domingo, 28 de fevereiro de 2010

Muita gente tem Jesus- de Madonna – No Coração



Jesus Luz é o namoradinho da vez da cantora Madonna.

O brasileiro está curtindo esse momento- que ele não se iluda, pois deve passar logo.

Mas foi só num repente, que me veio a mente:

Como tem gente dentro das greis com o Jesus da Madonna no coração, ao invés do verdadeiro...

Não, não é desejo pelo garoto não...quer dizer, algumas o tem...

O que me refiro é mais uma atitude de coração...uma “troca de Jesus”.
Sim, Pois o Jesus de Madonna tem a luz só no nome, pois não pode brilhar mais do que ela:

A estrela da companhia é a própia Madonna.

Quando deixamos que nossa vontade prevaleça, ficamos com o Jesus de Madonna no coração, pois o original, “rala “ rapidinho.

Não existe lugar em nossas vidas, que não seja o primeiro, para Jesus ficar...

Se não o colocamos em primeiro lugar- se este não é prioridade, então não é Jesus , a “luz do mundo”, que temos, mas sim o Jesus Luz da Madonna, que só fica em segundo plano...

O Jesus da Madonna não fala, não opina, é um conformado figurante...

Enquanto o verdadeiro Jesus, nunca se conforma com esse papel.

Muita gente carrega Jesus- da Madonna - no coração, por aquilo que ele apenas representa para ela: Apenas uma estampa, um produto.

Quando você faz de Jesus apenas uma estampa- uma tampa desenhada de iogurt, uma marca bonita para se usar- É o Jesus da Madonna em ação – já disse, o original, não está ali, ele não aceita esse tipo de papel.

Jesus é o nome comercial mais usado pela religião hoje em dia- e muito mal usado, diga-se de passagem.

Jesus vende camisas, Bíblias de todos os tipos, livros, estações de TV e rádio,está em cartão de crédito ( vi um Visa com “bandeira evangélica”- fiquei pasmo, nem sabia que tinha “essa bandeira”) está em cartões de créditos de organizações religiosas...

Tem “Banco de Jesus”- o Ambrosiano, no Vaticano, dos católicos, um dos mais corruptos do mundo- até mafioso tinha conta nele.

Esse “Jesus” está no coração de muita gente na grei, hoje em dia.

Você tem Jesus- de Madonna – no coração, quando o busca apenas por conveniência.

Um é conveniente pro outro:

Madonna, que sempre foi casada com homens mais novos (Sean Penn, Guy Richie, além de vários outros casitos com franguinhos) gosta disso por quê:

Ela, que tem 51, sabe que mulher envelhece mais cedo que homem, e aí tira onda de estar com alguém mais novo – no caso, os rapazes de 20 ,que ela pega.

É altamente conveniente pra mídia dela, pois as concorrentes mais novas (Britney, Gaga, etc) tem namoricos mais novos, e ela não quer ficar atrás, e põe “Jesus” na mídia.

Já ele, cuja carreira de modelo e DJ só começou a aparecer movimentado pela “diva loira”, aceita esse papel, pois é altamente conveniente pra ele.

Quando você busca Jesus apenas por estar desempregado, por buscar uma cura milagrosa, para melhora de situação financeira, para arrumar uma namorada/o...

Quando você busca Jesus não pelo o que Ele é- mas só por algum interesse (que, interesse alcançado, se esquecesse rapidinho), é o Jesus de Madonna que te interessa.

Qual dos dois Jesus está no seu coração?

Lee

Na Sessão Revival, há 24 anos atrás, Madonna já era apaixonada por um cara que era a cara do atual Jesus dela...confira:

http://www.youtube.com/watch?v=-8xwM8U8IQ8

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Quando os discípulos de Jesus tentaram expulsar demônios- E não conseguiram.


Ontem, passou na Globo o filme O Exorcismo de Emily Rose (que foi fato real).
No filme, um padre é julgado pela acusação de ter matado Emily - Ele tentou expulsar o demônio que a atormentava, pediu que que ela parasse de tomar remédios (seu maior erro), mas não conseguiu expulsar o demônio - Emily morreu.

Fiquei lembrando do episódio em que os discípulos de Jesus não conseguiram expulsar um demônio de um rapaz que, perturbado por ele, se jogava no fogo, e também tentava se afogar...

Vamos ler o episódio, e descobrir o por quê eles não conseguiram - e a reação de Jesus.

“E, quando chegaram à multidão, aproximou-se-lhe um homem, pondo-se de joelhos diante dele, e dizendo:

Senhor, tem misericórdia de meu filho, que é lunático e sofre muito; pois muitas vezes cai no fogo, e muitas vezes na água;

E trouxe-o aos teus discípulos; e não puderam curá-lo.

E Jesus, respondendo, disse: Ó geração incrédula e perversa! Até quando estarei eu convosco, e até quando vos sofrerei? Trazei-mo aqui.

E, repreendeu Jesus o demônio, que saiu dele, e desde aquela hora o menino sarou.

Então os discípulos, aproximando-se de Jesus em particular, disseram: Por que não pudemos nós expulsá-lo?

E Jesus lhes disse: Por causa de vossa pouca fé; porque em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá, e há de passar; e nada vos será impossível.

Mas esta casta de demônios não se expulsa senão pela oração e pelo jejum.”
(Mateus 17. 14 a 21)

Algumas mistérios espirituais saltam para nós, nesse texto:

Quando “o bicho pega”, o mundo secular sempre corre para um filho de Deus, em busca de ajuda.

Sim, eles podem nos malhar( e quase sempre, cobertos de razão, pelo evangelho distorcido de alguns locais, e que são destaques na TV);

Podem “não acreditar em Deus”, podem mesmo viver perseguindo, prejudicando, “sacaneando” um cristão, mas quando a coisa aperta, eles vem correndo, pedindo ajuda.

Foi assim desde Nabucodonozor com Daniel, até os dias de hoje.

A questão é:

Estamos preparados?

Os discípulos de Jesus, mesmo caminhando com eles diariamente, e acostumados a ver Ele em ação (a multidão trazia enfermos para serem curados e gente oprimida para ser liberta) não estavam se saindo bem no “estágio”.

Jesus os chamou de incrédulos e perversos.

Muita gente anda com Jesus, mas "não crê" - não desenvolve a fé.

A maior perversão espiritual para Jesus, é ter poder concedido por Ele para ajudar ao próximo, e não fazê-lo.

Você pode cantar, orar, dar dízimo, ler a Bíblia, assistir mensagem...

Mas se não usar o que Ele deu á vc para ajudar o próximo – o seu dom espiritual,concedido por Ele- não passa de um “perverso” cristão.

Viu como para Jesus, até a noção de perversão (que na grei só fica no campo moral) ganha um sentido extremamente diferente?

Sim, Ele ficou indignado, perplexo...não com o garoto, mas sim com seus discípulos.

E quando estes o indagaram sobre “a causa da falha”, temos outro mistério espiritual revelado:
Por causa da pequenez da fé deles.

De que adianta acompanhar, ver de perto, estudar, aprender “evangeliquês”, usar camisa de estampas de congresso/com versículos/ ”Eu leio a Bíblia”...

Participar de cursos, ganhar certificados por frequentar esses cursos, e mais um scambal de coisas que a gente faz de supostos preparos...

Se não tivermos fé para exercer a autoridade que Ele nos deu de usar seu Nome?

Fé como grão de mostarda, o menor da época...

Eu já vi um grão de mostarda...pega aí uma caneta do seu lado, e olha para ponta dela:

O grão de mostarda, é menor do que isso.

O dia em que aprendermos a deixar um monte de “peso desnecessário” do que estudamos ou fazemos em nossas vidas ou mesmo na grei;

O dia em que aprendermos a viver a simplicidade do evangelho em nossas vidas, a "demonada" vai sair correndo, quando a gente estiver andando no meio da rua.

Mas enquanto permanecermos na farofada gospel de louvor e shows de culto;

Enquanto formos assistir um culto como se fosse a um cinema/teatro, sem corações contritos;
Enquanto ficarmos em salas somente alimentando nossas mentes com teologias- e toda teologia é uma coisa humana, por ser um pretensão “estudar sobre Deus”;

Enquanto não estudarmos o evangelho para navegar nele - E não apenas ficar com conhecimentos mentais, seremos incrédulos e perversos:

Seremos ineficazes espiritualmente para atender ao próximo.

Seja para expulsar um” demoninho pé -de -chinelo", ou pra fazer um exorcismo a la Emily Rose, mais pesado, que requer oração e jejum- requer mais preparo espiritual.

Mas sobre jejum não falo hoje...vamos step by step, um passo de cada vez.

Lee

Domingo á noite no blog (por volta das 20 horas):

Muita gente tem Jesus – da Maddona – no coração.

Bônus de amanhã : Meu weekend (inclui o churrasco de Ita e minha ida a Copa).

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

A Namorada do Papai

Nardoni e sua namorada
Isabela pagou o preço da doença deles

Tem pai separado, que assim que arruma uma namorada, se afasta do filho/a.

O número de pais assim vem aumentando cada vez mais...

Sim, existem mães que fazem isso também, mas é muito proporcionalmente inferior ao homem, pelo instinto maternal que elas adquirem, após serem mães.

Vejo isso acontecer há muitos anos, desde criança, em família, com resultados drásticos para os filhos...

E percebi que isso vem aumentando cada vez mais, nos últimos tempos.


O Pai tem que saber que o casório acabou, mas o filho, é para sempre.

O salmista diz que os filhos são herança doSenhor, mais alguns desses pais desprezam seus filhos depois do casamento.

O filho não se des-filia com fim de uma relação.

O que geralmente acontece, é o seguinte:

Muitas vezes uma namorada nova que surge, sente ciúmes do filho (especialmente se for filha), ou então do contato que, por causa do filho, o namorado tem com a mãe deste.

Aí, o pai geralmente vai cedendo a esse capricho da nova namorada...

Uma amiga me disse que seus filhos não querem mais ver o pai, pois este os deixava na casa da avó (mãe dele) e saía.

O que ela não sabe, é que é por causa de namorada.

Outro que se casou novamente, a nova mulher proibiu a filha adolescente de ir na casa dela, ameaçando sair, caso esta fosse vê-lo lá.


Só um cara muito mané aceita essas coisas:

Rejeitar um filho por causa de novo relacionamento, e ser mandado por uma mulher egoísta.


Aí, alguns podem chegar ao extremo do casalzinho ali em cima:


Por ciúmes de Isabela, que a namorada achava parecida com a mãe, a doente convenceu o doente a jogar a menina pela janela.

Várias meninas e meninos, são “jogados pela janela da vida”, com a atitude de desprezo que seu pai tem com eles, por causa de um novo relacionamento.


E as doentes das novas namoradas/esposas, são tão burras, que não percebem que o mané poderá fazer a mesma coisa com elas, a um de seus novos filhos, se o novo relacionamento vier a terminar.


Lee




quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Num Passe de Mágica: O novo convertido e a “imediata transformação” exigida pela igreja

A igreja quer que o novo convertido já venha "prontinho"


Não é porquê a pessoa aceitou Jesus num dia que ela é imediatamente transformada.

Sim, espiritualmente ela recebe “novas vestes”, mas a absorção do evangelho, esta vem gradualmente, a cada dia que passa.

Precisamos ter muito carinho, amor e paciência com um novato na fé, mas geralmente isso dificilmente ocorre entre todos na igreja...ás vezes, fica restrito a um pequeno grupo:

Geralmente, os que trabalham diretamente na recepção e ensinamento deles.

Mas quando estes começam a ter contato com os demais da grei, e dependendo do tipo de mensagem que ouvem -se o pregador é de formação legalista/ fundamentalista , por exemplo, é que os problemas começam a acontecer.

A nova vida no evangelho, e a nova “vida na igreja”

Se uma pessoa teve alguém como referência – um amigo o apresentou ao evangelho ele se convenceu e tomou uma decisão – seria interessante que esse mesmo amigo lhe desse o suporte necessário nos primeiros momentos.

Às vezes, isso é difícil de acontecer, pois se tem na cabeça que isso é função da igreja-tijolo, e não da igreja -pessoa.

Esse pensamento é um dos grandes obstáculos para o crescimento do novo convertido...

Com quem ele se sentiria melhor aprendendo:

Com o amigo/a teen que ele conhece da escola , do prédio, do curso, da academia, ou com alguém que ele nunca viu na vida?

Com os conhecidos de uma reunião de um lar em que foi levado, e ali, num ambiente mais familiar a este, em que se sente mais á vontade (e ainda por cima tem comes e bebes), ou com um sisudo professor da classe de "catecúmenos?"

Alías,ô nomezinho pesado, e que algumas igrejas ainda insistem em manter...

Na eclesiologia, o catecumenato era à iniciação daqueles que recebiam instruções preliminares, na Igreja primitiva cristã...

Não é mais fácil falar “classe de novos”, de “discipulado inicial”, ou até mesmo de “novos crentes”?

Eu tive um problema muito sério com isso, anos atrás.

Era responsável pela educação cristã numa igreja, e coordenava aproximadamente 15 salas, em estilo universitário, com quadro pra escrever com caneta pilot -isso nem tinha em todas as faculdades aqui no Rio, até então.

Selecionava bom material de estudo para todas as faixas, num meio onde tem muitos autores fraquíssimos de conteúdo, dava um trabalhão;

E acabei com o “cartel” que tinha,mas só numa parte, em outra não consegui...

O que consegui foi trocar de material de editora, de uma fraquíssima para uma de conteúdo, desagradando o pastor, que era amigo do dono dessa editora – se pagava 3x mais por porcarias de revista, beneficiando o amigo, e levando um “trocado por fora”.

Entende o porquê de minha revolta com “sistemas religiosos”, e com a “turma de pastores envolvida nesse esquema?

Banquei, me desgastei com o pastor, mas todos os professores, até os de uma classe mais idosa, elogiaram muito o novo material, vários deram “graças a Deus”, pois sabiam que o material anterior era uma droga – falavam isso pra mim.

Mais o que não consegui, foi remover um diácono professor da tal “classe de catecúmenos”, que era “cupincha” do pastor.

Bem que tentei removê-lo para ao menos ser um professor de uma classe de senhores da idade dele ( ele era sessentão), mas ele não quis abrir mão, e já desgastado pelo episódio das revistas, não quis fomentar nova polêmica.

Todos que se convertiam- idependentemente da idade- iam pra classe dele.

Assim, tinha meninas de 11 anos convivendo com pessoas casadas, com senhora e senhores de sessenta, enfim, algo totalmente anti-didático.

Só de remover as crianças para uma classe apropriada- e sobrecarregando a” tia “delas, que teve que fazer dupla jornada, por falta de gente, o velho começou a dar chilique.

Eu ia fazer o mesmo com os jovens que com ele estavam, mas desgastado com tudo o que tinha já acontecido, deixei pra lá.

O problema era que, em vez de ensinar evangelho, ele discursava sobre o que ele achava que era...falava de roupas que podiam ou não usar, não beber, não fumar, praia e outras coisas do mundo era pecado, enfim, era aula de postura moral-social.

Ele deixava a porta aberta, e passando e ouvindo tudo isso, meu coração se partia.

O novo convertido, é um bebê na fé, e como tal, precisa de alimentação apropiada.

Não pode comer porcaria- como os da classe acima estavam comendo- e nem algo muito substancioso em demasia...bebês não comem churrasco.

Além do legalismo, também cansei de ver gente que devia estar sentada na classe aprendendo, em vez de dar aula pra gente nova na fé...

Elas até podem até ter um tempinho de igreja,mas sabiam muito pouco.

O professor, o material ( tem gente que quer estudar as 4 leis espirituais ou O Peregrino até hoje com eles), mas acima de tudo, a atenção com eles em suas dúvidas e curiosidades.

Deveria se ensinar o evangelho pura e simplesmente, como Jesus fazia:

Hoje, ensinam regras de denominação, estatuto de igreja, a “obedecer”, como vi pasmo numa grei, “ a diretoria e os oficiais da igreja “( Deus sequer foi mencionado) e “História dos Batistas/Presbiterianos/Metodistas, enfim, da igreja que o cara foi, Isso pra gente novinha na fé.
Evangelho que é bom,nada.

Muitos dos que eu vi dessas classes, não aguentavam passar um ano na igreja...

Ficava feliz quando descobria que tinham ido pra outra igreja, e triste quando largavam de vez...
Bem, só de ouvir aquelas coisas “de passagem”, me dava vontade de largar, também.

Mas também tive o prazer de ver alguns professores vocacionados para isso, com classe cheia de alunos “não enfadonhos”, que aprenderam muito com eles...

O irmão Otto, pai do meu amigo Alemão, era um desses...ralava a semana inteira como professor de cursinho, ficando de sete da manhã ás 11 da noite quase todos os dias no trabalho...

Mas domingo de manhã, a classe dele de tão cheia que ficou, ocupava o lugar onde o coral ficava, na grei...

E ele tinha toda justificativa para estar dormindo em casa, nessa hora...mas tava lá, cedo.

Jesus várias vezes percebeu que seus própios discípulos ainda não tinham entendido sua palavra, imagine então os que chegam agora.

Mesmo com alguns anos de convivência diária com Ele, muitos pediam para re-explicar uma parábola (histórias ilustrativas)...

Perguntavam o que Ele quis realmente dizer em determinada situação...

Se tinha “casamento no céu”... além de outras bobagens, como “quem dos discípulos ia estar assentado” ao lado Dele, no céu...

Imagina então quem chega agora...se “veteranos” tem dúvidas, novatos muito mais.

O “Novo convertido” precisa de tempo para assimilação do evangelho.

Ele não vai mudar de um dia para o outro,isso é gradativo...talvez recaiam em vícios, ou demore um tempo para se livrar deles...

Se é difícil pra quem tem tempo, certos trechos da Bíblia, imagine então eles lendo sozinho de início...precisam de ajuda.

Não podem ser cobrados, e sim, orientados:

Muitos querem que virem “santos” do dia pra noite – e já falei aqui que o conceito de “ser santo”, pra Jesus, é totalmente diferente do que ensinam por aí (ver arquivo do blog “ser santo”: O que dizem por aí, e o que Jesus realmente disse).

Já vi senhoras censurarem meninas novatas por causa de roupa, ensinando-as a se vestirem como velhas...

De dizerem a elas que tornozeleiras (pulseirinhas) são coisa de terreiro de macumba....
Senhores reprendendo novatos na fé, que foram para a igreja inocentemente com a camisa do seu clube de coração ( Bem,do flamengo, tem que reprender mesmo)...

Enfim, todos querem colocar logo o novo convertido num pacote eclesiástico, em suas regrinhas de pode/não pode, e outras doenças, em vez de os alimentar com evangelho.

Não é a toa que a taxa de “desviados de igreja” hoje no Brasil é enorme:

Calcula-se que existam de 30 a 40 milhões de gente hoje no Brasil, que um dia foi de alguma igreja , mas com o tempo abandonaram a fé:

Para cada pessoa na igreja, existem 5 pessoas que estão lá fora, que já estiveram em alguma igreja evangélica, anteriormente...

Várias delas, abandonaram enquanto ainda eram “novas na fé”, no período de um ano, assim que entraram, pelos motivos que citei acima...

Muitas, ainda eram da tal classe de “catecúmenos”.

Mas, qualquer que escandalizar um destes pequeninos, que crêem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma mó de azenha, e se submergisse na profundeza do mar. (Mateus 18.6, Jesus falando sobre seus discípulos)

Lee

Na Sessão Revival, Lulu Santos e seu hit Tempos Modernos:

http://www.youtube.com/watch?v=log6vJHLv3E



segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Quando você Impede que Deus Aja


Quer saber os erros mais comuns que cometemos, e que impedem o agir de Deus?

Quando a nossa vontade prevalece

Não servindo à vista, como para agradar aos homens, mas como servos de Cristo, fazendo de coração a vontade de Deus; (Efesios 6.6)

Quando fazemos nossa vontade própria, Ele deixa, pois não pode fazer a Dele.

Quando algo que não seja o evangelho, tem prioridade em nossas vidas.

Bens materiais geralmente são as coisas mais comuns:

E perguntou-lhe um certo príncipe, dizendo: Bom Mestre, que hei de fazer para herdar a vida eterna?

E quando Jesus ouviu isto, disse-lhe: Ainda te falta uma coisa; vende tudo quanto tens, reparte-o pelos pobres, e terás um tesouro no céu; vem, e segue-me.

Mas, ouvindo ele isto, ficou muito triste, porque era muito rico. (Lucas 18. 18 a 23,editado)

Quando se põe a família em primeiro lugar, quando este lugar é Dele

Fala-se muito em família na igreja, mas pouco se fala que a mesma não deve ocupar o espaço que pertence a Ele.

No evangelho “mamão com açúcar” que é pregado por aí a fora para agradar os ouvintes, muito dificilmente alguém lê o texto abaixo numa igreja:

E disse a outro: Segue-me. Mas ele respondeu: Senhor, deixa que primeiro eu vá a enterrar meu pai.

Mas Jesus lhe observou: Deixa aos mortos o enterrar os seus mortos; porém tu vai e anuncia o reino de Deus.

Disse também outro: Senhor, eu te seguirei, mas deixa-me despedir primeiro dos que estão em minha casa.

E Jesus lhe disse: Ninguém, que lança mão do arado e olha para trás, é apto para o reino de Deus.

Pai, mãe, mulher, marido, filhos, nada pode tomar o espaço Dele.

Quando nós nos preocupamos em parecer religiosos na frente dos outros

E, quando orares, não sejas como os hipócritas; pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas, e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens.

Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão. (Mateus 6.5)

Jesus sempre detestou a hipocrisia religiosa, o “querer parecer ser um cristão”.

Quando somos “amigos do evangelho”, mas não participantes deste

Muita gente até gosta de ir a igreja, gosta de cantar, gosta de ouvir sobre Jesus...

Muita gente tem cds “gospel”, gosta de um sonzinho...

Mas tal Nicodemos, que foi procurar Jesus á noite para não ser visto com Ele, elas “acompanham”, mas jamais vivenciaram uma vida no evangelho.

Tem muito “amigo” do evangelho, muito “curtidor gospel”, mas sem o caminhar no verdadeiro evangelho.

Tem muita gente “que trabalha” na igreja mas não trabalha pro evangelho do reino.

Ontem, fiquei pasmo com um pastor que confunde “igreja tijolo” com evangelho:

Disse que “quem trabalha para a igreja (local), trabalha pra Deus”, como se somente isso fosse “trabalhar pra Deus”.

Ora, o que mais Jesus fez foi caminhar fora da igreja- tijolo ( na época a sinagoga), ensinando o evangelho aonde estavam as pessoas, ou seja, fora da igreja-tijolo – e ensinando seus discípulos a fazerem o mesmo.

Essa confusão de que “só se faz alguma coisa pra Deus dentro da igreja” - e é bom quando podemos fazer, mas não é o fim em si mesmo, já que evangelho é boas novas, portanto divulgação – é o erro mais comum que os pastores incutem na cabeça das ovelhas hoje em dia.

Ao ver isso ontem, já no fim, me levantei e fui embora.

Quando fazemos questão de sermos reconhecidos por homens

Títulos, certificados, “honra ao mérito”, bajulações, camarotes Vips, etc, impedem a ação de Deus em nossas vidas – se damos importância a isso.

Quando nos preocupamos em sermos mais reconhecidos pelo homem do que por Ele, esse agir Dele em nós vai se desfazendo.

Guardai-vos dos escribas, que querem andar com vestes compridas; e amam as saudações nas praças, e as principais cadeiras nas sinagogas, e os primeiros lugares nos banquetes (Lucas 20.46).

Escriba era um título- era alguém de destaque naquela sociedade.

Por causa disso, eles adoravam toda as benesses e o reconhecimento que o cargo lhes ofereciam.

Quando damos atenção a essas frescuradas – e as igrejas adoram e bajulam alguém que tem título, pois deixa de ser irmão pra virar doutor, ou alguém que seja famoso, ou parente de alguém importante- deixamos de ver o agir divino em nós.

Quando pecamos, e não reconhecemos nosso erro.

Quando o reconhecemos, o mistério da graça divina nos envolve.

Quando não o reconhecemos, a desgraça do peso da culpa é que nos envolve.

Agora fica fácil de entender porquê deixamos de ver o agir divino em nossas vidas.

Lee

Na Sessão Revival, Eva, clássico do Rádio Táxi:

http://www.youtube.com/watch?v=nO5WTc1Z7k0


Na Sessão Revival, Eva, clássico do Rádio Táxi:

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Há Tempo para Tudo


Tudo tem seu tempo determinado, e há Tempo para todo propósito debaixo do céu”
(Elesiastes 3.1)

Me lembrei desse texto hoje cedo, quando num simples café da manhã, vi a ação do tempo- que é comandado pelo Senhor – agindo no local onde tomo café.

Há cerca de 5 ou 6 meses, havia parado de tomar café no posto onde costumava fazê-lo:

Amigo dos funcionários, desde o que esquenta o pão até a gerente, uma funcionária havia me tratado mal , e me atendeu péssimamente, mas resolvi ficar na minha.

Como o serviço não é de graça, fui pagar pelo mesmo em outro lugar, nesse período.

Mas senti que tinha que retornar hoje pela manhã...

A gerente, super simpática, me chamou pelo nome, dizendo “Não acredito”;

O rapaz do pão da chapa, parou o trabalho e veio me cumprimentar, e disse que ia contar ao colega, também nosso amigo, que estava de folga, da "minha volta”.

Quanto a funcionária que havia me tratado mal, bem...

Enquanto tomava meu farto café, que vale por uma refeição, a gerente me contou do furacão de acontecimentos que rolou ali em dezembro...

Cerca de seis funcionários roubaram o equivalente a 8 mil reais do caixa do posto, isso só no mês de dezembro, mas há algum tempo eles já faziam isso- foram demitidos.

No meio dessa turma, estava a garota que me atendeu super-mal.

Voltei a frequentar um ambiente agora sem tensão, suspeitas, e ladroagem:

O tempo de Deus é realmente perfeito.

Se Ele diz que há tempo para tudo, devemos estar ligados nesse tempo Dele.

Existem “espaços temporais” de determinadas estações em nossas vidas.

Há tempo de começar, e há tempo de encerrar:

Isso pode durar a vida toda, ou somente um período de nossa vida...

Exemplo para facilitar, pois fica mais fácil:

Um casamento.

Se este é feliz, pode durar uma vida toda, e ambos serem felizes, envelhecendo juntos.

Se não o é – e só pode ser se os dois juntos quiserem, e não um só – ele já terminou seu ciclo há muito tempo, e somente se arrasta.

Mas de toda forma, ambos tem fim – um com final feliz, outro não.

Assim é a vida no tempo:

O tempo é divino, mas o que fazer ao longo dele, são escolhas nossas.

Podemos deixar Ele dirigir nossas escolhas...mas aquela que deveria ser a escolha natural – deixar Ele dirigir – é a escolha que as pessoas menos fazem hoje em dia.

Mesmo as da igreja, que dizem gospelmente de boca que “Deus está no controle do tempo”, quando são elas mesmas que “o controlam”, criando e fechando ciclos própios.

Sim, pois a turma “gospel”, e não a do evangelho, é que faz o seu próprio tempo.

Alías, “fazer acontecer” é algo tão forte entre as pessoas...talvez por isso vemos muita gente frustrada, depois de “fazer acontecer”.

Se eu fosse “fazer acontecer”, onde tomo meu café- algo do meu cotidiano- reclamaria para a gerente, que chamaria a atenção da funcionária- na época, “acima de qualquer suspeita”- e imediatamente eu ganharia a antipatia dos funcionários restantes.

Ou seja, “eu certo”, no meu direito, “fazendo acontecer”, sairia no prejuízo.

As pessoas são forçadas a “fazer acontecer” desde cedo:

Aos 17, a “saber” o querem fazer para o restante da vida, ou seja, sua profissão, por causa do vestibular, onde muita gente se aprisiona na correria da vida (alguns sem volta), ao contrário do espírito do evangelho, ou seja:

Escolher a melhor parte” - o que Jesus disse a Marta, quando esteve na casa dela e de Maria.
.
Teen que “já escolheu” a sua profissão, mas não escolheu” a melhor parte”, não tem nada.

Outro “fazer acontecer”, forçador de tempo, é o que recai sobre as meninas da igreja:

Aos 22 anos, ser obrigada a escolher com quem vai se casar, por pressão “de igreja”, de pais crentes, de pastor, etc:

E depois , a dar um filho para “vovó ver antes de morrer”.

Outro forçador de tempo, é a pessoa estabelecer metas temporais para alcançar coisas.

Para o mundo secular, cada vez mais em menos idade, as pessoas tem de alcançar as coisas para ser considerado bem sucedido.

Na fila das lojas Americanas, vi uma revista mostrando como exemplo de pessoas a serem seguidas, jovens empresários que tinham ganhado seu primeiro milhão antes dos 29 anos.

No tempo divino, não existe preocupação temporal com essas coisas, de “ser bem sucedido”e ter status de vida em determinada idade.

Até porquê, como Ele diz em Provérbios -se for só para considerar essa parte -quando Ele quer, “tira do ímpio para dar para o justo”.

Ou seja, Ele deixa o ímpio acumular, para depois passar para o justo- é assim que Ele faz.

Quer melhor poupança, ou plano de aposentadoria do que essa?

Quem controla seu tempo, sua vida?

Você e seus rabiscos de planos num caderno ou agenda?

As pessoas que estão ao seu redor, dizendo que você está" ficando pra trás?"

Ou o Senhor do tempo- o Alfa e o Ômega- Deus do ínicio, presente e fim?

A resposta é muito importante...

Pois você poderá aprender a esperar, ter e receber as coisas ao tempo certo...

Ou continuar a passar a vida “ fazendo inglês em 18 meses.”

Lee


Na Sessão Revival, o Pato Fu fala Sobre o Tempo:

Cyndi Lauper, com Time After Time:

E o clássico Time, do Alan Parsons Project:

http://www.youtube.com/watch?v=XWplR5n2kBs

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Ser santo : O que dizem sobre isso, e o que realmente Jesus disse , Parte 2


Na primeira parte deste post (veja arquivo do blog) falamos de como se vê a questão da santidade atualmente (apenas na questão moral e comportamental, ou seja, um pacote), e falamos de como para Jesus, era muito mais do que isso;

Vimos como uma comunidade eclesiástica inteira pode “não ser santa”, segundo a maneira de Jesus enxergar a questão;

E Vimos que só podemos ser santificados pela palavra.

Nessa segunda parte, vamos falar sobre santidade na base da força, que é igual do jeito que você vê na foto acima:

Quem lida com ela dessa forma, é só uma questão de tempo, para não aguentar mais.

O fato de a santidade ser um peso enorme para a maioria das pessoas, está na sua origem:

De como ela foi ensinada para você;

E de como você vai lidar em caso de “falhas”.

De como ela é ensinada, falei na primeira parte, portanto vamos para o caso de “falhas”.

De maneira geral, quando se “peca”, para alguém que está na igreja, é tratado de maneira totalmente desprovida de compaixão, amor e misericórdia.

Em caso de “falha”, ou seja, de erro, de uma pessoa cair em pecado, a igreja ao longo dos anos age geralmente ao contrário do que Jesus fez.

A igreja condena, julga, expulsa do rol de membros...

O chicote nos púlpitos é uma constante, totalmente desprovidos da graça divina...

As mensagens legalistas, produziram gerações de pessoas que tentam segurar a santidade como na foto acima – e não desenvolvê-la de forma natural e sadia, pela palavra- e a compreensão desta- como Jesus ensinou.

Semana passada, uma amiga me ligou: Estava com “peso de mensagens legalistas”.

Ela, que tem uns 12 anos no evangelho, bebeu uma garrafa de cerveja com o namorado, no calorão de 40 graus que anda fazendo aqui no Rio.

- Você acha que eu errei? Tem algum problema?

Na hora, senti que era o conflito pessoal de quem há anos sofre com mensagens desprovidas de graça divina, e falei:

- Você acha que errou? Perguntei.

- Não, sentamos, tomamos uma garrafa, tava quente, só isso.

- Ficou bêbada, de “porre”?

- Não!

- Dirigiu depois disso, ou ele?

-Não, ele me deixou no ponto.

-Desencana, garota...fica na paz.

- Mas é que dizem que...(tudo o que ela tinha ouvido a respeito, ao longo dos anos).

Na verdade, o peso da culpa não estava nela pelo fato de ter bebido , e sim, pelo peso produzido por alguém que condena quem bebe.

A santidade á base da força , e não da graça, tem duração definida – dura até quando você não aguenta mais – seja mais cedo, seja mais tarde.
Santidade a base de ameaças então, deixa mais mal ainda:

Santidade, além de tudo, só pode ser exercida em amor, como tudo o que é feito para Deus.

Vou dar dois exemplos de duração definida – dos que resistiram na base do legalismo, e que um- cedo, e outra- tarde, soltaram a rocha enorme (santidade na própia força) que seguravam, sendo atropeladas por ela.

Anos atrás, um rapaz de 26 anos, veio me procurar, pois estava num conflito, e pediu ajuda:

Estava viciado em masturbação.

O grande problema, era o motivo de sua justificativa:

Como posso estar a frente do louvor se não sou liberto”? Disse.

Ou seja, a preocupação maior dele era em “estar a frente do louvor”- se não fosse por isso, acho mesmo que não existiria “conflito algum”.

Bem, disse a que ele que todo vício, tudo em excesso faz mal, que se concentrasse em outras coisas, que naturalmente tudo voltaria “ao normal”.

O problema, é que na verdade, ele consultava sites pornôs todo dia, inclusive do trabalho- descobriram no laptop dele, na igreja, quando uma adolescente foi navegar no mesmo.

Últimamente, vive em orgias semanais com seu amigo (daquelas de catar prostitutas na rua, passando de carro),mas continua firme e forte “á frente do louvor.”

Tudo porquê levou uma santidade á base da força, e não da graça, até não aguentar mais.

Cedo ou tarde, acontece...vamos ver um caso em que apareceu tarde.

Há algum tempo atrás, uma senhora viúva de setenta anos, não aguentou.

Criada na base do legalismo, ela teve um casamento muito infeliz, mas que manteve por causa da “aparência de igreja”-para esta, eles era super felizes- mas até família fora do casamento ele tinha, quando veio a morrer.

Muito conceituada na igreja, líder de senhoras,membro de diretoria da igreja,professora de classe, conhecedora da Bíblia.

Aos setenta anos, “namorou” um homem casado por 2 anos, viajaram e tudo.

Depois, mais um namoro, desta vez com um viúvo.

Virou uma “menina de 20”, na roupa, antes fechada e pesada, agora com vestidos de tirinha, e na vaidade.

Um dia, após alguns anos, retornou ao que era – e dessa vez, muito mais legalista do que antes.
Condenando as meninas da grei que se vestiam como ela estava se vestindo, fora os “amassos” que via por lá:

Tudo o que ela tinha feito anteriormente.

Santidade a base da força - e não da graça - produz essas distorções acima, e assim existem mlhares de casos muito mais escabrosos, envolvendo até lideranças.

E os chicotes só pioram a situação...chicotes de púlpito, escovadas públicas, etc, são exposições destituídas de misericórdia:

Jesus lidou com a mulher adúltera com graça, que traz misericórdia, perdão, acolhimento.

E fez isso em particular, conversando com ela.

Da mesma forma com a mulher cananéia, a qual já tinha tido 5 maridos- e o atual, era amante- dizendo apenas para não “pecar mais”.

Jesus nunca expôs “pecadores” que tinham consciência de que estavam errados...

Ele expunha sim, os fariseus da religião, que vivam de aparência.

Santidade a base da força, é a certeza de que uma enorme rocha vai te amassar algum dia, cedo ou tarde.

Santidade na base da graça, é quando esta é absorvida pela palavra, quando ela vai entrando no coração, não ficando apenas na letra.

Aí, não existe peso.

E quando se falha, temos a mesma graça como recurso acolhedor.

Já na santidade da força, somos amassados pelo peso da culpa:

E ainda tem peso extra, da culpa do legalismo eclesiástico, uma espécie de bônus negativo.

Por isso, é necessário saber em qual santidade (e entender o contexto total dela dito por Jesus, e não por convenções humanas) se está navegando:

Se a da força humana, ou da graça.

Lee
Na Sessão Revival, Nada Sei ,com Kid Abelha:


segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Tomar Remédios é falta de Fé?


Ano passado, em Caxias, na baixada fluminense aqui no Rio, uma dona de casa que era diabética, foi convencida pelo seu pastor a parar de tomar remédios.

O pastor dela recomendou que parasse de tomar os medicamentos “ e exercitasse sua fé”- assim faria “a diferença”, e seria curada... Ela morreu.
O caso mais famoso que se tem notícia relacionado a isso aqui no Brasil, foi o de Sandra Nascimento, ex-vereadora de Santos, evangélica e filha de Pelé em suas escapadas - Pelé nunca a assumiu, mesmo com DNA positivo - E que posteriormente escreveu seu relato no livro “ A Filha que o rei não quis”.

Ela interrompeu um tratamento de câncer de mama, pois o pastor dela disse a mesma coisa:
Que Deus iria curá-la, e tomar remédio seria “falta de fé”...morreu pouco tempo depois.
Isso é mais comum nessas igrejas neo-pentecostais do que muita gente imagina.
E então, tomar remédio é falta de fé?
O que fazer nesses casos?
Os remédios são pequenas porções de cura dadas por Deus ao homem.
Se nos tempos de Jesus Ele e os discípulos quando percorriam as aldeias oravam e os enfermos eram curados, Ele liberou porções de cura e tratamentos para doenças disponível a todos, em nossos dias ,através dos remédios.
Foi Deus quem deu um “click” nos cérebros dos cientistas e pesquisadores, á fim que descobrissem fórmulas de remédios- ainda que alguns desses cientistas não reconheçam isso.
Eu creio na cura Divina, e já fui curado milagrosamente de asma.
Tinha asma, quando criança, de parar em pronto-socorro para tomar oxigênio.

Remédios e natação de nada adiantaram...da natação só herdei os ombros largos.

Mas com 12 anos, fui curado milagrosamente...e dormindo.
Quando acordei, a respiração era outra,e sabia que havia sido curado.
Mas há 4 anos atrás, quando fui diagnosticado com arritmia, fiz uma leve intervenção cirúrgica no hospital, e também fiquei curado - foi a forma que Ele me curou - através dos médicos.
Simples assim.
Não deixe ninguém te forçar a parar de tomar remédios;
Não ache que estar tomando remédios demais é falta de fé.
Aliás, esses pastores, deveriam assinar um documento afirmando que disseram que orientaram suas ovelhas a parar de tomar remédio ou interromper tratamento:
Em caso de morte delas, responderiam por homicídio culposo (sem intenção de matar).
Cadê que se responsabilizam? Sabem que vão em cana na hora.
Tome seus remédios sem culpa, que não é falta de fé...pelo contrário, são pequenas porções de cura que Ele concedeu ao homem, bem na farmácia da esquina.
Lee, que toma remédio e vitamina, sempre “com fé”.

Na Sessão Revival, Rita Lee na TV RAI da Itália cantando Saúde:

http://www.youtube.com/watch?v=sr92AN2LAVY

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Porque Jesus apareceu primeiro a Maria Madalena após a Ressureição?


Esse episódio aconteceu quando Maria Madalena e outras mulheres foram visitar o túmulo de Jesus, 3 dias após a crucificação.

Os anjos perguntaram: Mulher, por que você está chorando?

Ela respondeu: Levaram embora o meu Senhor, e eu não sei onde o puseram!

Depois de dizer isso, ela virou para trás e viu Jesus ali de pé, mas não o reconheceu.

Então Jesus perguntou: Mulher, por que você está chorando? Quem é que você está procurando?
Ela pensou que ele era o jardineiro e por isso respondeu: Se o senhor o tirou daqui, diga onde o colocou, e eu irei buscá-lo.

Maria! disse Jesus. Ela virou e respondeu em hebraico: Rabôni! (Esta palavra quer dizer Mestre.)

Jesus disse: Não me segure, pois ainda não subi para o meu Pai. Vá se encontrar com os meus irmãos e diga a eles que eu vou subir para aquele que é o meu Pai e o Pai deles, o meu Deus e o Deus deles.

Então Maria Madalena foi e disse aos discípulos de Jesus: Eu vi o Senhor! E contou o que Jesus lhe tinha dito. ( João 20.13 a 18).

Muito se fantasia a respeito do relacionamento de Jesus com Maria Madalena.

Já vi até filme em que os dois eram casados (A Última tentação de Cristo).

Nada, claro, baseado no relato bíblico, e sim em ficção.

Mas esse e outro texto, nos relata que ele apareceu primeiro a Maria Madalena, além de outras mulheres que a acompanhavam ao sepulcro, após a ressureição...mas porquê?

Creio que Maria Madalena sintetiza o nível de comprometimento, de discípulado, difícil de ver em nossos dias.

Talvez você diga que ela foi contemporânea Dele, o viu, teve contato, e isso facilita...

Ora, Judas Iscariotes esteve ao lado Dele por 3 anos, mas não caminhou com Ele...o fim da história, todos sabemos...

Pedro chegou a puxar a espada em nome Dele, contra um soldado romano:

Mas o negou 3 vezes, e depois fugiu acovardado.

Maria Madalena não - Quando Ele foi levado para a crucificação, ela e outras o seguiram de longe;

Tinha enorme gratidão por ter sido liberta espiritualmente, pois sete demônios que a atormentavam saíram dela (Lucas 8.2);

Ela era uma das mulheres que ajudaram Jesus e seus discípulos na pregação do evangelho;

Ela e outras mulheres seguiram Jesus desde a Galiléia até o final do seu ministério.

Madalena não dependia de homem para desenvolver sua espiritualidade:

Hoje em dia, observo que muitas mulheres ficam na dependência masculina para se desenvolverem espiritualmente, especialmente as casadas.

Mas como na maior parte das vezes os homens são mais desinteressados espiritualmente, elas acabam com o tempo também se desinteressando espiritualmente.

Madalena não...por isso, creio que a aparição a ela em primeiro lugar, foi o reconhecimento de Jesus a fidelidade dela, que inclusive estava indo ao túmulo no primeiro dia da semana para embalsamá-lo.

Jesus quis com esse episódio, realçar a participação da mulher, o reconhecimento que Ele tinha a elas, que o acompanharam até o final de sua missão na terra.

Isso, num meio machista, em que elas não eram valorizadas pela sociedade.

Por isso, creio muito mais no coração de uma mulher discípula, pois quando elas o são, são de fato;

Quando observo as pessoas na igreja, sinto e vejo a maior parte delas- as mulheres, como as mais interessadas nas coisas do reino, do que a maior parte dos homens, apenas assistentes de culto, e observei isso também em classes de estudo.

Creio que o interesse delas – e por serem maiorias nas igrejas de hoje - assustam alguns pastores, que se utilizam distorcidamente do princípio “homem ser cabeça da mulher”, á fim de obterem controle sobre elas;

Que alguns desses pastores machistas preferem vê-las :

Fazendo bolinho na cantina da igreja, tocando piano ou regendo, sendo tia da classe de crianças (não desmerecendo nada disso), do que ter um número proporcional aos homens de professoras nas classes adultas, de serem diaconisas e ocuparem cargos de diretoria, na igreja.
Jesus sabia que uma base de seu ministério, a divulgação do evangelho, a ajuda, teve a ver com a dedicação de suas discípulas:

A aparição a Maria Madalena, em primeiro lugar, dizendo “Maria, sou eu! ”, e esta o reconhecendo como seu Mestre, foi o reconhecimento Dele a todas elas:

As de ontem, e as de hoje.

Lee
Na Sessão Revival, Sandra com seu hit Maria Madalena:

http://www.youtube.com/watch?v=urmJ-SKXEVo


sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

O Carnaval dos Crentes

O Carnaval para os crentes, geralmente se situa entre o escapismo e a melancolia.

Escapismo, pois para fugir dele, ao longo de décadas, se faz o chamado retiro de carnaval (antigamente chamado retiro espiritual, mas como essa espiritualidade foi secando ao longo do tempo, a maioria mudou o nome).

Não vou aqui falar se é certo ou não participar, assistir, etc, do carnaval- a palavra diz que é nossa consciência que determina isso, e não Pastor ou igrejas- Paulo diz sobre isso o seguinte:

Bem-aventurado aquele que não se condena a si mesmo naquilo que aprova. (Romanos 14:22).

Isso vai do gosto de cada um, livre arbítrio, etc:


Um querido missionário americano, já idoso e que voltou para os EUA, não perdia um desfile no sambódromo, aqui no Rio:


Assistia todos os anos, da arquibancada.

Alías o que tem de gente de igreja que “vê escondido”, na TV, e que viaja pra outros lugares pra “pular carnaval” escondido, sem que ninguém saiba (dizendo que está 'fugindo' dele), daria várias histórias só num post.

Mas voltando ao escapismo e melancolia:

É escapismo, a medida em que se estabelece uma data para “escapar do pecado” ( pra quem pensa nesse sentido), como se esse tivesse a capacidade de grudar na pessoa que “permanece na cidade”.

A não ser que essa pessoa não tenha convicção nenhuma- aí, tudo nela “pega”.

Ora, passei o carnaval aqui no Rio ano passado, bem como esse ano, e praticamente quando saio á rua, não vejo nada- sei o ponto aonde acontecem as coisas.


Vou a praia, ao cinema, e não vou participar de carnaval, pois não sou muito chegado.


Mas dizer que tem que sair da cidade, fazer isso todos os anos por causa do carnaval, é puro escapismo:


No momento em que a cidade, segundo essa mesma turma, mais precisaria da presença da luz, eles fogem para retiros.


Fico imaginando Daniel na Babilônia, fazendo retiro de carnaval...pra onde ele iria?


Na minha fase teen, eu era obrigado a ir todos os anos- e no mesmo acampamento, Areal (na fase boa, não na de agora).


Na prática, tirando a capela, era como se houvesse um carnaval dos crentes, pois tinha muita zoação, inclusive com desfiles de fantasias valendo ponto para concursos...

E as garotas, no alojamento delas, faziam concurso para escolher a garota Globeleza entre elas!


Era ou não era carnaval dos crentes?


Sem falar nos amassos que tinham, com gente voltando morrendo de medo de ter engravidado alguém- e de estar grávida- , no matos e cachoeiras da vida que tinham ali.

A melancolia também é uma característica de alguns nesse período.

Contrastando com a alegria que toma conta da maioria das pessoas país afora, muita gente de igreja fica melancólica.


Afinal, quem não gosta de carnaval, não gosta de “retiro”, ou não pode ir a um por causa do trabalho, vai ficar fazendo o quê?


Viajar nesse período é um verdadeiro programa de Índio – tudo leva o dobro do tempo.


E mesmo ir a um retiro de igreja, pode ser melancólico:


Se você não se enturmar com alguém, se ouvir palestrantes com a profundidade de uma ostra (e morrer de raiva por não ter ficado dormindo);


Se o alojamento for cheio de mosquito, se o banheiro- que já é comunitário- for horroroso, se a cama for dura e tiver sido feita na medida para um chinês;


Se a piscina for suja ou verde por excesso de cloro, se um babaca passar pasta de dente na sua cara, se o campo de futebol for igual ao do campo de refugiados do Haiti;


Se a comida não for boa, ou se a mesma acaba logo ou você não pode repetir;


Se a sua menstruação chega justamente nesses dias – te tirando da piscina e outras atividades -sem falar na adorável cólica ;

Se aquela garota que você há séculos tinha planejado em “dar o bote” começa a namorar justamente ali- e com seu melhor amigo;


Se aquele cara que você tava de olho é fisgado pela primeira “maria acampamento” que aparece;


Ou se seu namoradinho termina com você justamente ali, pedindo “um tempo”, pra ficar justamente nos braços da “maria acampamento,” bem na sua frente, no dia seguinte;


Se alguém infarta e acaba o acampamento;


É ou não é pra ficar melan - cólico??


Todas as coisas acima ou ocorreram comigo, ou presenciei- tirando a parte feminina, obviamente.


Enfim, não sou ligado a carnaval- mas adoro ver a disputa na quarta-feira, aqui no Rio, do resultado do desfile, pra ver quem ganha.


Geralmente pego a promoção de carnaval dos cinemas (Iguatemi a 8 pratas todos os dias, antes das 15h, até terça feira) e vou a a praia.


Às vezes, faço um confere na TV, pra ver quais escolas estão no gosto popular,mas não torço pra nenhuma delas.


Um flash aqui ou acolá...


Mas eu nunca vejo a Mangueira entrar!


Lee



Na Sessão Revival Samba Cristão:


A Paz de um Sambista, com o Puro Toque:
http://www.youtube.com/watch?v=e7Zeuc_02Ko



E o mestre Bezerra da Silva em 2 momentos:

Antes de sua conversão em Tem Coca aí na Geladeira:

E após a mesma dando um Conselho de Luz:

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Ser Santo: O que dizem sobre isso, e o que Realmente Jesus disse


Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade (Jesus, orando pelos seus discípulos em João 17.17).

Para Jesus, a santidade seria adquirida naturalmente, desde que essa fosse assimilada pela palavra:

Para Ele “ser santo” é quando existe assimilação dos conceitos divinos em toda a sua esfera, e não apenas em questões relacionadas a sexualidade ou moralidade.

Para Ele, ser santo não é ter conhecimento da palavra em forma teórica, apenas da letra, mas sim quando esta se torna verdadeira dentro de um coração.

A igreja ao longo dos séculos, e até hoje, colocou essa questão apenas na conduta sexual (reprimindo-a) e moral:

Daí surgiram as proibições e "regrinhas do não pode":

Não só na sexualidade, mas na questão comportamental, como vestimentas e “prazeres probidos” como ir a praia, cinema teatro, Maracanã, ver televisão, enfim:

Tudo aquilo que desse “prazer” a pessoa, era reprimido.

Totalmente ao contrário do que ensinou Paulo, ou seja a ter discernimento:

A mim, tudo me é permitido, mas nem tudo me convém (I Corintios 6.12)

Mas como se confundiu religião com controle, fica mais fácil “fazer pacotes” para exercer controle.

E como isso é algo que só pode ser exercido pela graça, e nunca pela carne, acontecem os conflitos que naturalmente era só uma questão de tempo de que surgissem:

Descontroles, afundamento maior em vícios, sensação de inferioridade por não conseguir alcançar a “santidade dita pelas igrejas...”

É exercido pela graça, pois o que alcançamos foi um favor imerecido- e é essse princípio que deve nortear nossas vidas.

Esse “nortear” vem da bússula, que sempre aponta para o norte, não deixando o aventureiro se perder na floresta, e que orientavam os navios de antigamente (hoje é tudo pelo radar):

Todos sabiam a direção a seguir, pois a bússula sempre aponta para o norte.

Nosso norte é a graça divina, e dentro dela está o verdadeiro conceito de santidade.

Sim, pois eu nunca serei “bonzinho” para alcançar algo de Deus:

Ele diz que nada alcançamos por obras, mas por fé.

Ele diz que eu posso ser um cara “correto” aos olhos humanos, mas se não tiver amor, eu não sirvo de nada para Ele.

Mas segundo o enfoque de Jesus, existe uma enorme abrangência em “ser santo”...

Para ser santo como Ele foi, basta ter franqueza com nossa condição humana, assim como Ele teve franqueza quando estava na condição de homem , mesmo sendo Deus.

Você já parou para observar que o “ser santo” de Jesus quase não existe na pregação em nossos dias?

Ser santo para Jesus , é em nossa condição humana (assim como era a dele) :

Ter coragem de chorar em público (João 11.35): Se até hoje nossa sociedade é machista – hoje diriam que Ele era Emo- imagine antigamente.

Admitir perdas e saudades, como na ocasião com Lázaro (João 11.36);

Gritar de dor (Mateus 27.50) quando dói, em vez de forçar e manter sorrisos amarelos na igreja, quando a dor vem;

De confessar depressão ( "Minha alma está cheia de tristeza até a morte"- Mateus 26.38);

De pedir ajuda emocional ( o mesmo Mateus 27.50); Enquanto preferimos não buscar ajuda;

De se confessar cansado ( João 4.6), Enquanto várias vezes se faz um “esforço” descomunal na igreja, “ a serviço do Senhor”- O mesmo Senhor que se cansava;

De confessar dificuldades familiares (Marcos 3.21/ João 7.1-9), Enquanto hoje fingimos na grei que temos uma família perfeitinha;

Admitir que ás vezes precisamos ficar sós ( Marcos 6.30-32,45,46);

De desabafar quando não aguentamos mais ver tanta idiotice e estupidez (João 2.15);

De amar a Deus, mesmo quando este não nos fala nada ( Mateus 27.46);

Tudo isso para Jesus era ser santo.

Esquecem sim, de dizer que deixamos de ser santos, quando:

Nosso interesse em relação a Ele é apenas sermos ajudados - “dar uma mãozinha”, e não o amarmos incondicionalmente;

Quando o reduzimos a um pacote, que em geral passa por:

Doutrinas de denominações, convenções humanas, ritos, liturgias, tradições e espaços de templo (Deus só “está ali”, se você não vai, “está em falta com Ele”);

Quando damos preferência para os grandes, enquanto apenas suportamos o pequeno;

Quando vemos injustiças acontecerem ao nosso redor, e nos omitimos, ou concordamos pois estamos no “combo das vantagens”;

Quando não santificamos esposa ou marido, bem como flhos e amigos, que não provam do “gosto” de nossa ligação com Deus- se é que ela existe.

Tudo isso acima, é “não ser santo”- e tudo isso, está no cotidiano da igreja de hoje.

Um verdadeiro paradoxo, dentro da perspectiva do que Jesus falou.

Lee

Na Sessão Revival, Leeland com Tears of The Saints:

sábado, 6 de fevereiro de 2010

A Pressão para as Crianças se Batizarem na Igreja



Sempre quando vejo uma criança se batizando, fico pensando...



E nesse pensamento, começo uma série de perguntas:


Será que ela sabe mesmo o que está fazendo?


O que isto significa?


Será que seus pais estão “forçando a barra”?


Será que para agradá-los, a criança “tomou essa decisão”?


Existe, na prática, 5 motivos que faz uma criança querer se batizar :


Agradar aos pais, “forçação de barra” de pastor, desejo em tomar a ceia, ir na “onda dos amigos", e genuína convicção....vamos a cada uma delas:


Agradar aos pais


Estéticamente aos olhos, é lindo ver uma criança se batizando – e aqui me refiro ao batismo descendo ás aguas.


Seja num rio, ou numa grei, quando qualquer pessoa vê uma delas fazendo isso, acha bonito...


Mas ao longo dos anos, observei que uma parte dos pais sempre que estão na igreja há algum tempo , sempre estimulavam-os a se batizarem cedo:


Isso não acontece com pessoas que se converteram há uns 5 anos atrás, com seus filhos, por exemplo.


Geralmente, acontece só com os “filhos de crentes”, e se os avôs desses tem anos e anos de igreja, o desejo em ver um neto/a se batizar, aumenta a pressão sobre os pais da criança, que ficam toda hora falando de batismo com os filhos.


Isso pode gerar uma pressão, a criança por volta de 8 anos, sente isso, e na ânsia de agradar aos pais ( e ao vovô e vovó, com 200 anos de igreja nas costas, querem ver o neto/a fazendo isso antes deles morrerem), se batizam.


Foi o que cansei de ver, por anos e anos, seguidamente, e vejo até hoje.


Pressionar crianças a se batizar, é errado:


Lembre-se que o próprio Jesus só se batizou aos 30 anos.


O segundo motivo que vejo hoje nesse sentido, é:


"Forçação de barra" de pastores


Para se tornar membro de uma igreja – para se tornar “um número “dentro dela- é necessário fazer parte do “ rol de membros” da mesma.


Uma dessas maneiras de se tornar membro oficial de uma delas é por meio de batismo- as outras são via transferência de outra igreja, e via aceitação por “aclamação”.


Infelizmente, percebi ao longo dos anos, a forçação de barra de pastores nesse sentido, pressionando uma criança- no caso os pais delas- a se batizar.



“Por quê seu filho ainda não se batizou”, perguntam.


Digo infelizmente, pois sinto em alguns apenas a necessidade se fazer número- de dizer que a igreja está crescendo, aumentando de membros.


Especialmente nesse tempo em que se confunde quantidade com qualidade.


Pastor nenhum pode se prestar a um papel desse tipo, e sim verificar se a criança tem a maturidade em tomar essa decisão:


Inclusive perguntando a ela, se são os pais e avós que estão impondo isso.


Desejo em tomar a ceia


A criançada fica doida quando vê os adultos tomando ceia:


Que criança consegue ficar sossegada vendo todos beberem suquinho de uva com pãozinho, em pleno culto, e não poder pegar?


Conheci várias pessoas que confessaram mais tarde terem se batizado únicamente para poder tomar “suquinho de uva com pãozinho”.


Talvez você que me lê esteja nesse grupo, é o mais comum de todos os casos citados.


A ceia, que na verdade era uma confraternização onde todos comiam, até que Jesus num dia separou o pão e o vinho num memorial, sempre vai lembrar comida.


A ceia em forma pequena então, como é servida nos cultos, parece um micro-lanchinho rápido, um super-mini-lanchinho “eclesiástico”, na cabeça da criança, que adora lanches.


Percebem como a criança pensa, faz essa associação?


Ela fica revoltada em não poder pegar – os pais passam anos tirando a mãozinha deles dos seus cálices e pães:


O dia da ceia, é um dos piores cultos para uma criança assistir, pois ela não participa.



Por isso, a importância do culto infantil:


Erradamente chamado de “cultinho” por alguns pastores e pais (tem mais “cultinho” onde tem “cultão”, por aí), o culto infantil é de suma importância para o aprendizado da ceia nessa hora.


Em algumas poucas igrejas visionárias , a tia da classe é autorizada pelo Pastor para ministrar uma ceia “didática”, quando a mesma também é distribuída no culto “adulto”.


Assim, elas não só aprendem o significado da ceia do Senhor, como ficam felizes, e ninguém precisa se batizar aos 9, 10 anos, só pra tomar ceia na igreja.


É claro, pra isso tem que haver um Pastor visionário, que pense na grei como um todo, mas infelizmente temos mais é pastores jurássicos na forma de pensar a igreja.


Soube de uma grei em São Paulo que tem até púlpito miniatura na sala das crianças, de onde contam sua semana, e pedem orações.


Ir na “onda “ dos amigos


Ou melhor, no “mergulho” deles...esse foi o meu caso.


Me batizei aos 11 anos, porquê meus dois maiores amigos da igreja, incluindo na época o filho do pastor - de 9 anos – se batizaram.


Tivemos aquelas decorebas básicas, onde ninguém podia nos reprovar, pois estava tudo teológicamente correto, foi moleza, e depois foi só “Tchibum”:


Um mergulho refrescante no último dia do ano, 31 de dezembro, um calorzão infernal e eu me refrescando no batistério, que delícia...podia durar mais um pouco, tava quente!


Depois, a gente subia e ficava esperando os outros se batizar, e ficava um zoando o outro:


Entrou água pelo ouvido? Espalhou muita água?


Isso ao som da pior música pra se tocar na grei quando se tem batismo:


“Óh que belos hinos, cantam lá no céu, por mais um remido entrar nos céus”!


Por isso, por anos a fio, nas greis que cantavam isso na hora do batismo, ficou associado que o batismo salvava a pessoa:


E nunca batismo nenhum salvou, nem salva ninguém...quem faz isso, é Cristo.


Assim, adquiri aos 11 anos o direito de votar em sessão - de escolher diáconos, de escolher a diretoria da igreja, e de exonerar ou escolher pastor com o meu voto:


Tudo aquilo que uma criança de 12,10, 9 anos está preparada, claro, para fazer...


Enfim, pouco anos depois, já teens orgulhosos de poder finalmente “tomar a ceia com o restante da grei” e de sermos finalmente “membros com direito a voto” nas sessões deliberativas, descobrimos um novo hobby batismal:


Ver a mulherada se batizar.


Entenda, em igreja chata, a gente precisava se distrair, rabiscar boletins, segurar o riso, enfim, inventar alguma coisa pro tempo passar, enquanto este se arrastava.


Na época, a mulherada se batizava com uma toga branca (nossa eterna gratidão a quem teve essa brilhante idéia) , o que produzia o seguinte efeito:


Além de delinear o corpo da mulher batizanda, o branco ficava...transparente.


Assim, eu e meus amigos teens no dia do batismo sentávamos na primeira fila, super interessados “no culto”...


Viámos a mulherada se batizar, e quando tinha uma mais jeitosa, era uma festa...


Elas colocavam só uma camisa com short, por baixo.


Lembro do dia em que uma mulher que chamávamos de Índia foi se batizar.


Índia era o chamado mulherão, ela lembrava muito a Jennifer Lopez, tanto na cara quanto no corpão, tinha por volta de 30 anos, cerca de 1.70, cabelão preto na cintura, na época, era alta para uma mulher brasileira.


Sabia-se por toda a grei que ela chifrava o maridão, que sempre tava viajando a serviço, e tinha cara de mané:


Como alguém podia deixar uma mulher daquelas sozinha??


Pois bem, no dia do batismo dela o primeiro banco ficou disputado:


Os marmanjos mais velhos já tinham percebido o lance da toga branca, altamente inconveniente para o batismo, e super-conveniente para pensamentos “pagãos”.


Quando a Índia mergulhou e se levantou, saíndo lentamente pela escada, a toga colada a camisa, os “faróis acesos” - e era “farol alto”- toda a grei ficou em silêncio:


Dava para ouvir um mosquito dentro da igreja.


O pastor se “desconcentrou”... e em nosso primeiro banco, bem como no segundo, víamos as mulheres beliscando seus maridos...


E nós acompanhamos a saída lateral da Índia, com gostinho de ficaaa, queremos mais!


Viram como minha convicção batismal era forte?? Viva o batismo - Aleluia!


Ah, sim , viámos gordonas e gordões afundarem junto com o pastor dentro dágua, espalhar água pra fora, nego escorregar da escada “ e já cair batizado, era uma festa!


Por muitos anos, o dia do batismo foi uma atração naquela grei fraca de conteúdo...


Quanto a Índia, um ano depois ela foi para outra igreja, onde finalmente largou o maridão para ficar com o amante.


E finalmente, o último dos cinco motivos de batismo de uma criança:


Genuína convicção


É claro que existe- já vi crianças firmes em sua decisão, algumas esperando se batizar desde os sete anos.


Dá para perceber até na fala de algumas delas.


Mas confesso, por tudo que vi nesses anos, que esse é o último dos grupos:


É muito raro ver alguém antes dos 12 anos genuínamente convicto.


Jesus aos 12, debatia com os Sacerdotes no templo, deixando-os admirados, mas só foi se batizar bem mais tarde, aos 30.


Por isso, penso que deve existir um culto infantil, como o acima citado, nas igrejas;


Que devem deixar a criança naturalmente ir perguntando sobre batismo, e nunca forçar;


E verificar o motivo real dela querer se batizar.


Conheço pessoas, filhos de gente da igreja, e que estão na grei, que aos 20 anos ainda não se batizou:


Isso é uma decisão pessoal.


A verdade é que vi poucas crianças que se batizaram, que permaneceram depois na grei...


Me batizei por causa dos meus dois amigos – hoje, só eu e o filho do pastor continuamos na grei.
E as que assim fizeram, percebem mais tarde que se precipitaram, quando realmente entendem o significado do batismo -morrer e ressuscitar com Cristo, pela fé.


O resto, é tomar suquinho de uva com pãozinho, lambendo bem o cálice para não sobrar nada:


Sluuurpp....




Vai dizer que você nunca fez isso??



Lee





Na Sessão Revival Batismo:



Veja a furada que é se batizar de branco (aqui é homem, imagine se fosse mulher):






Perigo - Criança se batizando!