quinta-feira, 15 de outubro de 2009

A Diferença entre um professor e um Mestre


Nesse dia do professor, li que a maioria dos professores no Brasil, dos que lecionam nas regiões Sul e Sudeste, recebem apenas 720 reais de salário em média.

No Norte e Nordeste, recebem menos: Em média 450 reais.

Ou seja, professor por aqui não é uma profissão valorizada...

Na Coréia do Sul, uma professora primária recebe em média 4.500 reais:
Só assim, eles se tornaram uma potência asiática.

No Japão, são valorizados, nos EUA, recebem pouco, mas são reconhecidos.
Por aqui, eles vão procurar melhores salários nas faculdades.

Mas reparei ao longo do tempo que tem alguns professores que são Mestres e alguns professores são apenas “professores”.

Não estou falando de títulos:

Tem muito mestre com mestrado e doutorado que " não é mestre ".

E tem muito mestre sem título de mestre, mas que na verdade é um mestre de fato.
“Canudos humanos” certificam apenas no papel, mas não para vida:
Não para a missão de “ser mestre”.

O mestre passa a ser mais do que um professor , quando começa a influenciar a vida das pessoas de maneira positiva.

Lembre de um professor seu que te influenciou positivamente.

Não estou falando de professor que meramente marcou:

Vc pode ter sido marcado por um professor estúpido e grosseiro, que te humilhou, te reprovou injustamente, que te perseguiu, etc.

Por isso não vale um “marcante”- esse te marcou negativamente.

Também não vale o “palhaço”, que botava todo mundo pra rir, com as piadas na sala...

Ou o “animador ou animadora” de torcida, que agitava a galera;

Ou o “camarada” que tomava Coca-Cola na hora do intervalo (até o ensino médio) ou bebia junto com a turma, na faculdade...o "amigão" da turma ...eles acabam sendo paraninfos.

Também não estou falando do professor charmoso que te desconcentrava na aula;

Nem da professora gostosa que tirava qualquer possibilidade de atenção na matéria.

Estou falando do mestre, aquele que realmente te infuenciou positivamente no curso da vida...

Tem muito professor desinteressado, desestimulado, que só quer receber no fim do mês.

Tem o professor que não devia ser professor- ele não sabe, tenta mas não consegue, transmitir a matéria...chega a dar pena.

E os professores “legais” que citei acima...mas que são apenas “professores”.

O mestre influenciou alguma coisa na sua vida- fez despertar algo de positivo em vc;

Fez com que, a partir daquele instante, vc começasse a pensar e agir de maneira diferente na vida.

Fez com que, a partir de determinado momento, seu pensamento se dividisse em antes de conhecê-lo e depois de conhecê-lo.

Ele pode ter sido “legal” ou sisudo, pode ter sido feio ou bonito, pode ter tido uma voz de trovão ou voz chata;

Vc pode ter conhecido ele (ou ela, estou falando em 'ser mestre') ainda na infância;

Ou pode ter conhecido somente bem mais tarde, talvez numa pós- graduação.
Talvez vc possa ter tido a felicidade de ter conhecido mais do que um mestre:
A maioria das pessoas, infelizmente, ás vezes não conseguem conhecer sequer um mestre ao longo de toda a vida.

Se vc ainda é novinho ou novinha, observe, e se achar, absorva o máximo que puder do seu mestre...anote num caderno, grave:

Talvez vc nunca mais vá ter outra oportunidade...e vc vai ver que tudo o que ele falou vai acontecer mais tarde – e como vc já “sabia” tempos antes.

Professores, vc vai ter aos montes.

Mestres, são mais difíceis de serem achados...
Eles estão escondidos nas escolas, nos cursinhos, nas faculdades, nas igrejas, nas academias, nas artes marciais, na dança, em quase todos os setores:

Mas são muito raros.

Não meça um mestre por suas posses...alguns sim, se aproveitam de sua sabedoria pra terem coisas, outros não se importam com isso.

Tive uma mestre, dona Ângela, que me “descobriu” na quarta série.

Ao ver minhas redações, ela me trouxe um livro de aventuras infanto-juvenis, chamado A turma do Posto Quatro, sobre uns adolescentes de Copacabana.

Juntando a leitura, com a junção do cinema, que também já havia começado cedo, virei um devorador voraz de livros, revistas e jornais.

Ao ver meu potencial, ela despertou em mim a paixão pela leitura, que foi voraz até há uns 3 anos atrás...hoje tô mais devagar...lia uns 15 livros por ano, ás vezes 3 ao mesmo tempo.

Hoje fiquei só com os filmes.

Mas como Mestre que mudou minha maneira de pensar, de referencial de vida, não dá pra comparar ninguém com o maior deles...

Jesus era reconhecido como Mestre, e também se intitulava um.

Por Nicodemos quando disse: Rabi (mestre, Rabino), sabemos que és Mestre vindo da parte de Deus (João 3.2).

O curioso é que Nicodemos é que era tido como mestre em Israel:

Sabia de cor mais de 600 mandamentos da lei...

Mas o mestre de fato, é discernível:

Nicodemos não era discípulo, seguidor de Jesus...Nicodemos não era “crente”.

Nos evangelhos, Jesus é chamado Mestre por quarenta e cinco vezes, e nunca se fala nele como pregador.

Hoje, nas igrejas, há muitos pregadores, mas pouquíssimos mestres.

Jesus se intitulava mestre:

Vós me chamais Mestre; e dizeis bem, porque eu o sou” (João 13.13).

Fala-se de Jesus ensinando, quarenta e cinco vezes, e onze vezes apenas pregando...

E mesmo assim, pregando e ensinando:

“Ensinando em suas sinagogas e pregando o evangelho do reino”. (Mateus 4.23)

Tive a benção de ter tido uma mestre na infância...

Mas tenho a alegria de ter um Mestre permanentemente.

Ao Mestre, com carinho, Lee.
Na Sessão Revival, o tema do clássico Ao Mestre com carinho, com o inesquecível professor Sidney Poitier- que na verdade, foi um Mestre, no filme...