sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Vaidade


Diz o ditado popular que a vaidade é o pecado favorito do diabo.

Também pudera:

Quando este, que era um anjo, começou a se sentir “o cara”, e quis ser mais do que Deus, foi expulso do céu:

Lá, não há espaço para vaidosos.

Mas até onde uma pessoa pode ir, sem “cruzar” a fronteira, ás vezes sem volta?

Sim, digo sem volta, pois muitas vezes a pessoa não consegue mais viver sem ela.

Isso é comum no meio artístico, por exemplo...

Por que você acha que atores e cantores se matam, quando não tem mais sucesso?

Depressão, drogas, etc?

Sim, eles tentar tapar o vazio da alma com drogas, bebidas, etc.

Mas grande parte disso, é por causa da vaidade:

A vaidade de estarem em evidência nas telas, nos cds, nos shows...

Nas entrevistas, nas capas de revista, nos programas de auditório...

Nos reality shows, nas propagandas da tv, na boca do povo.

Por perderam essa vaidade, muitos se matam.

Uma quantidade imensa de pessoas, quando não se mata, surta ao longo desse período:

O Michael Jackson, que morreu ano passado, tinha mandado espalhar estátuas dele ao redor do mundo;

O Cat Stevens, cantor de folk -country no início dos anos 70, virou muçulmano radical;

E por aqui, o Felipe Dylon teve que se internar numa clínica psiquiátrica, e sumiu.

Sem falar no Raphael Ilha, o ex-polegar (espécie de, em menor comparação, um Jonas Brothers nacional dos anos 80), que recentemente tentou se matar- de novo.

Esse caso então é triste, pois Raphael, em vez de experimentar o evangelho da graça, foi apresentado ao evangelho gospel – por um tempo, cantou e deu “testemunhos” nas igrejas.

Só que esse evangelho gospel que tem aí não sacia a alma de ninguém- alías, com o tempo, dá vontade de morrer, mesmo.

A vaidade produz essas loucuras exemplificadas acima, e nas pessoas que não são famosas (e nelas também), distúrbios como bulimia (vomitar o que comeu, pra manter o corpo magro) anorexia (não comer quase nada);

Operações plásticas abusivas...um retoque ainda vá lá, mas:

Festival de silicones no peito, na bunda, na boca...

Festival de botox na cara...

Até Ronaldo Gordo, um atleta, quis emagrecer fazendo lipo...nunca vi ninguém entrar em forma fazendo lipo.

Vaidade, é quando você perde a noção, o senso de si mesmo, e começa a se achar.

Um batom, um perfume, uma maquiagem, não é nada – mas pode ser tudo.

Uma ida ao cabelereiro pode não ser nada - mas pode ser tudo.

Conheci uma mulher que deixou de pagar condomínio do prédio em que morava, para pagar salão – mal tinha o que comer, mas ia na Barra, fazer cabelo no salão que o cabelereiro da Xuxa tem – e ficar loira da cor do cabelo da Xuxa.

É sério, conheço essa figura.

Assim vivem garotas que só tem dinheiro pra comprar um sapato na Di Santini de 19,90, mas exigem de seus pais um de 120 pratas na Mr.Cat.

Ou caras que exigem somente marcas de griffe...

Conheci um que forçava a mãe, que teve que pedir dinheiro emprestado pros caprichos dele, a só comprar camisas pólo da Lacoste e da Yves Saint Lorant.

Alías, essa é uma das características da vaidade:

Forçar sempre a pessoa a esticar a mão além do alcance.

A pessoa vaidosa, gosta de levar uma vida de aparências:

Ela pode ser fake ou não, e mesmo se não for- por exemplo, ter dinheiro para bancar sua vaidade – ela nunca vai se satisfazer como que tem- sempre vai querer mais.

Por isso, os ricos tem iates, coleção de carros, jóias, etc...

Estava vendo uma reportagem com Raul Gil, e olhando a coleção de carros importados que ele tem, no total de onze.

Fiquei pensando...como um velho que mal tem tempo para dirigir, banca onze IPVAs caríssimos, somente para ter seus carros no estacionamento?

Somente para dizer que tem, e mostrar aos amigos, ou no caso, pra reportagem.

Pura vaidade.

Que também atinge toda classe social e profissional, desde juízes, empresários, pastores, professores, garis.
Aliás, a vaidade na igreja evangélica atual, é uma das maiores vaidades pouco antes vistas na história eclesiástica...

Vaidade de templos, alías, catedrais enormes;

Vaidades pastorais exibidas em ternos caríssimos, cabelos engomados, sapatos brilhantes, carros importados, programas na TV;

Franquias de igreja, acesso a pessoas do poder político, aquisição de rádios por todo país, e por aí vai.

A vaidade sempre busca encontrar uma pessoa que a abrace, que a alimente, que viva dependente dela.

Seja ela um artista, um pastor, uma estudante , uma figura proeminente na sociedade ou um anônimo.

Cuidado para não ser você.

Lee

Na Sessão Revival sem vaidades:

Vaidade, com Luciana Mello:

http://www.youtube.com/watch?v=rM71uWzjS0k

A vaidade no meio “gospel”:

http://www.youtube.com/watch?v=ttBmIXmkXYs