sábado, 27 de novembro de 2010

Entendendo o Por Quê da Violência no Rio – Parte 2

Tanque se prepara para subir o morro, em frente a Igreja da Penha



Falta de trabalho/qualificação profissional



Fiz evangelismo com os menores infratores por quase 9 anos, aqui no Rio


Raramente vi um curso de qualificação adequado para eles:


Havia cursinhos de informática, de “cidadania”, e até de flauta (!), mas nenhum curso adequado a realidade deles, que poderia lhes dar uma profissão:


Cursos de padeiro (faltam cerca de 5 mil padeiros no Brasil);


Mecânico de motos (que eles adoram, roubavam direto);


Bombeiro hidráulico, eletricista, etc...não havia nada disso.


Resultado:


Um menino de 14 anos chegava a ganhar a 2.500 reais por mês, pra ser aviãozinho (levar droga), outros um pouco menos do que isso, para ser fogueteiro (avisar quando na polícia sobe o morro).


Na cadeia de maior a realidade não é diferente...não havendo cursos de qualificação profissional, a cadeia vira uma Universidade de bandidos.


Eles saem pior do que entram, cometendo crimes piores.


Falta de parceria do estado com presos em liberdade condicional.



Tem alguns que até querem mudar de vida...


Pra quem não sabe, alguns presos em regime semi -aberto (só volta pra cadeia à noite), ficam perambulando perto dos presídios “onde moram”, pois não tem dinheiro de passagem, e viram pedintes até a hora de retornarem.


O estado deveria formar parcerias em dar emprego, mesmo dentro das próprias autarquias públicas, como garis, operador de tratamento de esgoto, faxineiros de hospitais, tudo com o respectivo salário (um gari aqui no Rio ganha 700 reais).


Aumento de salário na carreira policial, com leis aumentadas em casos de corrupção


Um PM no Rio começa com um salário que não chega a mil reais...


Em Brasília, começam com 4 mil reais...e lá nem tem favela pra subir.

Um delegado em São Paulo começa com pouco mais de 2 mil reais, salário de funcionário de ensino fundamental em Brasília.


Isso favorece a corrupção...


Um bom salário, com leis rígidas em casos de corrupção (tipo 15 anos de prisão no mínimo) o Policial corrupto pensaria duas vezes antes de estragar a vida.



Lee