quinta-feira, 17 de setembro de 2009

A Relação entre a Fé, a Oração, e a Cura Divina nos dias de Hoje


Com o avanço da medicina, muitos acharam que as curas realizadas nos tempos bíblicos ficaram só no passado...

Mas quando viram que uma “simples” gripe matou tanta gente e levou pânico ao redor do mundo, perceberam que a medicina, por ela mesma, pouco pode fazer:

Nem vacina oficial pra ela ainda saiu, só daqui há algum tempo.

Cada vez mais, a ciência vem estudando a relação da fé nas curas...médicos de todo o mundo (o Brasil ainda tem certa cautela) já levam essa questão mais a sério:

Nos Estados Unidos, por exemplo, há mais de 10 anos exige-se que todos os programas de residência para psiquiatras incluam no currículo questões religiosas e espirituais.

A recuperação pós -cirúrgica de pacientes que declararam ter fé em Deus,e que declaram que crêem que Ele está cuidando pessoalmente deles ,chega a ser 14 vezes maior do que os que não declaram ter fé em nada, revela pesquisa do Instituto de pesquisas psíquicas Imagick.

Na mesma pesquisa, um paciente com fé em Deus, no geral, fica apenas 4 dias internado num hospital, enquanto um que não crê, fica em média 12 dias.

Segundo o médico, ao orar ou rezar seguidas vezes, o paciente atinge um estado de relaxamento capaz de reduzir o impacto dos hormônios no organismo.

A oração continuada desacelera os batimentos cardíacos, o ritmo de respiração, baixa a pressão sanguinea e reduz a velocidade das ondas cerebrais, melhorando a condição física.

Bem, é só até aí onde a medicina pode pesquisar...

Pois com Deus, isso já entra no campo da fé- e aí não tem ciência mais que explique:

“E a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados”. (Tiago 5.15)

Nossa função aqui é confiar, e sempre orarmos ao Senhor.

Mas isso não inclui:

Deixar de tomar remédios – continue tomando,pode ser que a cura Dele seja via remédios;


Interromper tratamentos, até ter o diagnóstico médico de que foi curado:

Ninguém deve interromper desde simples sessões de fisioterapia, até sessões de quimioterapia, se não houver diagnóstico médico de cura.

Quando criança,vivia parando no pronto-socorro pra tomar oxigênio por causa da asma.

Remédios, natação, só aliviavam, mas nunca curaram.

Um dia, sonhei que um aspirador portátil limpava meu pulmão da asma...

Acordei respirando melhor, e sabia que tinha sido curado por Ele:

Mas fui ao médico confirmar.

Quando teen, não aguentava mais aquele aparelho nos dentes, o “boca de ferro”, que me atormentou por seis anos:

Toda semana voltava com a boca doendo, apertada pelo dentista, depois de cuspir muito sangue.

Um dia, orei: “Num aguento mais...num dá pra vc me curar disso, juntar meus dentes logo? "

Eu tinha maloclusão de segundo grau, fui objeto de estudo na UFRJ e tudo.

Fiz essa oração com a mão na boca, na saída do consultório, na rua, debaixo de dor.

Faltei nas duas consultas seguintes: não aguentava mais ser torturado...eu saía de casa como se fosse pra consulta, mas me refugiava no meu querido cinema, ou no fliperama.

(Fliperama era onde tinham jogos eletrônicos como o Pac man, hoje tudo foi substituído pelas lan house de jogos)

Umas duas ou três semanas depois, voltei ao meu dentista - torturador:

Ele era sessentão, sisudo, com cara de dentista do Hitler, e a mão dele já começava a tremer, o alicate sempre escorregava direto na minha gengiva, que sangrava mais que boxeador que levava soco do Mike Tyson, em evidência na época...

Ele, catedrático da UFRJ, levou um susto:

- Há quanto tempo vc não vem aqui?

-Há umas três semanas, disse eu.

- Seus dentes estão todos juntos! O tratamento acabou: só não tiro o aparelho hoje, pois (a época) leva mais de uma hora!

Pela primeira vez em seis anos, não cuspia sangue, e nem precisava tomar só líquidos e sopa naquela noite:

Comemorei na descida do consultório, devorando um Big Mac!!

Na última consulta,foi só para retirar o aparelho- e dessa vez, o alicate não escorregou.

Hoje, quando preciso, vou ao meu colega Marcelo, faixa preta de Jiu-Jitsu que treina comigo...isso, enquanto não descubro o consultório da Thaís, a “favorita da Marinha”.

Ore pela cura...a Palavra ensina isso...mas saiba que:

Ele pode se utilizar dos remédios e tratamento- nunca pare até seu médico mandar.

Ele sempre ouve a oração...mas pode decidir que a pessoa conviva com uma enfermidade (Paulo, no Novo testamento, é o exemplo clássico);

Ou pode querer que a pessoa vá para estar ao lado Dele:

Um amigo pastor que sempre encontro no Shopping, anos atrás teve seus dois filhos pequenos enfermos de ficar no hospital, ao mesmo tempo, entre a vida e a morte.

Ele orou: “Eu creio num Deus poderoso, que cura. Por isso te peço, ou o Senhor cura meus filhos, ou os leva!”

A família não aguentava mais o sofrimento...

No dia seguinte, Deus levou um, e o outro ficou curado milagrosamente.

Ele sabe o que faz, e o que é melhor, muito mais do que a gente:

Ore, confie, deixe a decisão com Ele.

Lee, sem sorriso metálico, pela fé que tive Nele.

Falando em sorriso, o seu " sorriso certo" é simplesmente encantador: Me deixa de boca aberta...rsss...
Faz até me esquecer que vc me desperezou duas vezes!!


Na Sessão Revival 2 vídeos:

B.J. Thomas dizendo que Ele a é mão no seu ombro:

http://www.youtube.com/watch?v=T1Vc45cz6T0


Minha consulta com meu então dentista-torturador..."não era seguro"!

http://www.youtube.com/watch?v=dG5Qk-jB0D4