sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Ter as Costas da Barbie ou Encarar a Vida de Frente?


Li que na Inglaterra a nova moda agora é a "Barbie Back":

Mulheres estão em busca de "covinhas" logo acima do bumbum, iguais às da boneca, nas costas.

Segundo o "The Telegraph", um cirurgião britânico cobra 2 mil Euros pela cirurgia:

Por oito mil reais, estão fazendo as costas da Barbie na mulherada.

Aqui no Brasil, A modelo Andressa Urach apresenta quadro "estável" e "melhora significativa", após uma infecção causada pela aplicação de hidrogel nas pernas, procedimento que foi realizado há cerca de cinco anos.

Ainda não há previsão de alta dela - A menina quase morreu, por isso.

Vários casos de aplicação de injeções desse tipo, inclusive por gente não habilitada, tem levado á morte meninas que querem ficar parecidas com suas atrizes, cantoras, ou bonecas favoritas...

O engraçado é que a Mattel, empresa responsável pela boneca, disse que as formas da Barbie nunca foram criadas com a intenção de criar um padrão de beleza:

"Ela foi feita, na verdade, para que as garotas vestissem e despissem as roupas da boneca, com mais facilidade”, defendeu a designer Kim Culmone, vice-presidente da Mattel em entrevista para o site “Fast Company Design”.

Essa foi a primeira vez que a empresa se pronunciou sobre a polêmica, após um turbilhão de estatísticas acusando a Barbie de causar danos psicológicos nos jovens:

Um estudo realizado pela Universidade de Sussex, da própria Inglaterra, em 2006, concluiu que bonecas muito magras podem fazer com que as crianças criem uma distorção da imagem corporal, correndo mais risco de sofrerem algum transtorno alimentar.

Já o site “Rehabs” mostrou que as medidas da Barbie, 91cm de busto, 40cm de cintura e 83cm de quadril, estaria abaixo do índice de massa corporal para que uma mulher conseguisse menstruar:

Ela nem estaria viva - Só teria espaço para acomodar metade de um fígado e poucos centímetros de intestino.

Não queira ter um corpo de boneca:

Você não é de plástico.

E ao começar a querer imitar tanto a boneca, quanto a quem vive fazendo cirurgias plásticas para parecer uma eterna boneca, você se tornará plástica de alma, vazia, preocupada só com aparências, photoshops...

Irá ter que colocar botox de 4 em 4 meses, virando escrava de consultórios dermatológicos...

Celulite não é fim de mundo;

Rugas, são linhas que contam a nossa história;

E bunda, só serve pra sentar.

Quem se neurotiza com seu corpo, além dos cuidados básicos com a alimentação e exercícios, viverá só para isso, e de sua boca, só fluirá esse tipo de conversa chata...

A vida é bem mais que o mundinho perfeito da Barbie:

Não tenha as costas dela...

A vida, a gente encara de frente.

Lee









quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

A Espera de um Milagre


Li na Web:


" Peter Wald, 52 anos, tinha uma vida normal na cidade de Hamilton, Canadá, até que uma visita ao médico indicou que ele tinha um estágio avançado de diabetes que acabou causando uma infecção na perna. Dizendo não acreditar no poder da medicina, ele e a família decidiram apenas orar e esperar em Deus por um milagre de cura.

No entanto, a saúde de Wald só piorou. Algum tempo depois, entrou em coma e morreu. A família decidiu ficar com o corpo em casa e desde então oram todos os dias pedindo sua ressurreição.

Quando a polícia veio executar uma ordem de despejo, após a família ficar meses sem pagar o aluguel, encontraram o corpo em estágio avançado de decomposição em um quarto fechado, no segundo andar da casa. Ele estava coberto por cobertores, para minimizar o cheiro.

“Nós confiamos em Deus, pensei que se deixasse tudo nas mãos dele, as coisas ficariam bem. Mas isso não aconteceu”, explicou Kaling, 50, esposa do falecido. Segundo as leis canadenses, ela será indiciada por não comunicar o falecimento de seu marido e ainda pode responder por que a família negou socorro, pois a doença era facilmente tratável".

O problema da Teologia da prosperidade, é esse:

Entre seus ensinamentos, nenhum filho de Deus pode ficar enfermo.

Ou seja, em vez de tomar remédio pra controlar a diabete, preferiu deixar a doença se agravar e virar infecção;

Em vez de levar ao hospital para tratar da infecção, esperou morrer pra tentar a categoria mais alta de milagre:

A ressurreição.

Não rolou.

Fé burra, sem nexo, que ainda vitimiza muita gente de igreja.

Lee



terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Uma Igreja McFeliz



Li na web que existe um projeto de mesclar o McDonald`s com as igrejas Católicas. Diz o texto:

“Combinando uma igreja com o McDonald's nós podemos criar uma igreja popular, autossustentável e engajada com a comunidade”, diz o texto de apresentação do projeto, liderado por Paul Di Lucca, que trabalha na agência Lux Dei, especializada em criação de marcas para igrejas.


Segundo o projeto, "apenas nos EUA, cerca de 3 milhões de pessoas deixam de frequentar igrejas por ano, e, em 2013, 10 mil paróquias fecharam as portas naquele país. Por outro lado, o McDonald's serve 70 milhões de refeições todos os dias, atraindo 9 milhões de famílias aos restaurantes da rede".

O mesmo publicitário ainda disse, entre outras pérolas, que " O cristianismo é incapaz de capturar públicos modernos", e que “Nós precisamos resolver esse problema rapidamente ou as comunidades paroquiais como conhecemos vão deixar de existir. É hora de as igrejas se unirem ao empreendedorismo”.

Ou seja, a salvação agora virá via Ronald McDonald´s, não mais por Jesus.

Novamente o pensamento de que se deve encher igrejas a qualquer custo, seja através de shows, de espetáculos de mágica- Os falsos milagres - E agora, através da barriga.

A Ceia será hamburguer no lugar do pão, e Coca no lugar do suco de uva.

Na classe de crianças, Mc Feliz, com distribuição de brinquedos bíblicos...já pensou uma Arca de Noé completa com a bicharada, o chamariz que vai ser pra molecada?

Moisés abrindo o Mar vermelho? Santa ceia com os 12 discípulos?

Mas pensando bem, em igrejas show, já existem os fast foods da vida- Na catedral da Fé, do Macedo, aqui no Rio, tem um Bob´s lá dentro.

Enfim, o Evangelho, pra muita gente, está se tornando algo apenas "fast", bem passageiro, que vc engole rápido, e logo a seguir, tá com fome de novo, pois isso não alimenta.

Bem, to no Shop teclando isso...bateu uma fome...

Vou no Burguer King, só de sacanagem.

Lee


segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Karen Chorou no Ônibus, Mas Sorriu pra Vida



Voltando do curso de Metrô, resolvi dar um pit stop em Botafogo, terra dos filmes alternativos, não comerciais, aqui no Rio.

Assim, me chamou a atenção o cartaz de " Karen Chora no Ônibus", comprei o ingresso 15 min antes da sessão, passei no Burguer King ao lado pra forrar o estômago, e estava pronto pra luta.

Sim, fiz isso pois tava a fim de relaxar vendo um filminho, mas o problema do cinéfilo é que, por gostar tanto de cinema, já tinha visto todos os filmes que me interessavam...assim, só me restava ir pra Botafogo.

O filme é Colombiano, e por gostar tanto de filmes argentinos, meus ouvidos já estão se acostumando a escutar o idioma sem precisar ler as legendas...gracias, Ricardo Darin.

Karen vivia há muito tempo com o maridão, um cara sem sal, que só vive para o trabalho, algo a ver com corretagem de seguros.

Vivia só pra ele, não estudou, cuidou apenas dos afazeres domésticos...ainda bem que não teve filhos.

Cansada da vidinha que levava, resolve largar tudo, o que para ela, não foi fácil:

Sem emprego, conseguiu alugar um quarto num muquiço do centro de Bogotá, sem água quente, e com banheiro coletivo com uma permanente "cucaracha" : A barata fez Karen ficar dois dias sem conseguir tomar banho ali...é o tipo da situação em que se sente falta de um homem.

Dinheiro acabando, ela se fazia de vítima de assalto, e ficava pedindo dinheiro de passagem nos pontos da cidade, além de pequenos furtos em supermercados.

Pra tomar um banho decente, ia a casa da mãe, mas evitava isso, pois esta vivia insistindo pra voltar ao lado ao lado do maridão:

" Eu e seu pai, mesmo com problemas, ficamos juntos até o fim", dizia, ao qual Karen retrucava:

"Mas mal se falando e dormindo em quartos separados, mãe".

Ir pra casa da mãe, definitivamente, não era uma boa pra Karen.

Até que um dia as coisas mudaram:

Karen enfim consegue um emprego decente, numa livraria, ao mesmo tempo que pinta um amor ameaçador:

O cara é escritor de peças, e pede pra que Karen largue tudo e vá com ele pra Argentina:

" Eu banco tudo, vc não precisa trabalhar".

E pede para que ele pegue o terno dele, exatamente como o ex maridão fazia.

Karem precisa então tomar uma decisão:

Recomeçar sua vida, agora que finalmente as coisas parecem engrenar, ou voltar ao cômodo, mas ameaçador, estado de dependência financeira.

A vida de karen é igual a de milhares de mulheres que passam por esse estágio, em algum momento da vida:

Vivem uma vida dedicada a alguém, sob a dependência econômica deste, mas não tem coragem de tomar uma atitude para mudar, e ser feliz:

Karen disse ao marido: " O nosso maior erro, foi termos nos casado".

Karen pagou um alto preço, não aceitou pressão da família e amigos, comeu o pão que o diabo amassou para sobreviver, mas continuou firme em sua decisão:

No dia em que Karen chorou no busão, a vida começou a sorrir para ela.

Existem muitas karens chorando nos coletivos da vida. Mas poucas com coragem para tentar uma mudança, e ser feliz

Lee





quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Call Center da Fé


Fechando o Festival de Filmes do Rio, fui ver "Gonzalez", filme mexicano.

Esse ano só vi oito filmes, contrastando com os 22 do ano passado...e não consegui ver nenhum documentário (ano passado vi uns 4).

Mas sempre tem um filme ou doc que marca...esse ano, no caso, foi esse Gonzalez.

Gonzalez está desempregado, e a única coisa que aparece para ele trabalhar é num call center de uma igreja estilo Universal, lá no México.

O "Macedo" da ocasião atende por Pastor Elias. Gonzalez, ateu, mas duro de grana, vai trabalhar para ele.

Lá é ensinado como consolar por telefone quem liga, mas acima de tudo, é ensinado como pedir dinheiro para o pobre coitado que liga em desespero, que vai de doença, drogas, desemprego, etc.

Nisso também conhece uma atendente do call center, por quem se apaixona.

Gonzalez vê que o negócio é bom, e se disponibiliza a virar pastor pro Macedão de lá, O tal Pastor Elias.

Humilhado por ele, Gonzalez prepara sua vingança:

Assaltar a tesouraria da igreja, e levar o tal Pastor Elias, o líder da igreja, como refém.

"Gonzalez" vai nas entranhas da teologia da prosperidade, do comércio da fé, de se aproveitar de pessoas em desespero, de mostrar o sistema de pirâmides religiosa.

De como uma pessoa com um mínimo de expressão vocal, corporal, mesmo sendo "ateu", pode decorar palavras chave, e se transformar num pastor-vendedor, comerciante da fé, como aconteceu com Gonzalez.

É impossível não comparar com a igreja Universal: Até o logo da Igreja é uma pomba, só que em posição diferente.

Queria eu que todos esses aproveitadores da fé tivessem o mesmo fim do que o Macedão de lá teve.

Filme bom, que nos faz entender os bastidores do "Reino do comércio de Deus".

Lee

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

A Felicidade Não Se Compra




Estava eu de bobeira no domingo passado, quando exatamente ás 11.30h, descobri que havia uma sessão de um filme clássico que eu nunca havia visto:

"A Felicidade Não se Compra", de Frank Capra.

Eu queria ver, pois é com um dos meus atores favoritos do passado, o James Stewart, um dos atores favoritos de Hitchcock.

O problema era que o filme ia começar ás 12.30h, e apenas uma hora antes, eu tava esticado no sofá com o laptop surpreso com a descoberta.

Na trama, George Bailey (James Stewart) precisa pagar uma dívida urgente, e ao ver que não vai conseguir e ser preso, vai tentar o suicídio.

Um anjo é então enviado a terra na missão especial de salvá-lo.

Eu que tinha planejado ficar descansando até tarde em casa, pulei do sofá, e consegui com um táxi chegar até a Sessão de Clássicos do Cinemark faltando dez minutos para começar a sessão (vem aí Chinatown, Ghost, Nascido para Matar, e os Caça Fantasmas, consulte a programação na sua cidade, com os clássicos restaurados).

É muito interessante a abordagem do diretor, mostrando ao anjo partes da vida de Bailey ( em especial quando ele fica surdo de um ouvido aos doze anos), e as aplicações na vida dele no futuro...

O filme mostra como vale a pena "ser justo", amar o próximo, não explorar financeiramente aos outros, e como o próprio céu se mobiliza a ajudar pessoas assim, mesmo nos momentos de maior crise.

Valeu a pena a correria para ver o filme...e a frase marcante no final do mesmo:

"Nenhum Homem é um fracasso quando tem amigos"

Espero pelo próximo clássico.

Lee

domingo, 11 de maio de 2014

Dia das Mães - O Outro Lado da Lua




Nesse dia das mães, além da alegria para muitos - Mães e filhos- Na verdade é um dia de sensibilidade para muitos filhos....bem como para algumas mães.


Nas Igrejas, Creches, e Escolas, a programação é toda voltada para elas.

Costumam entregar flores,lembrancinhas, ter momentos especiais na programação, etc.

Mas...e quem não as tem mais? E quem nunca as teve?

1- Filhos Sem mães

Nunca me esqueço de uma amiga que evitava ir na Igreja nessas datas...ela dizia:

" Eu fico triste, pois vejo todo mundo falando de mãe, e a minha não está mais aqui".

Ela ia á igreja e voltava deprimida, e assim ficava o dia todo....

É preciso haver sensibilidade dos programadores, para se lembrar de quem perdeu sua mãe, nesse dia:

Fazer lembrança das que já foram, e levantar a auto estima do filho/a presente, nesse dia.

Nas escolas, como se tratam de crianças, verificar as que não possuem mais mãe, e ter um cuidado especial com a criança órfã de mãe, nesse dia.

2- Filhos Rebeldes

Muitas mães sofrem nesses dias com a ausência de seus filhos.

Não por estarem distantes em outra cidade ou país; Não por estarem de serviço em seus empregos.

Sofrem porque seus filhos, rebeldes, não dão a mínima para elas, não só nesse dia, mas sempre.

Mas a data ajuda a aumentar a solidão...muitas mães passam esse dia sozinhas.

São filhos que romperam o vínculo não por uma marcação especial da mãe, uma intrusão dela em suas vidas:

São filhos e filhas ingratos mesmo, interesseiros de situações que lhes favoreçam, que não fazem questão de ter carinho com a mãe.

Á você, mãe nessa situação, creia que fez o melhor, com acertos e erros, na criação de seus filhos, e não se sinta culpada, pois você cumpriu sua missão - Deus é testemunha disso. Talvez você venha a ganhar um outro "filho/a" que possa aparecer ao longo de sua vida, para você ajudar.

3 - Preferência de Mães por Filhos

É uma das coisas mais terríveis que uma mãe pode fazer.

Pode gerar um quadro de depressão na idade adulta, daquelas depressões perigosas, mortíferas.

Filho que se sente preterido por mãe, tende a chamar a atenção de outra forma:

Rebeldia, drogas, brigas, inclinações suicidas (tipo não se importar se for atropelado na rua), etc.

Ele vai chamar a atenção - Não é melhor que você dê atenção antes que isso aconteça?

4- Mães Controladoras

Essa mãe sufoca já desde o início da infância.

Não deixa os filhos brincarem do que ele gosta- o gosto tem de ser dela;

Bota o filho/a pra fazer cursos que ela gostaria de ter feito, e enche os dias deles com os mesmos:

Conheço uma que bota a filha pra fazer tênis, inglês, vôlei, curso de música, natação...

A menina passa a semana exausta.

Vários controlam a vida, a carreira, tudo.

Anos atrás, um cara tinha a vida tão controlada a mão de ferro pela mãe- e ele aceitou isso - que somente foi se casar depois dos 50 anos, quando ela morreu.

A mãe o criou tão somente para ela, e não para a vida.

Mães tem que criar os filhos para a vida- Tem de saber que eles, assim como os pássaros, vão bater asas e ir embora, assim que puderem.

Esse é o ciclo natural da vida.

Portanto, nesse dia das mães, existe um "outro lado da lua"...

Temos de saber da existência dele, e ter sensibilidade nesse dia, e sabedoria, para saber que "nem tudo são flores".

Lee




terça-feira, 29 de abril de 2014

O Bernardinho que todo mundo vê na Quadra, e o Bernardinho que Eu Vi - O que Aprendi com Ele



Após 4 meses de ausência, volto ao blog.

O período corresponde ao período que eu passei junto á Unilever, único time de Vôlei profissional aqui do Rio.

O final da história, dessa temporada 2013/2014, terminou com nosso título.

Mas passar a temporada junto a um dos ícones de nosso esporte - Um dos melhores treinadores de equipes, seja de que esporte for - Foi uma experiência gratificante.

Sim, pois Bernardinho poderia dirigir tranquilamente um time de futebol, que esse time seria vitorioso.

Pude aprender e ver o comportamento dele na quadra, e fora dela, nos desafios que foram surgindo ao longo desse ano.

Convivi com ele quase todos os dias, inclusive aos domingos, em dois períodos, manhã e tarde:

No esporte, não existe feriado, fim de semana etc - Treinamos no carnaval, e inclusive na sexta feira santa, bem como no sábado, só folgando no domingo de páscoa.

Bernardinho dá palestras para executivos de todo Brasil, e estima-se que as mesmas não saiam por menos de 50 mil reais;

Já deu palestra lá mesmo na Urca, no quartel de Educação Física aonde treinamos, na Escola Superior de Guerra, para os Generais do Exército Brasileiro.

Mas o que pude aprender "in loco', com ele? Quatro coisas, correspondente a uma para cada mês, a partir do dia em que cheguei...vou listá-las abaixo:

1 - Mantenha o Foco naquilo que está fazendo, ainda que esteja fazendo várias coisas ao mesmo tempo

Treinador da Seleção Masculina, e do Time da Unilever, ele também grava comerciais pra TV.

Mas ele consegue levar isso na boa...o que quase tirou Bernardinho do foco, foi um convite para se candidatar ao Governo do Rio, por um partido ao qual ele é filiado.

Por aqui no Rio, os candidatos as próximas eleições são terríveis, tipo o diabo concorrendo com o cramuião, com o capeta correndo por fora.

Deu pra perceber que o convite mexeu com ele, que tinha que dar uma resposta até o prazo legal de encerramento do TRE...Bernardinho é apaixonado pelo Rio, e tem o carinho do povo por aqui.

A família foi contra. E tem Olimpíada por aqui, daqui há dois anos(seleção).

Ele preferiu manter o foco no trabalho dele,e após essa decisão de não participar, parece que ele ficou até mais leve.

2- Tenha Resiliência quando o Furacão de problemas passar por sua vida

Na área da psicologia, a resiliência é a capacidade de uma pessoa lidar com seus próprios problemas, vencer obstáculos, e não ceder à pressão, seja qual for a situação.

Na reta final da Superliga, surgiu o "Dossiê do Vôlei", onde um repórter da ESPN revelou supostas irregularidades, inclusive desvios de verbas que o Banco do Brasil destina a CBV (Confederação Brasileira de Vôlei).

Isso resultou num pedido de demissão do Presidente da entidade - Acontece que o referido Presidente e Bernardinho, dizem, nunca se 'bicaram', só se toleravam.

Bernardinho foi acusado de vazar o tal dossiê para Imprensa.

Isso o deixou sem dormir por 2 dias - Lembro quando foi para um treino de segunda com a cara inchada de tanto chorar, e de sono, e que teve que molhar o rosto e a cabeça pra ficar acordado.

Foram dias tensos, em que todo um trabalho poderia ser jogado fora, caso ele explodisse - O que seria normal diante da grave circunstância daqueles dias.

Mas quer saber? Ele nunca "descontou" em nenhuma atleta, nem em ninguém do Staff, nos treinamentos, durante os dias seguintes aquele escândalo.

Segurou a onda. Serviu de escudo pra não abalar o time - Naqueles dias, iam repórter aos montes por lá, não pra cobrir o time, mas pra saber a opinião dele sobre o caso.

Creio que foi o momento mais difícil que atravessou na competição. Mas ele soube controlar os nervos, e teve muita sabedoria nas respostas, mesmo em perguntas difíceis.

3 - Mantenha a Humildade, sempre

Eu NUNCA vi Bernardinho se negar a tirar uma foto, com quem quer que seja.

Ás vezes, até durante o intervalo pras meninas beberem água, no treino, ele atendia fãs.

Certa vez, no quartel da Urca, vários Sargentos vindos de todo Brasil foram fazer um curso lá na Escola de Educação Física do Exército.

Ele ficou cerca 15 minutos só tirando foto com os rapazes - Mais de 50 deles.

Hoje, vejo jogadores de futebol saindo rápido sem falar até mesmo com crianças, nos treinos, e por onde passam...

Vários deles se utilizam do celular, fingindo que estão falando, para não dar entrevistas, inclusive, com os repórteres que estão ali fazendo seu trabalho...

Bernardinho nunca deixou de atender a imprensa, mesmo após os treinos, quando eles iam fazer a cobertura.

Vi vários takes na Urca, ou mesmo no Maracanãzinho, onde já não havia ninguém da equipe por lá, todos tinham ido embora, no Sportv. Atendia a todos.

Vi ele dando atenção aos idosos que apareciam para ver o treino, bem como crianças e adolescentes.

No último treino do Maracanãzinho,no sábado antes da final,apresentou a equipe, após o treino, um jovem rapaz que acabara de passar no vestibular de Educação Física.

O rapaz não tinha os dois braços...fez a prova com os pés.

Enquanto isso, tem alguns técnicos babacas lá mesmo na Superliga, que se acham estrelas (e isso se reflete em suas jogadoras, que jogam de salto alto), que não cumprimentavam ninguém, fosse da imprensa, funcionários do ginásio,ou de nosso time - Vi isso quando tive o desprazer de passar ao lado de alguns deles.

4- Líder também pega na massa

Nunca vou me esquecer, já classificados para a final, o dia em que Osasco e SESI, num sábado, disputavam o segundo jogo, pra ver quem ia fazer a final com a gente.

Antes do treino daquele dia, descobrimos que a quadra estava...escorregadia.

Não sei se pela maresia da Urca ficou assim , enfim, começamos a passar rodo com pano molhado, mas não haviam rodos suficiente...começamos a pegar toalhas, uma turma com elas molhadas, outra turma secando...

É quando vejo Bernardinho indo de um lado ao outro da quadra, com os pés em cima da toalha molhada:

" Ely, seca aqui por favor"... Nem pensei duas vezes.

Ele não precisava fazer isso- Havia um staff todo já em ação.

Ali, tive a certeza de que venceríamos o campeonato.

Uma cena marcante, foi quando entrou uma borboleta azul (a cor do time), no ginásio.

Eu não me lembro de ter visto uma borboleta azul antes...

Ele falou que era " a nossa borboleta"...a mesma 'sobrevoou' o treino.

Bernardinho é dono de restaurante, de curso de inglês, e sócio de uma grande rede de academias no Brasil...

Mas não hesitou em secar a quadra com uma tolha aos pés.

E várias vezes, ia pra casa após o treino da tarde, que ia até ás sete da noite, de bicicleta comum, com capacete na cabeça:

" Boa noite, Ely", cansei de receber, quando ia andando para sair do quartel.


Lee