terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Uma Igreja " Globalizada"


Estava lendo a notícia da Gospelprime, site sobre notícias cristãs, e me deparei com mais uma notícia que faz com que entendamos como anda a igreja brasileira dos dias de hoje.

Eis a notícia:

"A aproximação da Rede Globo com os evangélicos continua rendendo. Depois de contratar vários artistas gospel para sua gravadora, Som Livre, e exibir o Festival Promessas, o próximo passo deve ser uma “heroína evangélica” em uma de suas produções(novela).

Amauri Soares, o coordenador dos projetos especiais da Globo, irá almoçar com o pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo. A conversa deve ser sobre os “interesses comuns” entre emissora e evangélicos, afirma a Folha de São Paulo.

Além disso, Soares deverá ter uma reunião ainda este mês com o bispo Robson Rodovalho, da igreja Sara Nossa Terra.

Esses encontros com os líderes evangélicos são um desdobramento da reunião em 12 de novembro passado, quando 17 pastores estiveram no Projac, os estúdios da Globo no Rio.

Embora muito criticada por segmentos da igreja, essa reunião teve como pauta “apoio e cobertura” para eventos como Marcha para Jesus, Dia do Evangélico e Dia da Bíblia".


Malafaia vem se gabando de ser "o pastor com o maior acesso a rede Globo", logo ele, que anos atrás, cansava de malhar a mesma em seus programas.

Eu fico pensando na necessidade cada vez maior que essas igrejas tem de querer aparecer na Globo:

É como se só fossemos igreja, se aparecermos na Globo.

Começando com os cantores, que fazem agora no Faustão e no Caldeirão, o momento de louvor que antes faziam na Igreja - O fazem no palco ao lado de dançarinas que, num espetáculo bisonho, ainda tentam fazer as coreografias da música cantada;

O antigo Cassino do Chacrinha, pelo menos ainda era mais autêntico na sua forma circense.

Pois desde Aline Barros, até o Diante do trono, agora são da Som Livre, tentáculo musical da Globo.

E agora Malafaia e sua turma pedem heroína gospel na novela...pelo amor de Deus.

Jesus nunca foi pedir para ninguém em sua época, apoio midático, ou político, para o evangelho.

Ele pregava tanto para Nicodemos, Mestre da Lei, como para "publicanos e pecadores", segundo os olhos do povo.

Cada vez mais que vejo essas notícias, o que mais me espanta são as pessoas da igreja achando isso "o máximo", uma grande conquista".

Ora, a Globo só faz isso por dinheiro, pois sabe que desde a venda de cds, shows , marchas disso e aquilo, é lucro certo, pela massa de participantes.

Não existe nada de divino, puro, abençoado nisso - É tudo negócio, e de altas cifras.

O mesmo ela fez com os Padres cantores.

Jesus falou bem claro sobre essa mania de grandeza, de querer um certificado de legitimidade social, um reconhecimento dos homens, em Mateus 20, 26 a 28:

"Não será assim entre vós; mas todo aquele que quiser entre vós fazer-se grande seja vosso serviçal;

E, qualquer que entre vós quiser ser o primeiro, seja vosso servo;

Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos".


É dessa legitimidade que precisamos - e não a "Global".

Lee