sexta-feira, 1 de maio de 2009

Contos Proibidos de Kunlun 11 – Um Eterno Discípulo


Contos Proibidos de Kunlun:
Tomo XI – Um Eterno Discípulo

Flashforward (o contrário de flashback, ou seja, ao invés de mostrar eventos passados, esse tipo de flash mostra eventos futuros):
Rio de Janeiro, 2014, faltando um mês para a copa do mundo.

Lendo meus e -mails, recebo o mail resposta de Sven...eu o convidei a ver a Copa, e ficar aqui conosco, tem espaço aqui na casa nova...já tenho até um ingresso extra.

Reservei um espaço para colocar um pequeno tatame, para lutas...disse a ele que lhe ensinaria o Jiu-Jitsu, nunca era tarde pra aprender...afinal, em Kunlun, nunca tivemos ênfase em luta de chão.

Não vai dar Lee...não consegui tirar minhas férias, e vai ter muita gente daqui viajando pro Rio, nessa época”, me disse meu amigo, via mail.

Sven virou piloto da Lufthansa, a principal empresa de aviação alemã...eu sabia que aquela paixão por aviões ia dar nisso: ele viaja o mundo inteiro.
Como tudo tem um preço, Frida, ex-esposa dele, num aguentou, e o deixou, trocando-o por um executivo americano...quando ainda estava casada.

Tive que aconselhar muito o meu amigo, que ficou com ódio de americano...

Afinal, não queria ver ele tacando boeing em nenhum “World Trade center da vida”.

É sexta-feira á noite, e está chovendo ...minha mulher está vendo aqueles típicos filminhos que os pais alugam para seus filhos... sexta é oficialmente, nosso dia, mas a chuva nos impediu de sair...só que ela, até hoje, não sabe escolher filmes:

Essa é mais uma de minhas responsabilidades...aluguei A Era do Gelo 7.

Saindo do escritório doméstico, ela vem ao meu encontro, no corredor:

-“Biel já tá quase dormindo...só agora vi que num tem nada pra gente comer mais tarde, e nem nada pra beber na geladeira...algo pra gente beliscar”, diz ela.

Olhando ela de shortinho, e puxando-a ao meu encontro, digo:

-“Pois eu sei muito bem o que vou beliscar mais tarde...”

-“Pára! Ele ainda tá acordado”, diz ela baixinho, rindo.

-“Ok...o que vc vai querer, Pimentinha?

-“Ah, traz o de sempre, mais coca e sorvete”.

“- Sorvete em dia de chuva? Só você mesma, digo eu, indo em direção a porta, e pegando as chaves.

-“ Pai, posso ir com vc”?, pergunta Biel.

-“É claro que não...e quem vai tomar conta de sua mãe”?

-“ Ah tá”, diz meu sonado filhote...num pode me ver sair.

Gabriel ainda terá muitas sextas á noite para sair, mas esse tempo ainda não chegou.

A loja de conveniência fica a a menos de 5 minutos de carro....sempre quebra o galho, pois fica aberta á noite toda...chego rapidinho.

Bem, tem Cheetos, Doritos, biscoito de pizza...ali tem coca...vâmo ver o sorvete...penso eu.

É quando um elemento meio estranho adentra o estabelecimento...

Quem passou por Kunlun, fica com uma espécie de “alarme para perigos":Pergunte a quem estudou lá.

Nessa hora, eu havia me abaixado para pegar mais um salgaditos da vida...o cara não me viu.

- “ Perdeu, é um assalto, anuncia o bandido para a caixa do estabelecimento, apontando a pistola”.

Calma, vai ser rápido...o cara vai pegar a grana e vazar...depois, basta reconhecê-lo pela câmera”, pensei.

O problema é que, assim que olho para o vidro da frente da loja, o segurança está vindo...deve ter dado um pulo no banheiro, que para os funcionários, fica do lado de fora.

Ah, não, essa não”, pensei, vendo o segurança vindo todo bobo, inocente.

Eu só queria voltar pra casa...ver Biel... e minha Pimentinha.

Mas sabia que assim que aquele segurança entrasse na loja, levaria um balaço de frente.

Kunlun, 25 anos atrás:

-“Numa situação de perigo, você precisa analisar tudo no menor espaço de tempo possível, diz Muriú...se houver escape, fuja, mas se não houver, enfrente”.

Meu mestre continuou:

-”Lembrem-se sempre, tudo o que estiver ao alcance de vocês, pode se transformar numa arma, além do seu corpo.

Rio, 2014

Largo os salgaditos no chão, e vou levantando lentamente...em menos de 10 segundos, o segurança vai entrar...na minha frente, aqueles potinhos de vidro de comida pra bebê: o Biel já comeu muito deles...

Com a mão esquerda (que não é tão precisa) pego um potinho, e com a direita, dois de uma só vez.

Com a esquerda, por detrás da estante, jogo o pote para o alto, não para acertar o bandido, mas para cair perto dele, e chamar a atenção...ploft!

Mal ele se vira, arremesso os potinhos, com toda a força...eu fazia isso muito com faca, em Kunlun...com potinho de comida pra bebê, era a primeira vez.

Um pegou na cara do bandido...o outro, na mão com a pistola, que caiu da mão dele.

Eu aprendera a lição do terceiro tiro (veja contos de Kunlun: o terceiro tiro).

A caixa, e os outros dois funcionários saíram correndo para dentro, aproveitando que o vagabundo ficou atordoado.

O segurança, finalmente, viu o que estava se passando, e sacou a arma.

O vagabundo meio tonto, ainda tentou pegar a pistola, mais o segurança, já dentro da loja, apontou a arma para ele, mandando ele ficar de cara no chão.

Levanto as mãos, para ele ver que eu estava ali, e era cliente...mas ele me conhecia.

A caixa volta para o lugar dela tremendo...e eu tinha que começar toda minhas comprinhas novamente, enquanto o segurança chamava seus colegas (policial fazendo bico é mais rápido).

-" Como é que o senhor fez aquilo?” me pergunta a menina do caixa, também já acostumada comigo ali.

-“O Senhor está no céu, e nós na terra,” disse a ela, repetindo sempre a mesma respota de Muriú, nesses casos...” é uma longa história, e acho que vc não vai acreditar”, disse.

Pego o carro, e chego em casa.

No quarto de Biel, vejo ele dormindo o sono dos justos...fico alguns segundos olhando pra ele.

Em nossa cama, Pimentinha já dava sinais de estar nos braços de Morpheu, o deus do sono...só deu tempo de ela virar, e balbuciar:

-”"Demorou, amor...o que é que houve? Tava cheio?

-"Sabe como é, sexta á noite...e ainda encontrei alguns amigos.”

Uhum, diz ela, já de olhos fechados...eu apago o abajour, dando um beijo nela.

Assim, vou na cozinha, pego a coca, e levo, junto com o Cheetos, para o escritório.

Fico olhando minha foto, de Kunlun, 25 atrás:

Muriú no meio, eu e Sven, cada um de um lado...

Vejo que o tempo passou, mas continuo um eterno discípulo.

Lee, que naquele dia, só beliscou o Cheetos mesmo.
Na Sessão Revival, uma parte de nosso treinamento em Kunlun.. Não tente isso em casa!