sexta-feira, 2 de outubro de 2009

De Copenhague a Copacabana: Rio 2016



Minha saga em direção a praia de Copacabana começa na saída do metrô:

Eu percebi que não deveria saltar na Cardeal Arco-Verde (a estação mais próxima do evento) e sim na próxima, Siqueira Campos.

Lá, encontro o Roberto (na verdade, ele que me viu), e o cumprimento pela chegada do Samuel...ele teve que tirar férias...

O moleque mama 16 vezes por dia , e ele e a mulher só dormem 3, 4 horas por noite:

Vida de pai novato é fogo.

Percebi que seria difícil caminhar no meio da muvuca, no calçadão:

Fui pela praia, na areia, a beira mar...foi a melhor escolha:
Mais cansativo? Sim...mas fiquei bem em frente ao telão, e pertinho do palco.

O show do Lulu Santos foi o máximo...ver de graça, então, melhor ainda!

É impressionante a vitalidade dele (ficou uma hora direto, sem intervalo), e de como meninas de 14 anos até gente setentona sabem as músicas de cor.

Lulu começou com “Toda a forma de amor”, e num dos trechos da música diz o seguinte:
“Não vim aqui pra perder...”

Enquanto isso, rolava a votação lá em Copenhague, e nós, em Copa, ficamos sabendo que Chicago e Tóquio tinham rodado:

Festa geral...parecia realmente que não estávamos ali pra perder.

Me lembrei que as próximas Olimpíadas são em Londres, “ao lado” ali de Madri:

É quase a mesma distância de um bairro pra outro, em hora de rush, aqui no Rio...

Isso iria facilitar...ah, e espero que em Londres não continuem confundindo brasileiros com terroristas, dando tiros e ficando por isso mesmo, como no caso do Jean Charles.

A gente não podia perder pra Madri:

No aeroporto deles, todos homens daqui são tratados como cachorros, e as mulheres como putas.

Nem em Tokyo e Chicago, muito mais civilizadas , recebemos esse tratamento.

No palco, a repórter global Ana Paula Santos, uma mulata muito bonita, me dá um tchau, levanta o polegar e dá um sorriso : Pediu pra gente dali agitar o pedaço pra sair na filmagem.
Alías, tinha um cinegrafista do Japão que estava pasmo, vendo a festa...por lá, não tem essa alegria toda, eu vi a festa de Tókyo.

No stand da Globo, a Renata Capucci era a pura alegria, ao vivo no RJTV...

E a Band mandou o Boechat, que devia se sentir em casa: Ele é carioca.

Um gordão de uns 120 kilos fica com a filhinha na minha frente...
Ainda bem que eu era mais alto, mas depois da quinta latinha de Skol, ele começava a “bambear” e esbarrava em mim, atrás...

Toda hora me pedia perdão (estava com uma mochila nas costas, veio de longe),quase chorando de emoção “embriagada”...eu mereço.

Muita gente, muitas famílias, muita gente de outros estados (até do Rio Grande do Sul), muita molecada( foi ponto facultativo aqui no Rio), muito idoso...uma festa só.

Não houve problemas...muito PM, inclusive circulando entre as pessoas...

Sai o resultado em Copenhague, e a alegria explode em Copacabana.
Vejo o Lula emocionado abraçando Sérgio Cabral e o Paes, no telão...

Vejo o Pelé chorando...o Obama chegou cheio de pose, e voltou sem graça:

Foi parar ali em Copa (o sósia carioca dele, com seus “seguranças”, todos figuraças).

E na comemoração, o gordão “mamado” de Skol me abraçou e ficou chorando...

Nenhuma mulher bonita se emocionou e me abraçou -só o gordão com a filhinha:

Eu mereço...tem coisas que só acontecem com o Botafogo- e com os botafoguenses.

Volto beirando o mar...e mesmo andando na parte mais alta, o mar veio e molhou toda minha roupa, resvalando a água por cima do joelho, de surpresa.

Quando vou á praia, minha energia se renova, e se tiver contato com a água, começo a relaxar, ficar mole...

Vou almoçar numa padaria na Miguel Lemos, onde sempre almoço quando vou á Copa.

Ali pertinho da Estação, no caso, Cantagalo, pra minha volta.

Em menos de sete anos, o Rio vai ter a atenção do mundo inteiro:

A Copa de 2014 vai ser no Brasil, com a final no Maracanã, aqui perto de casa.

Deus está chamando a atenção pro Brasil, lá fora: Tem algum motivo nisso.

Fiquei vendo gente fazer as contas de quantos anos vai estar nos eventos, planos, como vai estar, etc...dei um sorriso...
Há muito tempo me libertei de planos, expectativas, blablablá:

Afinal, “muitos são os planos do coração do homem, mas o desígnio do Senhor, esse prevalecerá".

Entro no metrô na volta, pensando como o Lulu tinha razão:

Não fomos ali pra perder.

Lee, testemunhando um momento histórico da minha cidade “in loco”.
Na Sessão Revival, Lulu com "Toda a forma de amor" :