terça-feira, 19 de maio de 2009

Você se lembra?


De quando a gente entrava na padaria, e pegava aquelas balas do baleiro, e comia pão doce direto, com aquele creme gostoso que vem em cima?

Nínguem tinha preocupação de engordar, e ninguém ficava doente por causa de colesterol alto, etc...

E daqueles chicle de bola que a gente botava uma moeda, e vinha aquela bola, digo, goma de mascar colorida?

Ninguém quebrava o dente, e mal haviam cáries...hoje só dá os Tridents da vida.

E os ki-sucos, Tangs e outros refrescos de botar na água e mexer ? Nada fazia mal, agora dizem que fazem, e todo mundo só compra light...

De quando a gente comia sanduíche com mortadela com coca, ou comia cachorro quente ou coxinha na cantina da escola? Agora só sandubas naturais...e sem graça.

De quando a gente jogava bola descalço na chuva, e ninguem gripava?
Hoje, qualquer chuvinha, mesmo com guarda-chuva, tamo fungando...e com “virose”.

As meninas jogavam queimado, e quando chegavam em casa, suadas, abriam a porta da geladeira pra pegar alguma coisa pra beber...
Faz isso hoje e cai dura na hora por "choque térmico" .

Vc se lembra de quando a gente ia no supermercado, e tacava tudo quanto é chocolate, flan, salgaditos, enfim, toda a coisa gostosa?

Hoje, vc passa e vê o Nutela com uma saudade...doido pra pegar...mas não pode.

Vc se lembra de como ia direto, praticamente todo dia, ao Mac, Bobs e cia limitada?

Hoje, com uma simples ida ao shopping, sozinho, com filme, lanche, estacionamento, etc, vc perde 50 pratas por pessoa, talvez mais.

Eu me lembro quando o pessoal daqui do prédio dava calote para ir na praia de ônibus, em Copa.

Eu me lembro quando eu dava calote no ônibus quando voltava da escola (na era pré- Riocard).

Até que um dia o motorista não abriu pra ninguém saltar, e fui descer, pagando passagem, quase um km depois- voltando a pé.
Terminava ali minha fase de calotes em ônibus, antes dessa época onde tem currais nas roletas:
Sim, cada vez mais somos tratados como gado.

Apesar de tijucano, minha grei era no subúrbio...eles não davam calote para ir á praia, mas só fui com eles uma vez- levavam farofa pra praia, eu morri de vergonha, e não fui mais.

Afinal, frango com farofa e coca, é da padaria pra casa...uma vez eu comi no serviço, rachando com colegas,e me senti “farofeiro”.

Nego aqui no prédio dava calote até pra entrar em parque de diversões!

E quando entravam num brinquedo de assombração, bem escuro, passavam a mão na bunda das meninas.

Até que um dia um cara quase enfiou a porrada num colega que, tipo eu, não fazia nada:
Pensou que era ele que tava passando a mão na mulher dele.

A galera furava as imensas filas, era mó loucura.

Mas o que eu gostava de fazer ,era entrar em festas sem ser convidado.

Perto da minha antiga grei de origem, tinha uma igreja católica, perto da estação de trem.

Todo sábado tinha casamento- naquela época, num tinha muito esse negócio de casas de festa- as opções eram salão de igreja, ou clubes.

Eu e o Hélio, adolescentes, saíamos das reuniões da tarde dos embaixadores (espécie de escotismo que ainda há, envolvendo jovens adolescentes, nas igrejas batistas) direto pras festas.

Tomávamos banho no vestiário da grei, depois de jogar bola, e cheios de fome, levávamos uma camisa mais “social” pra irmos pra festa.

A gente já chegava direto na hora da festa, lá atrás, no salão da igreja católica...

Muitas vezes, os noivos ainda tavam recebendo os cumprimentos lá atrás...praticamente não havia ninguém pra fazer confere de entrada, como hoje.

Descobríamos os nomes dos noivos, e na hora dos cumprimentos, falávamos os nomes deles, e ela ganhava beijinho: “ oi, Lúcia, parabéns!”, e ele, um abraço acalorado: “Carlos, felicidades pra vcs”!

Pronto: oficialmente, não éramos mais estranhos, nego nunca chegou em cima da gente!

Ficávamos em pé, e comíamos muitos salgadinhos com refrigerante, matando nossa fome...comemos vários bolos de casamento naquela grei católica...

Revezávamos sábado sim, sábado não, pra num marcarem a gente.

Hoje é tudo mais controlado, mais certinho...

Parece que tudo faz mal, de comida, na parte da saúde, ou a falta de penetras atenciosos com os noivos...

Até os parques de diversões acabaram, aqui no Rio...tinha o Shangai, o Tivoli Park, até o Terra Encantada se foi...os circos também se foram...de vez em quando vem o sem graça do Soleil , e mais raro ainda o do Beto Carrero, que corre o risco de morrer como ele.

O Rio é uma cidade sem parques de diversões, acreditem.

Cinemas de bairro são raros, é tudo no shopping.

Eu me lembro, nas festas que as pessoas iam, ou quando saíam, deixavam os carros nas ruas, e era raro os assaltos...nego deixava carros bons dormindo na rua.

Hoje, levam os carros, mesmo com alarme, se vc deixar na rua muito tempo.

Eu me lembro de muita coisa boa....

E você, se lembra?

Lee, em momento nostálgico...alías, quando coloco meu cel pra despertar (só uso no vibracall) eu coloco o som nostalgia, dos antigos telefones: trrriiiiimmm...

Na Sessão Revival, 2 vídeos: Remember the time, com Michael Jackson, legendado;

No orkut, Do you Remember? Com Phill Collins, tb legendado.