domingo, 18 de outubro de 2009

Fora do Saleiro, mas com gosto


" Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar?
Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens. " (Mateus 5.13)


Durante um longo tempo, o sal foi considerado muito precioso para a preservação dos alimentos, e foi chamado de “ouro branco”, tal era o seu valor.

Na era pré-geladeira, cobriam-se as carnes com sal, para maior durabilidade...

E isso tem pouco tempo historicamente, pois a geladeira só foi inventada há pouco mais de 150 anos.

Os gregos e romanos, utilizavam o sal como moeda para suas compras e vendas e com este condimento, os romanos eram pagos.

Daí surgiu a palavra salário, que é derivada de sal.

O sal era também considerado um artigo de luxo, e só os mais ricos tinham acesso a ele.

Jesus no sermão da montanha se utilizou desse exemplo, sabendo da importância do sal no contexto da época, diferente de hoje, onde um pacote vale menos de dois reais.

Ele sabia do valor do sal, e como este era precioso ;

Ele sabia da importância do sal, para manter alimentos perecíveis por mais tempo ;

Ele sabia do sabor do sal, em termos de paladar ;

E Ele sabia do contexto religioso do sal, para os judeus;

O sal Kosher já era utilizado para preparar carnes, pois remove o sangue rapidamente:

Pela lei, até hoje os judeus são proibidos de comerem carne com sangue (tipo bife mal passado).

Este sal contém cristais grossos e irregulares (é um dos favoritos dos chefes de cozinha) e até hoje é extraído sob a supervisão de rabinos.

Por isso, Ele comparou os discípulos com o sal da terra:

São valiosos;

São o tempero do mundo, que dá gosto, sabor;

Estão por toda a parte do planeta;

Vc encontra envelopes de sal em toda mesa de bar e restaurante, seja aqui ou na Tailândia, em Cuba ou na Rússia, seja na África ou no Alaska:

Aliás, por lá, como em outros cantos frios, o sal é jogado na neve para derretê-la e abrir passagem nas ruas- é o sal quebrando barreiras.

No contexto espiritual, o significado é muito mais importante.

Ele diz que seus discípulos são o sal da terra :

Esse mundo só tem graça ainda, algum sabor, pela presença Dele em nossas vidas.

Mas a seguir, joga logo a questão:

Se o sal for sem gosto, como é que vai salgar alguma coisa?

Se for assim, Ele diz que não serve pra nada, aliás, só pra uma coisa:

Ser jogado fora e pisado pelos homens.

Jesus chamou os seus discípulos de sal, e não a “igreja instituição” (foi no sermão da montanha, portanto fora da sinagoga) :

Ele sabia que a igreja são as pessoas, e não uma casa com placa com horários de culto ou missa do lado de fora, e com o nome da igreja.

Ele sabia que só daríamos sabor ao mundo, transmitindo o evangelho do reino ;

Ele sabia que a vida só deixaria de ficar sem graça , quando ensinássemos a graça desse evangelho ;

Ele sabia que se fôssemos sal, naturalmente nosso contato com outros faria com que estes tivessem sal, existencialmente falando.

Hoje, a maioria das igrejas são saleiros fechados, e com sal estragado.

Pode jogar fora, que não faz nenhuma diferença, ainda que seja enorme.

Elas produzem sal estragado, que não dão sabor nenhum, pela seguinte razão:

Seus líderes são legalistas, e prendem os fiéis no “saleiro.”

O sal não pode sair de jeito nenhum para eles, pois “ o mundo jaz no maligno”.

Eles não entendem que isso se refere a sistema de valores, de pensamento secular, e tomam ao pé da letra, pensando que é o Cosmos, criado por Deus.

Assim, são proibidos de irem a praia, de gostar de artes, como cinema, teatro, museus e esculturas.
(OBS: tem gente de igreja aqui no Rio que nunca foi ao Corcovado por causa disso:
Em 22 de março de 1923 , seguidores da Igreja Batista declararam em nota publicada em O Jornal Batista, órgão oficial da Convenção Batista Brasileira, seu desgosto quanto à construção do Cristo Redentor.
A nota afirmava que a construção "será a um tempo um atestado eloqüente de idolatria da igreja de Roma e uma afronta a Deus. No dia em que tal crime se consumar, bom seria que todos os verdadeiros cristãos no Brasil se reunissem em culto penitencial, para pedir a Deus que não imputasse a todo o Brasil esse grande pecado, cuja responsabilidade deve recair sobre a Igreja Católica e sobre os governantes que não souberam ou não quiseram fugir à armadilha, preparada por ela com a isca do patriotismo".)

São proibidos de irem a eventos esportivos ou shows (dizem que é a “ roda dos escarnecedores” de Deus do Salmo 1) ;

De escutarem músicas que não sejam “gospel” , que, tirando bem poucas excessões, ás vezes distorcem mais o evangelho (especialmente as letras ligadas a teologia da prosperidade), sendo perigosamente absorvida pelos mais variados grupos cristãos, seja de que igreja for.

Já vi pastor dizer que “contato com incrédulo, só para pregar o evangelho”.

Assim, o sal fica preso no saleiro...sabe aquele saleiro que vc dá um tapinha, e não sai nada, depois tem que ficar socando ele na mesa – e ainda assim num sai nada?

Daqueles que vc tem que acabar abrindo pra tirar algum sal?

Assim são várias igrejas hoje em dia...elas podem até ter um pastor “bonzinho”, que conhece todos pelo nome, é alegre e segura neném no colo...
Mas é legalista, fechado, filho da lei, e não da graça.

Pode ser por “tradição”, por ter crescido e aprendido dessa forma, e passar isso ao povo, ensinando-os a serem sal de saleiro sem graça, ou por interesses financeiro.

Fazem congresso “na igreja” , acampamentos para os “da igreja “, alguns poucos capacitam até os membros “da igreja” para alguma função “fora da igreja”:

É quando ás vezes sai um bocadinho de sal...e assim acham que estão “temperando”.

Igreja “instituição” , do jeito que se vê hoje, é um dos saleiros mais fechados do mundo.

Os participantes desse saleiro, vão se tornando insípidos, sem gosto, sem graça.

Pelo simples motivo de que o sal tem que sair pra salgar:

Como um sal vai salgar outro sal?

Perde a graça – a função do sal é temperar, dar gosto.

Ou então, são liberados para um “rápido contato com os incrédulos”, e como são proibidos de caminharem entre eles, salgam tudo por completo, exageram na dose:

Quem tem paciência pra escutar um “papo de crente” hoje em dia, além deles mesmo?

Alguns anos atrás, no meu serviço, o cozinheiro salgou demais a comida.

Era meio dia, cheio de fome, num quis nem saber:

Mandei ver, tomando com refresco cada colherada.

Quando deu 16 horas, corri para o banheiro, e botei tudo pra fora:

Vomitei por 5 minutos.

Alguns “papo de crente” dão vontade de vomitar - Eles vem "salgado demais" !
São bitolados , tem um dialeto próprio, dentro da “igreja”, que acham que quem não é “dela”, é obrigado a entender...vivem numa espécie de Disney gospel...

É difícil conversar com uma grei-girl , uma garota de igreja : Em geral , são muito bobas.

É difícil conversar com um grei- boy que só vive no saleiro.

É difícil conversar sobre a vida, com pessoas presas no saleiro, mesmo as que são liberadas, eventualmente, para contato com os de fora:

Isso acontece nesse chamado “evangelismo”, onde geralmente distribuem um folheto, ficando na esperança de quem lê um papelzinho, venha fazer parte do saleiro...

A igreja do saleiro de hoje, entrega papelzinho no meio da rua, e acha isso o máximo!

Muito diferente do sentido de igreja, no Novo testamento:

"E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração,

Louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo (pois caminhavam entre eles).

E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar

(Pois estes tiveram contato permanente com os "da igreja" - fora dela). (Atos 2. 46,47)
O Senhor só acrescenta "á igreja ", quando esta caminha e participa da vida do povo.
O restante é dar golpe em ponta de faca.

Nunca vi folhetinho distribuído, campanha pra “levar a igreja”, concentração evangelística em praças , ginásios ou estádios, cartazes, carro de som, no novo testamento :
Tudo isso só gera cansaço em quem participa, e encheção de saco pra quem escuta.
Sem falar na perda de tempo e dinheiro.

As pessoas se aglomeravam para ouvir o ensino de Jesus naturalmente:

Não tinha propaganda no rádio, televisão, outdoor, jornal...


Não tinha banda nenhuma se apresentando com Ele...


E Este nunca disse pelo Twiter aonde iria estar ensinando...


A mesma coisa nos livros de Atos e nas outras cartas apostólicas, sobre como era feita a trasmissão do evangelho - no contato com as pessoas.


A Igreja do saleiro de hoje, já perdeu o sabor há muito tempo:

Quer, pelos métodos de marketing desse século, levar todo mundo pro saleiro.

Por isso, ainda existe "culto evangelístico" dentro de igreja : Pedem aos membros do saleiro para que estes "convidem gente para ir ao saleiro", em vez de ensiná-los a ser sal fora dele, no cotidiano da vida.

Se não estivermos em contato com o próximo, não vamos temperar a vida de ninguém.

Se não estivermos em comunhão espiritualmente sadia, nos templos e nas casas, como era antigamente, mas também na sociedade, não haverá o cair da graça sobre o povo.

Ontem na rua, quando aqui na Tijuca ficamos sabendo dos problemas na vizinha Vila Isabel (mortes, guerra do tráfico, helicóptero da polícia abatido, etc) uma senhora que não é de “igreja” falou:


"Não sou cristã, mas essas coisas (a violência numa das cidades mais "evangélicas" do Brasil ) estão acontecendo por que os cristãos não estão sendo sal da terra" !


Aquela senhora tá coberta de razão.


Lee, fora do saleiro, apesar da visão de saleiros fechados que vejo por aí.

Na Sessão Revival ,o clássico Sal da Terra, com Beto Guedes:

http://www.youtube.com/watch?v=4dXTTKxlGvU