segunda-feira, 8 de março de 2010

Amélia é que era Mulher de Verdade


Amélia Earhart (1897 – 1937) foi uma mulher muito á frente de seu tempo.

Começou a ter aulas de vôo, numa época em que a maioria das mulheres eram donas de casa, ou no máximo professoras ou funcionárias públicas;

(Ora, até hoje, a maioria das mulheres, em relação a avião, faz é curso pra ser comissária de bordo, ou como são mais conhecidas, aeromoças)

Comprou um avião, aproveitando-se da então boa condição financeira de sua família.

O sonho de Amélia era cruzar o atlântico sozinho,mas enquanto isso se contentava em atravessar os EUA, o que fez por duas vezes:

Isso, numa época em que os aviões não eram sofisticados, e sim sucatas voadoras;

Numa época em que os aviões não voavam a grandes altitudes;

Numa época em os pilotos civis não tinham mapas nem aeroportos regulares para pousar.

Amélia seguia o rastro das estradas, ferrovias e rios, ou seja, ela fazia a mesma viagem que se fazia na terra, só que no ar, o que demorava em muito as viagens...

Numa delas, o mapa que ela havia desenhado, tirado de um livro, e que estava preso a sua jaqueta , se desprendeu com o vento, e ela se perdeu...

Até que achou uma estrada que levava a uma cidade, e pousou na rua principal desta.

Amélia sabia de suas limitações como pilota, e constantemente se aprimorava com instrutores.
Finalmente, em 1932, fez um vôo solo atravessando o atlântico, sendo a primeira mulher a realizar tal proeza.

Amélia desejava que sua vida fosse uma inspiração para outras mulheres.

Queria que estas se estimulassem a alcançar seus sonhos- ainda que esse sonho fosse seguir uma carreira vista como “tipicamente masculina”.

Mas as idéias de Amélia eram avançadas demais não só profissionalmente:

No seu casamento com George Putnam, manteve seu próprio nome, ao invés de ser chamada de Sra. Putnam;

E disse que acreditava em responsabilidades de ambas as partes num casório, numa época em que até hoje, se quer colocar cabresto na mulher, quando se casa.

Amélia foi casada com George por 5 anos, até seu mais ambicioso projeto de vôo:

Dar a volta completa circundando a terra, pela linha do Equador...

Ou seja, dar a “volta ao mundo”.

A esta altura, ela já era uma superstar em seu país, saindo em reportagens de jornais e revistas, e sendo recebida pelo Presidente Hoover na Casa Branca.

Mas seu avião se perdeu no pacífico...foi pego por uma tempestade.

Nunca se encontrou o Electra que ela pilotava, nem vestígios deste...

Nem no fundo do mar, nem próxima as lhas que ela tinha passado...

Na época, o que havia de melhor em busca e salvamentos, foi tentado...

Seu marido bancou buscas particulares, inclusive com nativos das ilhas próximas a última localização dela...tudo, sem resultado.

Amélia partiu livre, como sempre fora, a vida inteira:

Amélia soube ser mulher, de verdade.
Lee

Na Sessão Revival, o trailer de Amélia, em breve nos cinemas: