segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Perigo, Correnteza


Nesse sete de setembro, precisava recarregar minhas baterias...

Fui pra Ipanema, não pra ver the girl from Ipanema, mas ver o mar.

Se a praia de Copacabana é a mais famosa, Ipanema vem em segundo, e é charmosérrima..

A praia da Barra da Tijuca, onde ocorrem a maior parte das cenas de praia de novelas, até que é bonita, mas não tem o mesmo charme das duas primeiras.

Fiz uma boa caminhada na rua fechada para os carros (voltando ao JJ : preciso de gás, força eu tenho) e me sentei embaixo de uma árvore de frente a praia.

Meditei,orei, fiquei leve de quase dormir...ver o mar, me relaxa.
O mar é como a vida:

Hoje, estava um azul piscina lindíssimo, mas as vezes, fica meio cinzento, em especial quando chove, ou tá muito sujo...

Ás vezes, estamos e nos sentimos limpos, e tudo parece bonito...

Mas também há fases cinzentas:

Tempestades podem fazer o lodo ficar boiando na água...

E nos sentimos sujos, muitas vezes, por pecados.

A água pode estar tranquila, numa parte, e na outra, podem ter avisos:

Placas indicam correntezas perigosas...

To cansado de ver gente ignorando a placa, com salva-vidas ao lado...

Tem mais gente que se arrisca a morrer na faixa proibida, do que a se banhar na faixa boa para banho...

Quando exatamente ao lado da placa, no lado “bom “ a água está tranquila!

Muita gente faz assim com sua própia vida:

Não atende aos salva-vidas (conselheiros que o Chefe põe no mundo para ajudá-los) e mergulha na correnteza forte, apenas por que é a "moda do momento":

Sexo desenfreado, drogas de todos os tipos, gente novinha já em coma alcóolico...

Dia desses, aqui ao lado do tradicional Tijuca Tenis clube, um menino de não mais que 13 anos estava no chão igual a um mendigo, ao lado do seu próprio vômito, e era zoado por seus “amiguinhos e amiguinhas de balada”...

Mas muita gente insiste em ir contra a correnteza, apesar das placas e salva-vidas, também nas igrejas...

Mergulham de cabeça nos ensinamentos distorcidos que vários “líderes” ensinam...

Insistem em permancer nessa faixa perigosa, nesse gueto de areia arriscado, nesse pedaço de praia que pode levar a morte...

Entram no mar, nessa faixa proibida, gritando “glória a Deus”, levantando as mãos num transe cego, e quando percebem, estão se afogando- mas não dá pra voltar mais...

Canso de ver gente boa, morrendo assim...

Mas o que até hoje nunca entendi, foi ver gente que o salva vidas resgatou, fazendo inclusive ressuscitação na beira da praia mesmo, e que no outro final de semana, voltou:
Mas não voltou para a faixa segura...voltou a zona de risco:

Continuou a entrar mergulhando, gritando aleluia, e de olhos bem fechados no transe espiritual, cada vez mergulhando mais fundo na “insensatez gospel”...

Já com a água o puxando, ele começa a cantar: “ se diante de mim não se abrir o mar, Deus vai me fazer andar por sobre as águas”...

Aí, Rompe, não a fé, mas a onda bem na cabeça dele, afogando-o novamente...

O óbito espiritual nessa faixa onde a correnteza é fortíssima, é muito alto.

Era só olhar placa de aviso, e seguir o conselho do salva vidas:
"Não vai na onda dos outros...vc vive fazendo isso, mas sua vida sempre é a mesma coisa...vai na faixa segura...por que vc acha que tem essa placa? Por que vc acha que eu to aqui?"

Mas essa turma “super gospel”, alienados que são, sempre vão preferir “romper em fé" :
Estão sempre se rompendo.

Glub-glub-glub....

Lee, em seu 7 de setembro passeando em Ipanema.
Na Sessão Revival, Barão Vermelho: