domingo, 13 de dezembro de 2009

Quando mesmo Comemorando, Ele é Esquecido



A agitação do Natal tende a nos afastar Dele.

Sim, todos já sabemos que Jesus não nasceu no dia 25...

Algumas teorias apontam para o nascimento Dele em outubro, provavelmente.

Mas o que importa é a lembrança da data.

Já reparei que ao longo dos anos, a agitação do Natal tem produzido muito mais distração, formalidades, ensaios, e comemorações - sem a presença Dele.

Não falo aqui das tradicionais festas de amigo oculto (ou secreto,depende onde você está), festas de encerramento do ano em empresas, churrascos de confraternização, jantares, etc.

Falo aqui específicamente do povo das igrejas, durante esse período.

Quando chega novembro, é um desespero só:

Ensaios dos vários corais de igreja;

Peças relacionadas ao natal, com presépio, etc...

Briga dos corais pra ver quem canta mais próximo ao Natal, etc.

Vejo muito desgaste das pessoas nisso (e o meio evangélico herdou da religião que o sacrifício físico é algo que se tem que passar "para Deus") ;

O desgaste emocional, pois é uma correria “contra o tempo”, sem falar na correria que se tem na vida “lá fora”, nessa época;

O desgaste físico, com gente saindo tardão da noite nas igrejas, e ensaiando com fome, sede, e cansado do trabalho ou estudos- a maioria vem saída desses locais;

Em meio a tudo isso, vejo muita comemoração, alta rotatividade de pessoas no altar que vira palco , muito gente comemorando, mas se esquecendo Dele.

Sim, se esquecem Dele porquê é impossível pra uma pessoa em meio a essa maratona, não ficar cansada, sugada, e ainda assim, ser convidada a refletir sobre Ele.

Fala sério, você que tá nessa maratona:

Quantas vezes você chega no dia da apresentação, e sua preocupação é saber se tudo “saiu bem “, se o microfone tá legal, se o som da caixa tá retornando, se o efeito da luz da peça num vai falhar?

Se você conseguiu impressionar o auditório?

O que vejo hoje em dia, é a grande preocupação em apresentar o espetáculo musical ou artístico, em saber se ele está se saindo ou vai sair bem, ao invés de refletir, glorificar e deixar transparecer em vida o espírito do Messias.

Aí, não se difere em nada de um coral ou peça secular, cuja preocupação é absolutamente a mesma.

A pessoa já canta no automático...apenas como apresentação de Natal, só isso.

Jesus é muito esquecido em dezembro, nas igrejas:

É muito falado, cantado, interpretado...

Mas fica esquecido na formalidade de quem canta, sem o menor espírito do evangelho no coração, e numa época em que há a facilidade de atingir os corações, nesse sentido.

Tudo isso por causa dessa agitação gospel- natalina, que é contra tudo aquilo que Ele ensinou:
“Não vos torneis ansiosos por coisa alguma...”
E você, entrou nessa loucura?


Lee

Breve: Jesus e Papai Noel podem conviver numa boa.