domingo, 29 de maio de 2011

Vilões da Felicidade


Sobrevieram-me pavores; como vento perseguem a minha honra, e como nuvem passou a minha felicidade. (Jó 30.15)

Podemos retirar da experiência de Jó - Depois de Jesus crucificado, foi a pessoa quem mais sofreu na Bíblia – Para bloquear esses vilões, ou mesmo reagir, se já chegaram.


A Felicidade tem vilões. Vamos ver alguns dos inimigos mais comuns dela.


O Medo


O Medo congela – Pode fazer ficar parado, estático, sem ação, ou mesmo reação.


No Livro de Jó, vemos o oposto da felicidade, que é tristeza e sofrimento.


Jó disse que veio sobre ele pavores, e tal como uma nuvem passando, esta soprou-lhe a felicidade...isso foi no capítulo 30, como vimos acima.


Mas no capítulo 3, podemos ver que a causa disso, foi o Medo:


Porque aquilo que temia me sobreveio; e o que receava me aconteceu”. (Jó 3.25)


Jó tinha boa situação – era rico - tinha saúde, e uma família grande, com dez filhos.


Mas vivia com medo de que tudo isso fosse por água abaixo...e foi.


O Medo constante pode ser um atrativo da infelicidade:


Por isso, Jesus disse para vivermos com Fé, pois isso agrada a Deus:


E disse que sem ela, a Fé, é impossível agradá-lo.


Faça a sua parte no cuidado com a família, em seus projetos pessoais, mas saiba que nós temos limites, e que o cuidado vem de Deus.


Quem vive pensando no pior, com medo, acaba atraindo “o que mais temia”, como Jó.


Outro vilão, já comentado no mesmo livro, foi que citei no post “Os amigos de Jó sempre estão a nossa volta”, o primeiro do mês de maio:


Amigos duvidosos e más companhias.


Devemos nos cercar de pessoas positivas em nossa jornada na vida.


E isso não depende de grau de instrução, de ser rico ou pobre, etc.

Um carroceiro catador de latas pode ser mais positivo do que um professor universitário depressivo,que põe os alunos pra baixo;


Uma empregada pode ser mais positiva num lar do que a própria dona da casa.


Aqui no Rio, temos o Renato Sorriso, figura já conhecida no carnaval carioca, e que já até saiu em propaganda de cerveja.


Renato é gari aqui na Tijuca, e quando está varrendo ali na Praça Xavier de Brito, está sempre com um sorriso no rosto,esbanjando alegria na dureza de seu trabalho.


E isso, anos antes de ser descoberto sambando alegre na Marquês de Sapucaí:


Renato é da tropa de garis que varrem o sambódromo.


Com sua ginga e alegria, contagia mais do que integrantes de escola de samba.


Afaste-se de pesssoas negativas que estão na sua vida, e só te botam pra baixo, ou te conduzem cada vez mais para o fundo do poço.


Pode ser até gente de família...mas temos que nos afastar de pessoas assim.


Ansiedade


Jesus viu ansiedade em Marta, ralando na cozinha – e com raiva que sua irmã não estava ajudando ela- enquanto Maria aprendia na sala as coisas sobre o Reino de Deus.


E respondendo Jesus, disse-lhe: Marta, Marta, estás ansiosa e afadigada com muitas coisas, mas uma só é necessária;


E Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada.( Lucas 10. 41,42)


Ali não era hora de fazer comida, de falar de novela...era hora de aprendizado.


Jesus disse que se Deus alimenta os pardais, e que valemos mais que eles, quanto mais nós – Ensinou a não ficar ansioso pelo pão de cada dia.


Jesus disse para olhar os lírios do campo, e que nem o Rei Salomão – o mais rico de todos – “se vestia como eles”, ou seja:


Ele cuida de nosso alimento, e até mesmo de nossas roupas.


É por isso que ele fala da Fé...a Fé, chama essas coisas.


Preste atenção com os vilões da Felicidade, pois eles sempre estarão nos rodeando.


Lee



sexta-feira, 27 de maio de 2011

Sobre Kits Gay e Pastores Bisbilhoteiros

Evangélicos e Católicos Pressionam Dilma

Dois acontecimentos, um de nível nacional, e outro de nível local, no qual estava presente, me chamaram a atenção nas duas últimas semanas.


Vou começar pelo local.


Estava eu em determinada igreja, quando um pastor convidado disse que fica vendo as fotos do Facebook dos membros da igreja dele, e “via cada coisa”, nos dizeres dele.

Isso servia de ilustração para dizer como aquilo que ele vê – segundo ele – estava distante de coisas de “bons valores”, bla bla blá, etc.

Pensei cá comigo: “ainda bem que, apesar de conhecê-lo (e desde adolescente) nunca quis adicioná-lo".


É verdade:


Eu tomo o maior cuidado com os Pastores que eu adiciono - a maioria deles, infelizmente, não tem a cabeça no evangelho, mas sim na religiosidade farisaica.

Conheço um monte que, tais como os fariseus, “coam mosquitos, mas engolem camelos” ;


E “Poem um fardo tão grande ao povo, mas que nem eles mesmos aguentam”, conforme disse Jesus.


Tenho uns três no meu Facebook, e que não são iguais o nobre colega das linhas acima.


Pedro é bem claro com relação a isso:


"Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto;


Nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho". (I Pedro 5. 2,3)


Acho que se meu colega tivesse a oportunidade de ver minhas fotos no show do Paul, e fosse da igreja dele, poderia ser excomungado...


Todos deveriam apascentar o rebanho apenas pregando o Evangelho – sem domínio de querer saber o que faz, aonde vai, com quem anda;


De dizer o que pode ou não pode fazer,aonde deve ou não ir;


O que vestir, com quem se casar (!), e o que assistir (fui numa igreja em que a mensagem do pastor foi contra o filme Avatar), seria tudo mais simples, mais fácil, mais fluente.


Essa mesma turma se manifestou num dos acontecimentos que citei, esse conhecido por todos.


Digo a mesma turma, pois na bancada evangélica e católica, tem alguns pastores.


Foi a bancada evangélica/católica, que pediu pra Dilma segurar o chamado Kit Gay:


Em troca, abafariam o caso Palocci, o ministro que enriqueceu rapidamente antes de voltar ao governo, dessa vez no Governo Dilma.


Vi o vídeo do tal Kit, e realmente, precisava de correções:


Em vez de alertar contra a homofobia, acabava estimulando a homossexualidade.


Mas para isso, uma vez mais venderam a alma ao diabo da vez, o Palocci.


Em vez de pregarem o evangelho, “coaram um mosquito,mas engoliram um camelo”.


Sim, pois nesse caso a questão da homossexualidade foi um mosquitinho...


Pois na Bíblia de todos eles, desde o Gênesis tem referência a essa questão:


E antes que se deitassem, cercaram a casa, os homens daquela cidade, os homens de Sodoma, desde o moço até ao velho; todo o povo de todos os bairros.


E chamaram a Ló, e disseram-lhe: Onde estão os homens que a ti vieram nesta noite? Traze-os fora a nós, para que os conheçamos". (Gênesis 19.4,5)


Muitos autores são unânimes em afirmar que se tratava dos gays de Sodoma que se encantaram com os dois anjos que, em forma humana, foram visitar Ló.


E olha que tinha desde moço, até garoto -Sodoma mandava ver.


Ou seja, tem gay desde o Gênesis, desde a Grécia antiga, da Roma antiga...


Muita gente não segue os preceitos bíblicos, e o estado é laico – ainda bem.


Por isso, não se pode excluir quem não segue esse ou outro tipo de ensinamento.


Assim como Jesus olhou para prostitutas e ladrões, devemos olhar com compaixão para todos, inclusive os gays:


Você pode até discordar da maneira como vivem, mas nunca discriminar.


Vejo absurdos cometidos pelos dois lados – pouca gente fala disso...


O lado religioso anda fazendo disso uma verdadeira guerra, no caso, contra tudo aquilo que é homossexual.


Mas não vejo bancada evangélica fazendo nada contra corrupção – pelo contrário, como disse, aliviaram o Palocci em troca de um kit - por mais equivocado que este kit fosse, foi o que aconteceu;


Não vi bancada evangélica e católica se manifestando contra código florestal, quanto ao assassinato de mais um casal defensor da natureza, quanto as questões da terra;


Quanto aos impostos absurdos que são pagos (só na garrafa de água, se paga 40% de imposto);


E tantas outras questões...a maioria, só fica de olho em algum cargo do governo, nem que seja em escalões mais baixos.


E ficam atrás do Bolsonaro em brigas, colocando ele de frente na questão.


Quanto ao lado dos gays, o deputado big brother Jean Willis assumiu a causa, como se ele tivesse sido eleito pelo povo do Rio á fim de só defender causas gays...

E quanto aos outros assuntos de acontecimento nacional, que a tal bancada evangélica/católica se omite?


Ninguém deles - dos dois lados -percebeu o que o Supremo Tribunal fez:


Não deveria partir do legislativo tal assunto (união civil) como foi na Argentina?


Mas não, assuntos desse como outros ficam muitos anos transitando de mesa em mesa.


Quer dizer, duas pessoas viveram a vida inteira juntas – se concordo com isso ou não, é outra questão – e quando morre, vem a família, que o baniu de seu convívio, que o desprezou e o rejeitou, e toma os bens? Isso não é justiça.


Agora – Em minha opinião – se casar em igreja, jogando arroz no final, é, como se diz no popular, uma tremenda “viadagem”.


Faltou bom senso nos dois lados, e o que temos visto é uma guerra pública.


Igreja é para pregar o evangelho, e se tão somente fizesse isso, tocaria nos corações de heteros, gays, lésbicas, travestis, prostitutas, e bandidos.


Era o que Jesus fazia...


A decisão, era de cada um, e Ele continuava amando mesmo a quem não o seguia.


Da mesma forma que ser gay ou não, é uma questão de escolha de cada um, não pode ser imposta, nem levantada como bandeira, uma causa.


Lee



quarta-feira, 25 de maio de 2011

O Sonho Não Acabou: O Dia em que vi um Beatle ao Vivo – Parte 2


Sonho Realizado


O Show no Engenhão, quase não aconteceria:


O Maracanã, passa por reformas para a Copa;


A Praça da Apoteose (Sambódromo), onde Elton John já se apresentou, também passa por reformas, apesar de, em minha opinião, não ser um local adequado:

Num show dos Guns N´ Roses, uma chuva, forte chuva, acabou com palco, tendo eles que se apresentar no dia seguinte - lá é muito aberto - além disso, nunca achei ali seguro.


As demais casas por aqui no Rio, comportam de duas a 15 mil pessoas...


Sem falar que Paul já estivera por aqui no Brasil 9 meses antes, a última em São Paulo.


Mas no Carnaval, o empresário de Paul, convencido de que poderia dar um pit stop por aqui entre os shows do Peru e do Chile, veio conhecer, e aprovou o Engenhão.


Foi o primeiro show do estádio, que entra assim para o circuito de grandes apresentações de espetáculos aqui no Rio, e não somente futebol.


Eu gostei muito do show, e me impressionou a vitalidade de Sir Paul aos 68 anos:


Duas horas e meio direto tocando, numa energia que contagia seus músicos, e consequentemente, a platéia.


Falando em músicos, sempre fico de olho nos bateristas e percussionistas, pois brinquei dos dois em passado recente.


Pois bem, o baterista de Paul, que o acompanha nas turnês e em gravações, é Abe Laboriel Jr.


O pai dele é um dos maiores baixistas vivos que existem, super requisitado a tocar com grandes músicos (do pop ao Gospel)...ele é membro da igreja Presbiteriana.


Abe seguiu os caminhos do pai, e já tocou com Sting, Eric Clapton, B.B. King, e até com Lady Gaga.


Na música Dance Tonight, ele fica em pé atrás da bateria dançando (estilo macarena), levando os fãs a rirem muito, enquanto Paul toca seu okelele (espécie de cavaquinho do Havaí).


Ele é o músico mais aplaudido de todos, no final do show...já está com Paul há dez anos, o acompanhando (ele já estava tocando no intervalo do Superbowl americano).


Por várias vezes, fiquei apenas quieto, olhando e escutando...vendo meu sonho ser realizado, diante de meus olhos.


Cantei a plenos pulmões Hey Jude e Ob Lá Di, Ob Lá Dá, que foi a primeira música que ouvi dos Beatles, ainda criança.


Live and Let Die, tema do filme de 007 de 1973, com fogos de artifício e lança chamas na frente do palco;


Ao Piano (ele tocou 5 instrumentos diferentes), a reflexiva The Long and Widing Road;


E Curti muito Band on the Run, e Day Triper, que já veio na hora da canja:


Ninguém queria deixá-lo sair, mas eis que chegava meia noite, quando Sir Paul nos deu adeus...


Até a próxima”, disse ele, em português.

Tomara...pelo sim, pelo não, vi o show, acompanhado de setentões e pré-adolescentes de bom gosto, que não se contaminaram com essas porcarias que tem por aí.


Assim, realizei o sonho de minha vida – assistir a um show de algum Beatle.


Agora só falta um, também sonho vindo na infância:


Ter um BMW...


O motivo? Bem isso é história para um outro post...


Só no dia em que conseguir o carro...rsss!


Lee







segunda-feira, 23 de maio de 2011

O Sonho não acabou: O Dia em que vi um Beatle ao Vivo – Parte 1


Quando ouvi os Beatles pela primeira vez, eles já haviam se separado há muito tempo.


Foi só então que descobri a obra do grupo, e acompanhei seus remanescentes:


Disse a mim mesmo que, um dia, se pudesse,veria um show de algum Beatle ao redor do mundo.


Pouco depois disso, John morreu assassinado – eu estava tomando banho ouvindo música (hábito que existe até hoje) quando ouvi a notícia...


Os jornais diziam: “O sonho acabou” (de reunir os Beatles), no dia seguinte.


Fiquei muito triste, era véspera do meu aniversário, mas pensei:


Ainda tem Paul, George, e Ringo...meu sonho ainda não acabou.


Mas Ringo se enclausurou, além de ser o mais limitado do grupo (dizem que Pete Best, o primeiro baterista dos Beatles, era melhor);


Paul veio ao Maracanã 21 anos atrás– era a chance – mas eu ainda vivia sob a batuta do pensamento religioso, e este dizia que isso era pecado, pois era “uma coisa mundana”.


Sem falar que, ainda estudante, meus pais não dariam grana para assistir a tal espetáculo “mundano”.


Fiquei muito incomodado, pois não sentia aquilo nada “pecaminoso”, e triste, pois morando a 20 minutos a pé do Maracanã, via o clarão que se formava, além das luzes, em volta do estádio.


Que mané eu era, na época, por pensar assim...ainda bem que mudei.


Poucos anos depois, George morreu...


Assim, aquela espécie de juramento mental que fizera, só poderia ser realizada via Paul.


Ele veio a Porto Alegre e São Paulo, ano passado...mas ouvi rumores que viria ao Rio.


Esperei, e eis que agora vou vê-lo num ambiente muito conhecido:


O Engenhão.


Este estádio tem um significado especial para mim:


Primeiro, por quê é a casa do Botafogo, o meu time, e estou acostumado a sofrer vendo meu time jogar todo mês, ali;


Segundo, por que para ter acesso ao estádio, é necessário ir de trem, saltando na estação Engenho de Dentro – o meio mais rápido de se chegar ao estádio.


O bairro do Engenho de Dentro, na Zona Norte aqui do Rio, é muito ligado a minha infância.

Apesar de ser nascido e criado na Tijuca, a minha primeira igreja foi no Engenho de Dentro:


Para lá me deslocava todos os finais de semana.


Aos sábados, para jogar bola o dia inteiro;


Aos domingos, para assistir aos cultos.


Foi assim por 20 anos:


Sábados, eu dentro de um 238, 239, 606, ou 607 – linhas de ônibus que me levavam da Tijuca até lá, me deslocando até a idade de dirigir meu carro....


Comendo no boteco ao lado da igreja um pedaço de pizza com tomate, de origem suspeita, com Guaraná Champagne, da Antártica, de almoço...


Pois jogava bola de 9 da manhã até ás 5 da tarde!


Quando saía, ia no mercado que hoje é um Guanabara, pra comprar pão doce.


Aos domingos, ia no carro do meu pai, para os cultos.


A Igreja fica há uns 700 metros de onde hoje é o estádio.


Só que tem uma igreja Católica mais perto do mesmo, há uns 200 metros, só separada pela linha do trem:


Eu entrava de penetra nos casamentos realizados aos sábados ali...


Meu colega ficava de ver quando tinha casamento- geralmente uns dois por sábado – e chegávamos aos finais das cerimônias, cumprimentavamos os noivos na fila, e íamos comer bolo e refrigerante no salão social da igreja:


Sabe aquele filme, “Penetras bons de bico” ? Foi baseado na gente.


Comi tanto bolo na adolescência ali, que hoje não gosto mais de bolos de casamentos:


Enjoei...


Separávamos um kit com roupa social, para quando tivesse casório, e meu amigo pegava o boletim da igreja para ver os nomes dos noivos, para que falássemos os nomes deles na fila dos cumprimentos:


Parabéns, Carla, felicidades! Eduardo, meus parabéns!”


E assim, nosso lanche pós - futebol estava garantido – economizávamos no lanche.


Ao saltar hoje na estação Engenho de Dentro, estas e outras lembranças estarão na minha mente:


Um garoto que amava somente os Beatles -nunca gostei de Rolling Stones – e que tinha o sonho de ver um show de algum Beatle ao redor do mundo – agora vai realizá-lo.


Justamente no mesmo ambiente em que fui criança, época em que esse desejo começou a prencher meu coração.


Leve seus desejos a sério - inclusive os da época de criança – pois nunca se sabe o dia em que ele vai bater as portas:


Ele pode vir bem pertinho de você.


Lee

(Amanhã, a parte 2 - Post com as impressões do show)





domingo, 22 de maio de 2011

O Difícil Caminho da Liberdade


E dir-se-á: Aplainai, aplainai a estrada, preparai o caminho; tirai os tropeços do caminho do meu povo. (Isaías 57.14)


Ontem fui ver 'Caminho da Liberdade' (foto acima) no cinema.


O filme, inspirado em fatos reais, relata a fuga de sete prisioneiros de um Gulag (campo de concentração Soviétco) durante a segunda guerra mundial:


A Prisão na Sibéria era considerada a pior prisão militar do mundo.


Se em Auschwitz Hitler matava com camâras de gás e execuções, Stalin mandava pra Sibéria, onde o frio e as minas de carvão eram os executores.


O filme mostra a difícil luta pela vida, a luta pela sobrevivência:


Primeiro para sobreviver no frio;


Segundo, para sobreviver com a escassez de comida;


Terceiro, para sobreviver mediante o ataque de lobos ferozes – e famintos;


Quarto, para sobreviver agora em um deserto - e com escassez de água;


Quinto, para sobreviver a exaustão física;


Sexto, para encontrarem o caminho – eles se perderam;


E finalmente, a não serem descobertos pela população – havia recompensa para denúncia.


E tudo isso a pé – andaram 6.500 kms, da Sibéria até o Tibet.


Ao ver esse filme, pude ver o paralelo que ele tem com a própria vida.


E nossa luta pelo pão de cada dia?


Talvez você receba um salário certo no fim de mês, mas e a quantidade enorme de pessoas que não sabem o quanto- ou se irão – receber algo por seu trabalho?


Comerciantes, autônomos das mais variadas áreas, biscateiros, desempregados, que precisam alimentar suas famílias, mas não tem a certeza de um dinheiro certo.


E as condições climáticas, como frio, tempestades, chuvas e acidentes naturais?


Ora, de Fukushima a Friburgo, aqui no Rio, ainda tem milhares de pessoas vivendo em escolas e abrigos do governo, pois perderam suas casas.


Há escassez de comida – na merenda de nossas crianças, onde chegam podres, como mostrou o Fantástico – e escassez de água:


Aqui no Rio, famílias inteiras de Caxias, Nova Iguaçú (cidades do grande Rio) tem de andar com latas e baldes na mão, por quase um km, para pegar água...


As torneiras de suas casas secaram (mas a conta da água continua chegando).


E a exaustão física?

Quem já acordou 3 e meia da manhã para pegar ônibus -ou trem – lotado ,e depois continaur fazendo transferências, para estar ás sete ou oito horas no trabalho?

E quem trabalha em pé, e falando o dia todo?


Isso todos os dias, com os afazeres domésticos sendo empurrados para o fim de semana.


Me lembro do passado, de uma fase braba que passei, quando saía de um plantão de 24 horas, cansado...

Várias vezes me faltava dinheiro pro segundo ônibus da volta, e tinha que caminhar 5 km até chegar em casa, com cerca de 8kg nas costas com a mochila, e com fome.

E quantas vezes nos sentimos perdidos no caminho da vida?


Perdas, dores, dificuldades, desânimo, e tantas coisas que passamos...


E tantas pessoas que nós vemos ficando pelo meio do caminho:

Sim, no filme algumas delas também ficaram.

O Caminho da Liberdade nos faz refletir sobre nosso próprio Caminho da Vida:


Mas que com fé, podemos sair de um estado de total desesperança (Uma prisão na Sibéria) para uma liberdade de vida.


Lee


(Amanhã no show do Paul McCartney - Post na terça-feira sobre a experiência)


Trailer do filme: http://youtu.be/N2gf4zHQMvQ















terça-feira, 17 de maio de 2011

Poder e Sexo



A prisão de Dominique Strauss-Khan, é um caso que mostra como a combinação poder e sexo pode ser explosiva.


Ele é o diretor geral do FMI desde 2007, tem 62 anos, e é francês.


O Fundo Monetário Internacional, empresta dinheiro para os países saírem do buraco.


Ele tinha influência política na França, um grande salário, e um Porsche na garagem.


Strauss-Kahn é acusado de tentativa de estupro por uma camareira de hotel em Nova York:


Peladão, partiu pra cima dela.


Ele foi preso no aeroporto enquanto tentava embarcar em vôo para a França.


Poder e sexo, parecem sempre andar de mãos dadas...


Silvio Berlusconi, premiê italiano, está envolto em escândalos sexuais, que vem paralisando a própria Itália:


Suas famosas festinhas são agora conhecidas no mundo todo.


O ex- Governador de Nova York, o democrata Eliot Spitzer, teve de pedir renúncia do cargo há dois anos atrás, por escândalos sexuais envolvendo prostitutas:


Ele torrou 80 mil dólares com elas.


Bill Clinton, quando era presidente americano, quase perdeu o mandato por se envolver com sua estagiária.


Quem detêm algum poder, acaba sempre chamando a atenção de quem adora um status, e tenta se aproximar da pessoa “poderosa”;


E o poderoso acha que por seu cargo ou influência, pode sair pegando a quem quiser.


Strauss – Khan vai dormir hoje numa cela isolada na Ilha Ryker, onde aguarda julgamento...


Creio que isso dificilmente iria acontecer no Brasil, onde o Dr. Roger, que abusava de suas clientes na hora da fecundação, conseguiu liberdade e está foragido.


Poderosos precisam saber que não estão acima da lei, só por que detém poder ou dinheiro;


Precisam também aprender a lidar melhor com a questão da sexualidade:


Nem oferecendo um milhão de dólares de fiança, Strauss -khan conseguiu sair do buraco.


Lee









sábado, 14 de maio de 2011

Dias Nublados e Reflexões


Porque está perto o dia, sim, está perto o dia do SENHOR; Dia nublado; será o tempo dos gentios. (Ezequiel 30.3)


Dia nublado aqui no Rio, com pancadas de chuva ocasionais :


Numa delas, fiquei retido em plena academia, após o treino.


Dias nublados são ótimos dias para reflexão.


Cariocas não gostam de dias nublados” só na questão da praia...


Conheço muita gente que prefere a chuva ao sol.


Quando chove, e quando podemos estar mais parados -escrevo isso num sábado – e ficamos um pouco sozinhos, parece que a própria natureza nos chama a pensar.


Refletir, pensar, é difícil, pois o nosso principal sentido, a visão, se estimula a cada cor que vemos, a cada notícia que lemos, a cada música que 'cantamos com a mente'.


Sim, música pode nos levar a reflexão, ou nos alienar completamente da realidade:


O que mais vejo é gente andando na rua escutando música com fone de ouvido...


Mas sem estar preso na cadeia , olhando por uma janela, num dia nublado – ou seja, quando você mesmo tira um tempo para olhar em volta, para e refletir, você medita.


Pensa na vida, pensa em tudo o que está a sua volta...você pensa.


Hoje foi um desses dias para mim, e num local inusitado- sim, você poderá ser 'conduzido a reflexão',mesmo sem querer, em determinado momento.


Após meu treino de Jiu-Jitsu, ainda recuperando a força após 3 lutas, quando quis ir embora, eis que cai uma pancada de chuva retendo todos que, mesmo querendo, não podiam sair.


Minha reflexão foi ali, sentado no Tatame, local de treinamento, de luta, de ensinamento, e mesmo de diversão zoando com os amigos, após o treino...


Também é local de dor, de superação, de amizade...ás vezes, também de decepções.


O Tatame foi uma metáfora para a própria vida, naquele momento.


E tudo sob o olhar de um dia nublado, com a pancada de chuva que via e ouvia pela velha janela azul da academia, de estilo antigo, dobradiça.


Meia hora de reflexão que parecia uma eternidade – e que não dava vontade de parar.


Ri sozinho, mas também chorei sozinho:


Reflexão pode ser igual a uma montanha russa das emoções – pode te elevar em determinado momento, mas também pode te deixar de cabeça pra baixo.


Dias nublados não precisam ser necessariamente dias de tédio:


Faça deles um dia em que você possa pensar, produtivamente, sobre sua própria vida.



Passe a gostar de dias nublados.


Lee















quinta-feira, 12 de maio de 2011

Katy Perry e a Repressão Religiosa de seus Pais


Katy Perry é uma das atrações do Rock in Rio 4:


Ela vai cantar no primeiro dia do festival.


Nunca ouvi uma música dela, mas uma entrevista que ela concedeu a Vanity Fair do ano passado, me chamou a atenção:


Nela, Katy queixou-se de não ter tido infância, pois seus pais, pastores evangélicos, só lhe permitiam ler a Bíblia e proibiam qualquer alusão ao demônio.


Isso sem falar de coisas banais de uso cotidiano, mas que se tivessem qualquer alusão ao capeta, era imediatamente vetado:


"Ovos endiabrados" (receita de ovos cozidos e recheados) ou a marca de aspiradores de pó "Dirt Devil" eram proibidas no seu lar da Califórnia, e a menina chegou a acreditar que o grupo de planejamento familiar Planned Parenthood era apenas uma clínica de aborto.


É mais ou menos como qualquer cristão deixar de usar o diabo verde ( desentupidor de pias e ralos, um dos melhores que existem) só por que tem diabo no nome.


E pra Katy ouvir música que “não fosse de igreja” era um sacrifício:


Seus amigos lhe passavam cds escondidos, e ela tinha que escutar tudo sozinha e escondida.


"Eu não tive infância. Vim de uma família muito intolerante, mas sou tolerante", disse ela.


Katy é um retrato do que acontece no mundo, com filhos de pastores ou pessoas religiosas altamente legalistas:

Acham que tudo o que não vem “da igreja”, é do diabo.


Assim, não assistem programas que não sejam evangélicos (ou católicos);


Não escutam rádios que não sejam “cristãs”,e só adquirem cds e dvds desses “artistas”;


Usam, de preferência, roupas de griffe cristã;

Os adesivos de carro são apenas de dizeres bíblicos, ou de Maria com um terço;


As revistas, jornais, tudo enfim, só podem ser “do ramo”.


Tem até uma denominação de Igreja aqui no Rio que os membros só podem tomar o Guaraná Jesus (um refrigerante sabor tutti- frutti originário do Maranhão, provei e gostei):


Pois segundo eles, a Coca- Cola é do diabo.


O mundo gospel gera essas loucuras, promove medo, e o resultado da repressão, é que várias gerações ao longo dos anos cresceram sem ter infância.


Isso, pra quem veio de igreja desde muito cedo...


Pois os que entram agora, e aceitam essa ideologia doentia, deixam de viver de imediato:


Deixam de viver a liberdade em Cristo que o evangelho oferece.


Pois este diz que “todas as coisas me são lícitas, mas nem todas me convém” ( I Corintios 6.12), ou seja:


Precisamos aprender a ter bom senso, segundo nossas próprias escolhas- e não a de outros que venham a dizer o que “pode ou não pode” , como é feito de maneira geral nas Igrejas.


Katy, eu, e talvez você, fomos vítimas de ensinamentos religiosos repressores.


Quantos mais ainda serão vítimas deles?


Lee