ninguém abria, não:

Já vinha aberto, com defeito, e nunca vi fecharem porta pra seguir viagem.

E as escadas? São raras as estações com escadas rolantes...dava pena de ver as senhoras e senhores com mais de 60 anos...

Pareciam que estavam pagando promessa, tentando subir escadas super-íngremes, como em São Cristovão( estação de transferência, enorme) ou de Caxias.

O trem coreano só pego raramente, quando vou ao Engenhão sofrer com o Fogão:

É confortável, com ar, e tem banco macio que num dói a bunda.

O presidente da Supervia gravou um pedido de desculpas, nos alto-falantes das estações, hoje:

Ele tinha que ir pedir desculpas ao povo, lá mesmo em Madureira, de manhã cedo.

Aqui no Rio, 85% do transporte está nas mãos das empresas de ônibus, um absurdo.

Falta investir em trem , Barcas ,e sobretudo, Metrô.

Toda hora tem problema nos trens e nas barcas...quero ver o dia em que uma afundar, morrendo gente: só assim talvez façam alguma coisa.

Aqui na Tijuca, até pouco tempo atrás você ainda via os trilhos dos antigos bondes...

Bonde aqui, só aquele teco-teco turístico de Santa Teresa, obsoleto, que mal circula direito.

Na Alemanha, Suíça e outros países europeus, eles ainda tem bondes, super-modernos.

É o transporte característico de San Francisco, na Califónia.

Tudo com pista livre, chegada rápida...mas aqui abandonaram tudo:

Podiam usá-los, em trechos da zona sul, da Tijuca para o Centro, enfim, distâncias de até 10 kilômetros...

É muito ônibus na rua, e por isso, essa buraqueira só que virou a cidade.

E não é por falta de grana:

O César Maia torrou 400 milhões na tal cidade da Música, no fim do ano passado.

Fico imaginando o caos que isso aqui vai ficar em 2014, na Copa do mundo:

Alguém ainda se ilude que vão fazer alguma coisa até lá?

Eu moro há 20 minutos a pé do Maraca, e vou chegar, a pé, antes de muita gente que sairá de casa 5 horas antes dos jogos.

Lee, que conhece bem a realidade dos trens fantasmas do Rio...de que adianta importar trem coreano, se a nossa infra-estrutura é igual a de Zimbábue?

Eu tinha posto a letra no orkut, mas agora na Sessão Revival, o vídeo de Don't let the sun go down on me traduzida, com George Michael:


http://www.youtube.com/watch?v=Tv50Wv4MKWE