quinta-feira, 24 de maio de 2012

As Dez lições que os Vingadores podem ensinar a Igreja de Hoje



O Pastor Greg Stier, que trabalha com jovens e lidera um ministério de evangelismo, escreveu um breve artigo para o 'The Christian Post' com objetivo de causar reflexão sobre como o trabalho em conjunto pode levar a igreja a vencer sempre.

Ele se utilizou da Equipe dos Vingadores, como exemplo.

Ele enumerou 10 lições que os Vingadores podem ensinar a Igreja de Hoje.

Vou colocá-las abaixo, e comentar o porquê elas muitas vezes não se realizam.


1. É difícil fazer com que eles lutem juntos, mas quando decidem fazê-lo, as pessoas são salvas (Filipenses 1:27).

Era cada um por si no início, ninguém queria se unir, no filme. Na Igreja moderna, o isolamento das denominações, e mesmo de igrejas de denominações, dificulta muito em "salvar as pessoas".

2. Eles aprenderam a lidar bem com as diferenças (Gálatas 3:28).

A igreja NUNCA lidou bem com as diferenças. Nem com as de seus próprios membros, muito menos com as pessoas de fora dela, o alvo maior da missão.

3. Bruce Banner (Hulk) tem um grande “poder interior” que ele pode usar a qualquer momento (Efésios 6:10).

Não somos estimulados a usar o nosso 'poder interior', que fala o versículo- "fortalecer no Senhor e no seu poder". Tudo tem de estar a um toque, ser tangível, enquanto o justo vive pela Fé, não por vista nem sentimentos. E quando as coisas não vão bem, dizem que é ausência de Deus na nossa vida. A igreja anda em depressão.

4. O Homem de Ferro tem uma armadura impenetrável e sabe como usá-la (Efésios 6:13.

Pouco se ensina em como usar essa armadura.

5. O Capitão América tem um poderoso escudo e sabe como usá-lo (Efésios 6:15).

Estamos tão vulneráveis aos disparos e golpes da vida, pois nosso escudo é o escudo da fé - bate no ponto 3, novamente.

6. Thor empunha uma arma capaz de destruir o inimigo (Efésios 6:17).

Em Efésios, essa arma chama-se "espada do espírito", que é nada mais, nada menos, do que a palavra de Deus. Se não a conhecermos, tomamos marteladas, a começar do falso mundo gospel, ou seja, de "dentro de casa".

7. Hulk não se curva diante de outros deuses [Thor, Loki] (Êxodo 20:3).

Mas a Igreja se curva a Mamom, entidade que Jesus identificou como "deus do dinheiro".

Há mistificação de dízimos, chantagens espirituais, e um diabo a quatro nessa área. Ninguém quer ajudar ao próximo, fazer ação social.

E se vc passa apertos, é porquê "está em dívida$ com Deus".


8. Eles não têm um plano de ataque. Eles só têm um plano… ATAQUE! (Tiago 1:22).

Até hoje, a Igreja moderna usa a lorota gospel " Deus tem um plano pra sua vida". Só que quem diz, ou melhor, repete a frase, não sabe dizer nem qual é o plano de Deus pra vida dele.

9. Seu líder tem cicatrizes (Isaías 53:3-6).

O texto refere-se as cicatrizes de Jesus, na qual fomos sarados.

Nick Fury com um olho só enxerga muita coisa. Todo bom guerreiro tem uma cicatriz.

Mas a igreja em geral prefere gente bonita, sem ruga, sem cicatriz, de preferência jovem, e que saiba tocar um instrumento pra entrar na banda do louvorzão.

Seus líderes em geral só tem a preocupação de ver a casa cheia, sem tapa olhos.

10. Eles estão unidos por um objetivo comum (Mateus 28:18-20).


Com o passar do tempo, o 'objetivo comum foi' trocado por um clube social, com regras e linguagem próprias...convidados nem sempre são bem vindos ao grupo.

Ás vezes, é como ir a um clube aos domingos, sem piscina, futebol, e churrasqueira.

Mas com muita música gospel.


Lee

terça-feira, 22 de maio de 2012

Entendendo a Torre de Babel Japonesa


Foi inaugurada a maior torre de Tókyo, a "Skytree" (árvore do céu), de 634 metros.


Ela tem quase duas vezes o tamanho da Torre Eifel, e só é menor do que a maior torre do mundo, que fica em Dubai.


Toda vez que vejo essas megas torres - um prédio nas grandes cidades é necessário, devido a falta de espaço urbano, para escritórios de comércio, etc- me lembro de Babel.


E vejo como o "espírito de Babel" se mostra presente até hoje.


Babel, em Gênesis, era uma enorme torre que os homens queriam construir:


Assim como a Skytree, os homens do passado também queriam fazer uma "árvore que encostasse no céu".


"Depois disseram: "Vamos construir uma cidade, com uma torre que alcance os céus.
Assim nosso nome será famoso e não seremos espalhados pela face da terra".
(Gen 11.4)

A motivação de quem constrói algo assim, está ligado ao orgulho, a fama própria, ao reconhecimento.

O coração de quem constrói essas coisas, está impregnado desses sentimentos.

Não há motivação social- ainda mais em Tokyo, que é pequena, sem espaços, para construir um edifício de apartamentos;

Não há motivação pra construir um grande e equipado hospital;

Nem mesmo um enorme hotel, com vagas de sobra para turistas.


A motivação, pura e simplesmente, é "ser grande".


No caso do Japão, ao meu ver ainda tem uma característica "fálica":


Eles sabem que a piada mundial sobre eles é de que os homens tem "pinto pequeno", e isso é uma espécie de compensação psico-coletiva.


"Podemos ter pinto pequeno, mas agora temos uma grande torre".

Enfim, no princípio, se a intenção era não ser 'espalhado pela terra', posteriormente, foram espalhados, mas não falando a mesma língua:


"O Senhor desceu para ver a cidade e a torre que os homens estavam construindo.

E disse o Senhor: "Eles são um só povo e falam uma só língua, e começaram a construir isso. Em breve nada poderá impedir o que planejam fazer.


Venham, desçamos e confundamos a língua que falam, para que não entendam mais uns aos outros".

Assim o Senhor os dispersou dali por toda a terra, e pararam de construir a cidade.

Por isso foi chamada Babel, porque ali o Senhor confundiu a língua de todo o mundo. Dali o Senhor os espalhou por toda a terra
".(Gênesis 11:4-9)


O objetivo de nossos projetos pode ter o mesmo espírito de Babel, e dessas torres modernas:

Apenas ser uma forma gigantesca de aparecermos...mas assim como essas torres, não servir pra nada:

Só pra tirar fotografia.

Lee