domingo, 1 de maio de 2011

Os Amigos de Jó sempre estão a nossa volta


E disse o SENHOR a Satanás: Observaste o meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele.


Então Satanás respondeu ao SENHOR, e disse: estende a tua mão, e toca-lhe nos ossos, e na carne, e verás se não blasfema contra ti na tua face!


E disse o SENHOR a Satanás: Eis que ele está na tua mão; porém guarda a sua vida.


Então saiu Satanás da presença do SENHOR, e feriu a Jó de úlceras malignas, desde a planta do pé, até ao alto da cabeça.


Ouvindo, pois, três amigos de Jó todo este mal que tinha vindo sobre ele, vieram cada um do seu lugar:


Elifaz o temanita, e Bildade o suíta, e Zofar o naamatita; e combinaram condoer-se dele, para o consolarem”. (Jó 2. 3-7,11)


A maré tinha mudado na vida de Jó:


Antes rico e com saúde, agora perdera tudo.


Nesse processo, inclui-se 10 mil cabeças de gado, e seus 10 filhos (sete filhos e três filhas).


Três amigos vieram consolá-lo - até aí, tudo bem.


O problema, é que começaram a consolar segundo um pensamento religioso muito característico da religião, e que vem desde aquela época, até os nossos dias.


Eles acharam que tudo aquilo de ruim que estava acontecendo na vida de Jó, era culpade um “afastamento” de Jó em relação a Deus;


E que ele estava andando de maneira “incorreta”.


Então respondendo Bildade, o suíta, disse:


Mas, se tu de madrugada buscares a Deus, e ao Todo-Poderoso pedires misericórdia;


Se fores puro e reto, certamente logo despertará por ti, e restaurará a morada da tua justiça. (Jó 8. 1,5,6)


Seguiu-se então um grande interrogatório religioso, tentando ver aonde Jó” havia errado”.


Nenhum deles sequer desconfiou que era um momento de prova na vida de Jó, cuja paciência ficou famosa a todos.


O ministério da saúde adverte:


Tome cuidado com amigos “religiosos” demais, mas sem o amor verdadeiro de Deus, no coração.


Muito conhecimento religioso, mas sem amor prático-efetivo, vai deixar qualquer um sendo um "amigo de Jó”;


Muito conhecimento teológico, muita falação gospel, sem entendimento do evangelho, que é muito simples, nos transforma em “Doutores de sofrimento de Jó”.


Enquanto Jó estava com o corpo se rasgando por fora -as úlceras do pé a cabeça – e a alma rasgada por dentro – a perda dos filhos- o que faziam os amigos dele?


Uma “mesa redonda”, igual essas que vemos sobre os debates do futebol da noite;


Uma grande sabatina legalista, com o próprio “convidado especial”.


Jó, justíssimo perante Deus...mas para os amigos, um pobre condenado pecador.


Muito cuidado com seus amigos – sobre o ponto de vista deles, sobre você:


Pode ser totalmente fora da realidade - segundo os padrões da terra, ou segundo padrões comuns religiosos:


E não sobre os padrões Divinos, para uma vida saudável – que inclui provas ocasionais, como visto acima, na vida de Jó.


Sucedeu que, acabando o SENHOR de falar a Jó aquelas palavras, o SENHOR disse a Elifaz, o temanita:

A minha ira se acendeu contra ti, e contra os teus dois amigos, porque não falastes de mim o que era reto, como o meu servo Jó.

Tomai, pois, sete bezerros e sete carneiros, e ide ao meu servo Jó, e oferecei holocaustos por vós, e o meu servo Jó orará por vós;

Porque deveras a ele aceitarei, para que eu não vos trate conforme a vossa loucura;

Porque vós não falastes de mim o que era reto como o meu servo Jó. (Jó 42.7,8)


O que os amigos de Jó falavam, parecia ter sentido racional – "Esse cara tá assim por que fez algo de ruim";


O que os amigos dele diziam, pareciam ter senso comum religioso.


Só que o termo usado por Deus, era que aquilo tudo que eles diziam, era loucura.


Moral da história:


Não se importe com o que os outros pensem sobre você...


Jó estava com o corpo podre, e alma dilacerada.


Ainda assim, era reto perante Deus...os amigos dele, não.


Lee

(Quer saber como terminou essa história?)


E assim abençoou o SENHOR o último estado de Jó, mais do que o primeiro; pois teve catorze mil ovelhas, e seis mil camelos, e mil juntas de bois, e mil jumentas.


Também teve sete filhos e três filhas.


E depois disto viveu Jó cento e quarenta anos; e viu a seus filhos, e aos filhos de seus filhos, até à quarta geração.


Então morreu Jó, velho e farto de dias. (Jó 42. 12 -13, 16-17)