quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Num Passe de Mágica: O novo convertido e a “imediata transformação” exigida pela igreja

A igreja quer que o novo convertido já venha "prontinho"


Não é porquê a pessoa aceitou Jesus num dia que ela é imediatamente transformada.

Sim, espiritualmente ela recebe “novas vestes”, mas a absorção do evangelho, esta vem gradualmente, a cada dia que passa.

Precisamos ter muito carinho, amor e paciência com um novato na fé, mas geralmente isso dificilmente ocorre entre todos na igreja...ás vezes, fica restrito a um pequeno grupo:

Geralmente, os que trabalham diretamente na recepção e ensinamento deles.

Mas quando estes começam a ter contato com os demais da grei, e dependendo do tipo de mensagem que ouvem -se o pregador é de formação legalista/ fundamentalista , por exemplo, é que os problemas começam a acontecer.

A nova vida no evangelho, e a nova “vida na igreja”

Se uma pessoa teve alguém como referência – um amigo o apresentou ao evangelho ele se convenceu e tomou uma decisão – seria interessante que esse mesmo amigo lhe desse o suporte necessário nos primeiros momentos.

Às vezes, isso é difícil de acontecer, pois se tem na cabeça que isso é função da igreja-tijolo, e não da igreja -pessoa.

Esse pensamento é um dos grandes obstáculos para o crescimento do novo convertido...

Com quem ele se sentiria melhor aprendendo:

Com o amigo/a teen que ele conhece da escola , do prédio, do curso, da academia, ou com alguém que ele nunca viu na vida?

Com os conhecidos de uma reunião de um lar em que foi levado, e ali, num ambiente mais familiar a este, em que se sente mais á vontade (e ainda por cima tem comes e bebes), ou com um sisudo professor da classe de "catecúmenos?"

Alías,ô nomezinho pesado, e que algumas igrejas ainda insistem em manter...

Na eclesiologia, o catecumenato era à iniciação daqueles que recebiam instruções preliminares, na Igreja primitiva cristã...

Não é mais fácil falar “classe de novos”, de “discipulado inicial”, ou até mesmo de “novos crentes”?

Eu tive um problema muito sério com isso, anos atrás.

Era responsável pela educação cristã numa igreja, e coordenava aproximadamente 15 salas, em estilo universitário, com quadro pra escrever com caneta pilot -isso nem tinha em todas as faculdades aqui no Rio, até então.

Selecionava bom material de estudo para todas as faixas, num meio onde tem muitos autores fraquíssimos de conteúdo, dava um trabalhão;

E acabei com o “cartel” que tinha,mas só numa parte, em outra não consegui...

O que consegui foi trocar de material de editora, de uma fraquíssima para uma de conteúdo, desagradando o pastor, que era amigo do dono dessa editora – se pagava 3x mais por porcarias de revista, beneficiando o amigo, e levando um “trocado por fora”.

Entende o porquê de minha revolta com “sistemas religiosos”, e com a “turma de pastores envolvida nesse esquema?

Banquei, me desgastei com o pastor, mas todos os professores, até os de uma classe mais idosa, elogiaram muito o novo material, vários deram “graças a Deus”, pois sabiam que o material anterior era uma droga – falavam isso pra mim.

Mais o que não consegui, foi remover um diácono professor da tal “classe de catecúmenos”, que era “cupincha” do pastor.

Bem que tentei removê-lo para ao menos ser um professor de uma classe de senhores da idade dele ( ele era sessentão), mas ele não quis abrir mão, e já desgastado pelo episódio das revistas, não quis fomentar nova polêmica.

Todos que se convertiam- idependentemente da idade- iam pra classe dele.

Assim, tinha meninas de 11 anos convivendo com pessoas casadas, com senhora e senhores de sessenta, enfim, algo totalmente anti-didático.

Só de remover as crianças para uma classe apropriada- e sobrecarregando a” tia “delas, que teve que fazer dupla jornada, por falta de gente, o velho começou a dar chilique.

Eu ia fazer o mesmo com os jovens que com ele estavam, mas desgastado com tudo o que tinha já acontecido, deixei pra lá.

O problema era que, em vez de ensinar evangelho, ele discursava sobre o que ele achava que era...falava de roupas que podiam ou não usar, não beber, não fumar, praia e outras coisas do mundo era pecado, enfim, era aula de postura moral-social.

Ele deixava a porta aberta, e passando e ouvindo tudo isso, meu coração se partia.

O novo convertido, é um bebê na fé, e como tal, precisa de alimentação apropiada.

Não pode comer porcaria- como os da classe acima estavam comendo- e nem algo muito substancioso em demasia...bebês não comem churrasco.

Além do legalismo, também cansei de ver gente que devia estar sentada na classe aprendendo, em vez de dar aula pra gente nova na fé...

Elas até podem até ter um tempinho de igreja,mas sabiam muito pouco.

O professor, o material ( tem gente que quer estudar as 4 leis espirituais ou O Peregrino até hoje com eles), mas acima de tudo, a atenção com eles em suas dúvidas e curiosidades.

Deveria se ensinar o evangelho pura e simplesmente, como Jesus fazia:

Hoje, ensinam regras de denominação, estatuto de igreja, a “obedecer”, como vi pasmo numa grei, “ a diretoria e os oficiais da igreja “( Deus sequer foi mencionado) e “História dos Batistas/Presbiterianos/Metodistas, enfim, da igreja que o cara foi, Isso pra gente novinha na fé.
Evangelho que é bom,nada.

Muitos dos que eu vi dessas classes, não aguentavam passar um ano na igreja...

Ficava feliz quando descobria que tinham ido pra outra igreja, e triste quando largavam de vez...
Bem, só de ouvir aquelas coisas “de passagem”, me dava vontade de largar, também.

Mas também tive o prazer de ver alguns professores vocacionados para isso, com classe cheia de alunos “não enfadonhos”, que aprenderam muito com eles...

O irmão Otto, pai do meu amigo Alemão, era um desses...ralava a semana inteira como professor de cursinho, ficando de sete da manhã ás 11 da noite quase todos os dias no trabalho...

Mas domingo de manhã, a classe dele de tão cheia que ficou, ocupava o lugar onde o coral ficava, na grei...

E ele tinha toda justificativa para estar dormindo em casa, nessa hora...mas tava lá, cedo.

Jesus várias vezes percebeu que seus própios discípulos ainda não tinham entendido sua palavra, imagine então os que chegam agora.

Mesmo com alguns anos de convivência diária com Ele, muitos pediam para re-explicar uma parábola (histórias ilustrativas)...

Perguntavam o que Ele quis realmente dizer em determinada situação...

Se tinha “casamento no céu”... além de outras bobagens, como “quem dos discípulos ia estar assentado” ao lado Dele, no céu...

Imagina então quem chega agora...se “veteranos” tem dúvidas, novatos muito mais.

O “Novo convertido” precisa de tempo para assimilação do evangelho.

Ele não vai mudar de um dia para o outro,isso é gradativo...talvez recaiam em vícios, ou demore um tempo para se livrar deles...

Se é difícil pra quem tem tempo, certos trechos da Bíblia, imagine então eles lendo sozinho de início...precisam de ajuda.

Não podem ser cobrados, e sim, orientados:

Muitos querem que virem “santos” do dia pra noite – e já falei aqui que o conceito de “ser santo”, pra Jesus, é totalmente diferente do que ensinam por aí (ver arquivo do blog “ser santo”: O que dizem por aí, e o que Jesus realmente disse).

Já vi senhoras censurarem meninas novatas por causa de roupa, ensinando-as a se vestirem como velhas...

De dizerem a elas que tornozeleiras (pulseirinhas) são coisa de terreiro de macumba....
Senhores reprendendo novatos na fé, que foram para a igreja inocentemente com a camisa do seu clube de coração ( Bem,do flamengo, tem que reprender mesmo)...

Enfim, todos querem colocar logo o novo convertido num pacote eclesiástico, em suas regrinhas de pode/não pode, e outras doenças, em vez de os alimentar com evangelho.

Não é a toa que a taxa de “desviados de igreja” hoje no Brasil é enorme:

Calcula-se que existam de 30 a 40 milhões de gente hoje no Brasil, que um dia foi de alguma igreja , mas com o tempo abandonaram a fé:

Para cada pessoa na igreja, existem 5 pessoas que estão lá fora, que já estiveram em alguma igreja evangélica, anteriormente...

Várias delas, abandonaram enquanto ainda eram “novas na fé”, no período de um ano, assim que entraram, pelos motivos que citei acima...

Muitas, ainda eram da tal classe de “catecúmenos”.

Mas, qualquer que escandalizar um destes pequeninos, que crêem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma mó de azenha, e se submergisse na profundeza do mar. (Mateus 18.6, Jesus falando sobre seus discípulos)

Lee

Na Sessão Revival, Lulu Santos e seu hit Tempos Modernos:

http://www.youtube.com/watch?v=log6vJHLv3E