quinta-feira, 29 de julho de 2010

A Videira Jesus X A Videira igreja


Eu sou a videira verdadeira, e o meu pai é o agricultor.
Permaneçam em Mim, e eu permanecerei em vocês.


Nenhum ramo pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira.
Vocês também não podem dar fruto, se não permanecerem em mim.”

Eu sou a videira – vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim, e eu nele, esse dará muito fruto, pois sem mim vocês não podem fazer coisa alguma.” ( João 15. 1,4,5)

Sabendo que as uvas faziam parte da cultura judaica, incluindo aí a produção do vinho, nada mais natural do que Ele usar como exemplo a videira.

Jesus disse que Ele é a videira, e que ninguém dá fruto por si mesmo, a não ser por Ele.

Ele diz que ninguém sem Ele – a videira – pode fazer coisa alguma.

Sem Ele, somos apenas um pedaço de madeira oca, sem vida.

Sem Ele, somos apenas madeira morta, pronta pra jogar na lareira.

O mais curioso de tudo, é que tem muita gente dentro de igreja, se sentindo assim, vazio por dentro – morto.

Tem gente que se sente como madeira queimando na lareira, consumida por problemas intermináveis, que parecem não ter fim.

Vivi anos dentro de igreja, cercado por gente que deixava escapar isso, como se guardasse isso em seu coração como segredo de estado:

Jamais tiveram coragem para dizer isso ao seu próximo, ali dentro mesmo, na igreja.

Esse é seu caso?

Se falar com seu líder espiritual, ele pode dizer que você é uma pessoa sem fé;

Se falar com algum irmão – e falar com irmão de igreja sempre é um problema, em especial pela fofoca, mesmo se “pedir oração” - podem dizer que você está “em pecado”.

Afinal, os “amigos de Jó” continuam existindo...

Você sabe por que um número enorme de pessoas- dentro de uma igreja – se sente assim?

Nós cristãos nos deixamos ser enganados e confundidos.

Confundimos a videira Jesus com a igreja, achando que sem ela, não há salvação;

Confundimos o agricultor, que é Deus, com a figura do pastor, ou com o corpo de regras denominacionais;

Confundimos o “permanecer Nele”, o permanecer em Jesus, com “permanecer firme na igreja”, frequentando, participando, em todo ativismo religioso desta.

Com a troca da Videira que é Jesus, pela “videira – igreja”, por aceitarmos essa enganação em nossas vidas, ficamos fracos, vazios, sem vida.

Da mesma forma, confundimos o “dar fruto”, segundo esse engano religioso, com várias práticas que segundo a igreja, é “produzir fruto”:

Programas de evangelismo;

Acampamentos devocionais”, onde ficávamos surpresos como nossa “devoção” ia embora assim que chegávamos em casa (claro, tudo era condicionado só ali);

Células de crescimento ou reunião nos lares;

Cantar em coral ou participar de grupo de louvor;

Ir a reunião de oração, e claro, dar o dízimo em dia.

Tudo por que fomos ensinados assim pela igreja, que chamou para si uma responsabilidade espiritual que pertence tão somente a Deus, e mais ninguém.

E pra piorar, amamos tão somente os que estão dentro dela -desde que você não faça nada errado aos olhos dela, pois em igreja, não se pode errar- não se pode ser humano.

Não se ama os que estão de fora dela, pois fora dela “só há condenação”.

Isso é ensinado de púlpito.

O resultado é frustração, decepção, silêncio, viver num “faz de conta” - viver de aparência, e afastamento gradual, pois tudo o que é contrário ao que Ele ensinou, faz mal a alma.

E, o que é pior, tudo com capa de religiosidade.

Cabe a nós decidirmos em quem teremos vida:

Se na videira- igreja, que se apresentou como substituta da verdadeira videira;

Ou se na única Videira em que se pode ter vida, e cujo agricultor é o Pai.


Lee