quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Ciclos da Vida



Sonho: Ciclos da Vida

Objetivo: Demonstrar que existem ciclos em nossas vidas, e se não aproveitarmos as passagens naturais que surgirão para "outro ciclo", vamos ficar a vida inteira presos em apenas um ciclo.

Término do sonho: 4.52h da manhã de hoje.

O sonho foi dividido por 3 ciclos: O Museu, O Engarrafamento, e a Aventura.

O Museu

Eu entrava num museu e via uma pequena senhora, muito estranha e de óculos.

Parecia uma versão feminina de "Benjamin Button": sentia que ela era nova, mas que seu aspecto era de uma velha ranzinza, daquelas que são de mal com a vida.

Olhar e "captar" as sensações dela me fizeram mal, e imediatamente perguntei a ela onde era a saída do grande museu.

Ela, sem dar a menor atenção, apontou pra cima, onde havia uma escada...

Ao subir essa escada, entrei num pavilhão que era uma parte da história que falava sobre o nazismo, mas na verdade, era como se entrasse na história:

Eu estava caminhando na Alemanha nazista de 1944, via os soldados, e de longe, avistava o Hitler, passando pela tropa.

Imediatamente, voltei ao ponto onde estava, pra sair dali...

Foi quando captei que o museu, na verdade, era a vida da velha, que jamais havia saído dali...fiquei com medo de ficar preso ao museu, e passei andando rápido por dois corredores, procurando a saída...

Até que por uma parede, vi uma espécie de fenda...ela não chamava muito a atenção,mas também não era imperceptível.

Me aproximei, e vi que dava pra passar, e subi umas escadas, que foram dar bem no meio de um engarrafamento.

O Engarrafamento

Que beleza, me livrei do museu, mas caí no meio de um engarrafamento, mas assim que cheguei, a pista fluiu, e agora, estava no meio dos carros, e junto com várias pessoas, lutávamos para não sermos atropelados!

Via várias pessoas de pasta de executivo,mulheres, senhoras...e eu no meio da muvuca.

O curioso é que estávamos bem no meio da pista, e além de desviarmos dos carros, tentávamos passar para um outro lado, sem sinal, apenas para ficarmos...no meio de outra pista, tentando não ser atropelados novamente!

Que desespero...era caminhão, carro tirando fino, pensei que fosse ser atropelado...tudo pra chegar ao meio de outra pista, pra continuar fazendo a mesma coisa: sobreviver.

Vi que não ia aguentar aquele ritmo louco, e comecei a olhar em redor, até que percebi outra fenda, do nada, no meio da pista.

Me desviei dos carros, e dessa vez senti um fino, quase fui atingido...mas atravessei a fenda, e dessa vez, quando entrava por ela, não tinha escadas:

Continuava andando, e via que estava dentro de um labirinto...não achava a saída, e o pior:

Começava a encher de água, tal os filmes do Indiana Jones...eu não sabia, mas acabara de entrar em outro ciclo: o da aventura.

A Aventura

Desesperado por a água já estar quase do meu tamanho, vi um buraco na parede, e joguei toda a força do meu corpo contra ele, que se abriu.

Fui parar num local verde e muito bonito, onde todos tinham um espírito de aventura, e ali haviam os mais diversos esportes radicais praticados, e outros que ainda serão inventados.

Mas haviam também brinquedos simples, e bem longe, reconheci Toddynho brincando de balanço, um balanço branco,mas que ia muito longe...

Enquanto olhava Thati brincando, meu amigo Róbson e a Alexandra Lucatelli, vinham me receber.

Esses dois tem um espírito bem aventureiro, já foram mochileiros lá nas montanhas do Peru, e a Alexandra inclusive, já foi de mochileira até o Cazaquistão!

Eles me falavam do local, e os dois me vestiam com um pára- quedas, ao qual eu tentei recusar, mas eles não deixaram:

Quando vesti o para-quedas, eu ficava há uma altura de um prédio de 3 andares, do chão, e passeava pelo local...eu via pessoas correndo embaixo de mim, eu via pessoas nadando num lago, estavam apostando corrida...eu via outras pessoas com o para-quedas que eu estava...

A verdade é que tive uns "flashes" em que eu passava por pelo menos mais 3 ciclos, além desses...só que não consigo me lembrar...acordei, e me esqueci dos outros ciclos...sorry!

Esse sonho durou muito tempo, e tenho certeza de que, por pelo menos mais 3 ciclos, eu passei. Mas talvez o Chefe não quer que eu me lembre...enfim, foi assim o sonho.

Interpretation:

Hoje, vendo o orkut da Cynthia, tinha a seguinte frase: "Every new beginning comes from some other beginning's end", que traduzindo, dá mais ou menos o seguinte:

Todo novo começo, vem através de algum outro começo de fim.

Pra vc começar um novo ciclo de vida, vc tem que terminar um outro, em que vc estava...
Museu- velha no museu:

O Museu significa viver do passado.

A velha no museu, num era velha: era uma pessoa nova, com espírito ranzinza.

Ela se acostumou de tal maneira a ficar com recordações do passado, que mesmo sendo nova, ficou tão velha quanto as coisas que o museu apresentava.

Tem gente que , como a velha "não tão velha", sabe até onde fica a saída (ela sabia), mas é tão negativista quanto ao futuro, que prefere ficar segura no museu da sua vida, com suas lembranças.

Gente que permance anos no mesmo trabalho, mesmo sem gostar dele;

Gente que permance na mesma grei, mesmo se tiver um pastor afundando a mesma, só por que tem amigos, e não quer se dar ao trabalho de fazer novas amizades em outro local;

Gente que tem a mesma vidinha medíocre, o mesmo casamento sem amor e de fachada há anos,mas que vive das recordações de que quando era bom.

Gente até nova, mas que já se conformou em virar peça de museu de sua própia vida: ela não sabe nada de futuro, nem vive o presente ,é especialista só no passado.

O Engarrafamento

Significa o cotidiano da vida...gente que so sabe ralar, trabalhar, viver num corre-corre diário.
Tem pais que só tem a imagem do filho dormindo: quando sai, e quando voltam só veem eles dormindo.

Casais que saem de casa de manhã, e só voltam a noite, que só compartilham a cama pra dormir.

Gente que até pode ter muito dinheiro e luxo, ao preço de quebrar o relacionamento em família.
Gente que só e mal se vê, nos fins de semana.

Gente que incorporou essa correria, essa sobrevivência, a sua maneira de viver...

Gente que pode morrer atropelado pela vida a qualquer instante...será que vale a pena?

Obs: isso serve também para os teens que só vivem em função de vestibular, estudantes em stress de estudos, gente que só vive para trabalho, pastores que só vivem para o ministério, e se esquecem da família, e eles mesmos, de viverem a vida.

Viva a vida, com a liberdade que Deus te deu, sabendo que vc prestará contas a ele, quando Ele perguntar: E aí, o que vc fez da sua vida?

A Aventura

O ciclo da aventura, faz parte da vida...e ainda assim, poucos a aproveitam.

Faça como aquela vovó, que pegou a faixa preta de karatê aos 85 anos.
Ou o senhor que só pôde tirar seu brevê de piloto aos 55 anos...era sonho de criança.

A senhora que começou a correr aos 73 anos...hoje corre em corridas de rua.

Dona Ivone Lara vai gravar seu primeiro Dvd agora, aos 88 anos.

Muita gente tem vontade de fazer tanta coisa, mas alguém conseguiu botar na cabeça delas que isso é coisa de maluco, coisa pra jovem, coisa pra esportista.

Eu nunca me imaginaria naquela nova modalidade de para quedas...num sou chegado a alturas...
Se tivesse me conformado,estaria ainda no museu, com a velha esquisita...
Ou correndo pra "ganhar a vida", correndo o risco de perdê-la, sendo atropelado pelo corre-corre da mesma.

Lee, curioso até agora, para saber os outros ciclos por que passei, mas num me lembro.

Na Sessão Revival, Cyndy Lauper fala sobre o tempo, legendado: