sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Missão Abortada


Ai,ai...fui nesse fim de mundo aí em cima (Norteshopping) pra ver uma peça:


Não sou feliz, mas tenho marido, com Zezé Polessa.

Mas acabaram me pregando uma peça...

Assim que recebi minha missão (o Chefe só não disse quando, mas tenho o hábito de partir para as missões assim que as recebo) fiz uma estratégia:

Sexta-feira, só um meio de transporte rápido como o metrô poderia me levar até lá...rabisquei minha estratégia, e fui a luta.

E assim desci numa estação chamada “Maria da Graça” (num é o nome da Xuxa?)

Se fosse católico, começaria a rezar um “Ave Maria cheia de graça” ali mesmo:

Ô lugarzinho feio...sem preconceitos:

Rambo já esteve no Vietnam, mas o “Nam” é muito mais bonito...

Desci uma rampa, e um mundo de camelôs tomava conta da calçada, assim como o churrasquinho de gato, que um cachorro tava doido pra comer.

Na minha frente, uma fila enorme pra van...eu fui pruma fila de um suposto ônibus pro Norteshopping, de graça...havia pesquisado minha missão na internet.

Mas o raio do ônibis num chegava, e fui informado de que o suposto serviço só iria até o próximo dia 20, por uma passageira.

Em minha pesquisa, estava há apenas 1,5km do shopping:

Peguei um táxi, que me informou que a avenida suburbana estava insuportável de cheia.

Senti firmeza no taxista, que começou a pegar um atalho por umas ruaszinhas por detrás da suburbana, pra cortar lá em cima, e voltar a rua no sinal, já bem na frente.

Vocês já viram a Grande Família?

Eu passava por casas bem de frente a rua, iguaiszinhas as do Lineu e da Nenê...

Sério mesmo, só assim percebi que a série é bem retratada, naquele estilo de casas de subúrbio, são muito parecidas...

Eu tive que segurar a risada foi quando o táxi parou, para um caminhão de lixo da comlurb fazer a manobra:

Quando olhei pra minha direita, tinha um bar...amarelo, igualzinho a pastelaria do beiçola!

Quase abri o vidro pra perguntar se tinha pastel!

A manobra do taxista foi fundamental pra fugir do transito, e assim cheguei ao shopping.

Como já disse, não é questão de preconceito: acho que é psicológica mesmo:

Em tempos passados, no serviço público, trabalhei em locais distantes aqui no Rio,como Bangu e Caxias, que além de muito longe, não me trazem boas recordações.

Assim que cheguei ao Shopping, perguntei logo ao segurança onde eram os teatros.

Assim, ia comprar logo o ingresso...mas aí veio a surpresa:

Bem embaixo do cartaz com a cara da Zezé Polessa, havia um atestado:

Sra. Zezé Polessa:

Veio para consulta e junto a medicação prescrita deve ficar em repouso vocal absoluto, por 3 dias.

Jair de Carvalho e Castro, otorrinolaringologista”.

- Putz! Eu vim pra esse fim de mundo logo hoje??, falei, baixinho.

Zezé provavelmente teve faringite.

Assim, passei um rádio para o Coronel Trautman (o meu orientador) que me disse:

- Abortar a Missão.

Assim, comi alguma coisa, naquele local entupido de gente (dia dos pais domingo), e na saída, peguei, após passar um mundo de kombis ( ô lugar pra ter kombi...eu só gosto das kombis do Lost) um táxi:

- Para onde vamos?, perguntou o taxista.

(Eu, na minha imaginação, pensei:

Pra qualquer lugar longe desse fim de mundo!!)

- Pra Tijuca.

Foi isso...fica pra próxima...ai...será que vou encarar?


Lee, que é feliz , mas não tem namorada.





Na Sessão Revival - Enquanto eu ia para “o fim do mundo”, assim que percebeu que eu ia pruma furada, o Coronel Trautman (meu mentor) foi me defender:


http://www.youtube.com/watch?v=YZ7YnjGVl94