domingo, 24 de abril de 2011

Quando os Mortos Invadiram a Cidade


"E Jesus, clamando outra vez com grande voz, rendeu o espírito.


E eis que o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo; e tremeu a terra, e fenderam-se as pedras;

E abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos que dormiam foram ressuscitados;


E, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição dele, entraram na cidade santa, e apareceram a muitos.

E o centurião e os que com ele guardavam a Jesus, vendo o terremoto, e as coisas que haviam sucedido, tiveram grande temor, e disseram:


Verdadeiramente este era o Filho de Deus". (Mateus 27.50- 54)


A natureza reagiu á morte do filho de Deus:


Houve terremotos por toda a terra, rochas racharam-se ao meio, mas o mais assustador, ainda estava por vir...


Vários túmulos foram abertos - E por seus próprios ocupantes- que voltaram a vida.


E ainda por cima, naquele mesmo dia, ainda entraram em Jerusalém...


Imaginem as pessoas vendo aquela cena- pois o texto diz que apareceram a muitos – como não deve ter sido semelhante a um filme de terror.


Mas aqui sem cadáver decomposto, como nesses filmes...eles voltaram vivos, mesmo.


Havia uma espécie de orla, um mortuário que envolvia os cadáveres, para que não fossem enterrados nus...geralmente era branco.


Por isso, foram facilmente reconhecidos na volta a cidade...o texto diz que "apareceram a muitos".


Este fato sobrenatural ocorreu como uma grande lição espiritual, usando-se aqui a conexão espiritual com a terra, pelo seguinte motivo:


Jesus morreu para que tivéssemos vida.

Os “corpos de muitos santos” no texto acima, eram os corpos de quem era seguidor dele, mas que estavam mortos, sepultados.


Jesus morreu para que tivéssemos vida, e isso foi representado imediatamente na ocasião de sua morte na cruz, produzindo efeito instantâneo, na ocasião.


Quem "era Dele" e estava morto fisicamente, teve o sopro da vida restaurado.


Nesse domingo de Páscoa, em que celebramos a ressureição de Cristo - Ele ressuscitou num domingo – Precisamos nos lembrar do sacrifício Dele para nos fazer viver.


Não para viver como um morto-vivo, despedaçado pelas circunstâncias da vida...


Infelizmente, várias pessoas se arrastam na vida assim, andando de um lado ao outro como um morto vivo, sem rumo...já morreu, mas ainda caminha.


Ele morreu pra você ter vida...e ressuscitou ao terceiro dia.


Creia, siga, e viva.


Lee, domingo de Páscoa, 2011


(Para saber o significado da Páscoa, veja a Páscoa do coelho e a Páscoa do Cordeiro, do ano passado, no arquivo do blog)