domingo, 10 de abril de 2011

Quebrando a Costela


O cartaz acima, é de um desses encontros que igrejas promovem com uma unica intenção:


A de promover encontro de homem com mulher, e vice versa.


Pode ser num clube, como no caso acima, mas a maioria é dentro da igreja mesmo.


A referência a costela perdida acima, não é a nenhuma costelinha de porco, não:


É sobre a costela de Adão...de onde foi formada a mulher, segundo o Gênesis.


"Então o SENHOR Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas, e cerrou a carne em seu lugar;


E da costela que o SENHOR Deus tomou do homem, formou uma mulher, e trouxe-a a Adão. (Gênesis 2. 21,22)


Tudo aquilo que é anti- natural, em geral, resulta em problema...


Igreja nunca foi criada para promover encontro de casal nenhum.


Não se lê isso em nenhum lugar na palavra;


Nunca houve uma única vez em que Jesus disse que ali era local disso.


Se uma pessoa vem a conhecer outra dentro de uma igreja, deve ser algo natural:


Tão natural como se conhecer em outro ambiente que as duas frequentam.


Ou alguém já viu alguma academia promover um encontro de “costelas perdidas”?


Em alguma faculdade? Um Shopping center? Uma livraria? Um clube, ou mesmo numa festa?


Claro que não, por que tais encontros vindo a acontecer, serão de forma natural.


Então porquê só a igreja insiste em agir de forma anti-natural, se propondo a fazer algo que nem mesmo Jesus pediu, e que hoje parece uma febre na maioria delas?


Sim, porquê até pipoca “ungida” está sendo servida dentro de algumas delas:


Traga quem você ama para comer a pipoca do amor”, dizia o cartaz...


É ou não é uma versão gospel de “trazer a pessoa amada em 3 dias” da cigana?


Muitos caem nessa busca louca pela "sua costela", e acabam quebrando não a costela, mas a cara.


Primeiro, porquê acham que Deus vai escolher para ele ou ela uma pessoa, só por quê está dentro de uma igreja;


Segundo, porquê pensam que Deus faz isso, se equecendo que a pessoa é que escolhe seu próprio caminho atráves de seus próprios gostos e interesses – o que inclue uma pessoa para compartilhar a vida;


Terceiro, porquê usar dessa forma o termo “costela de Adão”, confunde algúem sem conhecimento bíblico adequado, achando que alguém “já foi feito para ele ou ela”, da mesma forma que Eva foi criada exclusivamente para Adão.


Isso aconteceu por haver somente um ser humano na face da terra...


E disse o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele”. (Gênesis 2.18)



Idônea aqui deriva de duas palavras hebraicas que significam “ajuda “ e “concordância”;


E idôneo no Dicionário Eletrônico Aurélio Século XXI, significa “Próprio para alguma coisa; conveniente, adequado”.


E "que tem condições para desempenhar certos cargos, ou realizar certas obras”.


As costelas protegem os pulmões e o coração de impactos diretos...


Eva foi criada não do osso do pé, para ser abaixo de Adão;


E nem do osso do crânio, para ser acima dele.


Ela foi criada para caminhar ao lado dele.


Forçar encontros como igrejas fazem, promovendo “desfiles de solteiros”, bilhetinhos, jantares, ou coisas do gênero, como vimos no cartaz acima, tem resultado em vários desastres conjugais, ao longo do tempo.


Isso serve para os programas que passam na TV, pois é isso que é, um show.


Quando a igreja faz isso, gera frustração no coração das pessoas, as que não arrumam ninguém nesses encontros, e sentem-se tristes, “preteridas por Deus”;


Isso também tem gerado “decepção com Deus” - no coração de quem arruma alguém nesses encontros, por mais tarde ver que o Príncipe era um sapo, e que a Princesa era uma Fiona disfarçada...


Encontrar alguém no decorrer de uma atividade eclesiástica, de maneira natural, ao longo do tempo, é uma coisa...não falta oportunidade pra isso.


Agora, ir a igreja pra arrumar homem ou mulher, é algo completamente diferente.


Promover esses encontros, gerar controle espiritual (igrejas onde namoros ou casamentos são aprovados ou não mediante autorização de Pastor) não é função de Igreja.


Igreja nunca foi cupido, não serve de agência matrimonial, não funciona como buscadora de “par perfeito”.


Quem faz ou produz isso, uma vez mais desvirtua ela de seu propósito, que é ser casa de oração, e anunciadora das boas novas, ou seja, do evangelho.


E faz muita gente quebrar a costela, ou seja, nesse caso, a cara.


Lee