segunda-feira, 20 de julho de 2009

O Camaleão



O Camaleão é um réptil conhecido por mudar a sua cor para se adaptar a um ambiente ou a uma situação.

Esta estratégia o ajuda a se proteger de potenciais predadores e a passar desapercebido por eles.

Além disso, possui a capacidade de movimentar os dois olhos independentemente e também de enrolar a cauda para se agarrar.

Muita gente se parece com um camaleão, na vida.

No trabalho, ficam com a cor correspondente dele (trabalho), e segue fielmente tudo o que lhe é proposto, ainda que o que estiver fazendo, seja contra os seus princípios.

Muitas vezes, enrolam a cauda, se agarrando ao mesmo, preferindo “estar empregado” em uma empresa na qual vá direto em conflito com seus valores.

Dois diferentes casos, mas muito parecidos:

Dois rapazes da igreja que trabalhavam, um numa empresa de cigarros, e outro numa cervejaria.

Todos os dois se sentiam mal, pois ia de confronto aos seus valores.

Mas o que trabalhava na Souza Cruz (cigarro), era contador, ganhava bem, mas se sentia muito mal, pois ajudava a matar pessoas com aquele cilindro maldito, no caso, aqui no Brasil.

Era o tesoureiro da igreja ,também...ajudava, portanto, a contar dinheiro pra Deus, e pro diabo, literalmente.

E ninguém pode servir a dois senhores...
Mas ele cansou de ser camaleão, de se “adaptar ao lugar” de destaque, que tinha, na empresa de cigarros:

Pediu demissão, sem nada em vista...Deus o honrou pouco depois, colocando-o em outra companhia (Xerox, se num me falha a memória).

O outro, vivia em conflito, pois além de tudo, começava a causar mal-estar na grei, pois levava o carro da Brahma, com um “Beba Brahma chopp” estampado na carroceria da Fiat a que tinha direito (ficava direto com o carro) pro estacionamento da grei.

Igreja e bebida nunca foi uma combinação legal...
E ele sabia que ajudava a vender um produto que causava acidentes com morte no trânsito (viva a lei seca), maridos espancarem esposas, além de alcóolatras de várias idades, inclusive adolescentes.
Mas se justificava, dizendo que era o ganha pão dele.

Nunca teve coragem pra chutar o balde- na verdade, tal como um bom camaleão, entortou a cauda, se agarrando ao local, ao qual já estava “adaptado”.

Várias pessoas passam suas vidas assim, vivendo como camaleões.

No trabalho, é o que diz que ele deve ser, sem opinião alguma, apenas entortando o rabo e se agarrando a algo só por causa do dinheiro:

Recebe humilhação, vê coisas erradas e não questiona, faz injustiça a mando de injustos, e por aí afora.

Ele, tão somente fica “da cor do local”.

Com os amigos, ele também “assume a cor” da área deles, faz o que eles estão fazendo- conheci muita gente que começou nas drogas assim, e hoje virou assaltante, e tá morto ou preso- tudo por causa de um “tapinha na maconha”, ou por “aprender a beber e fumar”.

Na igreja, assumem a “cor da grei”, e agem de acordo com que as pessoas esperem que se aja numa igreja- ainda que, fora dela, seja irreconhecível- claro, ele é um camaleão.

Na família, são tão camaleões que ficam parecidos com o que os pais esperam deles, inclusive seguindo as mesmas profissões dos pais - ainda que não tenha vocação alguma, não goste daquilo- mas “tomam a cor” pra agradá-los.

Afinal...quem é você?

Lee, que adoeceu tentando ser um camaleão...num dá pra mim, não.
Na Sessão Revival, Boy George e o Culture Club trazem a história do Carma do Camaleão: