sábado, 18 de julho de 2009

Walter Cronkite (1916-2009)

Em Foto Recente
Nos anos 60

Hoje em dia, estamos acompanhando o William Bonner ficar de cabelos brancos, mas quem o antecedeu no Jornal Nacional foi o Cid Moreira, que hoje narra a Bíblia em cds.

Pois é, o Cid Moreira ficou no ar do Jornal Nacional por 27 anos, onde disse 8 mil “boa noites”.

Walter Cronkite está para os americanos como o Cid foi para nós:

Atravessou boa parte dos grandes acontecimentos da América como testemunha viva da história, relatando por 19 anos como Âncora da CBS para 25 milhões de americanos tudo o que acontecia:
Ele acompanhou os soldados americanos na segunda guerra mundial, no front, correndo risco de vida;

Já na TV, viu e noticiou o homem chegando na lua;

Sua opinião contrária a guerra do Vietnam, fez o país mudar de opinião sobre o conflito;

Noticiou e chorou, ao vivo, ao dar um boletim noticiando o assassinato de Kennedy.

Por ter opinião pessoal e demonstrar seus sentimentos, apesar do jeito sóbrio, conquistou a confiança dos americanos, a ponto de em 1972 ser considerado o homem mais confiável da América – barrando políticos, pastores, atletas profissionais , etc.

Poucas pessoas, no jornalismo, foram consideradas confiáveis, como Walter foi.

Nesses nossos tempos de “Jornalismo mandado ao gosto do patrão”, são poucos que se salvam...
Entre eles aqui no Brasil, o Bóris Casoy é um, na TV (Band) – graças a Deus pelos blogs.

Walter morreu ontem em Nova York após anos de luta contra uma doença vascular- mas é sempre bom noticiar a partida de alguém bem mais velho.


Lee, dizendo como Walter falava nos finais do noticiário: “And that’s the way it is”.
Walter Cronkite arrasado dando a notícia da morte de Kennedy-algo raro, americanos são frios: