domingo, 11 de março de 2012

A Cruz e as Lésbicas



Há uns 4 dias atrás,a Liga Lésbica fez um pedido ao tribunal de Justiça do RS, á fim de retirar os crucifixos das salas de audiência do tribunal. Eis a notícia da Gospel Prime, retiradas do Terra e do Zero Hora:

"A Justiça do Rio Grande do Sul acatou o pedido da ONG Liga Brasileira de Lésbicas e vai retirar crucifixos e símbolos religiosos de todas as salas do Judiciário do Estado.

Em fevereiro, a Liga Brasileira de Lésbicas pediu à presidência do TJ-RS a retirada das imagens religiosas.

O Conselho da Magistratura do Tribunal de Justiça (TJ-RS) decidiu por unanimidade após votação na primeira sessão do ano do conselho.

O Tribunal gaúcho considerou que a presença de objetos religiosos nos fóruns e na sede do Judiciário vai contra princípios constitucionais de um Estado laico".

Estado Laico, é o Estado não religioso, o que o nosso Estado - Brasil - é considerado.

Existem milhares de salas de Tribunais, câmaras legislativas, e escolas, algumas de formação não religiosa, país afora, com esse símbolo- a Cruz.

A Cruz é o símbolo do Cristianismo, e se o nosso país é laico na letra da lei, não o é na formação:

Assim que desceram da Caravela, uma das primeiras coisas que Pedro Álvares Cabral fez foi mandar o Padre fazer uma missa de agradecimento.

Olha, quem me conhece, sabe que estou longe de defender religião - ao meu ver, essa é um dos grandes "abutres da alma" do homem moderno, e me refiro ao seu sistema.

E quem me conhece, sabe que odeio as intolerâncias contra quem quer que seja:

Inclusive aos gays e as lésbicas.

Os primeiros apanham direto país afora - como aqui no Aeroporto Internacional do Rio, onde Taxistas juntaram na porrada um casal gay que não quis entrar no carro por este ser pirata:

Gays são inteligentes, críticos e de bom senso, ás vezes muito mais do que "machões".

Mas voltando, dizer que o Cristianismo não é presente no país, desde as escolas Jesuítas na formação da Educação do País, é ser um desconhecedor da história.

E sim, cruz cabe melhor na igreja, pois ela significa sacrifício, preço pago, resgate...

Para mim, significa também novidade de vida:

Eu posso viver uma nova vida, pois meus pecados foram pagos nela, por Cristo.

Ou seja, entra no âmbito da fé...

E mesmo assim, tem cristãos- os evangélicos- que torcem o nariz para ela nas igrejas, pois a acham um símbolo tão somente católico...pura besteira.

No tribunal, sim, cabe melhor a justiça, em forma de mulher, segurando a balança, com os olhos vendados...

Também não gosto, em especial nos tribunais americanos, daquela Bíblia que o oficial traz para a pessoa fazer juramento...como se esta fosse constranger alguém a dizer a a verdade.

Mas o que essa liga, ao meu ver fez, foi combater intolerância com intolerância.

Culpa dos Malafaias da vida, que não sabem expressar suas opiniões com amor, mas sim com intolerância, e agressividade semelhante a raiva canina.

Resultado:

Daqui pra frente, essas ações judiciais de entidades homossexuais, serão uma constante, e tão igualmente intolerantes com qualquer coisa que se diga religiosa.

Agirão com a intensidade com que agem assim contra eles.

E não vamos poder reclamar, pois em especial os evangélicos, fazem o mesmo, desprovidos de qualquer senso de amor do evangelho.

E não se espantem se, como diz o Nélson Motta, as "Sapatas" se unirem para uma nova ação no Tribunal do Sul:

Exigirem que no lugar da cruz, fique um sapato 44 pregado na parede;

E que a bandeira do estado seja substituída por uma bandeira "arco íris".

Porque até na hora da briga, a mulher, mesmo sendo "mulher macho", é muito mais "porreta" do que o "homem gay".

Lee