quinta-feira, 29 de julho de 2010

A Videira Jesus X A Videira igreja


Eu sou a videira verdadeira, e o meu pai é o agricultor.
Permaneçam em Mim, e eu permanecerei em vocês.


Nenhum ramo pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira.
Vocês também não podem dar fruto, se não permanecerem em mim.”

Eu sou a videira – vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim, e eu nele, esse dará muito fruto, pois sem mim vocês não podem fazer coisa alguma.” ( João 15. 1,4,5)

Sabendo que as uvas faziam parte da cultura judaica, incluindo aí a produção do vinho, nada mais natural do que Ele usar como exemplo a videira.

Jesus disse que Ele é a videira, e que ninguém dá fruto por si mesmo, a não ser por Ele.

Ele diz que ninguém sem Ele – a videira – pode fazer coisa alguma.

Sem Ele, somos apenas um pedaço de madeira oca, sem vida.

Sem Ele, somos apenas madeira morta, pronta pra jogar na lareira.

O mais curioso de tudo, é que tem muita gente dentro de igreja, se sentindo assim, vazio por dentro – morto.

Tem gente que se sente como madeira queimando na lareira, consumida por problemas intermináveis, que parecem não ter fim.

Vivi anos dentro de igreja, cercado por gente que deixava escapar isso, como se guardasse isso em seu coração como segredo de estado:

Jamais tiveram coragem para dizer isso ao seu próximo, ali dentro mesmo, na igreja.

Esse é seu caso?

Se falar com seu líder espiritual, ele pode dizer que você é uma pessoa sem fé;

Se falar com algum irmão – e falar com irmão de igreja sempre é um problema, em especial pela fofoca, mesmo se “pedir oração” - podem dizer que você está “em pecado”.

Afinal, os “amigos de Jó” continuam existindo...

Você sabe por que um número enorme de pessoas- dentro de uma igreja – se sente assim?

Nós cristãos nos deixamos ser enganados e confundidos.

Confundimos a videira Jesus com a igreja, achando que sem ela, não há salvação;

Confundimos o agricultor, que é Deus, com a figura do pastor, ou com o corpo de regras denominacionais;

Confundimos o “permanecer Nele”, o permanecer em Jesus, com “permanecer firme na igreja”, frequentando, participando, em todo ativismo religioso desta.

Com a troca da Videira que é Jesus, pela “videira – igreja”, por aceitarmos essa enganação em nossas vidas, ficamos fracos, vazios, sem vida.

Da mesma forma, confundimos o “dar fruto”, segundo esse engano religioso, com várias práticas que segundo a igreja, é “produzir fruto”:

Programas de evangelismo;

Acampamentos devocionais”, onde ficávamos surpresos como nossa “devoção” ia embora assim que chegávamos em casa (claro, tudo era condicionado só ali);

Células de crescimento ou reunião nos lares;

Cantar em coral ou participar de grupo de louvor;

Ir a reunião de oração, e claro, dar o dízimo em dia.

Tudo por que fomos ensinados assim pela igreja, que chamou para si uma responsabilidade espiritual que pertence tão somente a Deus, e mais ninguém.

E pra piorar, amamos tão somente os que estão dentro dela -desde que você não faça nada errado aos olhos dela, pois em igreja, não se pode errar- não se pode ser humano.

Não se ama os que estão de fora dela, pois fora dela “só há condenação”.

Isso é ensinado de púlpito.

O resultado é frustração, decepção, silêncio, viver num “faz de conta” - viver de aparência, e afastamento gradual, pois tudo o que é contrário ao que Ele ensinou, faz mal a alma.

E, o que é pior, tudo com capa de religiosidade.

Cabe a nós decidirmos em quem teremos vida:

Se na videira- igreja, que se apresentou como substituta da verdadeira videira;

Ou se na única Videira em que se pode ter vida, e cujo agricultor é o Pai.


Lee






terça-feira, 27 de julho de 2010

Mulheres Pastoras

Mª Eduarda Titosse, primeira Pastora Presbiteriana ordenada em Portugal

“E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores,


Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo.” (Efésios 4.11,12)


Muito se questiona sobre mulheres Pastoras.


Particularmente, acho um debate tão sem sentido, que me dá raiva de ouvir, pelo machismo, truculência verbal, intolerância, e na ignorância de compreensão do dom Pastoral na questão sobre mulher poder ou não ser Pastora.


O texto acima deixa bem claro, na questão de dons ministeriais, que Deus deu esses dons para o serviço de sua igreja- a igreja de Cristo.


Eles diferem de outros dons espirituais relacionados pelo próprio Apóstolo Paulo, pois esses são dons em que capacitam pessoas diretamente para o serviço eclesiástico:


Visam a ensinar, edificar, capacitar pessoas, e mesmo o evangelista – que seria mais para “fora”, ou seja, evangelizar – pode ensinar estratégias de alcance para outros.


Já vi gente com um pedacinho de cada dom desses – O Espírito atua como Ele quer, em certas necessidades - mas o mais comum é que a pessoa receba de Deus um dos quatro dons acima relacionados.


Ou seja qualquer pessoa- inclusive mulher – pode receber esse dom.


E é isso que uma boa parte dos homens não conseguem, ou não querem, entender.

Usam como desculpa o texto de submissão da mulher ao homem;

(Sobre esse assunto veja no arquivo do blog desse ano o post “Independência financeira e a Submissão feminina)


E dizem que Jesus não escolheu nenhuma mulher para acompanhá-lo.


Ora, as mulheres o acompanharam sim, mas Ele sendo sábio, sabendo que estava na cultura fechadíssima do Oriente Médio, deixou-as na retaguarda:

Ele sabia que elas não seriam ouvidas pelos machistas.

Jesus soube que a fidelidade de suas discípulas era tão grande, que após ressuscitar, apareceu primeiro a uma mulher.

Hoje, o mesmo machismo religioso impera.


Muitas denominações não aceitam ordenar mulheres como Pastoras.

A igreja Católica, o Judaísmo, idem.

Sim, vejo muitas pastoras pregando por aí, no rádio e na tv, mas que são vazias:

Tal como seus colegas homens.

Vejo muita cantora sendo ordenada pastora, só para aumentar o “status”.

A verdade é que a maioria das igrejas de hoje, é constituída de mulheres.

Se elas saírem, a igreja para, a verdade é essa:

As mulheres são muito mais fiéis e interessadas espiritualmente do que a maioria dos homens, seja em que igreja for.

E tem muita mulher que já pelo dom, pastoreia um grupo de pessoas :

Pode ser numa reunião de lar, numa reunião de senhoras da igreja, ás vezes até numa classe.

São mais procuradas para aconselhamento do que seus pastores, padres, bispos, etc.

As pessoas naturalmente percebem o dom Pastoral dado por Deus, para elas.

Repito: Isso é um dom espiritual, isso não se aprende em faculdade, em seminários, etc.

Se você mulher, sente ter esse dom, simplesmente o exerça onde você estiver:

Para Deus, mais importa o exercício do dom do que ficar degladiando com outros, se pode ou não pode ser Pastora.


Lee


Na Sessão Revival, The Corrs perguntam o que podem fazer para vc as amá-las:

http://www.youtube.com/watch?v=TRkP1bca1sw

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Malditas Sacolas Plásticas

Elas confundem sacolas com algas marinhas


"Sabemos que toda a natureza criada geme até agora, como em dores de parto." (Romanos 8.22)

Qual foi a última vez que você ouviu uma pregação em sua igreja, onde o pregador disse que temos que cuidar da terra em que estamos?

Ora, a maioria das pregações nos diz que “devemos nos afastar do mundo” :

Os pregadores confundem o “Cosmos” com a ação espiritual da maldade que é feita sobre o Cosmos, ou seja, o Universo.

Creio que essa confusão, que fez com que as pessoas evitassem o “mundo” - e não as ideologias, os sistemas de pensamentos contrários ao evangelho - ajudou na omissão da igreja com relação a natureza.

Tudo o que vemos no noticiário, sobre o lixo, sobre aquecimento global, etc, coincide com os 30 anos em que não falamos nada sobre a natureza, a nível de ensino.

A não ser como “evitá-la”:

Ir a praia era “pecado”, e ir aos domingos então era um pecado capital, nas “regrinhas de igreja”, que nada tem de evangelho.

Se você mora no interior, e esteve os últimos 20 anos em igreja, deve saber que tomar banho num rio (ou algo que expôsse o corpo, como lagoa, riacho, cascata, etc), era só quando fosse se batizar...lembra disso?

Por isso, deixamos de ouvir mensagens que nos ensinavam como lidar com a natureza criada por Deus, e estamos aprendendo com quem nós deveríamos ter ensinado.

A Globo, o SBT, a Record, já tem Veterinários, Biólogos, e Ambientalistas em seus quadros de programas, para ensinar a população a conviver com a natureza.

Enquanto isso, qual foi a última vez que você lembra de ter escutado seu Pastor falando do assunto?

Cerca de 70% do lixo dos oceanos é formado por plástico.

Funciona assim:

A pessoa joga o saco plástico na rua, que vai pro bueiro;

Quando esse não entope, causando enchente na própria cidade (como vive acontecendo aqui no Rio), o bueiro leva o lixo que desemboca no mar.

E o estrago mata os animais marinhos de forma covarde, desde a costa brasileira, chegando até longe:

Vai parar no Havaí.

O lixo se concentra nessa parte do Pacífico, por causa das correntes marítimas.... fica ali dando voltas, numa espiral eterna.

O lixo que desembarca no local não é produzido naquelas ilhas:

Ele vem de longe, dos continentes... da América do Norte, da América do Sul, da Oceania, da Ásia - As ilhas do norte do Havaí são uma reserva ambiental protegidas por lei contra a destruição.

Golfinhos, Tartarugas (que confundem o formato do plástico com a alga marinha), Albatrozes, e várias aves pescadoras morrem por causa do lixo.

Segundo o projeto Tamar, de preservação as Tartarugas Marinhas, 4 em cada 10 delas morrem por causa do saco plástico.

Talvez você ache exagerado ficar falando toda hora sobre meio ambiente...

Mas saiba que aquela sacola plástica que você traz do mercado, é uma arma mortal.

Ela destrói as cidades, quando chove;

Ela mata os animais, com seu rastro de destruição.

Jogue seu lixo no lixo, e não na rua;

E apoie a nova lei, aqui no Rio (que tomara se estenda para todo Brasil), de trocar as sacolas plásticas por outra biodegradável:

Lá fora, sacolas plásticas já não são utilizadas há muito tempo, basta ver em qualquer filme, quando passam no supermercado.

Lee

Na Sessão Revival, veja como nosso lixo- incluindo as sacolas – matam os animais:

http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1188379-7823-ANIMAIS+MARINHOS+SOFREM+COM+LIXO+NO+OCEANO,00.html


segunda-feira, 19 de julho de 2010

Sobre Mulheres Fatais

Mulher Fatal
Mata Hari

Ser uma “mulher fatal” é um sonho de algumas mulheres.

O problema, é que esta condição geralmente pode acarretar numa fatalidade para a própria mulher...

Elisa Samúdio que o diga...ela se achava assim.

Li que até mesmo as mais novinhas querem ser fatais:

Meninas de 12, 13 anos, que se denominam de “Periguetes”, enchem a internet com fotos sensuais.

Mata Hari, a dançarina sensual do início do século XX, foi uma mulher fatal.

Durante a primeira guerra mundial, Mata Hari dormiu com inúmeros oficiais, tanto franceses quanto alemães, e se tornou uma peça da intriga internacional.

Apesar dos historiadores nunca terem esclarecido com exatidão se ela fora realmente uma espiã, e se fosse, quais eram as suas atividades como tal...

Em 1917 ela foi a julgamento na França, acusada de atuar como espiã e também como agente dupla para Alemanha e a própria França.

Foi considerada culpada e no dia 15 de outubro do mesmo ano foi fuzilada.

Mas para mim, o caso clássico de mulher fatal, é o de Dalila.

“E depois disto aconteceu que Sansão se afeiçoou a uma mulher do vale de Soreque, cujo nome era Dalila.

Então os príncipes dos filisteus subiram a ela, e lhe disseram: Persuade-o, e vê em que consiste a sua grande força, e como poderíamos assenhorear-nos dele e amarrá-lo, para assim o afligirmos; e te daremos, cada um de nós, mil e cem moedas de prata.

E sucedeu que, importunando-o ela todos os dias com as suas palavras, e molestando-o, a sua alma se angustiou até a morte.” (Juízes 16. 4, 5,16, editado)

Ela acabou conseguindo entregar Sansão, que perdeu a sua vida por uma mulher errada.

Dalila resume bem as características da Mulher fatal:

Quer estar ao lado de uma pessoa evidente – Sansão tinha uma força descomunal, via pacto que fez com Deus de não cortar o cabelo, e era Juiz em Israel;

Se vende por dinheiro, como na oferta que recebeu em entregá-lo ao inimigo;

Gosta de estar junto ao poder, como evidenciou o episódio com os príncipes, que eram a nata da elite filistéia.

Mulheres fatais em geral se tornam amantes remuneradas de homens assim, alguns bem mais velhos que elas...

Algumas meninas nos seus 20 anos são amantes de homens de mais de 70, com tudo pago.

São mulheres fatais.

Sansões, Brunos, e vários outros, destruíram suas vidas por causa delas.

E Mataram Mata Hari, e Elisa, por estas se aventurarem no perigoso ofício de” mulher fatal”.

Lee

Na Sessão Revival, Daryl Hal & John Oates já nos alertavam sobre elas:

domingo, 18 de julho de 2010

Caminho Estreito


Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela;

E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem.” (Mateus 7.13,14)

Por ser largo, espaçoso e de aspecto fácil, o caminho da perdição é o caminho favorito da maioria das pessoas.

Não há placas indicando o caminho da vida:

O macete dado por Jesus, é simplesmente dizer que esse caminho é estreito, apertado, e de aspecto rústico.

No caminho da vida, existem as igrejas, que são apenas meras estações, como as estações da linha de um trem:

Igreja nenhuma é “caminho de vida”, pois Ele mesmo nunca fundou nenhuma comunidade.

E Ele e os os outros discípulos faziam da igreja uma estação, mas viviam a maior parte do tempo fora delas, mesmo sabendo, como Ele disse, que ali era uma “casa de oração”.

Elas são apenas paradas para nos abastecermos, para adorar, para aprender junto com outras pessoas.

O Caminho, é o próprio Jesus, diz João 14.6:

"Eu sou o caminho, a verdade, e a vida."

Só quando estamos nesse caminho, temos a segurança da verdade revelada, e vida.

Essa verdade é revelada nos seus ensinamentos, para que tenhamos vida:

E possamos seguir durante o caminho.

Vejo hoje um grupo muito grande de pessoas andando pelo caminho largo, que conduz a perdição:

São pessoas que não desejam andar no caminho proposto por Ele, por o achar desinteressante.
Essas, vivem a vida seguindo o que lhe der na cabeça;

Experimentam de tudo, e alguns nesse viver sem absolutamente nenhum referencial de valor dado por Deus, vivem tão loucamente que se partem cedo demais.

Acontece muito com jovens, toda hora a gente vê na tv um que morreu por drogas, ou que foi parar na cadeia por matar alguém sob efeito de drogas;

Num pega, ou “racha”, em alguns lugares (corrida clandestina de carros), ou por jogar o carro com seus jovens amigos num poste, matando todo mundo, sob o efeito de álcool após a balada.

Mas também acontece com quem já está mais maduro...

Estava lendo sobre o Pedrinho Aguinaga, galã dos anos 70 no Brasil, numa revista de domingo que ficam nesses consultórios da vida.

Torcendo pra não ser chamado, pois uma vez tive que acabar de ler a reportagem que eu estava achando interessante depois da consulta...pra não levar a revista pra casa...rsrs...

Ele fora eleito o “homem mais bonito do Brasil” naquela década...estrelou uns sete filmes, fez comercial de um cigarro famoso na época, tinha outdoor em todo lugar, além de passar na tv.

Namorou as mais belas atrizes e modelos daqui, e algumas lá nos EUA.

Aos 60 anos, Pedrinho, que mora em Copacabana, estava falido, sem emprego, sozinho.

Para ir a um médico, dependia de favor de amigo médico, para fazer check ups, etc.

Tudo por que achou que a “curtição” fosse durar a vida toda.

Outros, passam a vida tentando acumular títulos ou riquezas.

Alguns, ganham o mundo inteiro, mas perdem a sua alma.

O caminho é estreito, para que tenhamos atenção.

Para olharmos onde estamos pisando.

Vá pela outra estrada...

O caminho estreito, é muito mais seguro.


Lee

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Não há Nada de Novo


Há alguma coisa de que se possa dizer: Vê, isto é novo?
Já foi nos séculos passados, que foram antes de nós.” (Eclesiastes 1.10)

Nessa semana em que fiquei de molho devido a uma virose ( já estou uns 70% melhor, mas não tinha força pra fazer nada, nem escrever) refleti nas coisas que me cercam.

Em tudo isso em que as pessoas dizem ser novo...e que na verdade, não o são:

Salomão, autor da frase acima tinha razão...não existe nada de novo.

Tudo isso que a gente vê ao nosso redor, sempre existiu, muito tempo antes da gente.

Sim, no aspecto tecnológico, existe um aprimoramento, mas em essência, as coisas já existiam antes.

E na minha opinião, as de antigamente eram muito melhores, ainda que rústicas.

Na música, no futebol, no cinema, nos referenciais de líderes, e até nas musas e nos galãs...

Isso sempre existiu, não há nada de novo...só que no passado, eram melhores.

Internet

As únicas coisas positivas que vejo, é a rapidez na notícia e informações on line, a maior possibilidade de conhecer pessoas novas, além do comércio online.

Este blog foi um dos primeiros no Brasil, ano passado, a noticiar a morte de Michael Jackson:

Duas horas após o site TMZ anunciar a morte deste, mesmo antes do sites de jornais da Globo, e do Yahoo, que amarelaram por quase 24hs em afirmar que ele estava morto,“senti” que o lance era fato, e anunciei na internet, via orkut;

E 4 horas após sua morte, já havia um post aqui no blog, falando do ocorrido, e de detalhes de sua carreira.

No caso Bruno, rumores corriam no sábado no jornal o Dia, o primeiro a anunciar no Brasil;

Na segunda-feira, quando “senti” que era assassinato mesmo, fiz uma comparação da história dele com a do rei Davi, que tentou acobertar um filho que fez em Bate-Seba mandando matar Urias, marido desta.

A Globo só foi tratar, somente como sequestro, alguns dias depois, e antes de dar caráter de assassinato;

E a Veja , revista impressa, somente uns 12 dias depois.

Nisso, a internet é imbátível- a rapidez na transmissão da informação, que chega a qualquer parte do mundo...

Mais na questão de e mails, sempre existiram as cartas, antigamente...claro que o mail é mais rápido.

As “redes sociais”, anos antes dos Orkuts, Facebooks e Twitters da vida, eram compostas pelas turmas das escolas, grêmios estudantis, turma da faculdade, pela turma do condomínio, dos clubes que se frequentava, pela turma da igreja.

Sempre existiram redes sociais, isso não é nenhuma novidade.

Só que para conhecer gente de outro estado,era via acampamentos de amigos, em geral no Carnaval;

Excursões de colégio, intercâmbios de igreja;

Excursões tipo “ir a Disney”, onde na caravana os teens conheciam gente de outros estados, e se falavam via telefone, depois.

Assim, a internet nesse sentido, não é nada de novo, só mais abrangente.

Inclusive pro mal:

A pornografia, onde o pessoal comprava a revistinha escondido na banca, agora se vê na hora;

E os pedófilos nem precisam mais sair de casa, atraem via MSN, que alías, eu odeio.

A música era melhor, pois quase todas elas tinham letras com sentido, e a melodia era gostosa de se ouvir...fosse que ritmo/ estilo tocasse.

Hoje, é triste ver esses batidões sem nexo...uma espécie de “carro de som” com música...

E um tecno sem arte alguma...

Pois até o tecno de antigamente (os alemães do Kraftwerk ) era inovador.

O Cinema então, que dificuldade de ver um filme bom...

Trocaram os bons roteiros pelos efeitos digitais e especiais.

Mesmo os de pancadaria, com exceção de Jackie Chan, é tudo a la Matrix...uma droga.

Parece que ninguém luta ou atira mais sem auxílio de tecnologia...saudades do Stallone:

Ainda bem que “ Os Mercenários”, com parte dele filmado aqui no Brasil, está chegando.

Não há mais filmes clássicos...

Dia desses ia ver Audrey Repburn no centro cultural Banco do Brasil,mas já estava em início de virose, sem forças, não fui....saudades da Grace Kelly.

As atrizes de hoje, podem até ter um quê de beleza, mas nunca terão o charme, o glamour, e principalmente, a capacidade interpretativa das de antigamente.

As do passado, reuniam tudo num conjunto só.

E o que é bom, volta...como as reprises da Audrey que passaram no BB;

E o Odorico Paraguaçu, agora no cinema...meu pai adorava o Odorico...

E eu via só o seriado, quando criança.

As musas do passado, aqui no Brasil...

Monique Evans, Vera Fischer, Marcella Prado, Luciana Vendraminni...todas graciosas.

Eram normais...alías, a Edilaine (Marcella) tá mais bonita agora do que antes.

Hoje, a gente vê essas mulheres “frutas”, com corpo todo disforme:

As pernas parecem um salame gigante, com peito siliconado, bunda enorme, corpo todo socado por viver todo dia em academia...todas tem a cara feia, e tentam compensar com o corpo malhado.

Será que só eu que enxergo isso? Que raio de padrão de mulher é esse?

Os galãs do passado...

Tarcisio Meira, Francisco Cuoco, Pedrinho Aguinaga, ou os ainda galãs veteranos Antônio Fagundes, José Mayer e Richard Gere...

Todos são homens...já os de hoje, não se tem tanta certeza...né Cristiano Ronaldo?

Os líderes...

Que referencial temos de liderança hoje?

Chaves, Lula, Sarkozy, Puttin, Obama?

Antigamente, até os “ do mal” tinham mais carisma.

Essa eleição para presidente será uma das mais fracas dos últimos anos, aqui no Brasil.
É triste...se não fosse a Marina, anularia novamente meu voto, como faço há anos...

Queriam que eu votasse em Lula, FHC, garotinho...

Ou em Serra, ou Dilma...é brincadeira.

E no Futebol, que deixei por último, pois tá todo mundo cheio por causa da Copa do mundo:

Não foi melhor ver o Brasil perder com Zico, Cerezo, Sócrates e Falcão no meio campo dando show, do que sair com um cavalo pisando nos outros e fazendo gol contra?

Salomão, o mais sábio de todos, disse que não há nada de novo...

Ele tinha razão...o tempo passa, e a qualidade é que vem caindo:

E iludindo uma nova geração, dizendo que tudo é novo, inovador e bonito.

Lee

domingo, 11 de julho de 2010

O Surf e o Andar no Espírito


Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus.
(Romanos 8.14)

Há muita semelhança entre o surf e o andar no espírito, e isso facilita nossa compreensão sobre o que é andar no espírito.
O surfista se prepara para entrar na água

Um surfista se prepara nas coisas do surf muito mais do que um cristão comum de igreja se prepara no conhecimento das coisas de Deus.

O surfista se aquece antes de entrar na água – o chamado warm up – ele sabe que se entrar com corpo frio nela, pode ter uma hipotermia;
Se está muito frio, põe até roupa de borracha;

Ele passa parafina na prancha, que funcionará como anti- derrapante, para não escorregar quando estiver em cima dela.

Tudo isso antes de entrar no mar.

Já na maioria das igrejas existentes hoje, as pessoas, que em geral só lêem a palavra e oram dentro de uma igreja - quase nunca fora delas – não se preparam para cultuar.

Ir a igreja hoje para muita gente, é, além de hábito (estar acostumado), é como ir a um programa cultural, onde tudo já está pré-estabelecido (um boletim com programa), e com muito cunho de entretenimento.

A programação então “voltada para jovens” é um exemplo:

Se alguém não trouxer um cantor, não trouxer alguém “de fora”, e se não houver muita, mas muita música, é considerada um fracasso.

São muito poucos que “querem entrar na água “, que já vem com um coração voltado para cultuar ao Senhor – o objetivo de um culto.

Crente não gosta de passar parafina espiritual...uma boa parte, gosta mesmo é de viver escorregando.

Uma outra coisa que sempre me chamou a atenção quando vou a praia, é esta:

A paciência do surfista, na espera pela onda correta.

Os franguinhos do surf, vão em qualquer marolinha, e quando percebem esta se desfazendo logo, tem que voltar tudo de novo...são afoitos.

Os que não são tão novatos, mas são impacientes, pegam uma onda que parece ser boa no início, mas logo se quebra...eles quebram a cara, já vi muito caixotão feio, deles.

A onda parecia ser maneira, mas era uma furada.

E por último, vi um cara que esperou mais do que todos...

Ele levou mais de 10 minutos esperando a onda certa...vinha onda toda hora, os outros embarcavam, mas ele ficava...

Quando enfim, pegou a onda boa, o cara deslizava em cima da onda igual o Surfista Prateado na prancha cósmica dele...

Deslizou por muito tempo, até a onda se fechar...o cara curtiu a onda até o último segundo, feliz da vida, por ter sabido esperar a onda certa.

Enquanto isso as pessoas da igreja atual, embarcam em qualquer onda que passa.

Muitas se frustram quando a marolinha em que embarcaram, se desfaz rapidinho.

E ainda assim, a grande maioria vive de marolinha em marolinha, até se cansarem e desistirem de vez.

As marolinhas do entretenimento dos louvorzões da vida...

Estes, já chegaram até no Faustão ( e teve gente pedindo oração/ agradecendo oportunidade, num contrato que aquelas cantoras já tem com a Globo...santa inocência, diria Robin ao Batman.)

As marolinhas, são um viver descompromissado, com capa gospel, que se esvai rapidamente.
Outros pegam a onda errada, e tomam caixotão feio.

São os G12 da vida, a teologia da prosperidade, a adoração extravagante,e tantas outras invenções que contaminaram as igrejas ao redor do mundo.

Coisas da pesada...o caixotão que levam, é feio.

Por último, o surfista mais experiente, sintetiza o que é andar no espírito:

Andar no espírito é andar na onda que Deus manda a gente andar.

Esta pode levar tempo, mas quando a gente vai, nínguém segura, vai na boa.

Andar no espírito, é andar segundo a orientação de Deus;

É andar sendo guiado por Ele.

Não é embarcar em modismos, seja de qualquer espécie, apenas por que os outros estão fazendo- apenas porquê “todo mundo faz assim”.

Quando a gente aprende a andar no espírito, a gente sempre vai pegar a onda boa.

As outras ondas, tem acabado com muita gente, que fica sem esperança, ou debaixo de um jugo muito pesado pelo legalismo da religião.

Aprenda a andar em espírito, e pegue a sua onda:

A onda que Deus fez pra você surfar.


Lee - Hang Loose pra vocês.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Livramento no Shopping Tijuca



O nosso Deus é o Deus da salvação; e a DEUS, o Senhor, pertencem os livramentos da morte. (Salmo 68.20)

Chama-se livramento o ato divino de livrar pessoas de uma eminente situação de perigo.
Conforme visto no salmo acima, este deixa bem claro que Deus pode interferir – conforme sua vontade – em situações em que exista uma possibilidade de morte;

Ou, ainda que esta não venha a se concretizar, que a pessoa venha a passar, participar, de situações em que veja alguma pessoa ao seu lado nessa situação.

Sábado passado, passei por uma situação assim, no shopping do meu bairro.

Era por volta de 14.30h, e comecei a sentir uma inquietação dentro de mim...

Assim, mesmo ainda cedo, senti que devia ir embora do shopping.

Mais tarde, fiquei sabendo, na tv (veja na Sessão Revival abaixo) o que aconteceu 30 minutos depois de minha saída:

Um assalto na joalheria do shopping, que fica bem na entrada do mesmo.

Os bandidos renderam funcionários e clientes, e na saída, seguranças do shopping resolveram atirar com várias pessoas entrando no shopping:

Troca de tiro no sábado, onde o movimento é maior!

Só não houve um strike igual o do boliche, mas com gente de verdade, por um milagre:

Tiro pra tudo quanto é lado, com gente desesperada se jogando ao chão, passando mal, etc.
As pessoas, não sei porquê, tem a falsa sensação de que dentro de um shopping estão mais seguras...pura ilusão:

Costumam roubar bolsas e pertences de mais distraídos, nas praças de alimentação;

E seja lá qual for o shopping, será haverá risco de roubos, em especial em joalherias:

Fique ligado quando passar perto delas.

Ouro, até hoje, é garantia de dinheiro...

Identifique a joalheria de seu shopping cotidiano, e evite passar em frente a ela, sem necessidade, é a loja favorita dos bandidos de shopping, seguido de lotéricas.

Mas falando na questão de livramento:

Estou convicto que Deus manda sinais as pessoas, quando Ele quer, na questão de perigos.

Para isso, você tem que aprender a desenvolver sensibilidade espiritual, pois no nosso espírito é que captamos os sinais de alerta vindos do alto.

Certamente vocês sabem que são o templo de Deus e que o Espírito de Deus vive em vocês.” (I Corintios 3.16)

Precisamos aprender a escutar essa voz do Espírito dentro da gente.

É quando você sente uma inquietação sobre ir a tal lugar, num dia;

É quando você sente uma falta de paz em determinado assunto:

Seja num namoro em que aparentemente tudo parece estar bem, mas começa a sentir isso (existem vários Brunos da vida, nessa área);

Seja em não pegar determinada condução, ou mesmo determinado vôo;

Seja em não fazer determinada prova na faculdade, um dia.

Foi assim com aquela menina que ficou tetraplégica na Estácio, faculdade aqui no Rio:

Ela foi fazer prova inquieta, não por questão de estudo, mas com a sensação ruim de que algo poderia acontecer...ela disse que sentiu isso dentro do ônibus, na ida.

E aconteceu:
O “senso de dever” falou mais alto, foi fazer a prova, e no intervalo, uma bala perdida atravessou a medula dela.

Deus nos dá o livramento, sim;

Mas muitas vezes, Ele nos alerta antes pelo nosso espírito, uma via de comunicação espiritual, nada mais natural para Ele.

Se aprendermos a desenvolver a nossa captação espiritual, ela funcionará como um radar, recebendo sinais de perigo, etc.

Há dez anos atrás, jamais seria capaz de captar as coisas de hoje, em espírito.

Ninguém nunca me ensinou isso, em igreja:

Estas, mesmo as pentecostais, estão mais preocupadas em trazer entretenimento ao povo.

É muito louvorzão, sentimentalismo pra fazer chorar, muita ação pra carne e emoções, mas que de nada servem pra alimentar o espírito.

Rebolation não é só fora da igreja, não:

Os maiores rebolations que existem hoje, são dentro das igrejas, com capa de louvor.

E ninguém aprende a ouvir a voz do espírito, pois não são ensinados a isso.

Seus líderes são os maiores ignorantes no assunto, pois ou nunca tiveram, ou há muito deixaram de ter intimidade com Chefe, buscando seus próprios interesses.

Eles não falam como Moisés falou para Ele:

Agora, se isso é assim mesmo, fala-me dos teus planos para que eu possa te servir e continuar a te agradar.” (Êxodo 33.13).

Você viu o exemplo do shopping comigo, hoje já com maior entendimento espiritual.

Cada pessoa pode aprender a ter maior sensibilidade para saber escutar os sinais de perigo, pois muitas vezes, o livramento vem através desses sinais.

Lee

Na Sessão Revival, veja o que aconteceu no shopping:

domingo, 4 de julho de 2010

Numa Ilha com Jesus


O que aconteceria se você passasse um dia numa ilha com Jesus?

Acredite, isso já aconteceu antes, com João, o “discípulo amado”...vamos ver como foi.

“Eu sou João, irmão de vocês; e, unido com Jesus, tomo parte com vocês no Reino e também em agüentar o sofrimento com paciência.

Eu estava na ilha de Patmos, para onde havia sido levado por ter anunciado a mensagem de Deus e a verdade que Jesus revelou." (Apocalipse 1. 9)
João, já com 90 anos, foi condenado a prisão perpétua simplesmente pelo fato de anunciar o evangelho.

Assim, foi mandado para a Ilha de Patmos, existente até hoje, que é ponto turístico lá pras bandas da Grécia.

O velho João pensou que ia morrer logo que chegasse naquela ilha:

Não podia esperar ser resgatado;

Não estava numa idade em que poderia ficar procurando comida, fosse pescando, fosse procurando frutas na mata fechada, fosse caçando;

E o tédio? Afinal, aquela não era a ilha de Lost, com sempre alguma coisa pra acontecer.

Não era a ilha de Lost, mas naquela ilha, um mistério muito maior seria revelado, o maior deles:
O mistério do final dos tempos.

Paulo escreveu quase metade do Novo Testamento, com uma profundidade que nenhum dos discípulos que conviveram diretamente com Jesus, teve.

Mas coube a João, “o discípulo amado” (ele amorosamente, sendo um dos mais novos, recostava a cabeça no ombro de Jesus, quando estavam sentados – se fizesse isso hoje numa igreja, o recriminariam, e ainda diriam que ele era gay) escrever.

Mas vejamos com Jesus apareceu pra João numa ilha:

“No dia do Senhor fui dominado pelo Espírito de Deus e ouvi atrás de mim uma voz forte como o som de uma trombeta...

Eu virei para ver quem falava comigo...

Quando eu o vi, caí aos seus pés, como morto. Porém ele pôs a mão direita sobre mim e disse:

Não tenha medo. Eu sou o Primeiro e o Último.

Eu sou aquele que vive. Estive morto, mas agora estou vivo para todo o sempre.

Tenho autoridade sobre a morte e sobre o mundo dos mortos.

Portanto, escreva as coisas que você vai ver, tanto as que estão acontecendo agora como as que vão acontecer depois. (Apocalipse 1.10,12, e 17, editado)

A lição que tiramos desse texto, é a seguinte:

Quando você pensa que sua vida está uma ilha deserta, aonde nada acontece, aonde impera o marasmo, o cotidiano, o tédio;

Quando você se sente isolado, sem saída, sem esperança nenhuma de sair de uma situação (ilha) onde está ou se meteu;

Quando você acha que está velho demais para acontecer algo em sua vida;

Quando você foi injustamente condenado por algo que não prejudicou ninguém;

Essa é a hora em que Jesus pode aparecer, agitando tudo o que há ao seu redor.

Jesus agitou a vida de João em um dia de ilha deserta, mas do que agitou nos três anos de caminhada com ele quando estava na terra, quando era mais novo.

João caiu em êxtase como se ficasse morto (em transe, por causa da visão se materializando em terra), algo que ele não tinha passado em 3 anos na terra com Jesus:

E olha, ele viu muita coisa naqueles 3 anos, de ficar de boca aberta...

E viveu uma vida cheio de experiências com Deus, anunciando o evangelho...
Mas em apenas um dia, João teve revelado o segredo do final dos tempos, numa ilha.

Na ilha de Patmos, foi revelado o final dos tempos, simplesmente um mistério maior, que põe qualquer mistério da ilha de Lost no bolso.

Com certeza, se nunca te perguntaram, você já ouviu a famosa pergunta:

Com quem você gostaria de passar, numa ilha deserta?

A maioria dos homens pensa logo numa mulher bem gostosa, e as mulheres fantasiam com algum saradão da vez.

Mas então, pra não virar Ilha da Fantasia, em qualquer sentido;

Nem uma ilha de aventuras, estilo Lost;

Nem uma ilha de mera sobrevivência, como a que Tom Hanks ficou por 4 anos, em Náufrago – e cujo melhor amigo era Wilson, uma bola de vôlei;

Ou numa ilha de Caras, cercada de gente famosa e com mordomias.

Pois na verdade, nossa ilha (vida) pode estar apenas numa das situações acima:

Um faz de conta da Ilha da Fantasia (Família, Casamento, Igreja, etc);

Uma aventura (baladas, festas, bebedeiras, drogas e afins);

Sobrevivência (os workholics, que vivem para o trabalho, sem contato com os filhos, conjuges, amigos, só com os “Wilsons” imediatamente ao seu lado);

E uma falsa alegria, cercada de gente vazia da cabeça e do coração, que adoram uma mordomia, como as que vão na Ilha de Caras.

Vou trocar a pergunta:


Quando você vai estar sozinho numa ilha com Jesus?

Tenho certeza de que Ele vai revelar muitas coisas ao seu coração.


Lee

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Tudo Pode dar Certo


Me senti impelido a ver esse filme ontem.

Não é filme comercial, por isso tive que ir ao Estação, onde passam filmes não comerciais, aqui no Rio.

Eu sabia que o Chefe queria que eu o visse.

E olha que não sou muito chegado a Woody Allen...

No filme (Whatever Works, cuja melhor tradução seria “seja lá o que dê certo”) a base narrativa parte de um sarcástico sessentão ranzinza, hipocondríaco, com síndrome de pânico, desgostoso da vida.

Intelectual brilhante, ex- professor de uma das melhores faculdades americanas, já concorreu a prêmio Nobel de física.

E também já tentou se matar duas vezes, mas até nisso era azarado:

Só conseguiu ficar manco de uma das pernas.

É nesse caos de vida dele que surge Melodie, fugida da casa dos pais na conservadora Mississipi, e que acaba parando em Nova York.

A jovem acaba mesclando necessidade de sobreviver em local completamente diferente com figura paterna, e nesse processo acha que se apaixona pelo velho:

Não, ela não é interesseira, só muito ingênua mesmo.

A mãe acaba indo atrás dela – e depois o pai – e mal sabe que todos irão mudar radicalmente de vida, ao se descobrirem de verdade.

Inclusive a bela Melodie...

Não que esse “radicalmente” seja positivo, em alguns casos...

Mas o interessante do filme, é mostrar pessoas de igreja (toda a família vinda do Mississipi) , que na verdade, viviam uma vida de fachada.

A mãe de Melodie, que achava que só podia fazer tortas de maçã na vida, e ir a igreja toda semana ,descobre que na sua paixão por fotografia existia uma artísta plástica reprimida, que agora até expunha sua obra em vernissagens;

Descobre que na verdade não era frígida – isso era culpa do ex- maridão, que foi atrás dela – e que sua sexualidade reprimida por anos a fio agora se manifesta como um vulcão;

O maridão, agora ex, que foi atrás dela, legalista religioso de pedigree, descobre que a traiu com sua melhor amiga pra ver se era mesmo homem:

Não havia sexo entre os dois, quer dizer, quando havia, como ele mesmo disse, era “nojento”.

Tudo porquê, na verdade, ele descobriu ser um gay reprimido, vivendo de fachada, tanto no casório, quanto na grei.

Melodie também descobre seu verdadeiro amor, mais próximo a sua realidade, e não um homem 42 anos mais velho.

Mas o velho também, nesse processo, muda de vida, se tornando um pouco mais humano, aceitando pessoas que não são de sua classe social/ intelectual/modo de vida.

As tiradas são ótimas, não é um filme comercial ( só tinham 8 pessoas num cinema que cabem 66 lugares).

Alías, nesse cinema, tem uma gata tipo angorá chamada Catarina, que mora lá há quase 19 anos.

Catarina circula na parte do salão de espera do cinema (é cinema de rua, em Botafogo), e tem contato com clientes, a não ser os frescos que não gostam de bichos:

Veio pedir carinho, cheirou minha mochila, ficou se roçando como os gatos fazem;

E quando fui tirar um foto dela do celular, deu uma dentadinha nele, pensando que era algo de comer.

A gerente veio, e a levou para dentro de sua sala, pra não incomodar quem não gostasse de bichos...ela só tava ali porquê estava vazio...

Mas Catarina mora dentro do cinema mesmo, e é muito fofa.

A situação vista do filme, me faz lembrar de várias situações que as pessoas dentro de igreja mascaram em suas vidas.

Para a igreja de Mississipi, o casório dos pais de Melodie deveria ser” uma benção”;

E a mãe dela, devia ser “uma benção” abastecendo a cantina com suas tortas de maçã.

E se você dissesse que o pai dela era gay reprimido, soaria como blasfêmia.

Essa ficção do filme, mostra muita verdade existente hoje em famílias de igrejas:

O que importa, na verdade, é a aparência.

É o gay enrustido que, sabedor de seu conflito, namora e casa com menina de igreja, esperando se tornar homem, enganando ela e a si mesmo;

São as mulheres de igreja, que cumprem um papel esperado por estas, tanto no aceitar um homem que trai como sendo um fardo;

E aceitar ser uma eterna “fazedora de tortas” na mesma, seja ela qual for.

Sua "torta" pode ser cantar no coral, a pedido da/o regente, pois a tem pouca gente pra cantar;

Talvez você ache mesmo que essa “torta” é algo tão normal no seu cotidiano de grei, que chama isso de “ministério”.

Sua “torta” que todos esperam pode ser entregar um boletim, participar do louvor, ser tia das crianças, participar da união de adolescentes ou jovens, de reunião de senhoras...

Ou mesmo da reunião de homens – eles também tem suas” tortas”.

Muitos confundem as tortas de maçã cotidianas da igreja, com vida cristã.

Por isso, sucumbem ao primeiro vento forte que bate, desmanchando as tortas:

Não estão acostumados a levar uma vida que não seja “torta”.

Sim, pois muita gente leva uma vida torta dentro de igreja que ensina que" fazer tortas no cotidiano desta, é vida cristã".

Que ensinam que trabalhar na igreja é garantir uma vaguinha no céu.

Que ao levar uma vida fazendo “tortas” pra Deus, é estar no caminho Dele.

Elas não ensinam a caminhar no evangelho, mas tão somente a fazer tortas.

Não mostra como estamos, quem somos sem Ele;

Como precisamos trilhar o caminho...só mostram regras.

Em toda a situação em que uma pessoa estava fora do caminho, Jesus sempre a tratou com compaixão, apontando o caminho correto.

Só não o fazia com sarcásticos, que queriam pegá-lo com “pegadinhas”;

Com gente que no fundo do coração, não queria mudar de vida;

E principalmente, escrachava com os Fariseus.

Fariseus, ontem e hoje, são pseudo-religiosos, viventes de aparências.

Só ensinam a “fazer tortas pra Ele”, cheio de ingredientes, que estes mesmos não seguem.

Aprenda a seguir o caminho do evangelho, e não a fazer tortas na igreja:

No final da história, fazendo isso, você verá que Tudo pode dar certo.


Lee
Na Sessão Revival, o trailer do filme: