domingo, 10 de julho de 2011

Encomendando a Própria Morte

Aproximando o fim de semana, sempre dou uma olhada nas revistas semanais de informação, á fim de ver se há algo interessante.

Muitas vezes deixo de comprá-las, quando os assuntos não me interessam, ou se são tão somente banais, ou aquela mesma descoberta de corrupção de ministros do governo.

Ás vezes, as três principais (Veja, Época, Isto É) conseguem vir sem nada a dizer...

Sem falar no excesso de propagandas que vem nas mesmas – é a propaganda que paga a revista, e não nós.

Mas a Veja dessa semana me chamou a atenção por uma reportagem de apenas três páginas, que na verdade, deveria ser a manchete de capa, e ser melhor explorada.

Em vez disso, Veja deu preferência a matéria de capa sobre o sucesso dos concurseiros, a turma que passou em vários concursos:

A maioria pôde largar emprego ou estava desempregada e ficou apenas estudando, ao contrário da maior parte das pessoas, que tem de trabalhar.

Ao final, as dicas deles foram muito fracas – quem é concurseiro como eu, e leu a matéria, já sabia daquelas 'dicas' todas.

Mas lá no coração da revista, bem no meio dela, estava a melhor reportagem:

Sobre uma advogada – que curiosamente estava fazendo cursinho preparatório para concursos – e que encomendara a própria morte.

Giovana Mathias Manzano, de 35 anos, moradora de Penápolis, cidade a 420 km de São Paulo, encomendou a própria morte, pagando para um criminoso matá-la.

Giovana foi diagnosticada com transtorno Borderline (nada a ver com a canção da Madonna):

Ele provoca altos e baixos, dá depressão, e aumenta o risco de suicídio.

Giovanna descobrira ser uma filha adotiva, e esse sentimento de rejeição pela mãe verdadeira, nunca mais a abandonou.

Em sua carta-despedida (comum aos suicidas) disse :

Amor era tudo o que eu queria”.

Tentou preencher esse amor com um casório – um erro que a maior parte de mulheres com tendência a depressão, cometem – e não adiantou:

Passou a maior parte dos 8 anos de casada tendo uma Poodle por companhia.

Giovana tinha acompanhamento médico e tomava remédios.

Como boa parte de pessoas que não sabem “viver pela fé” sem nada em troca- inclusive as que estão nas igrejas- fez uma oração infantil, 'condicionando' Deus..

Ela era casada com um jovem delegado, e ao prestar concurso para a polícia, pediu pra Deus:

Se for para me reprovar no exame físico, nem me passe no escrito”.

Passou, mas foi reprovada no exame físico, e quebrou tudo dentro de casa em especial objetos religiosos - “Não acredito mais em Deus”, disse.

Mas em nenhum momento, li sobre algum preparo físico, que todos dessa área de segurança, com antecedência, precisam ter – corrida de resistência, tiro de 100m, etc.

E Deus nunca vai correr por ninguém, nem botar anjo pra empurrar...essa é nossa parte.

Após o baque, a advogada matriculou – se em curso preparatório...e se separou.

Ao se separar do marido, foi tentar preencher o vazio da alma novamente com homens:

Dessa vez, através da internet.

Conheceu um, marcou encontro,foi ao salão dar um trato, comprou vestido novo, mas em cima da hora, o rapaz desmarcou o encontro.

Sentindo o golpe, Giovana contrata um matador, pede pra levar dois tiros na cabeça, e dá o dinheiro pra ele comprar gasolina e queimar o carro, além de seu 'pagamento'.

Foi encontrada morta com três tiros, quase ao lado do carro queimado.

Após 10 dias de investigação, a Polícia descobriu a história bizarra,e prendeu o matador.

Giovana considerava sua vida insuportável, e a falta de amor próprio, levou-a a esse fim.

Mas o mais triste, é que a cada dia, ficamos sabendo das Giovanas e Giovanis que também acham suas vidas insuportáveis, e estão quase 'pagando' alguém para lhe darem um fim.

E como aquele vazio de alma – uma paz que somente Deus é capaz de colocar no coração de quem pede e busca – é trocado por “amores humanos” que não satisfazem.

Pois nenhum amor de homem, de mulher, de animais, pode superar o amor divino.

Esse amor ampara, conforta, dá segurança.

Os outros, por melhores que sejam, são limitados á condição humana – ou animal – que é imperfeita, jamais preencherá o que só um amor maior preenche.

E, sobre tudo isto, revesti-vos de amor, que é o vínculo da perfeição. (Colossenses 3.14)

Lee

Na Sessão Revival, Madonna também estava Borderline (No Limite):


http://youtu.be/-Htu9QWrx24