domingo, 30 de janeiro de 2011

Depois que os Filhos Partem


Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma só carne” (Gênesis 2.23,24).



Muitos casais entram em crise depois que criam os filhos.



Cada filho criado, segue o seu rumo, e o casal fica sozinho, sentindo que já não tem mais o que fazer ficando juntos, pois já cumpriram sua missão...o que fazer?



Como superar isso?



No plano divino, o ato de desapego aos pais pelos filhos, de se dasassociar dos mesmos, sempre ficou bem claro desde o início.



E aqui no caso em questão, por via de casamento.



Hoje em dia, muitos já precisam fazer isso, não só via casamento:



Muitos, precisam ir para estudar em outra cidade;



Outros, por um novo emprego em outro estado;



Outros, para já estarem em seu próprio espaço:



Afinal, muitos pais insistem em tratar seus filhos adultos como se fossem crianças.



Nos EUA e Europa, é muito comum os filhos já na casa dos 20 anos fazerem isso:



Por aqui, há uma mescla de pais “segurarem seus filhos pra si”, e de filhos acomodados que gostam de ser tratados como eternos queridinhos.



Conheci um que, aos 55 anos, se comportava como um adolescente, vivendo na casa dos pais;



E conheço pais que prolongam a adolescência de seus filhos:



Um até hoje, tem o bife cortado em pedacinhos pela mamãe, que trata seu filho de 40 como se ele tivesse 12 anos.



Alguns até trabalham, etc, mas nunca cortarão o vínculo comodista com seus pais;



Outros, são os próprios pais que não deixam de cortar esse vínculo.



Isso se torna terrível para os pais, pois quando alguns de seus filhos despertam desse estado de hibernação emocional e saem de casa, os sofrem tremendamente.



Pai nenhum pode criar os filhos para si:



Deve prepará-los para enfrentar o mundo real de lá de fora.



Mãe nenhuma pode criar seus filhos para estar presente ao lado dela para sempre:



Deve se preparar, estar absolutamente ciente de que isso é algo natural, que Deus preparou para ser desta forma, desde o início dos tempos.



Pai e mãe que não preparam seus filhos para a natural e previsível saída deles de suas vidas, sofrerão, e sofrerão muito.



Conheço inúmeros casais que enfrentam problemas até hoje nesse sentido:



Se sentem rejeitados por seus filhos, por causa “da saída”destes;



Muitos desenvolvem mágoa por eles, depois disto;



Alguns começam a enfrentar problemas como bebidas, por causa dessa frustração;



O índice de dívórcio depois de “filhos criados” é muito grande nessa nova geração, ao contrário da geração que passava a vida infeliz, mas “casada para sempre”.



Na verdade, tem muitos casamentos que só estão esperando “os filhos crescerem mais um pouco”, para se separarem...mas este é outro tema, que não o de hoje.



Todo pai e mãe deve criar seus filhos para a saída de casa algum dia, seja mais cedo, seja um pouco depois:



Deve se conscientizar disso, e conscientizar aos filhos, também;



Deve criar senso de responsabilidade com gastos, com ordem na casa, com disciplina de horários para acordar, fazer refeições, dormir, etc:



Eles irão levar o que aprenderam (seja de bom ou ruim) para a casa que irão.



Pais jamais devem fazer chantagem emocional:



Se estes criarem bem os filhos, e se houver necessidade, sem pedir, estes irão ampará-los, mais tarde, naturalmente.



Deus criou dessa forma desde o início:



Quem vai na contra-mão daquilo que Ele estabeleceu (como em outras áreas), sempre acaba sofrendo...



E é por isso que muitos sofrem, até hoje.





Lee







quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Crescei e Multiplicai-vos: É obrigação ter Filhos?


E abençoou Deus a Noé e a seus filhos, e disse-lhes: Frutificai e multiplicai-vos e enchei a terra. (Gênesis 9.1)



A maior parte do mundo foi criada sobre a influência do Cristianismo, seja católico ou protestante.



Na Europa, somente Itália, Espanha, e Portugal, tem forte influência do Catolicismo;



Este, está presente desde a fundação em todos os países da América do Sul;



Já o protestantismo está presente desde a fundação dos EUA.



Assim, certos conceitos como a fecundação – ser obrigado a ter filhos, eram “justificados” pelo texto acima.



Nas culturas do Oriente médio, sob o qual está Israel, desde os tempos bíblicos, era quase uma obrigação ter filhos...



A mulher estéril, por exemplo,era vista como uma “castigada” por Deus, por não podê-los ter...algumas, recebiam piadinhas por causa disso.



Ana foi uma delas, e pra ela foi pior:



Seu marido, que oficialmente tinha outra mulher - Penina ,que tinha filhos – e vivia jogando isso na cara dela:



E a sua rival excessivamente a provocava, para a irritar; porque o SENHOR lhe tinha cerrado a madre”. ( I Samuel 1.6)



Até fazer um voto a Deus, e ter Samuel - sim, Deus havia” fechado a madre” para que o pequeno Samuel viesse no tempo certo – Ana sofreu pacas.



Em conjunto com o texto acima, outro versículo é muito citado atualmente, no sentido de ratificar uma “obrigação em ter filhos”:



Eis que os filhos são herança do SENHOR, e o fruto do ventre o seu galardão. (Salmos 127.3)



Enfim...um casal tem a obrigação de ter filhos, por causa dos textos acima, em que volta e meia nos púlpitos da vida, alguém vive os citando, muitas vezes “jogando na cara”?



Vamos ao contexto deles...



No primeiro, o “crescei e multiplicai-vos”, a terra tinha sido varrida da maior enchente que já houve na história:



Sim, Noé tinha acabado de descer da arca, após 40 dias...só sobrara sua família, pois os outros habitantes da terra, literalmente “sumiram do mapa”.



Assim, uma nova geração começaria do zero, pelos filhos de Noé, com suas mulheres:



Tinha mais que multiplicar mesmo...e bota multiplicação nisso .



Já no segundo texto, O salmista chama a atenção de que crianças não são uma espécie de “sub -produto”:



Mulheres e crianças naquela época não eram contadas oficialmente como presença em eventos, como casamentos, reuniões públicas, e até nas sinagogas.



Nos censos da vida, as crianças - assim como as mulheres - eram deixadas de fora.



O salmista quebra todo esse pensamento “de segunda linha”, dizendo que filhos, são como uma herança, dada pelo Senhor ;



Que o fruto do ventre da mulher, é um “galardão”(ou seja, um prêmio, uma recompensa).



Esses são os contextos desses versículos.



Deus nunca quer nada forçado de ninguém, muito menos filhos de um casal, de maneira “obrigatória”.



A decisão de tê-los, ou não, é uma decisão do casal – na qual Ele nunca vai se meter.



E se um casal não quiser tê-los, Ele vai respeitar – quem não respeita são os homens:


Um dos maiores contrangimentos que um casal pode passar, é pela pressão de outros que vivem pressionando, perturbando, fazendo piadinhas, para se ter um filho.



Ora, o espírito do evangelho é um espírito de se fazer as coisas por amor, por alegria, nunca por obrigação – para Deus, e para os homens.



Nessa pressão para um casal ter filhos, presenciei os maiores constrangimentos:


Um casal que não podia ter filhos (a mulher não podia gerar), em que, devido as pressões, se afastava de qualquer evento social – Se cansaram de passar pelo contrangimento de ter que dizer aos outros,inclusive estranhos, que não podiam ter filhos;


A mulher cujo os olhos se enchiam de lágrimas quando perguntavam, pois há anos tentava ter filho, mas já estava com 3 abortos espontâneos;



Um rapaz que, na presença dos familiares da mulher, era motivo de piada entre os irmãos e cunhados desta, com piadinhas referente a sexo:



Como se sexo tivesse a ver com e fertilidade...



Um casal que decidira não ter filhos, mas que todo domingo na igreja, se dava com as seguintes situações:



Uma senhora que trazia um “chá milagroso” da cozinha, para “ajudar na fertilidade”, e dava para a mulher beber;



Insistentes dizendo: “Estou orando para vocês terem um filho”, que nada mais é do que uma pressão disfarçada de espiritualidade, mesmo após a decisão do casal em não tê-los.



Sem falar naqueles que estão buscando uma melhor condição financeira, querem ter, mas ainda adiam por um tempo;



Nos jovens casais, ainda tão imaturos, mas forçados por seus avós - que querem ver um netinho “antes de morrer”, e por pessoas de igreja, que são uma desgraça nessa hora.



Engraçado é que ninguém que pressiona, que vive perturbando os outros a terem um filho, oferece ajuda financeira – alguém já recebeu uma oferta assim?



Enfim:



A decisão de ter filhos ou não, de adiar por quanto tempo for necessário (conheci um casal que só foi ter o primeiro filho após 8 anos de casamento, e o segundo dois anos depois) é uma decisão que diz respeito apenas ao casal:



Nisso, nem Deus se mete...



Não deixe os outros se meterem onde não são chamados, mas insistem em dar opinião.





Lee










domingo, 23 de janeiro de 2011

Fazendo Marketing da Ajuda aos Outros



Por causa das enchentes aqui no Rio, todos se mobilizaram para ajudar quem precisa.



O grande problema é que as pessoas ajudam, mas fazem questão que todos fiquem sabendo que elas estão ajudando , fazendo um grande marketing disso .



Vejo isso nas ruas, nos condomínios, vejo gente tirando sangue e fazendo questão de se declarar doador, e vejo gente fazendo marketing pessoal aonde menos devia: Na Igreja.



Sim, pois esta deveria se lembrar do que Jesus disse nos evangelhos...



Ora, como Ele reparava na real intenção das pessoas, e observava a maneira de atuarem, certa vez Ele comentou sobre esse markenting pessoal...



Ajudar ao próximo é algo que faz parte do evangelho;



Mas fazer propaganda dessa ajuda, não tem nada a ver com evangelho.



"Guardai-vos de fazer a vossa esmola diante dos homens, para serdes vistos por eles; aliás, não tereis galardão junto de vosso Pai, que está nos céus.



Quando, pois, deres esmola, não faças tocar trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.



Mas, quando tu deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita;



Para que a tua esmola seja dada em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, ele mesmo te recompensará publicamente. (Mateus 6.1-4)



Jesus está aqui dizendo que nosso ato de caridade deve ser o mais discreto possível:



De prefêrencia, sem que ninguém esteja vendo – Somente Deus.



Quem faz para ser visto pelos homens já recebeu seu “galardão”, que significa sua “recompensa”, “seu prêmio” - a glória dos homens, a admiração, o reconhecimento destes.



Jesus disse que quem ajuda aos outros, “não toca trombeta” diante de si:



Antigamente, quando o Rei ia falar ao povo, uma trombeta era tocada, e todos paravam o que estavam fazendo, e caminhavam até o pátio real para ouvir o que este tinha a dizer.



Ele disse que quem faz marketing de sua ajuda, de sua contribuição, de seus donativos, de uma simples esmola que dá para um mendigo na rua, age da mesma maneira.




Quem age dessa forma, Só quer chamar atenção para si...esse é o espírito da propaganda.




Jesus disse que no evangelho, o espírito da doação é para ser algo tão discreto, que “nem uma mão deve se lembrar do que a outra fez”- simples dessa forma.



Ele disse que os hipócritas nas sinagogas (igrejas) e das ruas, davam sua oferta pra ser glorificado pelos homens – e tão somente por estes, pois Deus não os reconhecia.



Mas Ele também disse algo muito importante para quem dá em segredo:



Não só ganha o reconhecimento de Deus pelo seu ato, o que por si só já seria suficiente...



Ele disse que “ teu Pai, que te vê em secreto, ele mesmo te recompensará publicamente".



Cabe a nós saber com que espírito estamos ajudando vítimas de enchentes, de desastres, ou mesmo dando uma simples esmola na esquina:



Se com o espírito dos homens, para ser reconhecido por estes...



Ou se com o espírito do evangelho.



Lee











sábado, 15 de janeiro de 2011

A Diferença entre Ser Humilde X Ser Humilhado


Ninguém vos domine a seu bel-prazer com pretexto de humildade e culto dos anjos, envolvendo-se em coisas que não viu; estando debalde inchado na sua carnal compreensão...



As quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria, em devoção voluntária, humildade,

e em disciplina do corpo, mas não são de valor algum senão para a satisfação da carne.

(Colossesnses 2:18,23)



Ser humilde e ser humilhado, são coisas muitio diferentes:



O problema é que o mundo Cristão por muitas vezes, põe tudo no mesmo pacote.



A ùnica Humilhação que um Cristão deve aceitar, é a Humilhação por amor a Cristo.



Alguns missionários estão presos em países fechados ao evangelho...



Um aguarda para ser executado, no Afeganistão...



Outros, vivem sob outras atividades, para não serem descobertos.



Jesus disse que ser odiado por amor a Ele, ser humilhado, perseguido, “ quando disserem mal de vós”, seria algo absolutamente normal, por amor destes ao evangelho.



Mas é ao evangelho, e não essas distorções que vemos por aí:



Teologia da prosperidade, forçar pessoas a se converterem, chutar macumba, discriminar gays, bajular políticos corruptos, e tudo o mais que temos visto por aí.



Para Jesus, humildade é oferecer a outra face, que significa não oferecer resistência a quem é contra o evangelho – e não confrontá-lo;



Para Jesus, Humildade é se sentar nos últimos bancos – para talvez dali, você sair com honra, quando te chamarem para se sentar mais á frente;



Para Jesus humildade é não fazer nada por contenda (confusão, brigas, desentendimentos) e nem por vanglória (para aparecer, para chamar atenção para si, para ser elogiado pelos outros);



Para Jesus, humildade é considerar os outros superiores a si mesmo – o gari que varre a esquina, o feirante, a caixa do supermercado, é superior a você, “doutor/a”?



Para Jesus, humildade é lavar pés dos outros (hoje, talvez ele engraxaria um sapato de alguém no centro da cidade- lavar o pé era comum para quem chegava da rua, na época).



Ser humilde, é ter esse espírito – isso sim, é o espírito do evangelho.



Ser humilhado fora desse espírito, é algo completamente diferente.



Conheço cristãos que não processam operadoras de telefonia, empresas de cartão de crédito, lojas que não repoem um produto defeituoso que eles venderam...



Tudo, por achar que não fazer isso, é “ser humilde,” conforme o evangelho.



Isso nada tem a ver com humildade cristã...tem a ver sim, com burrice, ignorância.



Ser humilde, não é aceitar tudo como um bobo;



Ser humilde, não é ser lesado, aceitando um prejuízo como suposta humildade.



Ser humilde, não é deixar alguém te escarnecer, prejudicar, sacanear toda hora, humilhar na frente dos outros, berrar com você.



Isso, é ser tolo.



Lee







quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Ainda Há Tempo


Ainda há tempo para se fazer coisas que ainda não foram feitas;



Ainda há tempo para concluir coisas interrompidas;



Ainda há tempo para encerrar coisas que já deviam ter sido encerradas:



Início de ano é bom pra esse tipo de coisa...já se encerraram as festas.



Cada mês que passa, por exemplo, recebo a notícia de mulheres que são deixadas de lado/ mal tratadas/ espancadas, pelos maridos:


Isso tem virado cotidiano na vida de muitas delas...toda vez recebo a mesma notícia, só muda o nome e endereço, mas as histórias são sempre iguais...



E ao contrário das novelas das tardes da Globo, não vale a pena ver de novo...nem ouvir:


São todas praticamente iguais.


Mas os sinais vêm desde um suposto noivado, em que geralmente as mulheres ignoram, achando que quando se casarem, tudo irá mudar”.


O resultado é que, muitas vezes, vivem uma vida inteira casadas, mas sem terem sido casadas, de fato.


Em geral, foram ensinadas por suas mães a se fazerem de bestas, assim como estas são ou foram;


E tome altas doses de tristeza, solidão, frustração, depressão, e doenças.



Mas o papel de casado tá lá, para quem quiser ver...



Em mulher de igreja então, tudo é tremendamente mais difícil:


Quem noiva, por exemplo, já está praticamente “condenada a um casamento”:



Mesmo se esta reparar os sinais de que aquele cara não tem absolutamente nada a ver com ela.



Se for mulher de Pastor então, “adeus vida”, se esta se uniu a um “mané”:



Conheço uma que já tentou o suicídio duas vezes, tudo sempre “abafado”;


Outra, entra e sai do hospital quase todo mês (sempre de madrugada), com crises de depressão;


Outra, procura se isolar do marido, estando quase sempre “visitando a mãe doente” em outra cidade – quase nunca é vista na grei.



Além de vários outros que vivem em quartos separados, há muitos anos.



Outras, sofreram um divórcio doloroso, quando reuniram coragem para sair fora:


Todas ficaram com os filhos e com despesas de casa, sozinhas, sem ajuda alguma.



Em comum, todas estavam intranquilas, pois sentiam em seus corações que seus noivados não iam bem;



Viam sinais crassos de grosserias, maltratamentos, indiferença, ignorância;



Viam o desinteresse dos respectivos pelos seus gostos, desejos, sonhos, projetos, e ainda assim, embarcaram na furada;


Viam gente interessante aparecer, mas “como já estavam noivas”, não deram a oportunidade de acontecer com quem a história poderia ser diferente.



E só conversar com algumas delas, a história bate com alguma frase aí em cima.



Portanto se você se encontra numa situação parecida, saiba:



Ainda há tempo...antes que seu coração se machuque - talvez pra sempre, como em alguns casos que conheço, e que optaram pela “condenação perpétua”.

Ainda há tempo...



Início de ano é bom para isso.



Lee




Na Sessão Revival, Glória Estefan tomou coragem...e você?

http://www.youtube.com/watch?v=Ho_Hlj-iXf0












terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Você já fez um WikiLeak Antes?




O mexeriqueiro revela o segredo, mas o fiel de espírito o mantém em oculto. (Prov.11:13)





O fundador do site WikiLeaks, Julian Assange,enfureceu os Estados Unidos ao divulgar milhares de documentos diplomáticos sigilosos.



Documentos da guerra no Afeganistão, de Presidentes, Primeiro -Ministros e Reis ao redor do mundo, de empresas e bancos americanos, foi um furor.



Ele repassa as informações do site a vários jornais do mundo, por isso tudo veio à tona rapidamente.



Um tribunal dos Estados Unidos ordenou ao Twitter que entregue detalhes das contas do WikiLeaks e de diversos apoiadores do site como parte de uma investigação criminal ligada à divulgação das centenas de milhares de documentos confidenciais dos EUA.



Se fosse na época da guerra fria, Assange, que é Australiano, já estaria preso;



Se fosse na época do Bush filho, já estaria em Guantanamo;



Mas na era de Obama, que é mais vaselina – ou já que estamos em tempos modernos, mais “KY”- tudo segue via processo judicial.



O que preocupa, é que o mexeriqueiro ganhou status de Robin Hood da mídia:



No caso tirando as informações dos reis, e dando-as para o povo.



Ora, somente quem não sabia dos documentos que ele revelou, éramos nós, meros mortais.



Agências de Inteligência do mundo todo, sabiam dessas coisas, seja demais, seja um pouco de menos.



Mas o mexerico dele colocou soldados em risco;



Colocou empregos em jogo;

Colocou gente que pode ser morta devido as “grandes revelações” dele;



E poderia colocar governos em Xeque-Mate.



O conselho de Provérbios é claro:



“ O fiel de espírito o mantém em oculto”...



Não há aqui consentimento com erros:



O “fiel de espírito” é uma pessoa sábia, que deixa as coisas se revelarem por si mesmas.



Ele não vai prejudicar alguém;



Ele não repassa fofocas;



Ele guarda em oculto, a fim de deixar que com próprio tempo, o que há em oculto se revele – se Deus assim quiser.



Ele guarda em oculto, pois não é um precipitado, repassando algo que nem sabe se de fato é verdade;



Ele guarda em oculto, pois não sabe ainda se outra pessoa que poderá ser atingida pelo seu conhecimento, está preparada para receber a verdade.



Ele guarda em oculto, na esperança que aquilo possa a ser encerrado/ dure por pouco tempo/ se resolva, antes que alguém venha a saber- e sofrer com isso.



O mexeriqueiro, não:



Coça a língua assim que sabe da informação, repassando a outros, não importando o dano que esta venha a causar as pessoas envolvidas.



Conheci gente que fazia um WikiLeak assim que recebia uma fofoca:



No trabalho, na Igreja ,na família, na academia...



E via o estrago que isso causava.

E você, já fez um WikiLeak antes?




Lee

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Um Amor Por Contrato


Uma Família "Perfeita"

É um dos filmes mais interessantes sobre família e círculo social da mesma, que vi.


A família é fake:



Todos são contratados por uma empresa, a fim de divulgar os produtos desta, para que vendam seus produtos - e vendam muito.


Assim, o “marido” influencia outros maridos, no jogo de golfe, etc;


A mulher, influencia a muherada no salão de beleza, e nas festas;


Os filhos adolescentes influenciam na escola, e nas festas.


Um sistema de vendas tipo Amway – existem várias famílias fakes ao redor do mundo, assim como a 'família Jones'.


Vendem de batons, shampoos, roupas, tacos de golfe, a carrões tipo Audi.


O problema é que, mesmo sendo família fake, esta acaba tendo o que cada família tem:


Problemas...e que não são fakes.


Pra quem entra no cinema pensando que vai ver uma comédia romântica, leve, esqueça:


O filme é uma comédia dramática...


E nos faz refletir...


Nos faz refletir na inveja, na vaidade, no consumismo banal, na busca desenfreada por bens inúteis, na vida de aparência, e na destruição que isso tudo provoca na alma das pessoas.


Sim, pois quando Jesus disse que de nada adiantava ao homem “ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma”, Ele sabia que essa busca desenfreada pode matar uma pessoa.


E isso acontece tanto no filme, quanto na vida.



E a vida de aparências?



Minha namorada se sentiu mal em ver certas cenas...



Lembrou-se da vida de aparência que tinha quando era casada, mas tudo era um caos...


E mesmo assim, tinha que sorrir para os outros, como muitos continuam fazendo até hoje:



Isso não é ficção...não é filme...infelizmente, é vida real para muitos...



Que fazem um amor por contrato:



Você pode até ter o corpo de uma pessoa;



Pode até ter um papel assinado, com esta;



Pode ter filhos, com esta;



Pode enchê-la de brilhantes, se for mulher;



Pode dar um carrão pra ele, de presente;



Mas amor, esse não tem contrato – este, não se compra - O amor, é livre.



Ainda bem que, no filme, um personagem tem um lampejo, e quer sair da vida fake...



Para sair da vida fake, sempre precisamos abrir mão de várias coisas.



Eu bem sei o que é isso...e também sei como dói esse processo.



Mas só então é quando experimentamos uma liberdade da alma.



No mais, foi ótimo rever Demi Moore e David Duchovny, como o casal fake.



Será que eles ficaram assim?



Vá ver o filme, pra saber...

É um filminho bom para o Vice- Presidente Michel Temer ver com sua esposa.



Lee

Na Sessão Revival , o trailer de Amor por Contrato:

http://www.youtube.com/watch?v=zksl7MSmpRc





terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Esperança


Onde, pois, estaria agora a minha esperança? Sim, a minha esperança, quem a poderá ver? (Jó 17.15)



Porque nós pelo Espírito da fé aguardamos a esperança da justiça. (Gálatas 5.5)



No mar de gente que vi em Copacabana, na passagem de ano, reparei nos olhos das pessoas:



A maioria, estava cheia de esperança....



Vi isso nos olhos de velhos e de jovens.



Ao surgir um novo ano, tanto para quem teve um “ano bom”, quanto quem teve um “ano ruim” a esperança parece se renovar...



Mas...que esperança?



A esperança da justiça, é a esperança divina.



Qualquer outra esperança além desta, sem o raio de ação da mesma, é ineficaz.



Hoje, a maioria das pessoas já não tem mais expectativas na esperança eterna.



A maioria vive de projetos pessoais;



De pequenos desejos;



Na esperança de “sonhos de consumo” ;



De esperanças políticas /sociais;



De esperança em favores de homens;



Da esperança em novas tecnologias.



São essas as maiores esperanças dos homens – Uma esperança terrena.


A esperança terrena, é uma esperança de papel.



Quem não enche o coração com a esperança eterna, não tem o poder de suportar crises, tribulações, pancadas da vida, que vem sobre todo habitante da terra.



A esperança da justiça, nos dá a capacidade de atravessá-las.



Por isso, vemos um número sem fim de pessoas perdendo a esperança – pois a esperança que estas escolheram foi a esperança de papel, e não a eterna.



A esperança é a última que morre...



E várias esperanças tem morrido, quando o mundo desaba na cabeça de quem escolheu a esperança de papel, como expectativa de esperança.



Jó, o homem que é sinônimo de sofrimento na Bíblia, perguntou 'aonde estava agora sua esperança', após as calamidades que vieram sobre ele e sua família...



Ele vira ali que só com a esperança eterna, poderia esperar alguma coisa.



Pelo espírito da Fé, podemos esperar a esperança da justiça - Jó esperou e a alcançou.



Com qual esperança você deu entrada nesse novo ano?



A da justiça, que é a esperança eterna...



Ou com a esperança de papel?



Lee