terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Homens que Maltratam as Mulheres



Trate as mulheres como Princesas, que é o que elas são(Personagem de Denzel Washington para o seu filho pequeno, no filme “Um Ato de Coragem”).



Era o conselho que todo pai deveria dar para seu filho, desde criança...



Afinal, vários deles também tem filhas, que não gostariam que fossem maltratadas por homens, no futuro.



Infelizmente, é o que mais acontece:



Mesmo com o avanço do conhecimento das tecnologias, da medicina, da parte cultural, do estudo da fisiologia, da psicologia, o mau trato com as mulheres também cresceu.



E ainda não falo de violência não, que aumentou absurdamente...dessa já falei por aqui há uns 2 anos atrás.



Falo da forma com que são maltratadas todos os dias, em cenas cotidianas, á frente de quem quer que seja:



Vi um casal parado no sinal para atravessar em que ele, “esculachava” a mulher, que segurava o carrinho com bebê, na frente de todos, e assim que abriu o sinal, disparou á frente deles, como se estivesse sozinho;



Canso de ver vários “quebrando o pau”, andando na rua;



Nas Lojas Americanas, um casal resolveu acertar as contas na frente da filha pequena, e dos clientes ;



Fui cortar o cabelo, e uma senhora entrou no salão pedindo dinheiro ao velho marido, para ir no supermercado ao lado:



Ganhou míseras 15 pratas, sendo esculachada pelo marido, que ainda disse, resmungando alto:


- Porque você não pediu dinheiro em casa?


- Porque quando peço em casa, você me bate, respondeu ela.



Um silêncio constrangedor se formou, e fiquei pensando:



Como ela conseguiu aguentar isso por todo esse tempo?



Na igreja, vejo homens que não levam suas mulheres – e quando elas vão, eles ficam constrangidos por estar ao lado delas;



E não raro, vejo um sentado distante do outro, mesmo sem ter algum tipo de participação (tocar um instrumento, cantar num coral ou grupo, ficar na recepção, etc);



Na vizinhança, ficou famoso um advogado que toda semana chama a mulher aos berros de “burra e idiota” (esses são os mais leves) na frente dos filhos , num show quase diário, sempre á noite;



Alías, o estacionamento do prédio – cujo uma parte fica em frente ao meu quarto- volta e meia me atrapalha a escrever, pesquisar, estudar, pois sou interrompido por casais que quebram o pau, mesmo com o vidro do carro fechado:



Tenho que me levantar para fechar a janela...isso, pode ser á noite, ou de manhã cedo.



Todos, se esquecem da máxima: “Roupa suja, se lava em casa”.



Não na rua, na loja, no salão, mas em casa.



Maltratar uma mulher, é sinal de estupidez da parte de um homem.



O grande erro da maioria das mulheres, é que até percebem – isso não demora a se manifestar em caras assim - mas resolvem ficar com eles por:


Esperar que ele mude com ela, enquanto se acumula um festival de humilhações;



Cair na cilada de que, quando casar, ele vai ficar “responsável”, e isso vai se encerrar;



Estar sozinha há muito tempo, e “ não haver nada melhor no mercado”; especialmente para a mulher balzaquiana, que está desesperada em formar uma família;



Depender do homem que a maltrata, financeiramente;



Manter um status social – uma das dependências mais dolorosas:



Conheci a então mulher do dono de uma grande rede de supermercados, hoje separada, que dizia da dor que era ir a festas e convenções, solenidades, tirar fotos sorridentes ao lado dele – e ser esculachada todo dia...”dinheiro nenhum valia aquilo”, dizia...



Outra amiga, ex mulher de um juiz de direito, passou pela mesma coisa, por causa do status, até chutar o pau da barraca:



Entre outras coisas, ela só podia ouvir música que ele gostava, e sumiu com todos os cds dela, e dos quadros que ela pintava, mas ele não gostava...



Nesse quesito “manutenção de status”, o lado religioso é cruel demais:



A igreja prefere que, mesmo não havendo mais solução, mesmo com absoluta falência de uma união conjugal, mesmo com brigas, impropérios, agressões físicas, traições, eles permaneçam juntos.



Por isso, uma das mulheres que mais sofrem na vida religiosa, é a esposa do pastor.



Como “não podem” se livrar do mau trato dos maridos – alguns batem, traem, bebem da conta,etc, entram num quadro depressivo dos mais fortes.



Conheci uma que adentrava o pronto socorro na madrugada, com “vontade de morrer”;



Outra, que já havia tentado o suicídio;



Conheço várias que nem sequer pisam mais na igreja - a não ser, claro, numa “solenidade especial”, em que tem que estar presente ao lado dos maridos...



Todas tem uma boa desculpa para não aparecer por lá...



Todas acima, sofrem muito, pela maldade em conviverem com quem as maltratam.



Cabe a mulher decidir se quer conviver, passar seu tempo, ao lado de pessoas assim...



Com homens que as maltratam...




E não as tratam como “Princesas, o que elas são”.





Certo Denzel?



Lee