domingo, 2 de maio de 2010

As Formigas do lado de fora da Igreja


As formigas não são um povo forte; todavia no verão preparam a sua comida. ( Prov.30.25)

Ontem, na saída do ensaio, numa das saídas laterais da igreja, vi um comboio de formigas.

Resolvi seguí-las:
O comboio ia do asfalto até o formigueiro, um caminho de uns 25 metros.

Cada uma delas levava uma folha, e algumas, pedaços como que de palha.

O comboio me tocou...a ponto de pedir ao Chefe que não deixasse ninguém pisar nelas, e nenhum carro passar...eu mandaria eles chegarem pro lado.

Funcionou:

Nos vários minutos que ali fiquei observando, deu pra ver que a missão delas estava chegando ao fim...
Fiquei parado, vários minutos pensando na vida...

Aprendi muito com as formigas ontem, do lado de fora da igreja...

Acho que elas me falaram mais do que a mensagem de hoje, do lado de dentro da igreja
( rsrsrs), mas é que eu hoje eu estava com sono.

Assim como as formigas, também somos pequenos.

A qualquer momento, alguém poderia passar e pisá-las...

Poderiam morrer atropleladas por um carro...

Mas também não somos assim??

Qualquer dengue, qualquer gripe, suína ou não, pode levar a pneumonia, e nos levar...

Uma chuva mais forte, pode nos matar, até se estivermos na rua...como a elas.

Podemos também ser atropelados, como elas podiam ser, ali...

Fiquei preocupado: Se alguém passasse, pareceria um maluco, mandando ter cuidado com as formigas no comboio trabalhando...

Vi que somos tão vulneráveis como elas:

Somos tão vulneráveis como uma formiga.

Vi também que a unidade entre elas é grande:

Fiquei sériamente desconfiado de que as formigas são mais unidas do que os homens.

Já perto do formigueiro, uma turminha me chamou a atenção:

Duas formigas carregavam um pedaço de palha mais comprido, mais pesado.

Vejo hoje uma valorização da individualidade, que cada vez mais se afasta de uma vida em grupo...

E vi num grupo de formigas, algo que poucas vezes vejo na igreja...

E o contraste foi mais forte, pois estava ao lado de uma igreja:

Vi unidade, coesão, e sentido de missão, num grupo de insetos, que é difícil ver entre os homens.

O dia em que nossas igrejas tiverem o sentido de missão de vida que as formigas tem, iremos longe...como elas estavam indo.

Mas além do que eu vi, o autor de Provérbios disse ainda que elas são previdentes:

Estocam comida no verão para o inverno.

Mas o que eu não vi, mas “senti” ontem nelas, foi o seguinte:

As bichinhas tem uma enorme fé.

Fé de que iriam conseguir realizar sua missão;

Fé de que, não se sabe como, teriam a capacidade de suportar o peso dessa missão, mesmo com a folha tendo o dobro do tamanho delas;

A fé de que o tempo estaria bom para realizar essa difícil tarefa, após semanas de chuva e dias de tempo instável;

E a fé de que o Chefe, que as criou, as guardaria nessa missão, mandando um maluco para observá-las, parando as pessoas e os carros, se fosse necessário...

Tinha que ser um maluco mesmo, e não um “certinho”.

Obrigado, formiguinhas...aprendi muito com vocês ontem, do lado de fora de uma grei.

Lee