quinta-feira, 30 de junho de 2011

Sobre Pérolas e Porcos


Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis aos porcos as vossas pérolas, não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se, vos despedacem.” (Mateus 7.6)


É chocante esse contraste de Pérolas com Porcos.

Antigamente, muito mais do que hoje, as pérolas eram consideradas tesouros com valor inestimável.

Antes da criação das pérolas cultivadas, as pérolas naturais eram tão raras e tão caras que ficava reservada apenas para membros da nobreza e pessoas muito ricas.

Já a criação de porcos, em qualquer aldeia que se passasse, tinha um...fora os que se perdiam e circulavam pelas cidades.

Ou seja, Pérola era uma coisa rara, cara, bonita, e preciosa;

Porco tinha em todo o lugar, era comum de se ver, e adora se jogar numa lama.

As pérolas, são as preciosidades que Deus coloca no coração do homem.

O grande erro, que infelizmente é o que mais ocorre, é o seguinte:

Quando a pessoa compartilha essa preciosidade com quem não lhe dá valor.


Toda vez que alguém compartilha uma preciosidade de alma a algum insensato, um tolo, a alguém desalmado, a um fofoqueiro, um criador de casos, você deu pérola pra porco.

E o resultado não pode ser outro: Decepção, tristeza, amargura, infelicidade.

Seja cuidadoso na revelação de intimidades, dores de alma, dúvidas:

Ás vezes, falamos na inocência, na intenção de ajudar, etc...


Esse mandamento de Jesus nos protege de amizades falsas, de namorados suínos, de companheiros 'sugadores de alma' e de irmãos – sejam da carne ou de igreja, mas que não têm espírito de amor e de cuidado com a alma do próximo.


Tome sempre cuidado com quem você abre seu coração.


Lee



segunda-feira, 27 de junho de 2011

Qual o Futuro da Grécia?


Amanhã (quarta-feira) a Grécia pode pegar fogo.


Um pacote de "austeridade" pedido pela União Européia, e que pode resultar na demissão de milhares de pessoas, será votado amanhã.


A população grega está apreensiva:


O tal pacote pode reduzir salários pela metade, deixar gente sem teto., um verdadeiro caos.


O "Berço da civilização"merecia mais que isso...


A Grécia nos deu os Pensadores, nos deu o Teatro, nos deu a Mitologia, nos deu' Iliáda' e 'Odisséia', e nos deu até um vislumbre do futuro :


O Apocalipse foi revelado na Ilha de Patmos (que existe até hoje), a João.


Alías, Paulo pregou em Atenas sobre “O Deus desconhecido” no famoso Aerópago, local de debates de magistrados, sábios e filósofos onde foi ouvido (Atos 17.22-34)...


Tirando os curiosos – debate era “uma distração da época”- Dionísio e Dâmaris lhe deram ouvidos.


Morei na Grécia por um ano, quando tinha 7 anos.


Engraçado que, apesar de agitado, quando via os monumentos e sinais de arte, parava para ouvir:


Eu sabia que estava num lugar especial.


Fui no mesmo Aerópago, fui na Acrópole – ela está sempre em reformas, até hoje- fui no Parthenon, na Corinto antiga, em Tessalônica, e numa ilhazinha linda que não lembro o nome.


Comprei um Buzuki, espécie de cavaquinho grego, e um kobolói, que lembra um terço, mas que os mais velhos usavam para fazer uma espécie de “cama de gato” com as mãos.


Fui no estádio do Panathinaikos, onde meu ex-cunhado fez testes (ele era goleiro)e foi aprovado pelo técnico Aimoré Moreira, mas por causa do visto, só pôde ficar um mês...convivi com boleiros.


A primeira mulher bonita que vi na vida foi uma grega:


Pelo menos naquela época, a grega era bonita ou feia, não tinha “mais ou menos”.


Era uma morena com botas longas que vi no elevador do hotel...


Desde então, acho mulher com botas um charme só.


Foi na Grécia, ainda criança, quem diria, que fui parar numa delegacia:


Invadi” a da minha rua com um 38 de brinquedo e apontei para o escrivão, que ficou branco.


Aí, dei uma gargalhada, que foi quando o velho bigodudo viu que era de brinquedo.


Ele me puxou pelo braço, xingando muito em grego (que aprendi a falar na rua, e hoje não me lembro de nada) e me mostrou o corredor das celas:


Nem precisava de tradução, aquela cena...


Tinha uma padaria perto da minha rua, onde ao se pedir pão, quem pegava era um velho

de bigodes brancos, atrás do balcão, e que também era padeiro.


Só que para pegar o pão, ele pegava com as mãos...


Não sei se nos anos 70 isso era de praxe por aqui, mas por lá, ele cuspia em cada mão, esfregava uma na outra, e pronto- pegava o pão pra gente!


Que álcool em gel que nada – uma cusparada era a melhor assepsia!


O segredo do pão grego sempre quentinho e fresquinho estava naquela cusparada!


Até que um dia, minha mãe foi comigo a padaria – eu não revelara o segredo do pão – e ficou chocada com a descoberta – nunca mais pediu que eu comprasse pão dali...


Mas a Grécia é sinônimo de cultura, e foi minha descoberta da sétima arte que me fez um cinéfilo de ver e rever filmes, até hoje.


Meu pai me levava ao cinema, que se transformou em minha paixão.


Eu ia toda a semana ao cinema, e lá conheci o cinema europeu:


O Francês – de ação com Jean Paul Belmondo, as comédias com Louis de Funnés, Vi Gerard Depardieu novinho, os westerns italianos, tudo entrando com o meu pai, que se responsabilizara por mim, mesmo não tendo idade pra entrar.


A Igreja ortodoxa, uma cisão do catolicismo, era a predominante na época, e o é até hoje.


Lembro que tive que ir num batizado nessa igreja, e fiquei morrendo de medo dos sacerdotes de barbas longas, andando com seus incensos, soltando um fumacê danado.


Pedi ao meu pai pra me tirar dali, estava com muito medo de ser “cozido”.


Foi na Grécia que eu, um Batista por formação, conheci os Presbiterianos:

Não havia Igreja Batista por lá, e frequentei uma Igreja Presbiteriana no Centro.

Quando fui embora, eles me chamaram á frente, e me deram um carrinho vermelho de presente....adorei.


Minha espiritualidade cresceu quando iámos a um encontro no meio da semana de pessoas de várias partes do mundo, todas cristãs.


Tinha Americano, Chinês, Africanos, Europeus, Sul- Americanos, Vietnamitas...


O encontro era em inglês, e todos falavam de sua fé, e naquele momento, virávamos uma grande família, sem denominação, sem pátrias, sem ideologias políticas:


Era uma espécie de “Imagine” cristã, só faltava o John Lennon com o piano.


Mas foi num elevador de hotel na Grécia que obtive um aprendizado que não me esqueço até hoje.


O elevador parou entre os andares...


Meu pai me perguntou que se um de nós dois tivesse que sair dali vivo, “qual de nós dois deveria sair”?.


Respondi que tinha que ser ele, por ser mais velho...

Errado”, me ensinou. “ Eu vivi mais do que você. Você que teria que ser salvo com vida”, me disse ele, militar da Marinha, a serviço da embaixada – motivo pelo qual estávamos lá.

Me lembro que houve uma reunião no Hilton Hotel – do pai da Paris Hilton – que não sei por quê, permitiram levar a criançada.


Fiz amizade com um americano, e fui parar na piscina do Hotel, de roupa social, doido pra dar um mergulho, já bem de noite...

Foi ali, ainda criança, que vi que rico era muito fresco, nas festas deles a comida era toda pequena, com minis canapés e uns patêzinhos sem vergonha:

Bem diferente das festinhas onde eu pegava um monte de coxinha de galinha grandonas, Kibes fartos, aqui no Brasil...


Eu passava sufoco com meu jeito simples nos restaurantes chiques com vista para o mar mediterrâneo:


Enquanto eles comiam frutos do mar, eu só queria saber de um bom bife...


Até hoje, não como nada do mar.


A Grécia deu muita coisa boa para o mundo, em todos os sentidos.


E me deu muita coisa boa , também em vários sentidos.


Merecia muito mais que um pacote-bomba preparado para ela.


Lee, que lia Mickey Mouse em grego - tenho os gibis até hoje.





sábado, 18 de junho de 2011

Quando Coisas Ruins Alcançam Pessoas Boas


A verdade, é que todo mundo se choca quando algo ruim acontece a alguém “bom”.

A gente fica se perguntando o por quê isso pôde acontecer...

Creio que um dos facilitadores da nossa compreensão, é não olhar sob o prisma humano, mas sob a perspectiva divina:

No Mundo, tereis aflições”... (João 16.33)

Fica mais fácil do que a pergunta infantil “ Por quê Deus permite isso”?.

Na verdade, Ele não queria...foi uma escolha do homem.

Logo no Gênesis, a partir do terceiro capítulo, só rola coisa ruim em direção a todos:

Antes num mar de paz, sendo um administrador da criação, Adão e Eva quebram a única regra estabelecida ao homem (comer do fruto proibido) e aí vem toda essa série de ruindades.

Irmão matando irmão, opressão de poderosos sobre o mais fraco, invenção de facas, lanças, e machados como instrumentos de guerra, sangue se espalhando...

E finalmente, o dilúvio, pra “faxinar” a terra.

A dor é recorrente em praticamente cada personagem bíblico:

Um livro inteiro só de sofrimentos – – é escrito.

No entanto, tais sofrimentos também nos servem de consolo:

A superar a dor de uma perda, como Davi (filhos mortos,melhor amigo morto, etc);

A ter forças para recuperarmos o que perdemos (Jó);

Em momentos de aflição, como ser injustamente preso (José, Paulo e Silas);

E em tantas outras situações contrárias.

A verdade é, que se pararmos para uma análise, veremos que a cada dia aumenta a violência e degradação.

Mortes banais em trânsito, briga de torcidas, cracolândias;

Guerras do narcotráfico, guerras de países, etc;

Vamos na verdade é chegar a seguinte conclusão:

Como é que, ainda assim,o bem consegue nos alcançar na terra?

A realidade dessa consciência, é que nos trás força para perceber a graça de Deus que chega até nós, nesse mundo louco em que vivemos.

E que nos ajuda a manter nossa esperança quando aquilo que vemos de mal acontecendo ao próximo, chegando em nossa direção.

Não se assuste, não se desespere, não se precipite:

É assim mesmo – infelizmente... Muitas vezes, dói.

Deus não abandona, ao contrário do que ensinam na TV, por quem está passando por isso.

Ele ensina a vencer com “bom ânimo”....foi assim que Jesus venceu...

Mas foi com dor.

Lee

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Animais ao Volante: Impunidade Garantida


O Ministério Público do RS denunciou o bancário Ricardo José Neis por 17 tentativas de homicídio triplamente qualificadas.

Ele era o motorista do Golf preto que atropelou ciclistas integrantes do grupo Massa Crítica em Porto Alegre, que chocou o país, no final de fevereiro deste ano.

Ele ficou preso temporariamente, mas a 3ª Câmara Criminal do TJRS concedeu Habeas Corpus para determinar a soltura dele... a decisão ocorreu em 7 de maio.

No dia 6 de fevereiro de 2000, o pagodeiro Alexandre Pires atropelou e matou com seu Jeep o vendedor José Alves Sobrinho, que estava em uma motocicleta.

Ele havia saído de uma boate em Uberlândia e trafegava além do limite de velocidade.

Alexandre negou que estivesse alcoolizado, e estranhamente nenhum exame foi feito no cantor no dia da batida para determinar se ele havia bebido:

Um acordo de 250 mil foi pago a família, e tudo foi resolvido.

Em 1995, Edmundo chocou seu Cherokee com um Fiat Uno na Lagoa, zona sul do Rio.

O ex-jogador chegou a passar uma noite na cadeia em função dos homicídios culposos de três pessoas e lesões corporais também culposas em outras três vítimas.

Voltou agora pra cadeia em função do mesmo processo, concluído em 99, mas foi solto 17 horas depois:

Ganhou um Habeas Corpus...

A desembargadora aceitou as alegações da defesa de Edmundo, que argumentou que a prisão era ilegal porque a sentença ainda não foi transitada em julgado (percorrido todas as instâncias judiciais)...

O Ministério Público ainda pode recorrer.

É muito difícil condenar alguém por atropelamento no Brasil, especialmente se for artista ou atleta.

Poucas exceções, como agora a do ex- deputado estadual do Paraná Carli Filho:

A Justiça do Paraná decidiu na tarde desta quinta-feira manter a decisão de levar a júri popular.

Ele é acusado de atropelar e provocar a morte de Gilmar Rafael Yared, de 26 anos, e Carlos Murilo de Almeida, de 20 anos, além de dirigir sem carteira de habilitação.

Nos EUA, um caso de atropelamento sem prestar socorro, mesmo que tenha sido sem querer, dá três anos de cana.

E é cana mesmo, de uniforme laranja, e tudo:

Por lá, não tem essa de somente indenizar, de penas alternativas, etc...

Considera-se a vida perdida, acima de tudo.

Os animais ao volante recebem uma grande complacência da justiça brasileira.

Os juízes parecem não entender o “espírito da lei”, e tão somente seguem-na nos menores detalhes:

Favorecem sempre ao réu com seus inúmeros recursos, que duram anos...

Nenhum Juiz tem peito pra condenar, e ver seu trabalho desfeito numa instância ou tribunal maior, com medo de virarem motivo de deboche por outros...

Por isso, todos caem no denominador comum de “ a lei da direito a isso, por isso não posso fazer isso, tenho que soltá-lo, etc...Muitos se escondem atrás da lei, com medo.

Soma-se a isso, que muitas pessoas tem uma relação com seus carros a lá Dr. Jekyll e Mr. Hyde, do romance de Louise Stevenson, chamado aqui no Brasil de o Médico e o Monstro:

Por fora, antes de entrar no carro, são tranquilos como o Dr. Jekyl, mas assim que tomam a poção química (no caso, entram no carro), viram a fera grotesca Mr. Hyde.

Até quando assassinos ao volante serão considerados meros “descuidados”?

Estamos virando feras grotescas quando nos sentamos ao volante?

Afinal, qualquer 'Animal' dirige a 173 km na cidade e acha normal, como o Edmundo.

Lee

terça-feira, 14 de junho de 2011

Um Cara de Mente Aberta


A intransigência de quem deveria ter uma mente aberta para debate, nas mais variadas áreas, sempre me chamou a atenção, no meio religioso.

De nossas escolas religiosas, iniciadas pelo Padre Anchieta assim que chegou ao Brasil, foram raras aquelas em que se abriu um debate para o que acontecia em sua época.

Uma boa exceção sempre surge de vez em quando, mas logo é sufocada pelo legalismo, que diz que ali “não é o local para aquilo”...quem estudou em escola religiosa, como eu, sabe disso.

O mais curioso de tudo, é o motivo pela qual foram criadas as escolas religiosas, é que em tese, estas transmitiriam os valores cristãos.

E o valores vindos Dele – de Cristo – são valores vindos de uma mente aberta, que sobretudo, questionou os valores religiosos 'inquestionáveis 'da época.

Com raiva, muitos desses líderes religiosos, quiseram mesmo matar Jesus, por isso.

Jesus era um cara de mente aberta, que não fugia a debates- a não ser aqueles que já estavam armados contra Ele, e desconcertava com "um fora" seus inquisidores.

Foi questionado até com respeito a pagar os Impostos Romanos, e deu a sua opinião - “Dai a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus”.

Mas principalmente, tinha uma mente aberta a tudo e a todos:

Jesus mostra um interesse pela variedade de vida, de maneira completa.

Na carpintaria, sobrevivia como artesão antes de sua missão – sabia o que era “dar duro no trabalho”;

Quando menino, entrou no templo e debateu com sabedoria a cerca de coisas elevadas, deixando os doutores da lei de boca aberta;

Nunca estudou em escolas formais, mas lia;

Era um observador da natureza - “Olhai os lírios do campo, vejam os pardais “;

Era observador de gente - “As pessoas procuram a primeira fileira nos templos- não será assim com vocês” (para os discípulos); “Aquela viúva deu tudo o que tinha”, etc;

Nunca se casou, mas sabia tratar as mulheres com carinho;

Nunca plantou uma planta sequer, mas sabia do trabalho do agricultor;

Nunca teve filho, mas mandou os discípulos liberarem a vinda das crianças para abraçá-lo, como um pai carinhoso;

Não era metereologista, mas entendia de tempos e estações.

Ele sabia que sempre existiria pobreza na terra, e sabia que governantes inescrupulosos fariam de tudo pra se manter no poder;

Ele sabia até que iria morrer jovem, mas se comportou com a postura e dignidade de quem sabia o por quê deveria passar por isso.

Uma mente aberta, antenada nas coisas de seu tempo, e nas coisas espirituais muito mais ainda.

Por quê os que se dizem Dele não tem essa mente aberta?

É uma coisa qua a minha mente não entende até hoje.

Lee




sábado, 11 de junho de 2011

Brasil Carimba Visto de Permanência para Bandidos Internacionais


Foi um absurdo essa votação do Supremo, que libertou um terrorista há alguns dias atrás, mesmo com a Itália pedindo a extradição dele.

Na Itália, Cesare Battisti está condenado a quatro prisões perpétuas pela acusação de ter assassinado várias pessoas nos anos 70.

Alberto Torregiani, é filho do joalheiro Pierluigi, que morreu em 1979 durante um tiroteio contra membros do grupo de extrema-esquerda Proletários Armados pelo Comunismo (PAC), que Battisti integrava:

Ele tinha 15 anos na época do ataque e estava na joalheria no momento da troca de tiros, quando foi baleado e ficou paraplégico.

O problema é que entre as várias medidas malucas do Lula (apoiar o Presidente assassino do Irã, ser amigo de Hugo Chaves e Evo Morales, bater ponto em Cuba) ,foi a de no fim do ano passado, considerar esse elemento um “perseguido político”.

E pra piorar, o Supremo, talvez ainda sob o efeito da votação arco- íris, mandou soltar a fera que estava presa há 4 anos.

Antes disso, Battisti vivia entre nós como um próspero dono de restaurante.

Com isso, o Supremo deu um carimbo dizendo que isso aqui é uma espécie de refúgio oficial de bandidos internacionais...é só chegar que tem vaga.

Desde o nazista Dr. Menguele, que veio pra cá logo depois da Segunda Guerra;

De Ronald Biggs, que esteve no maior assalto a trem da história da Inglaterra, e era tratado como aristocrata pela elite aqui do Rio de Janeiro, nos anos 70;

E tantos outros menos famosos, que aprontaram em seus países, e vieram pra cá na certeza da impunidade.

O Supremo se acovardou e prestou um desserviço a nação, com essa medida.

E tem gente que ainda quer que o Brasil tenha um cadeira no Conselho de Segurança da ONU...

Só se for uma cadeira elétrica.

Como diria Vin Diesel, interpretando um bandido que vem se refugiar aqui no Brasil em Velozes e Furiosos 5:

This is Brasssiiiilllll” !!!!

Uma grande nação que hospeda bandidos de fora, sem problema nenhum, é só mandar.

Lee




quinta-feira, 9 de junho de 2011

O Caso Lanna Holder - Uma Fábrica de Pregadores Doentes

Lanna Holder e Rossania


Nos últimos anos, tenho visto vários Pastores deixando o ministério.


As causas mais comuns são desânimos e decepções...


Conheço vários que largaram os púlpitos e abraçaram a sala de aula:


Vários se tornaram professores, muitos de Universidades;


Outros, cursaram Psicologia, e abriram consultórios;


Outros ainda, se tornaram funcionários públicos, ou abriram negócios.


Desses, apenas eventualmente alguns pregam aqui e ali, sem aquele ritmo de antes.


Pelo menos, não estão mais atuando forçosamente, como alguns que dependem de igreja- estão decepcionados, mas não tem para onde correr.


Pior ainda, são alguns que são doentes – e aqui não me refiro a doenças físicas, mas as doenças da alma, e que insistem em permanecer atuando, em vez de buscarem ajuda.


Pastor sente dor, tem conflitos, dúvidas, frustrações, problemas de família, como todo mundo.


Mas seu rebanho espera que ele seja o exemplo de homem perfeito, de ter família perfeita, de ser mulher perfeita (se for missionária, Pastora, ou esposa de Pastor), e de ter filhos perfeitos.


E maldito é aquele que aceita esse tipo de visão distorcida – E a maioria aceita.


Pastores, Missionários e Missionárias que tem problemas de alguma ordem, em especial aquele que vai gerar conflito com seu ofício, deveria imediatamente buscar ajuda.


Isso fica ainda mais difícil, se a pessoa é de um círculo Pentecostal:


Por lá, tudo é do diabo, tudo é o diabo que faz, a pessoa tá endemoninhada, etc.


Aí, a pessoa se enclausura, e quando estoura o problema, parece uma represa que foi dinamitada, se espalhando água por todos os lados.


Foi o que aconteceu agora com a Lanna Holder.


Eu vi um dvd dela há cerca de 10 anos atrás...sua história de vida, contada a todos, emocionava, e exaltava o poder de Deus.


Pouco tempo depois, quando eu passava uma semana de férias em Belo Horizonte, soube que em um mês por lá, ela pregou em 30 igrejas diferentes, praticamente uma igreja a cada dia da semana, tal era a solicitação por ela, aqui no Brasil.


Lembro que na época, pensei: “ Como ela consegue”?


Ora, se até no Novo Testamento vemos Jesus “fugir da multidão” para descansar...


Sim, Lanna ganhava muito dinheiro com isso, claro...nada era de graça, e tem igreja que vive disso pra "chamar a audiência", chamar gente "em evidência"....é triste.

Até que um dia, veio a primeira “rachadura na represa”:


Lanna largara o marido e o filho pequeno, e se envolvera com uma mulher, nos EUA.


Separação, e claro, condenação do chamado meio evangélico:


Nesse meio, escândalo sexual é pior do que matar, desviar dinheiro, virar macumbeiro, etc. Se divorciar então, é um caos pra pessoa.


Lanna foi para a geladeira do ostracismo gospel, que é mais gelada que a Sibéria.


Seis anos depois, diz voltar, como se se diz no meio evangélico, “restaurada”...isso foi ano passado.


Mas eis que nesse início de mês todos são surpreendidos com a notícia reveladora:


Lanna vai abrir uma Igreja com foco nos homossexuais – especialmente as lésbicas – chamada “ Comunidade Cristã Cidade do Refúgio”, em São Paulo.


A Represa, dessa vez, se rompia de vez...


E sua auxiliar é a mesma com quem teve o caso anos atrás, e que deixou também o marido, uma pastora:


Elas saíram do armário gospel, assumiram de vez, e vão fazer o que estavam acostumadas – pregar na igreja – Essa sempre foi a vida delas.


O meio religioso produz isso, muito mais do que as pessoas imaginam.


O meio Pentecostal então, onde as pessoas são orientadas a parar de tomar remédio para Deus curar – e morrem;


No mesmo meio Pentecostal, onde procurar um Psicólogo é sinal de que é maluco ou endemoninhado, essas questões são ainda mais difíceis.


Creio que não será o primeiro nem o último caso que veremos de pessoas conhecidas no mundo gospel de darem uma mudança radical, totalmente contrária ao estilo de vida do evangelho.


Tem muitas represas gospel para estourar ainda, infelizmente, por falta de um tratamento adequado;


Além de outras que necessariamente, pelo caminho que trilham, vão ocorrer, em especial os ministérios milionários que temos visto hoje em dia, cheio de gente que aparece na TV.


O meio gospel, infelizmente, é uma fábrica de pregadores doentes, que não se cuidam, e por isso um dia vão estourar.


Lee