quinta-feira, 15 de abril de 2010

Quem me Tocou?


Veja a diferença entre uma multidão que seguia a Jesus, e apenas uma mulher no meio dela:

"E uma mulher, que tinha um fluxo de sangue, havia doze anos, e gastara com os médicos todos os seus haveres, e por nenhum pudera ser curada,
Chegando por detrás dele, tocou na orla do seu vestido, e logo estancou o fluxo do seu sangue.
E disse Jesus: Quem é que me tocou?

E, negando todos, disse Pedro e os que estavam com ele:

Mestre, a multidão te aperta e te oprime, e dizes: Quem é que me tocou?

E disse Jesus: Alguém me tocou, porque bem conheci que de mim saiu virtude.

Então, vendo a mulher que não podia ocultar-se, aproximou-se tremendo e, prostrando-se ante ele, declarou-lhe diante de todo o povo a causa por que lhe havia tocado, e como logo sarara.

E ele lhe disse: Tem bom ânimo, filha, a tua fé te salvou; vai em paz. (Lucas 8.43 a 48)

Às vezes, fico pensando como nos comportamos exatamente como essa multidão:

Seguimos, acompanhamos, e até esbarramos em Jesus, mas não tocamos Nele.

A mesmice, de tão mesma, torna-se fato comum...

Pedro tinha razão, numa lógica humana total, numa situação em que todos estavam do mesmo jeito em relação a Jesus:

Mestre, tem uma muvuca em cima de você, te amassando, como é que você pergunta isso?”

O problema é que toda muvuca em cima Dele não conseguiu uma coisa que só uma mulher (sempre elas), conseguiu:

Tirar virtude Dele.

Essa mulher recebeu graça...foi curada.

Essa mulher, que parecia apenas ser mais uma na multidão, tinha fé Nele.

Ela não foi atrás do Jesus popstar;

Ela não foi atrás do Jesus da religião.

Ela poderia ter ficado em casa, já que era naturalmente enfraquecida.

Nós homens nunca vamos entender a dor dela...

As mulheres, sim:

Imagine uma mulher menstruar continuamente todos os dias por 12 anos.

Isso num tempo em que não haviam absorventes...era tudo no pano.

Na lógica de Pedro (sempre ele) todos estavam tocando Jesus...

Mas de fato, só uma pessoa, naquela muvuca, fazia isso com fé, e recebeu graça.

Hoje em dia, muitas vezes somos como aquela multidão em volta Dele:

Estamos em volta, esbarramos, mas jamais o tocamos...

Conseguimos fazer isso sempre da maneira religiosa que representa a muvuca em cima:

São cultos, são estudos bíblicos, são seminários, são ministérios, são campanhas de oração, são encontros de poder, são expectativas distorcivas de milagres, são estudos profundos sobre Deus, são missões e muitas missões...

Programações especiais, em dia disso, dia daquilo, mês disso, mês daquilo, culto cantado, culto falado, culto pulado, culto de mulher, de criança, de velho, de teens, culto jovem...

Muita gente tenta tocar Nele através dessas coisas...

E continuam no mesmo bagaço espiritual...

Continuam num vazio tremendo de alma, mesmo tentando exercitar a mesma numa das várias academias da alma existentes.

E não falamos pra ninguém, pois podem pensar que somos “pecadores”.

Isso, é porque estamos no raciocínio de Pedro – estamos no cotidiano, no algo “comum.”

Jesus sentiu o “anormal”, o fora do comum, do cotidiano de empurra-empurra, quando alguém lhe tocou, de verdade.

Quando foi a última vez que você tocou, de fato, Nele?

Aliás, você já tocou Nele alguma vez?

Lee

Na Sessão Revival, assim como aquela mulher, todos esperamos Dias Melhores:

http://www.youtube.com/watch?v=RX_SCap890s