sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Deus cupido: Só na Mitologia 3


Vimos ontem que Deus não coloca, não embute, não programa nínguém para amar, como se fosse um programa de computador , uma máquina, um robô.

Ele simplesmente manda que amemos – é algo que tem de partir de nós.

Até para amar a Ele mesmo, Ele espera isso do homem...
Não vem chip de amor embutido na gente - é decisão de cada um.

Muita gente ora ao “Deus cupido” pedindo que este envie o seu eleito, ou a sua eleita:
Acham que só existe uma única pessoa na terra que serve para ele.

É a síndrome do príncipe encantado, ou da princesa encantada, no inconsciente coletivo, inclusive na igreja:

Acham que em alguma hora, num passe de mágica, uma única pessoa “separada” por Deus irá aparecer (isso é pregado de púlpito).

Pensa-se assim lá fora, e dentro da grei também:

Lá fora, chamam a isso de “destino”, está “destinado” a acontecer na vida;

Na grei, é o “Deus cupido” quem vai trazer a pessoa – uma única pessoa no mundo todo, que o Deus cupido teria separado, escolhido.
Assim, ocorrem duas coisas, geralmente, com essas pessoas:

1 - Um enorme estado de ansiedade.

A pessoa pensa que o primeiro que aparece é o eleito/eleita, mesmo que intuitivamente, sinta algo diferente (incompatibilidades as mais diversas, falta de um dos 3 tipos de amor citados anteriormente, etc).

2 – A pessoa deixa de conhecer gente, de sair com elas , de seguir o fluxo normal de se relacionar com pessoas, conhecê-las - afinal,o Deus cupido já "separou" alguém.

Novamente aqui a igreja exerce seu papel repressor (quando digo igreja nesses casos, falo de instituição, e não as pessoas- as pessoas é que na verdade “são” igreja):

Fica todo mundo dentro de uma caixa de bombom, pois pastores no fundo não gostam quando a turma vai em outras igrejas (ciúmes de outros ministérios, medo de perder membros, medo de ficar sem contribuição de dízimo...a desgraça de um pastor é ver sua igreja vazia).

Crente então é proibido de se “relacionar com o mundo”: os pastores ao longo dos tempos, confundiram o “não se conformar com o mundo”, de Romanos 12, 1.

Ali, fala-se de “sistema de valores, de pensamento deste século”, e a maioria confunde com natureza física (praia, etc).

Jesus frequentava festas como casamento, a festa da páscoa, etc:

O primeiro milagre de Jesus foi numa festa, ao lado de gente que não o seguia.

Mas crente tem horror a gente que não é de igreja – são esquistóides, só falam o dialeto evangeliquês gospel, frequentam festas “gospel”, onde na maior parte das vezes, só há interesse financeiro (shows, congressos, exposições, etc).

E ainda querem que os outros se convertam pra esse “nicho”, achando que isso é que é “vida”.

Assim são ensinados nas igrejas, mas Jesus com seu exemplo, nunca fez isso.

Ele apresentava outros valores, os valores do reino Dele, andando no meio do povo.

Frequentava sinagogas? Sim.

Mas preferia circular no meio do povo, inclusive em suas festas folclóricas:

Os milagres Dele eram realizados ao ar livre, no meio da rua, e não em templos.

Portanto, saiba que Deus é amor, pois Ele nos amou primeiro:

Não poupou nem a seu próprio filho, por causa desse amor.

Mas Ele nunca teve vocação pra cupido.

Nunca vi uma passagem em que Jesus apresenta alguém para outro, nesse sentido.

Existem várias pessoas na vida, e não uma só, que se adequam ao seu gosto, modo de pensar a vida.

Particularmente, não tenho problema nenhum com o Ágape:

Ele faz parte da minha vida.

Jesus disse para orar pelos inimigos e que nos perseguem:

Eu já orei por e com o inimigo ao meu lado...

Um cara que me perseguia no serviço direto:

Orei com ele quando soube que este estava enfrentando uma enfermidade, dentro da sala do setor administrativo em que ele trabalhava...ele até fechou os olhos e levantou as mãos, comovido.

Tive vários outros casos nesse sentido, com gente invejosa (eu não tolero é gente que se diz crente fazendo isso).

Já me joguei em cima de gente na hora de tiroteio... se a bala fosse na direção dela, me furava.

O amor sacrificial faz parte da vida de quem entende o evangelho.

O Philos, só se desenvolve em contato com gente, em geral que admiro.

E no Eros, fujo completamente ao padrão vigente por aí...

Em corpo, idade, inteligência (sim, também somos atraídos por ela), etc.

Por exemplo,o padrão masculino brasileiro adora peitão e bundão:

As mulheres Melancia, Jaca, Samambaia, e outras desse tipo, vendem revistas, jornais e estão na TV:

Até a Ana Maria Braga botou bunda de silicone.

Num ligo pra nada disso...se é seca que nem uma tábua, ou se é siliconada, tanto faz.

Nos últimos tempos, só duas, três pessoas me chamaram a atenção, completamente distintas:

Uma professora universitária, com doutorado, não aparentando os mais de 40 anos que tem:

Linda, meiga, um doce de pessoa, cabelos pretos e branquinha...de igreja.

Saímos algumas vezes, mas “não rolou” - ela não quis.

E uma atendente de fast-food de 25 anos:

Conversamos na hora do intervalo dela (que seria só de 15 minutos) por uma hora.

Morena, cabelos claros (pintado), magrinha igual a uma tábua, “sem peito, nem bunda”.

Ainda nem completou o ensino médio, mas é muito inteligente e de bom papo, simpática:
Não é de igreja.

Nunca saímos nem rolou nenhum pedido, até por causa do louco horário dela.

No restante, até teve gente interessado em mim, mas desconversava por não sentir nada nesse sentido, preferindo desenvolver apenas o Philos- desde que não me enchessem o saco- mas encheram (uma me ligou e me perseguiu por um ano – tive que trocar de chip).

E outra , que admiro em silêncio, com gosto muitíssimo parecido com o meu, o qual fui mentor dela no passado...vai fazer 21, tem namoradinho, me afastei por completo.

Tem mulheres de 45 e até 50 anos que me chamam a atenção...

Não ligo pra cor da pele...muito no passado, “fiquei” com uma negra que lado a lado, parecia café com leite.

Idades diferentes, corpos diferentes, formações diferentes, umas são “de igreja”, outras não são...

Deixo esses exemplos apenas para deixar claro que o Eros, no meu caso, não tem um padrão:

Simplesmente sei quando tem, e quando não tem, esse elemento.

Lee, finalizando a série “Deus cupido”.


Finalizando Sessão Revival Love com uma das canções românticas mais belas e conhecidas no mundo, sou fã dela: