sexta-feira, 26 de junho de 2009

The King of Pop: Lições que podemos tirar dos erros dele (e da família)



Hoje quando fui almoçar,comprei 3 jornais com a capa da morte de Michael em destaque, para guardar de recordação...sendo que o jornal O Dia, aqui do RJ, tinha se esgotado.

Fui comprar em outra banca.

Quando fui pegar o meu sanduba de almôndegas na Subway, a Monique (atendente) me perguntou:

-Que cara é essa?

- To triste, respondi.

-Ah, vai dizer que é por causa do Michael Jackson?

- Isso mesmo.

A dona da franquia estava por lá, e falamos de como ele agora entrava pro hall dos mitos, como Elvis e John Lennon.

No entanto, penso que será num estágio maior do que esses, pois tanto o Rei do Rock (Elvis) quanto Lennon (da maior banda de todos os tempos) não tinham algo que tem hoje:

A mídia, e as novas tecnologias.

Enquanto saiu edição extra de jornal para anunciar a morte de Elvis nos EUA (em 77), e as rádios demoraram a confirmar a morte de Lennon no hospital, após ser baleado (em 80), todos ficaram logo sabendo de Michael:

Uma hora depois da morte oficial dele, eu recebia uma ligação de celular;

Sites do mundo todo anunciaram, e eu postei logo no orkut – onde muita gente ficou sabendo, naquele momento.

Michael soube usar toda a parafernália audiovisual a seu favor, nos clips e shows, o que sai em vantagem em relação aos mitos que citei.

Sem falar que alcançou tanto as gerações que vieram depois dele (umas 4), como as gerações anteriores a ele - algo inédito ( pois com 8 anos já era o principal dos Jackson Five):

Ninguém conseguiu fazer isso, dos mitos que citei, fora os outros (Bob Marley, Ray Charles, James Brown), etc .

Bem, a Monique viu que minha cara ainda estava inchada...e ainda tenho um Globo Repórter para encarar...ai,ai...

Mas senti em meu coração que tinha que escrever sobre as lições que temos que tirar dos erros cometidos por ele, e sua família...vamos a elas.

1 – Coisas mal resolvidas na infância, como traumas, abusos e excessos, vem a tona mais tarde, se nós não nos curarmos psicológica e espiritualmente.

O pai de Michael era um carrasco, e ensaiava o Jackson Five com mão de ferro.

Ele, que era operário de dia, e guitarrista frustrado á noite, projetou nos filhos o sucesso que ele não teve na vida artística.

Tome muito cuidado com quem decide a sua vida:

Vc vai ser advogado/a por que vc gosta, ou seu pai e mãe quer?

Vai/foi ser militar só para agradar o papai?

Tá fazendo medicina por que toda sua famíla é de médicos, mesmo sem vc gostar?

Pais, não empurrem para seus filhos suas frustrações , ou mesmo seus gostos – é uma das coisas que mais vão complicar a vida deles no futuro.

O pai de Michael cobrava mais dele- sabia que ele era o astro da turma, mesmo sendo o menorzinho – Michael levava tapas na cara, toda hora que errava.

Muito cuidado com a atenção que vc dá só a determinado filho- não se esqueça que vc tem outros.

Janet Jackson disse em certa entrevista que o irmão tinha sido abusado, e deu a entender que fora pelo pai...depois, desconversou.

Se isso aconteceu, explica muita coisa que houve com ele depois...mais uma coisa aconteceu:

O menino Michael viu os irmão mais velhos transando com fãs dentro do mesmo quarto de hotel que ele estava, várias vezes...ele botava o travesseiro no ouvido, pra tentar não ouvir a orgia ao lado dele- o própio Michael disse isso.

Não me espanto que mais tarde ele tenha abusado de garotinhos, pelos históricos acima citados.

Trate seu filho pequeno como ele é - uma criança.

O que aconteceu com Michael, com Macaulay Culkin (Esqueceram de Mim) e o que o Sílvio tá fazendo com a Maísa, é inaceitável – criança é criança- mesmo sendo prodígio, como ela é, e eles foram.

Na questão espiritual, é necessãrio o perdão...só o perdão liberta a pessoa, terapia sozinha não consegue isso.

2- Trate o dinheiro como ele é - papel- e não como deus.

Jesus se referiu ao dinheiro como Mamom, uma entidade que controla as riquezas.

Ele disse que ninguém poderia servir a Deus e as riquezas, ao mesmo tempo, pois haveria de agradar a um, e desprezar a outro.

Mamom controla as finanças do mundo, quebra bolsas, levanta economias a custo de explorar outros, etc, e enriquece a quem faz pacto com ele, em troca da alma.

Michael fez de mamom o seu deus, e torrou 535 milhões de dólares em menos de 10 anos, achando que teria dinheiro pra sempre:

Devia 7 milhões a um empresário árabe, que ira pagar em troca dos shows que faria em Londres...o dinheiro se foi em extravagâncias, em processos judiciais, e em muitos problemas de saúde.

Dinheiro, definitivamente, não deixa ninguém feliz.

3- Cuidado com sua auto-estima: se vc não gostar de si mesmo, nunca vai gostar de ninguém.

Se vc não amar a si mesmo, não vai amar ninguém, pois esse amor será superficial.

Tem gente que queria ser mais alto, mais baixo, mais magro, ter mais corpo, ser mais bonito, com o cabelo assim ou assado, com olho dessa cor, queria ter peito grande, queria “ter bunda”, ou "não tê-la", ser mais novo, ou ser mais velho.

Uma baixa auto-estima, geralmente faz com que a pessoa tenha uma visão negativa da vida.

Afinal, ela tem uma visão negativa de si mesma.

Michael não se conformava em ser negro – queria ser aceito pelos brancos, ficando branco, inventando que tinha vitiligo;

Fez 50 cirurgias plásticas...mexeu tanto no nariz, a ponto de quase ficar sem;

Alargou os olhos, ficando com “olhos de gato”, e ficou com cabelo de boneca.

Acabou virando uma caricatura, parecendo mais aquele macaco branco do Planeta dos Macacos.

Com Elvis foi a mesma coisa- morreu gordo, inchado, pelo vício de barbitúricos.

Sei separar as coisas : "Adoro" Michael como artista, a ponto de chorar a morte dele, de ficar triste ao longo do dia, com cara inchada, abatida -perceberam isso.

Mas sei muito bem que ele foi um ser humano infeliz, marcado por dramas familiares intensos, escolhas erradas, e cagadas que fez ao longo da vida.

Posso dizer pra vc que o que levou Michael a dependencia de morfina, era a insatisfação com a vida- era como se quisesse se aliviar de toda dor, não só a dor física que sentia, mas a dor da alma.

Se Michael soubesse que a dor da alma só Jesus pode curar, e não remédios, e pudesse ter visto hoje as imagens de gente, como eu, chorando daqui até o Japão...

Gente que apesar de tudo, o amava...

Acho que ele ainda estaria entre nós.

Lee, que ainda tem um Globo repórter do Michael a encarar.
Na Sessão Revival, um vídeo inovador de Michael, que congestionou as linhas da Globo, e foi lançado no mesmo dia, simultâneamente em 27 países- Black or White (participação especial de Macaulay culkin) :