quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Israel, a Disney Evangélica dos Crentes


Israel se tornou a Disney Evangélica dos crentes.

Na foto acima,vendedores de agência de viagens especializada em Israel se vestem de beduínos para atrair fregueses, com direito a camelo e tudo, durante feira gospel em São Paulo.

Todos os anos milhares de brasileiros das igrejas evangélicas, em sua maior totalidade, saem para conhecer Israel e passar pelos locais por onde Jesus passou.

Diversas denominações e ministérios realizam caravanas com destino à Terra Santa promovendo passeios que variam de 4 a 12 mil reais, dependendo do pacote.

O sonho de vários crentes, é de se batizar no mesmo Rio Jordão que Jesus se batizou, e mesmo quem já é batizado nas águas, ao lá chegar, não resiste, e "se batiza" novamente.

Vejo que Israel se transformou na Disney Evangélica, quando de uns tempos pra cá, aumentou a oferta de pacotes turísticos vinculados á Igrejas:

Igrejas essas, em que o Pastor líder se torna o garoto propaganda da agência que vai levar o grupo, e claro, fatura uma comissão em cima ;

Quando o desejo de visitar a "Terra Santa" mais parece uma obrigação, tal como o Ramadan do Alcorão (Nono mês do calendário Islâmico, para renovação da fé);

Quando os crentes que foram se sentem superiores aos que não foram, quando voltam á igreja, destilando uma "vaidade santa";

Quando acham que, ao participarem dessa viagem, estão protegidos das agruras da vida (por terem se batizado no Jordão, por exemplo)- Protegidos "espiritualmente", ou seja, não adoecerão, passarão dificuldades, etc;

Quando acham que, pelo esforço feito (Via sacra,Monte das Oliveiras,Tumba de Cristo), Deus irá abençoá-los,esperam receber algo em troca.

Alguns voltam com uma versão da Síndrome de Jerusalém (pessoas que visitam Israel, e por distúrbio psicológico, acabam se achando o próprio Messias), no caso,a "Síndrome da Santidade"- Se achando mais santo do que quem não foi.

Virou moda igreja ou ministérios,em especial os de maior poder aquisitivo, passearem em Israel.

Lucram agências turísticas, agências de viagem,Igrejas, pastores líderes de caravanas, Guias turísticos malandros, vendedores espertos, que vendem desde "mantos de Jesus", até "canecos da Santa Ceia".

O sentido histórico- cultural é muitas vezes relegado a segundo plano, buscando-se a ênfase metafísica, um 'pentecostalismo judaico', Uma "sobrenaturalidade Cristã",em ação.

Um dia, tal os personagens da Disney, veremos Jesus e os 12 discípulos, crucificação, e todo aquele teatro gospel que a gente vê em igreja na época da Páscoa, por lá.

Escolha sua caravana e embarque nessa, porque eu, to fora.

Se um dia eu for, será em outros moldes, jamais no "gospel show'

Lee



domingo, 10 de novembro de 2013

Cheiro do Cigarro e o Cheiro da Vida


Eu sempre fui atraído pelo cheiro do cigarro.

Vi meu pai fumando desde os 6 anos de idade, e talvez isso possa ter influenciado...

Já que ele gostava, devia ser uma coisa boa.

Até que um dia na escola, assisti uma palestra sobre tabagismo, isso devia ser na terceira série - Fiquei horrorizado, pois achava, em minha inocência, que ele não sabia disso...

Contei a ele, que estava fumando no momento, ele fingiu que não sabia e apagou o cigarro, fingindo que não ia mais fumar - Morreu com um maço de Marlboro na antiga "capanga(espécie de bolsa a tira colo masculina, comum nos anos 70), cerca de dez anos depois desse episódio:

Deixou uma coleção de cinzeiros do mundo todo.

A solidão fazia ele fumar, pois nos quase 40 anos de Marinha, foram muitas longas viagens de navio - E a solidão é uma das causas do fumo, pois o cigarro se torna uma espécie de companhia - Tanto para homens, quanto para mulheres.

Antigamente, antes das leis de restrições ao fumo (só em Nova York, é proibido fumar em mais de 1.700 lugares, incluindo aí o ar livre)fumar tinha glamour:

Nos filmes, quase todos os personagens fumavam...era chique o homem acender o cigarro da mulher, com um belo isqueiro.

Várias meninas começaram a fumar por isso, achavam bonito. Muita gente começou a fumar, porquê viam nos filmes Hollywoodianos, e a moda era copiar cortes de cabelo, roupas, e o...cigarro.

A verdade é que nos anos 50,nos EUA, pouco se sabia dos males do fumo, até começarem as pesquisas.

Assim, fumar era normal, tanto o cigarrinho da roça, quanto na cidade, no Brasil foi assim também.

Os missionários americanos, que trouxeram o evangelho ao Brasil, fumavam normalmente.

O Pastor era visto fumando seu cigarrinho na rua, nos seus afazeres.

Nunca tiveram problema com isso...afinal, até há bem pouco tempo atrás, havia salas de fumo nas grandes igrejas, tanto nos EUA quanto na Europa:

Eu mesmo estive em uma com meu pai, em Londres, quando estes se confraternizavam num salão de uma Igreja,quando eu era pequeno.

Martin Luther King só foi alvejado na sacada do hotel onde estava, porquê saiu pra fumar um cigarro.

O problema do fumo entre os "crentes" só surgiu na terceira geração de missionários que vieram ao Brasil, que começou a dizer que aquilo era "pecado".

Mas você pode fumar e "ir pro céu" - talvez mais cedo...o fato é que vai fazer mal ao pulmão, mas não tem nada a ver com vida eterna.

Experimente almoçar todos os dias no MacDonalds, pra ver se o efeito não é o mesmo.

Enfim, apesar de sempre ter sido atraído pelo cheiro- até hoje - e de ter convivido com pai, tios e tias fumantes, nunca fumei.

Acendi vários cigarros para outros na vida, mas nunca pra mim mesmo.

Talvez porquê encontrei na vida cheiros que me atraíam mais:

Cheiro do mar, na praia;

Cheiro do mato, na floresta;

Cheiro de terra molhada, uma delícia;

Cheiro da chuva, quando em terreno aberto.

Talvez não sentisse esses cheiros, se estivesse fumando:

Era provável que o cigarro estivesse afetando meu olfato, e não conseguisse sentir o cheiro da natureza.

Preferi o cheiro da vida.

"Tudo me é permitido", mas nem tudo convém. "Tudo me é permitido", mas eu não deixarei que nada domine (1 Coríntios 6:12)

Lee

domingo, 3 de novembro de 2013

Sobre Cosme & Damião, Halloween, e Girafas demoníacas


Foi uma sequência difícil para os crentes, em se tratando de datas, em que vários líderes do meio gostam de impor a seus fiéis proibições relacionadas á "macumba", feitiçaria, e "jogos demoníacos":

Cosme e Damião(27 de setembro),Halloween (31 de outubro), e a brincadeira da girafa, que rolou no Facebook, por estes dias.

E Isso porque ainda nem chegamos ao Natal, aonde alguns pastores conseguiram estragar vidas, pois relacionaram o mesmo á ação satânica...mas isto é assunto para outro post.

Jesus disse sobre os Fariseus - Os Mestres da religião do tempo Dele:

"Eles atam fardos pesados e os colocam sobre os ombros dos homens, mas eles mesmos não estão dispostos a levantar um só dedo para movê-los" (Mateus 23:4)

Criança evangélica fica frustrada por não pegar doce em Cosme & Damião, alguns pais ainda compram um saco de doce pra tentar aliviar a frustração da criança. Mas a maioria não: Diz que é 'do diabo', e não pode, e ponto final.

Nunca "passei mal", quando minha mãe, evangélica, proibia - Comia na rua com os amigos da escola, nem precisava correr atrás, sempre alguém entregava.

Nunca fiquei sob "possessão", "influência maligna",nada.

Nenhuma amiguinha minha virou "Carrie, a Estranha", nunca vi ninguém se transformar numa criatura de filme de terror.

Enfim, se alguém tá pagando promessa com doce, "consagrou a santo",nenhum dos vários suspiros que comi (escondido, claro) me "atingiu".

Botavam um terror, em vez de, ao menos tentar explicar o que criam, sob uma lógica de amor á criança.

Já o Halloween, veio de 2.500 anos atrás, dos Celtas. Mas foi perdendo o cunho "místico" ao longo do tempo.

Halloween foi introduzido nos Estados Unidos por imigrantes irlandeses, em 1840.

Os vínculos com a tradição celta, e mesmo com a religiosidade incutida pela Igreja foram se perdendo com o passar dos anos. Atualmente, o Halloween é mais uma tradição de cunho comercial.

No dia 31 de outubro as crianças saem para a rua fantasiadas, batendo na porta das casas, e dizendo a frase tradicional: “travessuras ou gostosuras”, para ganhar doces. Entre os adultos, é comum a decoração das casas e a troca de presentes.

O Halloween foi difundido pelo mundo pelo cinema americano.

No Brasil, além da televisão, as escolas de idiomas introduziram a festa entre as crianças e os jovens.

A introdução de uma festa que não tem a ver com a cultura brasileira foi motivo de protestos anti- americanos, o que levou o governo a criar, em 2005, o Dia do Saci, comemorado no mesmo dia do Halloween: Não colou.

Mas creio que o que mais incomoda alguns pastores é o fato de o Halloween ser exatamente no dia em que se comemora a reforma protestante - 31 de outubro, quando Lutero fixou a suas 95 teses na Igreja de Wittenberg, na Alemanha, e rompeu com a Igreja católica:


Eles dizem que é "tática do diabo", pra não se lembrar da data...

Por último, algum perturbado gospel afirmou que a brincadeira de trocar a foto do perfil do Facebook, por uma Girafa, era um jogo demoníaco(se alguém errasse a charada da brincadeira, era obrigado a colocar a foto de uma Girafa em seu perfil - me mandaram a brincadeira, mas achei idiota demais pra participar).


Essa, não dá nem pra comentar...é o tipo de pessoa que, como disse Jesus:


"Guias cegos! Vocês coam um mosquito, e engolem um camelo!" (Mateus 23,24)

O autor dessa pérola, tinha que trocar a foto dele no perfil do Facebook, não por uma de um camelo:

Colocava uma de burro, que cairia bem.

E assim segue os perturbados Gospel, até a próxima estação:


O Natal. Papai Noel e a árvore serão os Judas da vez, mês que vem.


Lee