quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Memórias de Natal


Várias vezes passei o dia 24 em cultos de igreja, na minha vida, em especial até á fase em que era preso aos pais.

Preso aos pais significa que não tinha jeito de sair de perto, ou seja, ir pra outro lugar,e geralmente tinha que ir pro programa de índio natalino que aparecesse...

Sim, tive vários natais “programa de índio”...saía de uma furada de um ano, e no ano seguinte, eles conseguiam a façanha de levar para outra “emocionante “ furada.

Tipo passar ao lado de família que nunca tinha visto na vida, só com adultos;

Passar ao lado de gente beberrona, e aí era prato feito para armação de barracos familiares, com gente quase quebrando o pau;

Passar ao lado de gente de família, mas que minha alma não bate com estilo de vida que a pessoa leva, com costumes,gostos, afinidades, etc...

Certa vez, num natal em “família”, fiz um pratinho nove da noite, pois tava cheio de fome...tinha trabalhado até ás seis da tarde daquele dia...num aguentava mais.

Fui repreendido na frente de todos, inclusive de visitantes...

Pergunta se voltei a passar um Natal “em família” novamente- mesmo com eles me chamando todo o ano (moram em outro bairro).

Por isso entendo de barracos natalinos, de gente que se sente só no Natal, mesmo com uma muvuca ao lado da mesa, de nostalgias natalinas (seja por lembranças de bons natais, ou nostalgias projetadas, tipo quando será que terei um Natal do jeito que imagino?).

Sim, já passei por tudo isso...já passei Natal sozinho, pra não me aborrecer; Já passei o Natal trabalhando; etc, etc.

Mas também já passei por "Natais felizes" - e vou começar por eles.

Mas antes preciso dizer que já não me importo de como ou onde vou passar, desde que não seja em aborrecimentos...

Tal como Paulo, parafraseando o Natal, hoje posso dizer que passar um Natal na fartura, ou só com pão com mortadela e Ki-suco, tanto faz:

Não ligo absolutamente para nada disso, presentes, festas, etc.

Adoro árvores, presépios, bolas de natal, luzinhas, pisca-pisca,etc:

Mas num teve nada disso aqui esse ano...simplesmente num tive ânimo...algumas coisas funcionam só com mais gente em casa, ou em lado de quem a gente quer estar.

Minha “ceia” foi ás 22h, pois não consigo entender esse lance de ficar morrendo de fome até meia-noite, acho isso uma falta de senso...gente com fome e sono, se arrastando até essa hora...
E ouvindo meus flashbacks na JB FM.

Soa melancólico pra você? Bem, tô na boa, quer dizer, não é a “boa” (cerveja) da propaganda, não bebo cerveja, apenas uma leve provada no Santa Felicidade (vinho) da minha mãe ( que adora vinhos), mas sempre misturado com Coca Zero...não consigo tomar um copo todo...
Aliás, fica melhor quando mistura com Pepsi light- é a mais adequada....dois dedinhos de vinho, o restante de refri...e sem repeteco, se não num aguentava escrever aqui.

Alías, povo de igreja até nessa hora toma hipocriton...

Canso de ver gente de grei no mercado comprando caixas de cerveja, champagne, vinhos, etc, mas ninguém assume o que bebe.

Depois, salada de frutas, e já to aqui.

Talvez o meu grande problema com o Natal, foi ter um Natal dos sonhos, quando criança.

Os melhores Natais de minha vida, foram quando morei fora na infância, em especial na Alemanha.

O Natal já é forte no imaginário Infantil...imagine então você com temperatura abaixo de zero, tudo branquinho, fazendo boneco de neve com os amigos, nas vésperas do Natal...

Descendo uma ladeira coberta de neve, no seu própio trenó...

Tacando bola de neve na cara dos amiguinhos...tudo isso, eu fazia.

Aqui no Brasil tentamos imitar o Natal da neve, em pleno verão de 40 graus...num dá.

Até nossa árvore de Natal é fake...Na minha cidadezinha, todos compravam um pinheiro de verdade para botar em casa.

Na semana do natal, lá na minha escola, participei pela primeira vez de um desfile:

Saíamos com um iluminador, que na ponta, no alto, a querosene lambida pelo fogo criava um efeito bonito, com todos juntos...isso foi ou á noite, ou bem no início da manhã, não me recordo.
A gente tinha muito mais noção de Papai Noel, pois viámos pendurados nas janelas meias, para por presentes...

E toda casa tinha chaminé, claro...a expectativa era enorme.

Eu já sabia, infelizmente (antes do tempo de saber naturalmente), que não existia Papai Noel:

Antes de viajarmos, o infeliz do meu pastor já tinha malhado o velho, acabando com minha inocência...

Ele achava que Jesus precisava de uma “forcinha” pra ser Jesus nessa época de Natal.

Alías, esses caras produzem tanta distorção, que hoje pela manhã, minha mãe tava escutando uma rádio gospel, e que por acaso, ouvi de passagem...eis o diálogo:

Locutor (todo animado,perguntando a irmã o que ela estava fazendo pro Natal (preparativos, comida, etc) e concluindo:

Então irmã, como vai ser o seu Natal hoje?

Irmã: Eu não comemoro Natal (seca) ...natal não é nada disso que o “mundo” aí faz.

Depois lembrei que tem gente que nem ceia faz, por que acha que tá comemorando uma festa do diabo!

Outros, extremistas, fazem do Natal um cultão igual da igreja, cansativo, pesado, com mais de uma hora:

Perdem a boa oportunidade de uma simples e eficiente reflexão, e conduzem a momentos de extrema “sacalidade”, com a maioria torcendo praquilo acabar.

To falando algo estranho pra você,ou nunca passou por isso?

Bem, terminando sobre os meus melhores Natais:

Mesmo tendo precocemente a fantasia Natalina arrancada, nunca falei pros meus amigos que Papai Noel não existia...eles acreditavam mesmo.

E tanto lá quanto nos EUA, muitas crianças só perdem essa inocência lá perto dos dez anos, pois a “quantidade de referências ao Natal”, favorecida pelo clima e colaboração dos pais, a cidade que fica branca, vermelha e verde, forma todo um contexto natalino que nunca vi por aqui.

Por isso digo que é para ter muita sensibilidade com as crianças nessa época...que é para ter o equilíbrio em falar do Nascimento de Jesus, sem malhar Noel...

Que os dois podem conviver numa boa, sem legalismo religioso, sem stresse...

Que todos possam ouvir o que querem, e não ouvir nada obrigado nas festas...

Talvez você se sinta triste por estar passando um Natal sozinho, ou quem você não gosta.

Eu também já passei por isso..lembre-se de quem tá no hospital...quem tá preso...

De quem recebeu a morte de alguém próximo nessa semana...

Aí você vai ver que não está tão ruim assim.

E Natais melhores virão, com certeza.

O melhor Natal que vamos ter vai ser aquele em que todo o dia, nós vamos estar com
o aniversariante que só nos lembrávamos no dia 25/12, uma vez ao ano.

Todo dia é Natal no céu – a festa lá em cima não para – a alegria de estar com Ele, não vai se comparar ao melhor Natal de uma pessoa na terra, que não tem Ele, ou mesmo que o tenha – afinal, aqui é a terra.

Pois quem não tem Ele, não tem Natal, tem só uma festa terrena passageira como várias outras
.
Quem tem Ele, até tem Natal como significado, mas não dá para comparar com o verdadeiro Natal que será estar lado a lado todos os dias com Ele.
Ver a Ele, os irmãos da terra, anjos e muita coisa que não é possível descrever em letras humanas.

Por isso é necessário entender o significado do Natal – por que Ele veio e para quê - para poder passar natais ao lado Dele para sempre na eternidade.

É nisso que digo que Papai Noel não é problema, é só fantasia...

Noel traz brinquedos uma vez ao ano...

Jesus, traz vida todos os dias.

Feliz Natal.
Lee

Sessão Revival Natalina continua...

Brian Setzer:


Cascada (sem bicos!) :

Band Aid ( músicos ingleses para o Natal, anos 80 , em favor da África)

http://www.youtube.com/watch?v=G18GbIB5AOc