quarta-feira, 14 de abril de 2010

A Menina, O Comandante, O Profeta, e o Olho Grande

A Menina Israelita soube do problema, e o indicou ao Profeta
Naamã obedeceu, e foi curado


Nossa historinha de hoje é muito interessante, e tem 4 personagens com atitudes diferentes..marquei alguns detalhes, pra facilitar.

“Naamã, o comandante do exército da Síria, era muito respeitado e estimado pelo rei do seu país porque, por meio de Naamã, o SENHOR Deus tinha dado a vitória ao exército dos sírios.
Ele era um soldado valente, mas sofria de uma terrível doença da pele.

Num dos seus ataques contra Israel, os sírios haviam levado como prisioneira uma menina israelita, que ficou sendo escrava da mulher de Naamã.

Um dia a menina disse à patroa: Eu gostaria que o meu patrão fosse falar com o profeta que mora em Samaria, pois ele o curaria da sua doença.

Então Naamã foi falar com o rei e contou o que a menina tinha dito.

E o rei ordenou: Vá falar com o rei de Israel e entregue esta carta a ele.
Então Naamã saiu, levando uns trezentos e cinqüenta quilos de prata, e uns setenta quilos de ouro, e dez mudas de roupas finas.

A carta que ele levava dizia assim: Esta carta é para apresentar Naamã, que é meu oficial. Eu quero que você o cure.

Quando o rei de Israel leu a carta, rasgou as suas roupas em sinal de medo e exclamou:

“ Como é que o rei da Síria quer que eu cure este homem? Será que ele pensa que eu sou Deus e que tenho o poder de dar a vida e de tirá-la? Ele está querendo briga!”

O profeta Eliseu soube do que havia acontecido e mandou dizer ao rei: Por que o senhor está tão preocupado? Mande que esse homem venha falar comigo, e eu mostrarei a ele que há um profeta em Israel!

Então Naamã foi com os seus cavalos e carros e parou na porta da casa de Eliseu.

Eliseu mandou que um empregado saísse e dissesse a ele que fosse se lavar sete vezes no rio Jordão, pois assim ficaria completamente curado da sua doença.

Mas Naamã ficou muito zangado e disse: Eu pensava que pelo menos o profeta ia sair e falar comigo e que oraria ao SENHOR, seu Deus, e que passaria a mão sobre o lugar doente e me curaria!

Além disso, por acaso, os rios Abana e Farpar, em Damasco, não são melhores do que qualquer rio da terra de Israel? Será que eu não poderia me lavar neles e ficar curado? E foi embora muito bravo.

Então os seus empregados foram até o lugar onde ele estava e disseram:
Se o profeta mandasse o senhor fazer alguma coisa difícil, por acaso, o senhor não faria?
Por que é que o senhor não pode ir se lavar, como ele disse, e ficar curado?

Então Naamã desceu até o rio Jordão e mergulhou sete vezes, como Eliseu tinha dito.
E ficou completamente curado. A sua carne ficou firme e sadia como a de uma criança.

Depois ele voltou com todos os seus homens até o lugar onde Eliseu estava e disse:
Agora eu sei que no mundo inteiro não existe nenhum deus, a não ser o Deus de Israel. Aceite um presente meu, por favor.

Eliseu respondeu: Juro pelo SENHOR, o Deus vivo, a quem sirvo, que não aceitarei nenhum presente.

Naamã insistiu com ele para que aceitasse, mas ele não quis.

Eliseu disse: Adeus! Boa viagem!

Geazi, o empregado de Eliseu, começou a pensar: O meu patrão deixou que Naamã fosse embora sem pagar nada. Ele devia ter aceitado o que o sírio estava oferecendo.

Juro pelo SENHOR, o Deus vivo, que vou correr atrás dele e receber alguma coisa!

Então Geazi saiu correndo. Quando Naamã viu que um homem vinha correndo atrás dele, desceu do carro e perguntou: Aconteceu alguma coisa?

Não! respondeu Geazi. Mas o meu patrão mandou dizer que agora mesmo chegaram dois membros de um grupo de profetas da região montanhosa de Efraim. Então ele gostaria que o senhor desse a ele uns trinta quilos de prata e duas mudas de roupas finas.

Naamã disse: Por favor, leve sessenta quilos de prata. E insistiu com ele. Então pôs a prata em dois sacos, entregou a prata e as duas mudas de roupas finas a dois dos seus empregados e mandou que eles fossem na frente de Geazi.

Quando eles chegaram ao morro onde Eliseu morava, Geazi pegou os dois sacos e carregou-os para dentro de casa.
Depois mandou embora os empregados de Naamã,entrou em casa de novo e foi falar com Eliseu.

Este perguntou: Onde é que você foi? Eu não fui a lugar nenhum! respondeu Geazi.

Mas Eliseu disse: O meu espírito estava com você quando aquele homem desceu do carro para falar com você. Esta não era ocasião para você aceitar dinheiro e roupas, plantações de oliveiras e de uvas, ovelhas e gado ou empregados e empregadas.

Portanto, a doença de Naamã vai pegar em você, e os seus descendentes a terão para sempre.
Quando saiu dali Geazi tinha pegado a doença, e a sua pele estava branca como a neve. “
(II Reis 5. 1 a 27)

Como disse lá em cima, são 4 personagens que chamam a atenção:

A menina Israelita

Essa menina, era prisioneira de um ataque Sírio a Israel, feito provavelmente pelo próprio Naamã, que era um General Sírio.

Ela tinha tudo para odiar seus senhores, pois foi feito escrava...mas não:

O temor do Senhor tinha entrado em seu coração desde cedo, e ela, ao descobrir que seu patrão tinha provavelmente lepra, procurou sua patroa.

Ela disse que sabia de alguém em sua terra que podia curá-lo...

A compaixão da menina, veio através de sua formação no lar, dada por seus pais, provavelmente, em particular, sua mãe.

Ora, que menina nessa idade sabe sobre cura divina, a não ser que tenha escutado a respeito?
Que menina nessa idade teria como referência um profeta de Deus, a não ser que tenha escutado falar de suas histórias, através de sua mãe - na época em que ainda estava em sua casa?

Por isso digo: Mãe, ensine sobre Deus para seus filhos...fale sobre Ele.

Digo mãe, pois não me iludo, sei que a maioria das mulheres tem muito mais interesse nas coisas espirituais do que os homens...

São as mulheres que levam os homens para a igreja... que os arrastam da cama no domingo...

Foram elas que ficaram até o final na cruz, e que foram ao sepulcro...

Por isso que foi para elas, em primeiro lugar, que Jesus apareceu ressuscitado.

Mães tem que ensinar sobre Deus a seus filhos, como a mãe daquela menina, em casa.

Mulheres não eram consideradas nem em contagens de frequência, nos templos daquela época...por isso aquela educação foi em casa.

Sei que as “tias da igreja” se esforçam bastante (né Siomara? né Calandrini?), mas as crianças só vêem elas uma vez na semana, aos domingos...

Enquanto a mãe vê todo dia...ensine seu filho sobre as coisas do Chefe, você vai se surpreender com ele/a - ainda criança.

Deus se aproveitou das circunstâncias contrárias, pela fé de uma menina.

Naamã

Primeiro, é interessante ver que um General obedeceu uma menina - e que era apenas sua “criadinha” de terra estranha...só Deus é capaz de fazer isso.

Segundo, o conflito do racional, contra o elemento espiritual:

Pra que ter que se banhar no Jordão – e sete vezes - se os rios de Damasco eram muito melhores e mais famosos?

Era mais ou menos como se fosse o belo rio Nilo, contra o rio Tietê...qual vc prefere?

Vencido o conflito espiritual, ele obedeceu, e foi curado.

Um general inimigo de Israel, passou a adorar ao Senhor...por causa de uma menina, e ao obedecer um Profeta Dele.

Eliseu

O que mais me chama atenção é sua atitude diferenciada, deixando bem claro a marcação do espaço divino, versus a condição humana.

Veja, Eliseu poderia aceitar o dinheiro (trocando aquilo tudo, dava muita grana).

Mas a percepção espiritual naquele instante foi de dizer que:

Não se consegue graça divina mediante pagamento de qualquer espécie.

Por isso ele reclamou com Geazi depois, dizendo que “não era momento praquilo”.

Para Naamã, aquilo era absolutamente normal...para Eliseu, não, pois além de tudo, era uma “didática espiritual”.

Se fosse com vários pastores de hoje, esses arriariam suas calças pra botar toda prata nas cuecas, já que não caberia tudo nos bolsos...como temos visto por aí.

Teriam bajulado o Rei, o General, e todos os políticos, como fazem...

Observe também a atitude de Eliseu, orientando na cura de um cara que invadiu seu país, levou cativo pessoas...que compaixão...

Tem pastor até hoje em púlpito que chama "os de fora" de ímpios e gentios, “pois tá na Bíblia”.

Elias era tão cheio de unção, que até seus ossos, quando tocaram um morto, fez revivê-lo:

“E sucedeu que, enterrando eles um homem, eis que viram um bando e lançaram o
homem na sepultura de Eliseu; e, caindo nela o homem e tocando os ossos de Eliseu, reviveu e se levantou sobre os seus pés." ( II Reis 13.21)

Geazi

O olho grande...nunca foi interessado em coisas espirituais, só era mais um curioso, mesmo ao lado de um dos profetas que fazia milagres espetaculares...

Hoje, tá cheio de Geazis pastores, e poucos Eliseus...

A repreensão que ele levou de Eliseu – quebrando a" didática espiritual” desse, veio seguida de uma sanção divina...ele que ficou com a doença de Naamã, e seus genes.

Que é um ensinamento válido para todos, até hoje:

Quem se diz Dele e aceita dinheiro e bens em troca de favores espirituais, supostos milagres, favores políticos, poderes humanos, não passa de um doente.

Lee