sexta-feira, 15 de julho de 2011

Paul McCartney É da Minha Igreja


Sonhei um sonho”, como diria José do Egito.

Nele, eu entrava na minha Igreja aqui na Tijuca – o culto já havia começado, e era pela manhã.

Estava no 'momento de louvor', onde são cantados alguns cânticos, mas havia algo de diferente...

Só quando me sento no banco, é que percebo Sir Paul McCartney lá na frente, mas não sozinho:

Estava em meio a dois jovens e uma adolescente – ele tocava trompete ao lado deles, e em determinada hora da música, todos entravam juntos com o naipe de metais.

Senti” que ele era o Ministro de Música da Igreja- Responsável pela parte da música da mesma.


A música era contagiante – vibrante, mas ao mesmo tempo reverente; Nada daquelas repetições chatas, cheias de termilogias gospel;

E Paul e os 3 jovens da Igreja que o acompanhavam (reconheci a adolescente posteriormente) tinham as faces serenas e alegres, sem aquelas caras contorcidas que o Diante do Trono faz.


A Igreja estava lotada. Mas não por causa de Paul – além de todos estarem acostumados a ele, havia um sentimento de 'buscar a Deus' como poucas vezes senti na vida.


Após os cânticos, todos se sentaram para ouvir a mensagem- Esta seria entregue por uma missionária africana, vestida a caráter, vestido amarelo, e com turbante estilo Herculano Quintanilha em 'O Astro' (mas sem ametista...rs).


O Pastor de nossa Igreja a apresenta á congregação, ela começa a pregar, e todos a escutam silenciosamente...

Nessa hora, eu me levantei pelo corredor lateral, e é como se toda a Igreja estivesse 'congelada', assistindo a mensagem:


Fui em direção á frente (sempre pela lateral) e aí vi como a Igreja estava cheia...até a galeria, toda lotada.

Passei perto de Paul, que estava no primeiro banco perto do púlpito, assistindo atentamente a mensagem.

Então saí pela porta lateral que há na igreja, e aí vi outra cena:

Vi um velho de cabelos brancos e bigodão também branco,de terno cinza e gravata, segurando a Biblia na mão, e saindo da igreja bufando de raiva.


É um absurdo deixarem um homem como aquele tocar na Igreja!”, resmungava bem alto, para quem quisesse ouvir.


Enquanto ele ia embora, eu de fora, olhava a porta que ficou aberta, com todos no salão atentos a pregação que ocorria naquele momento.


Acordei.


E assim que acordei, a melodia que Paul e seu grupo tocou, ainda estava na minha mente, muito forte.

Eu pensava que era “uma das músicas dele” adaptada,mas quando fui procurar no CD que tenho com as melhores 17 músicas de sua carreira, ela não estava.

Na verdade, aquela era uma composição única, e quisera eu saber ler música para anotar as notas, que estavam bem vivas na minha mente.

Na maioria das igrejas, não sei por quê , vemos pessoas muito novas na frente do louvor, como se música fosse, dentro delas, coisa pra gente mais nova.


Culpa dessa nova geração de grupos de louvor – Dificilmente vejo gente mais madura dentro de uma equipe assim, pois todos ao longo do tempo, vão 'abandonando o barco', e ás vezes, são substituídos por gente mais nova ainda.


A mescla que via no sonho- Paul tem 68 anos, tem vitalidade pra tocar 3 horas em pé, e toca 5 instrumentos – com jovens e adolescentes, significa que música foi feita para todas as idades.

E que é para ser conduzida por pessoas de todas as idades, não só as mais novinhas.

A Missionária africana vestida de trajes típicos, representa a pessoa vestida como ela é – no dia a dia, sem togas sacerdotais, sem “vestes pesadas como as de Saul”:

Representa um pregador sem formalidades- e mulher, ainda por cima, pois púlpitos não podem ser apenas restritos a homens.


O velho resmungão representa a velha Igreja, pesada e cheia de ranço, que se escandaliza ao ver algo saudável, mas fora do pacote tradicional, com seus ritos e costumes ultrapassados – ainda tem um monte de gente assim, em todas as igrejas.


E eu acordei todo feliz...

No meu sonho, pelo menos, posso dizer:

Paul McCartney se converteu, e é da minha Igreja – É o Ministro de Música dela.


Lee