quarta-feira, 13 de maio de 2009

Sexo Sempre foi Tabu na grei – Parte 1


Sexo sempre foi tabu na igreja.

Estando na igreja desde o berçário, não me lembro de ter tido um estudo ou uma mensagem decente sobre o assunto, de maneira franca, real, não legalista.

Sim, dessas, cansei de ouvir (e mesmo assim poucas vezes) sobre não poder isso ou aquilo, e tudo rodeado pelas sombras da ameaça, do pecado, do medo.

Essa foi uma das primeiras coisas que descobri nos meus anos de grei:

Sexo é tratado como tabu...não se fala muito nisso, e quando se fala, quase sempre, é “mal falado”.

O resultado disso é que temos várias gerações de pessoas que tem o sexo como tabu, como algo proibido de se falar (falando das que cresceram ou se associaram a igreja ainda jovens);

E várias pessoas que aprenderam de sexo na escola, não em educação sexual, mas com os colegas, ou com a turma da rua, mesmo.

Fui ver camisinha pela primeira vez na sétima série:

-Toma pra tu fuder, me disse o Silvio, jogando a embalagem em cima da mesa.

Eu abri, olhando aquela borracha, pensando: “Então, isso é uma camisinha”!

Imediatamente, fiz um balão, que minutos depois já estava voando pela sala, cada um dando um “toque”.
A ignorância ou a ameaça que as greis mundo a fora, trata a questão, produziu alguns resultados graves, que vi ao longo da vida- ninguém me contou:

Gravidez:

Vi um adolescente ser pai aos 13 anos, e virar “marginal” na grei, por ter “bimbado” uma donzela virgem da mesma idade...foi a hipocrisia eclesiástica mais dura que vi contra uma pessoa;

Filhas de pastores repressores-conservadores- legalistas:

Uma pegou gonorréia na primeira transa (tentou esconder, mais abriu a boca pra pessoa errada, que espalhou geral- cuidado com quem vc desabafa);

Outras, engravidaram na primeira transa.

Ambas, filhas de pastores que, até então, proibiam as meninas de dar beijo na boca ( só depois de casados, diziam) , mulher de saia na grei, e por aí vai...vários se decepcionaram com suas "princesinhas"...
E pelo jugo legalista que impuseram na grei, receberam em troca o mesmo jugo pesado no julgamento de suas filhas, vindo dos membros "legalizados" por eles.
Isso, por uma coisa que pode acontecer a qualquer família- são coisas da vida.
Todo pastor que cai na maldição de mostrar que sua família é perfeita, um exemplo de vida, quase sempre uma "bomba familiar" dessas explode ( gravidez dela ou provocada por filho em outra menina, drogas, filho gay, etc).
Se ele aceitar essa hipocrisia eclesiástica, está morto ministerialmente.
Ora, a bíblia fala do sacerdote Eli, que morreu em decorrência da desgraça do mau comportamento dos filhos...
Ah, sim, talvez vc possa estar se assustando com as coisas acima...como podem os “crentes transar”?

Foi a segunda coisa que descobri nos meus anos de grei:

Os crentes solteiros transam, e transam muito.

Mas como todo mundo na grei gosta de fingir que isso num existe, que não acontece, se chocam quando ocorrem os casos acima.

Os pais fingem que não sabem que eles transam, e a grei também.

Vivem todos no reino mágico da Disney puritana, um grande faz de conta...

Todo mundo parece estar na Igreja da Fantástica Fábrica de Chocolates:

Willy Wonka é o pastor.

Fala sério: que pai e mãe tem a certeza de que seus filhos se casem virgem nos dias de hoje?

Todos esses assuntos, deixo pra semana que vem, a questão do sexo antes de se casar...falarei do terror das pregações, da opção pessoal de cada um, responsabilidades, etc.

Essa questão, se não for tratada de maneira franca e aberta, vai produzir ou travas psico-religiosas, como a mulher virgem que não conseguia, aos 40 anos, abrir as pernas, literalmente, para o marido na noite de núpcias ( se fechava toda);

Ou do jovem de 21 anos, perfeitamente normal, mas que “broxou” quando ia transar com a namoradinha, e pensou que ia ser broxa a vida toda;

Ou o de 28 anos, que não sabia o que fazer na cama, na hora H (Todos os casos acima em consequencia de pregações que diziam que sexo é pecaminoso).

Ou, no caso extremo, da liberação geral, como eu via na minha grei de origem, com a rapaziada comendo as meninas no salão da mocidade, na sala da zeladoria, em meio as vassouras, ou nos acampamentos da vida...cansei de flagrar, sem querer!

No passado, sendo líder da juventude, um rapaz de 26 anos me procurou para desabafar, com a consciência pesada por causa de masturbação...se sentia culpado.

É outra questão de sexualidade...o que fazer com a pulsão natural existente, se foi Deus quem a criou?

Seria Ele sádico?

E da madrasta que viu a enteada se iniciando com o “chuveirinho”, a mando das colegas? A menina se sentiu mal...

Só posso ir adiantando que o Chefe tá muito pouco preocupado com masturbação, de um modo geral.

E sobre o jovem, que, querendo se guardar virgem, começou a ter dores nos testículos? Foi ao médico, saindo com a expressa recomendação:

“Faça sexo, que vai passar!

E os gays enrustidos, dentro das igrejas?

Tudo isso, veremos nessa série, que tentarei escrever um vez por semana.

Hoje foi só a introdução...

Sem duplo sentido!

Lee, sabendo que foi Ele que criou o sexo, não para culpa, não para extremos, nem para dúvidas.