domingo, 20 de fevereiro de 2011

O Ritual dos Homens X O Ritual de Jesus



Fui ver o “Ritual”, filme baseado em fatos reais:



O Vaticano chegou a receber 500 mil casos de relatos de possessão demoníaca (alguns gravados e tudo) e com isso, 4 anos atrás, decidiu pôr em execução o seguinte plano:



Ter um Padre exorcista em cada Diocese ao redor do mundo.



O plano foi por água a baixo quando vazou para a imprensa, tendo o Vaticano negado sua intenção, dias depois...acabaram escrevendo um livro sobre isso.



Alías, como fã de filmes de terror, posso dizer que só sobre esse tema – possessão – chegaram aqui em nossas telas 8 filmes, no ano passado, nos cinemas.



Mas o que Jesus falou sobre possessão demoníaca? Como Ele tratou essa questão?



Jesus passou boa parte de seu ministério aqui na terra expulsando demônios.



E pregava nas sinagogas deles, por toda a Galiléia, e expulsava os demônios”. (Marcos 1.39)



Não eram surtados, malucos, drogados, bêbados, ou gente querendo aparecer:



Alías, um dos desafios visto no filme, era que o jovem Padre achava que quase todo caso seria para um Psiquiatra resolver, até ele ver que não era bem assim...



Sim, existem vários casos em que o problema é de ordem psiquiátrica, mas Jesus confrontava, de fato, forças de origem maligna.



Sei que tem Igrejas que fazem disso um show, uma atração, um espetáculo, com gente que na maioria das vezes, não tem nada, só deseja aparecer...



Entrevistas” com demônios, que passam na hora do falso exorcismo na TV, etc...



Mas aqui na caminhada de Jesus, Ele se deparava com gente que se feria, se cortava, que rasgava suas vestes, e Ele as libertava;



Como no caso do Gadareno, que vivia nu num cemitério, com correntes que nem conseguiram o prender, na tentativa frustrada de tentar contê-lo...eram casos reais.



Jesus nunca negou a existência de demônios, fantasmas, espíritos, assombrações, etc.



E o barco estava já no meio do mar, açoitado pelas ondas; porque o vento era contrário;



Mas, à quarta vigília da noite, dirigiu-se Jesus para eles, andando por cima do mar.



E os discípulos, vendo-o andando sobre o mar, assustaram-se, dizendo:



É um fantasma. E gritaram com medo.



Jesus, porém, lhes falou logo, dizendo:



Tende bom ânimo, sou eu, não temais". (Mateus 14. 24-27)



Observe aqui que Ele NÃO disse:



Sou eu, não temam - fantasmas não existem”.



Observe que Ele não reprendeu nenhum de seus discípulos por pensarem daquela forma, ou seja, em fantasmas:



Como Ele reprendeu alguns pensamentos deles anteriormente, como por exemplo, na discussão sobre quem era “o maior no reino dos céus”, quem se “sentaria ao lado Dele” na mesa do reino dos céus, etc.



Jesus sabia da existência desses fenômenos, alías na questão da possessão, Ele foi além:



Disse que de nada adiantaria expulsar um demonio de uma pessoa, se esta não se ocupasse em viver uma vida de justiça- se ficasse uma pessoa vazia, seria pior.



E, quando o espírito imundo tem saído do homem, anda por lugares áridos, buscando repouso, e não o encontra.



Então diz: Voltarei para a minha casa, de onde saí. E, voltando, acha-a desocupada, varrida e adornada.



Então vai, e leva consigo outros sete espíritos piores do que ele e, entrando, habitam ali; e são os últimos atos desse homem piores do que os primeiros”. (Mateus 12.43-44)



Ou seja, se a pessoa não se cuidar vai piorar – sete vezes mais.



A pessoa possessa perde seu raciocínio mental, sua razão, sua vontade;



O espírito maligno dentro dela faz aumentar sua força física.



De forma geral, as pessoas que tem envolvimento com satanismo, com ocultismo barra pesada, com sacrificio de animais- e ás vezes de seres humanos – ficam nesse estado.



Finalizando, já que o nome do filme é “O Ritual”, rituais de exorcismo existem desde a antiguidade, muito antes da época de Jesus, nas mais variadas culturas.



Mesmo na Judaica, os exorcismo demoravam horas, ás vezes até dias, muitos com resultados frustrantes, pouco efetivos...



Sim, algumas palavras de exultação ao poder divino até podem incomodar alguns demônios, como acontecia /acontece em alguns rituais...



Mas o que deixava os religiosos da época de Jesus malucos, a ponto de acusá-lo de expulsar demônios “pelo príncipe dos demônios”, era a simplicidade.



Simplesmente os expulsava, por Ele ser o filho de Deus...sem nenhum ritual:



Ser ler nenhum livro, sem jogar água benta, sem mostrar crucifixo...



Sem botar nenhuma toga ou roupa sacerdotal...



Sem bater o pé no chão, sem gritar, sem pular, sem botar a mão na cabeça, sem derrubar a pessoa no chão, como fazem nas igrejas de hoje.



E, havendo-se eles retirado, trouxeram-lhe um homem mudo e endemoninhado.



E, expulso o demônio, falou o mudo; e a multidão se maravilhou, dizendo:



Nunca tal se viu em Israel.



Mas os fariseus diziam: Ele expulsa os demônios pelo príncipe dos demônios”. (Mateus 9.32-34)



No rito dos homens, não há espaço para o ritual de Jesus, que é a fé e a simplicidade.



Até por quê Este simplesmente não tinha ritual nenhum, pois dizia simplesmente:



Sai”....e saía na hora.





Lee



PS : Particularmente, creio no dom Neo-Testamentário de “discernimento de espíritos” (I Coríntios 12.10) para saber se de fato, alguém está possesso ou não;


Creio que quem se propôe a isso, deve ter noções básicas de psicologia, para identificação de um problema que pode ser apenas de ordem psíquica;



Creio que a igreja de hoje vê demônio em tudo o que é canto, menos onde realmente ele está- as vezes, dentro da própria grei;



Creio que o estudo da parapsicologia e fenômenos sobrenaturais é útil nessa área – que na maioria dos casos é condenado pelo protestantismo (no catolicismo, é mais aceito):



Desde que aja a união deste com o conhecimento espiritual verdeiro, baseado nos evangelhos, e não somente por ciência racional humana.