sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

As Dores de Alma de quem cuida das Almas


Domingo passado, Padre Marcelo Rossi confessou sua depressão profunda no Fantástico:

Perdeu 40 quilos, vive tropeçando e caindo na esteira em que se exercita, e está muito magro e abatido.

Eis que vejo que em um Mês, 3 Pastores americanos, de renomadas igrejas, cometeram suicídio - Um se matou com um tiro na cabeça.

O filho de Rick Warren, Pastor influente na América,e que orou na primeira posse de Obama, se suicidou.

E no final do mês de novembro, uma menina que eu conheci, que era da equipe de louvor de uma grande Igreja Batista Carioca há anos, após uma luta ferina contra a depressão, perdeu a batalha contra esta, se jogando de uma cobertura, quando estava vendo um apartamento para alugar.

Estranho? Espanta quando nos damos conta, mas infelizmente, é mais comum do que se imagina, entre aqueles que lideram os Rebanhos - e não tem coração de lobo, mas de cordeiros - A depressão, e vontade de morrer.

Segundo o Instituto Schaeffer, 70% dos pastores lutam constantemente com a depressão, e 71% estão “esgotados”.

Além disso, 72% dos pastores dizem que só estudam a Bíblia quando precisam preparar sermões, 80% acredita que o ministério pastoral afeta negativamente as suas famílias, e 70% dizem não ter um “amigo próximo”.

O Instituto Schaeffer também estima que 80% dos estudantes de seminário (incluindo os recém-formados) irão abandonar o ministério dentro de cinco anos(Gospelprime, extraído da Charisma news).

Há muito tempo, vejo essas coisas acontecendo...isso, porque a pesquisa não foi até as esposas de Pastores - Eu mesmo conheci duas que já tentaram se matar.

E por que essas coisas ocorrem no meio cristão...justamente com quem deveria abastecer o rebanho?

São várias as causas mais podemos destacar, entre várias:

1 - A Síndrome da Família Perfeita

Maldito é o Pastor que aceita essa perspectiva de "família modelo". A mulher sofre, os filhos sofrem, em especial os mais novos, deixando de serem crianças e adolescentes normais, por causa de imposição e fiscalização de igreja.
O problema é que um fariseu vem logo com o texto:

Ele (o Pastor) deve governar bem sua própria família, tendo os filhos sujeitos a ele, com toda a dignidade. Pois, se alguém não sabe governar sua própria família, como poderá cuidar da igreja de Deus?” (I Timóteo 3.4 – 5).

Sem a perspectiva do amor que Jesus falou, vira manual pra comportamento de Pastor - Coitado de quem vive debaixo desse jugo.

2 - A Síndrome do Sucesso Ministerial

Querer, ter, ficar maior, multidões,sinais externos e humanos de sucesso, tv, rádio, falar em congressos. Enquanto o evangelho ensina justamente o contrário - Repartir, sentar atrás, caminhar a segunda milha, etc.

Quem segue o modelo de sucesso ministerial desse mundo, e não do evangelho, pode até ter sucesso segundo os homens, mas existe um preço muito grande a ser cobrado, e alma não vai aguentar.

3- A Ingratidão das Pessoas

Muitas vezes, o Rebanho é injusto. Se esquece que ali vive "gente como a gente",que só se disponibilizou a cumprir uma missão sacerdotal. Exigem e sugam até a raiz da alma,e quando não servem mais, segundo o padrão deles,dão um pé na bunda.Simples e terrivelmente, assim.

4- A Imersão apenas Ministerial, se Esquecendo de viver

Pastor tem que ir a Praia, a Floresta, Jogar bola, fazer exercícios físicos - uma Arte Marcial ajuda - fazer musculação, tirar férias, passear com a família, ir ao cinema, ler livros que não sejam só de Teologia.

Alguns se envergonham de tentar fazer isso, e alguém da igreja descobrir...e daí? outros, ainda tem praia e cinema como "pecado", por exemplo, isso ainda é muito comum. Pastor nunca vai precisar fazer sermão "obrigado" quando der um mergulho num rio, numa praia, de respirar o ar fresco da mata, da Floresta. Pastor tem que viver, fazer faculdade fora de sua área, estudar.

Pastor tem que viver tudo isso - E aí sim, orar, preparar sermão e estudo, nada disso será enfado.

5- Deve se Preparar para ter outra ocupação, que não seja Ministerial

Conheci um pastor que levou pé na bunda de igreja, após 20 anos na mesma, por motivo de perseguição.De uma hora pra outra, estava desempregado, aos 48 anos de idade, e com 4 filhos e esposa.

Se não tivesse estudado enquanto teve a oportunidade, o que iria fazer da vida? Mas cursou direito, e viveu somente como advogado por seis anos, até que novamente voltou ao ministério, em uma igreja menor, e sem depender financeiramente da mesma.O que entrava, era bem vindo, mas ele tinha o dele.

Em geral, é bom conciliar uma atividade paralela, como Professor, Psicólogo, Funcionário Público, etc, para que não fique "refém" de igreja.

Todos tem alma, e alma muitas vezes, sofre ferimentos ao longo do caminho...imagine os responsáveis por ouvir tantas histórias, saber tanta coisa, sobre tanta gente.

Quem cuida de almas, também tem dor de alma.

Lee